Em Defesa do Design Inteligente

Início » Posts etiquetados como 'Darwin'

Arquivo da tag: Darwin

Como o corpo lida com a gravidade?

By Evolution News – Howard Glicksman

[Obs: Esse texto é uma adaptação feita a partir do original – As imagens são do original com os devidos créditos]

 

piers_sellers_spacewalk

Nossos músculos, sob o controle de nossos nervos, nos permitem respirar, engolir, movimentar-se e lidar com as coisas. Os nervos periféricos enviam informações sensoriais sobre o que está acontecendo dentro e fora do corpo para a medula espinhal e o cérebro e a partir deles enviam de volta instruções motoras para os músculos, para lhes dizerem o que fazer. Em um artigo anterior desta série, descrevi alguns dos sensores que, como transdutores, convertem fenômenos em informações que o corpo pode usar. A pressão é detectada por sensores na pele; o movimento do corpo, especialmente da cabeça, é detectado pelo aparelho vestibular dentro do ouvido interno; e os próprios receptores fornecem informações sobre o estado dos músculos, tendões e articulações.

the-designed-body4Meu último artigo descreveu alguns dos reflexos (respostas motoras involuntárias, automáticas, pré-programadas, sem direção consciente do cérebro) que o corpo usa para evitar ferimentos graves e manter a sua posição. Agora vamos olhar para a forma como o corpo lida com a lei da gravidade e o que é preciso para manter o seu equilíbrio. Lembre-se de que quando os biólogos evolucionistas nos dizem sobre a vida e o mecanismo pelo qual ela deve ter surgido, eles lidam apenas com sua aparência e não como ela deve realmente trabalhar dentro das leis da natureza. Pergunte a si mesmo qual é a explicação mais plausível para como a vida surgiu: acaso e as leis da natureza por si só, ou design inteligente?

O centro de gravidade de um objeto é um ponto teórico sobre o qual o seu peso é distribuído uniformemente. Para um objeto que tem uma densidade uniforme com uma forma regular e simétrica, tal como um pedaço quadrado de madeira maciça, o centro de gravidade está no seu centro geométrico. Coloque um bloco quadrado de madeira sobre uma mesa e empurre-o mais e mais para fora da borda. Ele vai cair no chão quando seu centro de gravidade não estiver mais sobre a mesa.

O corpo humano é feito de músculos, órgãos, gordura e osso, cada um com uma densidade diferente. Embora o contorno físico do corpo seja simétrico de um lado para o outro, a sua forma é muito irregular. O centro de gravidade para a maioria das pessoas, enquanto em pé ou deitada, com os braços ao lado do corpo está na linha média, perto de seu umbigo. Para se manter em pé, o centro de gravidade do corpo deve permanecer entre os seus dois pés, tanto de um lado para o outro e de trás para frente, caso contrário, ele cai. O movimento dos braços ou pernas se distanciando a partir do corpo ou no dobrar da coluna em qualquer direção muda o centro de gravidade do corpo. Transportar um objeto, especialmente, a uma distância a partir do corpo, também irá alterar o seu centro de gravidade. Para os nossos primeiros ancestrais sobreviverem dentro das leis da natureza, eles não só tinham que ficar equilibrados em pé, mas também a pé, somente com um pé, e correndo; com nenhum dos pés em contato com o solo. Em outras palavras, o corpo humano é um objeto inerentemente instável, que precisa de controle para o equilíbrio.

O sistema neuromuscular mantém o corpo em posição, equilibrando-se em relação à gravidade. Embora a medula espinhal forneça reflexos que ajudam a manter a sua postura, é em grande parte no cérebro (particularmente o tronco cerebral e cerebelo) que se fornecem os padrões motores coordenados, necessários para manter o equilíbrio. Para fazer ajustamentos em continuo, o cérebro recebe dados sensoriais de basicamente quatro fontes diferentes: os receptores de pressão no pé, os proprioceptores (particularmente do pescoço e o restante da coluna vertebral), o aparelho vestibular dentro do ouvido interno, e visão.

Os sensores de pressão dos pés informam o cérebro sobre a distribuição do peso do corpo em relação ao seu centro de gravidade. Levante-se e incline-se de lado a lado, para frente e para trás. Observe a diferença nas sensações de pressão sentidas em cada pé com esses movimentos, a sensação de desequilíbrio, e os ajustes imediatos que devem ser feitos para ficar de pé.

Os proprioceptores do pescoço e o restante da coluna vertebral fornecem ao cérebro informações sobre a posição relativa da cabeça e o resto do corpo. Dobre o pescoço para frente e para trás e, em seguida, dobre a partir de sua cintura em qualquer direção. Onde quer que seu pescoço e coluna vertebral irem, assim vai a sua cabeça e o resto do seu corpo. Observe a sensação de desequilíbrio, como o seu centro de gravidade se move, estando longe dos seus pés e como você rapidamente tem que se ajustar para evitar a queda.

O aparelho vestibular contribui na informação sensorial sobre a velocidade e direção da cabeça e pescoço, movimento linear e angular e o movimento vertical do corpo. Além disso, ele ajuda a estabilizar a imagem da retina. Olhe em um espelho, com foco em seus olhos, e mova a cabeça lentamente para cima e para baixo, de lado a lado. Observe que os olhos se movem automaticamente na direção oposta, permitindo que eles permaneçam em foco. Você está vendo os efeitos do reflexo vestíbulo-ocular.

Agora, continue a focar os olhos e mover a cabeça para cima e para baixo, de lado a lado o mais rápido que você puder. Você não pode controlar conscientemente seus olhos rápido o suficiente para compensar estes movimentos. Isso ocorre automaticamente por causa de sua decisão de se concentrar em seus olhos (ou qualquer outro objeto), enquanto sua cabeça e seu corpo estão em movimento. Observe também como você se sentiu um pouco tonto e sem equilíbrio. Isto é causado pelos fortes impulsos nervosos alternados, sendo enviados a partir do aparelho vestibular em cada lado da cabeça para o cérebro, devido à velocidade dos movimentos da cabeça.

Os olhos fornecem ao cérebro uma imagem do ambiente no qual o corpo está localizado. A experiência clínica ensina que com a concentração, treinamento e movimento lento, a visão muitas vezes pode ajudar a manter o equilíbrio do corpo, sem informações dos sensores de pressão, dos proprioceptores, e do aparelho vestibular. Feche os olhos e comece a andar, aumentando progressivamente a sua velocidade. Observe como é difícil manter o seu equilíbrio. Fechar os olhos faz  de você totalmente dependente dos sensores de pressão nos pés, proprioceptores da coluna vertebral e membros, aparelho vestibular, o deixando um pouco fora de equilíbrio. Agora faça este exercício novamente, mas desta vez com os olhos abertos. É evidente que pistas visuais contribuem muito para sua capacidade de manter equilíbrio.

Uma das primeiras indicações de que uma pessoa pode ter um problema com o seu equilíbrio é quando ela inadvertidamente cai no chuveiro. Ao tomar uma ducha, a maioria das pessoas fecham os olhos por causa do uso shampoo no cabelo e, em seguida, voltam rapidamente sua cabeça e pescoço, e muitas vezes todo o seu corpo, para removê-lo. Movendo-se desta forma com os olhos fechados, significa que seu cérebro já não pode usar pistas visuais para manter o equilíbrio. Se uma pessoa tem condição como uma neuropatia sensorial (comum em diabéticos), que limita a recepção dos dados sensoriais dos pés, ou a esclerose múltipla, que retarda a velocidade do impulso nervoso no tronco cerebral, ou degeneração do cerebelo, fazendo com que as coordenações sejam pobres, então eles irão perceber o quão importante é a visão. Sem ela, torna-se difícil ou impossível para eles manterem o equilíbrio.

Toda a experiência clínica ensina que para nossos ancestrais mais antigos (e os organismos intermediários teóricos que conduziram a eles) manterem o seu equilíbrio, teriam necessidade de ter um sistema irredutivelmente complexo, com uma capacidade natural de sobrevivência similar ao nosso. Isso teria que incluir diferentes sensores localizados em lugares estratégicos para fornecer informações sobre a posição do corpo no espaço e no relacionamento com gravidade, um sistema nervoso central para receber e analisar, e a capacidade de acessar reflexos motores automáticos e enviar mensagens motoras voluntárias, rápido o suficiente para prevenir uma queda. Pelo que a força da gravidade não espera por ninguém e é um nivelador de igualdade de oportunidades, de sorte após sorte.

Só porque organismos semelhantes têm mecanismos semelhantes para manter o seu equilíbrio; isso, por si só, não explica de onde esses mecanismos e a sua capacidade de reagir adequadamente e rapidamente, veio, em primeiro lugar. Biologia evolutiva, como eu disse, é muito boa em descrever como a vida parece, mas não tem capacidade para explicar como ela deve trabalhar dentro das leis da natureza para sobreviver. Em meu próximo artigo veremos como somos capazes de realizar movimentos intencionais e realizar atividades dirigidas a objetivos. Como tudo o mais nesta série tem mostrado, não é tão simples como biólogos evolucionistas nos querem fazer crer.

Anúncios

Estudo sugere que os seres humanos podem detectar até mesmo as menores unidades de luz.

By Phys Org 

[Do blog: Texto adaptado – Fontes em Inglês – Imagem do Phys Org ]

 

Uma pesquisa de Patologia Molecular na Áustria mostrou que os seres humanos podem detectar a presença de um único fóton, a menor unidade mensurável de luz. Estudos anteriores haviam estabelecido que indivíduos humanos aclimatados à escuridão, eram capazes de relatar apenas flashes de cinco a sete fótons.

 

light

 

Credit:Petr Kratochvil/public domain 

 

O trabalho foi conduzido por Alipasha Vaziri, professor associado e chefe do Laboratório de Neurotecnologia e Biofísica na Rockefeller e investigador adjunto do Instituto de Pesquisa de Patologia Molecular. Isso foi publicado esta semana na Nature Communications.

º Notável precisão

Se você imaginar isso, é notável: um fóton, a menor entidade física com propriedades quânticas dos quais a luz consiste, está interagindo com um sistema biológico que consiste em bilhões de células, tudo em um ambiente quente e úmido“, diz Vaziri. “A resposta que o fóton gera sobrevive por todo o caminho até o nível de nossa consciência, apesar do (onipresente) ruído de fundo. Qualquer detector feito pelo homem teria de ser arrefecido e isolado do ruído para se comportar da mesma maneira.

Além de gravar a habilidade do olho humano em registrar um único fóton, os pesquisadores descobriram que a probabilidade de fazê-lo foi reforçada quando um segundo fóton havia brilhado alguns segundos antes, como se um fóton “preparasse” o sistema para registrar o próximo.

° Uma fonte de luz quântica

Experimentos designados anteriormente para testarem a sensibilidade do olho humano, sofreram com a falta de tecnologia apropriada, diz Vaziri. “Não é trivial projetar estados de luz que contenham um ou qualquer outro número exato de fótons“, diz ele. “Isso ocorre porque o número de fótons em uma fonte de luz clássica, seja a partir de uma lâmpada ou um laser, segue determinadas distribuições estatísticas. Embora você possa atenuar a luz para reduzir o número de fótons, você normalmente não pode determinar um número exato.

A equipe de Vaziri construiu uma instalação de luz, frequentemente utilizada em óptica quântica e estudos de informação quântica, chamado “spontaneous parametric down-conversions” ou SPDC, que usa um processo em que um fóton de alta energia decai em um cristal não linear. O processo gera exatamente dois fótons com cores complementares. Na montagem experimental, um dos fótons foi enviado para o olho do sujeito, enquanto o outro foi enviada para um detector, permitindo aos cientistas manterem um registo de quando cada fóton foi transmitido para o olho.

º Primeira evidência

Para chegar a suas conclusões, Vaziri e seus colaboradores combinaram a fonte de luz com um protocolo psicofísico inédito, chamado de “duas alternativas de escolha forçada” (2AFC), na qual os sujeitos são repetidamente solicitados para escolherem entre dois intervalos de tempo, onde um dos quais contém um único fóton, enquanto o outro é um espaço em branco.

Os dados recolhidos a partir de mais de 30.000 testes, demonstraram que os seres humanos podem, de fato, detectar um único incidente de fóton em seu olho, com uma probabilidade significativamente acima do acaso.

A próxima coisa que queremos saber é: como é que um sistema biológico atinge essa sensibilidade? Como se consegue isso na presença de ruído? Esse é o único mecanismo para a visão, ou ele poderia nos dizer algo mais geral sobre a forma como os outros sistemas poderiam ter evoluído para detectar sinais fracos na presença de ruído?” indaga Vaziri.

A competição é maior entre os vizinhos. As primeiras previsões da evolução.

By Darwins Predictions – Cornelius Hunter.

A teoria básica da evolução de Darwin, por si só, não conta para o padrão hierárquico de árvore entre as espécies que foi pensado se formar entre elas. Darwin estava bem ciente desta lacuna e lutou com ela durante anos. Ele finalmente concebeu uma solução para isso: uma prole modificada iria continuar a evoluir e divergir longe de seus pais. O princípio da divergência, a última principal adição teórica, antes de Darwin publicar seu livro, considerou que a concorrência tende a ser mais forte entre os organismos mais intimamente relacionados. Isto iria causar uma separação e divergência, resultando no padrão tradicional de uma árvore evolutiva. (Desmond e Moore 1991, 419-420; Ridley, 378-379)

 

thumbnailgenerator

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mas tal tendência não tem sido observada. Em um importante estudo sobre a concorrência entre as espécies de algas verdes de água doce, foi descoberto que no nível de concorrência entre os pares de espécies não há correlação com a distância evolutiva entre elas. Como os pesquisadores explicaram, Darwin “argumentou que espécies estreitamente relacionadas devem competir mais fortemente e serem menos propensas a coexistirem. Durante grande parte do século passado, a hipótese de Darwin foi tomada pelo seu valor nominal […] Nossos resultados adicionam um corpo crescente de literatura que não consegue suportar a hipótese original de Darwin “competição-parentesco”.“(Venail, et. Al., 2, 9 )

 

main-qimg-8bf98721ecf1f9d452acb3505ec1c47c

A equipe passou meses tentando resolver o problema, mas sem sucesso. Como explicou um dos pesquisadores:

Isso foi completamente inesperado. Quando vimos os resultados, dissemos: “isso não pode ser.” Nós nos sentamos lá, batendo a cabeça contra a parede. A hipótese de Darwin tem estado conosco por tanto tempo, como pode não estar certa? … Quando começamos a chegar com números que mostravam que ele [Darwin] não estava certo, ficamos completamente perplexos… Devemos ser capazes de olhar para a árvore da vida, e a evolução deve deixar claro quem vai ganhar na competição e quem vai perder. Mas os traços que regulam a concorrência não podem ser previstos a partir de uma Árvore da Vida. (Cimons)

Por que esta predição de longa data não foi confirmada ainda permanece desconhecido. Aparentemente, há mais fatores complicadores que influenciam a concorrência, além de parentesco evolutivo.

 

Texto adaptado

 

 

Referencias

 

Cimons, Marlene. 2014. “Old Idea About Ecology Questioned by New Findings.” National Science Foundation.

Desmond, Adrian, James Moore. 1991. Darwin: The Life of a Tormented Evolutionist. New York: W. W. Norton.

Ridley, Mark. 1993. Evolution. Boston: Blackwell Scientific.
Venail , P.A., A. Narwani , K. Fritschie, M. A. Alexandrou, T. H. Oakley, B. J. Cardinale. 2014. “The influence of phylogenetic relatedness on competition and facilitation among freshwater algae in a mesocosm experiment.” Journal of Ecology, DOI: 10.1111/1365-2745.12271.

Darwinismo e neodarwinismo: como ambas as sínteses têm sido refutadas pelo avanço da ciência.

By Teoria do Design Inteligente

Apesar de não ser amplamente divulgado ao público, a verdade é que a síntese moderna evolutiva (ou também, teoria sintética da evolução (TSE)), informalmente conhecida como neodarwinismo, está com seus dias contados. Tornou-se difícil ignorar/omitir o quanto as evidências reveladas nas últimas décadas contradizem-na, sendo esta a principal razão pela qual uma ala crescente entre os darwinistas esteja propondo sua “ampliação”, como divulgado anteriormente, ou, no caso de Denis Noble (renomado fisiologista), seu completo descarte e substituição imediata.

Essa síntese surgiu na primeira metade do séc. XX, após um esforço conjunto por parte de Fisher, Haldane, Wright, Dobzhansky, Mayr, Simpson, J. Huxley, Stebbins, entre outros, visando unificar a evolução com as leis da hereditariedade apresentadas primeiramente por Gregor Mendel, que em sua época não recebeu atenção por parte do meio acadêmico, fazendo seus estudos caírem no esquecimento até serem redescobertos no início do século passado pelos botânicos C.E. Correns, E. Tschermak e H.M. de Vries (Randy Moore 2001).

Tais leis se mostraram incompatíveis com o que Darwin postulou. Ele não fazia ideia de que os caracteres eram regidos e transmitidos pelo material genético; acabou cogitando a ideia de que cada organismo seria como um “pequeno Universo”, onde suas partes se reproduziriam de maneira independente (Kenneth M. Weiss and Anne VB. 2014) e as variações ocorridas dentro do seu corpo seriam transmitidas aos gametas (células reprodutivas, como óvulos e espermatozoides) através das hipotéticas “gêmulas” (Darwin 1868, cap. 27; Brian and Deborah C. 2009). Consequentemente, tais modificações seriam herdadas pelos filhos, levando à descendência com modificação, que então passariam pela ação da seleção natural, responsável por eliminar indivíduos com caracteres prejudiciais e manter aqueles com variações que promovessem sua sobrevivência e capacidade de reproduzir.

As leis mendelianas causaram um verdadeiro frisson no meio acadêmico, trazendo fortes questionamentos sobre a legitimidade da teoria darwiniana e seu mecanismo de hereditariedade baseado em “blending inheritance”, isto é, a mesclagem/mistura dos materiais (genéticos) do pai e da mãe herdados pelos filhos (Alan R. Rogers 2015). Por conta disso, Darwin via o conceito de espécies como uma mera demarcação arbitrária imaginária e que os seres vivos estariam todos sob um processo contínuo de diversificação e gradual modificação (M. Pigliucci and G. Muller 2010).

A primeira metade do século foi palco de uma disputa acirrada entre os chamados mutacionistas (encabeçados por H. de Vries, rejeitavam a seleção natural e estipulavam que a evolução ocorreria através de mutações nos genes que confeririam grandes modificações, levando à especialização) e os biometristas, liderados por Karl Pearson (defendiam a seleção natural como causa principal da evolução, agindo por meio do acúmulo de variações individuais ínfimas que não seriam sujeitas às leis da hereditariedade (Ayala and Walter 1997)).

Tal embate só cessou após a divulgação contínua de diversos trabalhos teoréticos de geneticistas como Fisher e principalmente Theodosius Dobzhansky, que veio a publicar o livro “Genetics and the Origin of Species” (Genética e a origem das espécies) em 1937, fator crucial para a ampla aceitação da síntese moderna por parte dos biólogos. Em sua obra, o soviético defendia que mutações eram a fonte da variação hereditária, discutiu o papel da reorganização dos cromossomos, da poliploidia (mutação onde ocorre a cópia de um ou mais cromossomos em um mesmo núcleo. Ocorre com frequência em vegetais mas não em animais, por ser muito nociva aos últimos (J. Frazer 2013; B. Wertheim et al. 2013)), a variação em populações naturais, seu isolamento geográfico, enfim.

Sem surpresa alguma, como Michael Rose e Todd Oakley deixam claro em seu artigo (2007), o sucesso e a aceitação de ambas às sínteses pelo mundo acadêmico se deram por conta da ignorância da época! Como já dito acima, Darwin nada sabia sobre as leis mendelianas, genes, enfim; já sobre a TSE, seus proponentes visualizavam o genoma como uma biblioteca simples ordenada contendo informação hereditária (genes) moldada pela seleção natural (Michael and Todd 2007).

Antes dos anos 50, áreas como a biologia molecular, a bioquímica e a genética ainda engatinhavam, o DNA não tinha sido descoberto ainda, tudo isso contribuiu para a concepção de conceitos tão rudimentares e simplórios acerca dos genomas por parte dos darwinistas. Pior ainda, essa linha de pensamento influenciou fatidicamente o meio acadêmico, causando diversos equívocos, como notado por exemplo, no chamado dogma central da biologia molecular, eternizado por Francis Crick na década de 50 (Crick FH. 1958), onde ele estabeleceu o esquema “gene → RNA mensageiro → proteína ( = traço) ” (Sui Huang 2011). Ou seja, cada gene continha o material genético suficiente para produzir uma proteína, que por sua vez, seria sozinha responsável por um determinado traço (fenótipo) de um ser vivo, tudo de maneira linear e sem a intervenção de qualquer outro tipo de elemento regulatório.

Talvez por isso, até pouco tempo atrás, achava-se que humanos deveriam possuir entre 50 e 100 mil genes (ex.: Cooper GM. 2000). Nada comparado à estimativa feita por F. Vogel, em 1964, que deduziu a existência de 6.7 milhões de genes (Vogel F. 1964). Se cada característica humana fosse regida por uma ou poucas proteínas, como pensavam, seria então compreensível esperar que tivéssemos um número extenso delas, o que explicaria nossa complexidade em relação a organismos mais simples, como nematoides e amebas… Mas, para o espanto dos darwinistas (vide Bin Xue and Lin He 2014), hoje é fato que o nosso genoma não possui mais do que 22-23 mil genes (Mihaela P. and Steven L S. 2010)!

Outro conceito equivocado promovido pela TSE foi o famoso e polêmico “DNA lixo” (Junk DNA em inglês). Esse termo foi usado oficialmente pela 1ª vez em 1972, por Susumu Ohno, em um artigo entitulado: “Um monte de DNA “lixo” em nosso genoma” (“So much “junk” DNA in our genome”), defendendo, como esperado, que a maioria do DNA seria inútil justamente por não codificar proteínas. Essa gafe não é nem a pior parte da história, o pior é observar à inaceitável relutância dos darwinistas atuais em abrir mão desse conceito defasado, como notado na disputa entre eles e os líderes do ambicioso projeto ENCODE.

A era genômica

A partir da segunda metade do século anterior, o mundo científico testemunhou o gradual colapso do modelo neodarwinista. Conforme as pesquisas avançavam e novos métodos eram implementados, a simplória “biblioteca” do genoma ia revelando-se cada vez mais complexa e antagônica ao que foi proposto pelo “dogma” molecular. Na década de 50, Watson e Crick desvendaram a estrutura da dupla hélice do DNA (Watson JD, Crick FH 1953), um dos fatos cruciais para a era genômica.

É interessante notar que Crick, perplexo diante da elegante complexidade e arquitetura do DNA, acabou desprezando a origem dessa molécula por meio da evolução darwiniana, em vez disso, defendendo a hipótese da panspermia dirigida/guiada, junto com ninguém menos do que Leslie Orgel. Seu artigo relata:

Como alternativa a estes mecanismos do século XIX [teoria de Darwin], levamos em consideração a Panspermia Dirigida, teoria que [atesta que] organismos foram deliberadamente transmitidos à Terra por seres inteligentes de outro planeta” (F.H. Crick and L. Orgel 1973)

Nem preciso dizer que tal proposição foi ridicularizada e caiu no esquecimento, já que qualquer ideia que envolva design inteligente da vida é algo inaceitável para o meio acadêmico (mesmo apesar de vários ícones do meio apoiarem essa noção, a exemplo de Fred Hoyle, astrônomo inglês agnóstico, que teve o prêmio Nobel de Física negado justamente por defender que um “superintelecto” ajustou as leis físicas, químicas e biológicas (Hoyle 1982).)

A descoberta e o impacto dos elementos transponíveis

Ainda na década de 50, Barbara McClintock publicou seus estudos com milho onde encontrou elementos genéticos móveis (“genes saltitantes”) (McClintock B. 1950). Isso deu início à descoberta de uma nossa e abundante classe: os elementos transponíveis (transpósons), encontrados em todos os domínios da vida. Interessante notar que tais elementos só passaram a ser amplamente aceitos pela comunidade duas décadas após sua publicação, e Barbara só veio a ganhar seu Nobel em 1983 (W. F. Doolittle et al 2013)… Porque será…

Hoje sabe-se que transpósons compõem cerca de 45% do genoma humano (e pode compor até 90% do genoma de certas plantas), cujas variedades incluem: transpósons DNA e retrotranspósons, sendo que os últimos são divididos em LTRs (long terminal repeat), chamados de retrovírus endógenos em humanos (HERVs) e não-LTRs (que incluem elementos LINE-1, Alu e SVA) (S. Ayarpadikannan and Heui-Soo K. 2014).

Esses elementos possuem papel importante na regulação genética e epigenética dos organismos, programação em células germinativas e células-tronco, resposta contra estresses ambientais, além de contribuir com a diversidade eucariótica e complexidade de inúmeros órgãos, incluindo o cérebro humano (Erwin, Jennifer A. et al 2014; S. Ayarpadikannan and Heui-Soo K. 2014; P. Kumar Singh et al 2014; Makarevitch I et al 2015). Cientistas ainda estão começando a desvendar a relação entre o desregulamento dos elementos transponíveis e o câncer (Bin Xue and Lin He 2014), e sabe-se que esses elementos podem, raramente, causar mutações (nada mais do que 0.3% do total) (S. Ayarpadikannan and Heui-Soo K. 2014).

Finalmente, é sabido que esses elementos são superabundantes em procariontes (seres unicelulares), assim como a troca constante de genes entre as cepas através da transferência horizontal de genes, responsável pela proliferação da resistência contra antibióticos, pela adaptação, enfim. Porém, mais do que isso, essas transferências são responsáveis pelo verdadeiro mosaico genético indistinguível entre as bactérias, fato que derruba o conceito de “árvore da vida” vislumbrado por Darwin (fixado à ideia de que todos os seres vivos se originaram de um mesmo ancestral, se ramificando posteriormente em vários “galhos”, que seriam as diversas classes taxonômicas da vida.) como demonstrado por análises filogenéticas, levando certos darwinistas a conceberem, em vez disso, uma “rede” ou “floresta” da vida (E.V. Koonin et al 2012).

Bem, encerramos a 1ª parte por aqui; na parte 2 daremos continuidade à era genômica, discutiremos sobre a revolução pós-genômica causada pelo projeto ENCODE e pela multidão de dados obtidos através dos recentes métodos de larga escala (high-throughput) e como isso tudo tem abalado as fundações da TSE e demonstrado a extraordinária complexidade da vida.

Por Wallace Barbosa

Revisão: Marcos Ariel e Eskelsen

Referências

Alan R. Rogers (2015) Rate of Adaptive Evolution under Blending Inheritance. ArXiv: 1504.00374v1 [q-bio.PE] 1 Apr 2015

Ayala F. J. and Walter M. Fitch (1997) Genetics and the origin of species: An introduction.

Bin Xue and Lin He (2014) An expanding universe of the non-coding genome in cancer biology. Carcinogenesis (2014) 35 (6): 1209-1216. doi: 10.1093/carcin/bgu099

Brian and Deborah Charlesworth (2009) Darwin and Genetics. Genetics 183, 757–766.

B.Wertheim, L.W. Beukeboom, L. van de Zande. (2013). Cytogenet Genome Res 2013;140:256–269 DOI: 10.1159/0003519

Cooper GM.Sunderland (2000) The Cell: A Molecular Approach. 2nd edition. (MA): Sinauer Associates.

Crick FH. (1958) On protein synthesis.Symp Soc Exp Biol 12: 138–63.

Crick FH., Orgel. L. (1973). Directed Panspermia. Icarus Volume 19, Issue 3, July 1973, Pages 341-346 Elsevier

Darwin, C. R., (1868) Variation of Animals and Plants Under Domestication. John Murray, London.

Erwin, Jennifer A., Maria C. Marchetto, Fred H. Gage (2014) Mobile DNA elements in the generation of diversity and complexity in the brain. Nature Reviews Neuroscience 15, 497–506 (2014) doi:10.1038/nrn3730

E.V. Koonin, Y.I. Wolf, and P. Puigbò (2012) The Phylogenetic Forest and the Quest for the Elusive Tree of Life. Cold Spring Harb Symp Quant Biol. 2009; 74: 205–213. Published online 2009 Aug 17. doi: 10.1101/sqb.2009.74.006

Kenneth M. Weiss and Anne V. Buchanan (2014) Is Life Law-Like? Genetics August 1, 2011 vol. 188 no. 4 761-771 doi: 10.1534/genetics.111.131318
J. Frazer (2013) For Plants, Polyploidy Is Not a Four-Letter Word. Blog Scientific American. May 19, 2013
Hoyle, F. (1982) The Universe: Past and Present Reflections. Annual Review of Astronomy and Astrophysics: 20:16.
Makarevitch I, Waters AJ, West PT, Stitzer M, Hirsch CN, Ross-Ibarra J, et al. (2015) Transposable Elements Contribute to Activation of Maize Genes in Response to Abiotic Stress. PLoS Genet 11(1): e1004915. doi:10.1371/journal.pgen.1004915

McClintock B. (1950) The origin and behavior of mutable loci in maize. Proc Natl Acad Sci USA 1950, 36:344-355.
M. Pigliucci and G. Muller (2010) Evolution—the Extended Synthesis. The MIT Press, London, England.

Michael R Rose and Todd H Oakley (2007) The new biology: beyond the Modern Synthesis. Biology Direct 2007, 2:30 doi:10.1186/1745-6150-2-30

Mihaela Pertea and Steven L Salzberg (2010) Between a chicken and a grape: estimating the number of human genes. Genome Biol. 2010; 11(5): 206. doi: 10.1186/gb-2010-11-5-206
P. Kumar Singh, G. Bourque, Nancy L Craig, Josh T Dubnau, Cédric Feschotte, Diane A Flasch, Kevin L Gunderson, Harmit Singh Malik, John V Moran, Joseph E Peters, R Keith Slotkin and Henry L Levin (2014) Mobile DNA 2014, 5:26 doi:10.1186/1759-8753-5-26

Randy Moore (2001) The “Rediscovery” of Mendel’s Work. Bioscene, Volume 27(2) May 2001.

S. Ayarpadikannan and Heui-Soo Kim (2014) The Impact of Transposable Elements in Genome Evolution and Genetic Instability and Their Implications in Various Diseases. Genomics Inform. 2014 Sep; 12(3): 98–104. Published online 2014 Sep 30. doi: 10.5808/GI.2014.12.3.98

Sui Huang (2011) The molecular and mathematical basis of Waddington’s epigenetic landscape: A framework for post-Darwinian biology? Bioessays DOI: 10.1002/bies.201100031

Vogel F. (1964) A preliminary estimate of the number of human genes. Nature. 1964 Feb 22; 201():847.

Watson JD, Crick FH (1953) Molecular structure of nucleic acids; a structure for deoxyribose nucleic acid. Nature 1953, 171:737-738.

W. F. Doolittle, Peter Fraser, Mark B Gerstein, Brenton R Graveley, Steven Henikoff, Curtis Huttenhower, Alicia Oshlack, Chris P Ponting, John L Rinn, Michael C Schatz, Jernej Ule, Detlef Weige and George M Weinstock (2013) Sixty years of genome biology. Genome Biology 2013, 14:113 doi:10.1186/gb-2013-14-4-113

A HISTÓRIA DO DESIGN INTELIGENTE: da formação oficial à publicação revisada por pares.

Por Everton F. Alves (e-Book)

Acredita-se, ainda hoje, que Charles Darwin rejeitava qualquer alegação de design inteligente na natureza. No entanto, há evidências de que Darwin aceitou alguns aspectos desse ponto de vista [1]. Sua conceituação do design foi fundada em ambas as ideias cosmológicas e teleológicas da teologia natural clássica. Somente, quando Darwin descobriu o processo dinâmico de seleção natural, ele rejeitou o velho argumento teleológico. No entanto, ele nunca foi capaz de ignorar a forte experiência da beleza e complexidade de um universo de design inteligente, como um todo.

O termo “design inteligente” (DI) foi provavelmente introduzido por William Whewell, um professor do Trinity College, Cambridge (1794-1866) [1]. Em 1897, Ferdinand Schiller, erudito da Universidade de Oxford, nos Estados Unidos, utilizou o termo design inteligente como alternativa ao processo evolutivo cego em um ensaio intitulado “Darwinism and the Design Argument” [2]. Nele, Schiller disse: “não será possível excluir a suposição de que o processo da Evolução possa ser guiado por um design inteligente” [p.141].

Em 1993, um grupo de cientistas e filósofos norte-americanos se reuniu em uma conferência na cidade de Pajaro Dunes, Califórnia, a fim de questionar a teoria da evolução [3]. O grupo inicial de dissidentes foi composto por pesquisadores de diversas áreas, tais como Philip E. Jonhson (organizador da conferência), Dean Kenyon, Paul Nelson, Stephen C. Meyer, William Dembski, Jonathan Wells, Jed Macosko, Scott Minich, Siegfried Scherer, Kurt Wise, David Raup, Charles Thaxton, Walter Bradley e Michael Behe. Foi então que o design inteligente, tal como o conhecemos hoje, foi oficialmente estabelecido como teoria científica, embora os pressupostos do design não sejam novos.

De lá para cá, diversos estudos têm evidenciado a controvérsia do naturalismo e sua dificuldade em explicar a origem da vida. Ao mesmo passo, houve um aumento significativo na produção científica, cujas evidências empíricas apoiam o design inteligente. A publicação de artigos revisados por pares baseada em design é relativamente nova, tendo seu início há pouco mais de trinta anos [4]. No entanto, o movimento literário do design efetivamente começou em 1991 por meio do best-seller “Darwin no banco dos réus”, do professor de direito Phillip E. Johnson [5], e popularizou-se em 1996, com a publicação de “A Caixa Preta de Darwin” do bioquímico Michael Behe [6].

Mas como nem tudo são flores, o design inteligente tem passado por grandes dificuldades para se inserir na comunidade científica. Isso porque a partir do momento em que um cientista desafia uma crença profundamente defendida, como no caso do naturalismo filosófico, ele enfrenta grande resistência em financiamentos de seus projetos de pesquisa e na publicação de seus resultados em anais de congressos ou em periódicos de alto fator de impacto.

Em 2004, por exemplo, a mídia reportou um caso polêmico relacionado à publicação de um artigo que apoiava o design inteligente em uma revista científica, bem como as perguntas subsequentes de se os procedimentos editoriais adequados foram seguidos e se ele [o artigo] foi devidamente revisado. Stephen C. Meyer, diretor do Centro do Instituto Discovery, nos Estados Unidos, publicou um artigo intitulado “The origin of biological information and the higher taxonomic categories” na Proceedings, revista de biologia do Museu Nacional de História Natural do Instituto Smithsoniano, em Washington [7].

Um mês depois, o conselho do periódico de Biologia emitiu uma nota onde criticou o artigo, dizendo que ele não atendia aos padrões científicos do processo, e enfatizou que a decisão de publicá-lo foi do ex-editor Richard Sternberg. Mas qual seria o motivo de tanta polêmica? Este artigo afirmou que a explosão cambriana não poderia ser explicada por processos naturais, isto é, nenhuma teoria materialista atual seria suficiente para explicar a origem da informação necessária para construir novas formas animais presentes na explosão cambriana. O artigo foi além, propôs o design inteligente como uma alternativa para a explicação da origem da informação biológica e para a taxonomia superior. O artigo que antes fora aceito, publicado e indexado em importantes bases de dados médicas, a partir de então foi retirada sua indexação.

Em 2010, outro manuscrito submetido a um periódico chamado Quarterly Review of Biology fez inicialmente menção aos princípios do design, logo, a submissão do manuscrito foi rejeitada. O autor do estudo, o bioquímico Michael Behe, foi orientado a retirar o termo “design inteligente” do manuscrito intitulado “Experimental Evolution, Loss-of-Function Mutations and ‘The First Rule of Adaptive Evolution’” [8]; uma vez acatada a sugestão do editor, o trabalho foi publicado.

Esses são apenas alguns exemplos diante de tantos outros a que estão submetidos os cientistas comprometidos com a verdade. Assim, os cientistas pró-design foram forçados a evitar o assunto em suas publicações científicas. Diante desses casos, surgiu a necessidade de uma revista própria de acesso aberto, revisada por pares, especialmente nas ciências biológicas, onde a oposição ao design inteligente é particularmente intensa [9].

Em 2010, foi lançada a revista BIO-Complexity, publicada pelo Instituto Biológico nos Estados Unidos. BIO-Complexity [http://bio-complexity.org/ojs/index.php/main/index] é uma revista científica com um objetivo único [9]. Destina-se a ser o principal fórum para testar o mérito científico da alegação de que o design inteligente é uma explicação credível para a vida. Embora muitas grandes ideias científicas em design tenham sido publicadas em livros, a ciência especializada se desenvolve, em grande parte, através do processo de publicação avaliada por pares.

Diante dessas informações surge uma dúvida crucial: qual será o futuro das pesquisas baseadas em design? Apesar de os pesquisadores do design ter sido injustamente excluídos da literatura científica por muitos anos, as nossas expectativas são positivas, em grande parte, também, devido à observação da atual abertura científica ao diálogo, debate e crítica. Esperamos que os editores de periódicos científicos tradicionais mantenham a mente aberta para uma análise justa e imparcial, tal como foi a de Richard Sternberg. Assim, os méritos científicos do design dependerão, exclusivamente, de seu conteúdo.

Quer saber mais? Acesse o eBook e venha conhecer a assinatura de um projeto intencional nas estruturas biológicas complexas presentes na natureza e nos seres vivos: https://www.widbook.com/ebook/teoria-do-design-inteligente

REFERÊNCIAS

[1] Thorvaldsen S, Øhrstrøm P. Darwin’s perplexing paradox: intelligent design in nature. Perspect Biol Med. 2013; 56(1):78-98.

[2] Darwinism and Design Argument. In: Schiller FCS (Ed.). Humanism: Philosophical Essays. Nova York: The Macmillan Co., 1903. Este ensaio foi primeiramente publicado no periódico Contemporary Review (Junho de 1897); 71:867-883.

[3] Eberlin MN. Fomos Planejados: a maior descoberta científica de todos os tempos. Campinas, SP: Widbook, 2014. https://www.widbook.com/ebook/fomos-planejados

[4] Pollard WG. Rumors of transcendence in physics. Am. J. Phys. 1984; 52(10):877-81.

[5] Johnson PE. Darwin on Trial. Washington, DC: Regnery Gateway, 1991.

[6] Behe M. Darwin’s Black Box: The Biochemical Challenge to Evolution. New York: The Free Press, 1996.

[7] Meyer SC. The origin of biological information and the higher taxonomic categories. Proceedings of The Biological Society of Washington 2004; 117(2):213-239.

[8] Behe MJ. Experimental evolution, loss-of-function mutations, and “the first rule of adaptive evolution”. Q Rev Biol. 2010; 85(4):419-45.

[9] Richards JW. BIO-Complexity: A New, Peer-Reviewed Science Journal, Open to the ID Debate. Evolution News and Views, 2010. Disponível em: http://www.evolutionnews.org/…/biocomplexity_a_new_peerrevi…

Richard Lenski: “É um fato incontroverso que os organismos tenham mudado, ou evoluído”

A mãe de todas as falsas dicotomias.

By Cornelius Hunter (Texto adaptado)

 

6a010535f2ca28970c0147e2069b40970b-800wi

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Praticamente desde Darwin as várias espécies de tentilhões nas Ilhas Galápagos, foram declaradas como exemplos decisivamente poderosos da teoria da evolução. Uma confirmação inegável da idéia epicurista antiga de que o mundo surgiu espontaneamente. Mas como exatamente,  algumas espécies de aves em um grupo de ilhas no meio do oceano, demonstram uma reivindicação tão corajosa?

A resposta envolve muito mais do que ciência. Estes bonitos pássaros pequenos  não nos dizem que as bactérias unicelulares de alguma forma surgiram a partir de uma coleção de produtos químicos sem vida. Eles não nos dizem que bactérias deram origem aos eucariotos complicados, e, em seguida, a organismos multicelulares, e depois peixes, anfíbios, répteis, aves e mamíferos. Os tentilhões de Galápagos nem sequer nos dizem como eles mesmos poderiam ter evoluído.

O que eles nos dizem é que os organismos da natureza podem mudar. Darwin inferiu isso, e estudos mais recentes descobriram algumas das especificidades. Com a mudança de padrões climáticos e suprimentos alimentares, os pássaros respondem em conformidade. Eles se adaptam – um recurso que é onipresente em biologia.

As várias espécies têm algumas capacidades de adaptações fantásticas, e não é nada como a história da evolução de mutações cegas que alcançam melhores modelos em raras ocasiões. Em vez disso, é uma  mudança rápida entre modelos pré-existentes, ativados por mecanismos pré-existentes e muito complicados.

Mas é mudança. E que, para Darwin e os evolucionistas posteriores, é tudo o que eles precisam. Você vê que Darwin e os evolucionistas em geral esperam uma doutrina do criacionismo onde o Criador constrói espécies as quais são imutáveis. No século XVIII, isso foi referido como a “fixação” ou “imutabilidade” ou “estabilidade” das espécies.

Portanto, se os tentilhões poderiam, de fato, mudar, então para os evolucionistas a fixidez das espécies e tudo do criacionismo junto com isto, deve ser falso. E se o criacionismo é falso, então a evolução deve ser verdadeira. Como Darwin escreveu em seu notebook, se houvesse a mínima base para essa idéia, ele “poria em causa a estabilidade das espécies.” Assim, o modelo foi lançado para os evolucionistas que viriam a diante.

O que é surpreendente é a forte dependência metafísica. Nada sobre a ciência nos diz aqui, ou mesmo sugere, que o mundo biológico surgiu espontaneamente como os evolucionistas insistem que sim. A fundação subjacente do pensamento evolutivo é religiosa. Como NT Wright recentemente brincou , “Oh meu Deus, ele [Darwin] descobriu alguns tentilhões muito interessantes, isso significa que não podemos mais acreditar em Gênesis.”

Um um estudo recente destaca esta lacuna entre a metafísica e a ciência. O estudo demonstra ainda mais as capacidades adaptativas de espécies como os tentilhões. Ele também demonstra ainda mais que a adaptação não é evolução. As aves são rápidas em se adaptar, mas elas estão simplesmente seguindo o ambiente e a oferta de alimentos. A principal característica é a sua flexibilidade e adaptabilidade.

Como um cientista coloca: “não houve qualquer evolução especializada a longo prazo.” Por muitos anos e até agora mesmo os evolucionistas têm reconhecido que a adaptação não adiciona em grande escala a mudança que a evolução requer. É necessário algum outro mecanismo.

Apesar disso, os tentilhões de Galápagos continuam a ser comemorado como um texto de prova da evolução. Eles são um exemplo de mudança e evolução é equiparada a mudança; qualquer tipo de mudança. Mesmo uma simples alteração de frequências de genes em uma população é, para os evolucionistas, nada menos do que a evolução completa explodida. Tal mudança se torna trivialmente a prova de que o mundo biológico surgiu espontaneamente. É a mãe de todas as falsas dicotomias.

Como o evolucionista Richard Lenski coloca: “É um fato incontroverso que os organismos tenham mudado, ou que evoluiram, durante a história da vida na Terra.” Sim, é um fato incontroverso que os organismos mudaram. Mas não é um fato incontestável de que eles evoluíram. O equacionamento da mudança com a evolução repousa sobre crenças religiosas profundamente enraizadas.

Como NT Wright poderia dizer: “Oh meu Deus, Lenski descobriu algumas bactérias muito interessantes, isso significa que não podemos acreditar mais em Gênesis.” A idéia de que mudar as freqüências de genes, ou uma mutação genética ocasional, provam que as espécies surgiram espontaneamente é verdadeiramente um dos maiores saltos de lógica que você nunca mais verá.

O texto original possui ligações que não postei aqui.

É o resultado da evolução previsível?

Bom, vou postar agora um artigo do PHYS ORG  (tradução livre que fiz).

Como sempre trago ao debate, não apenas se a evolução ocorre ou não, isto, me refiro, a evolução darwiniana. Dentro de uma lógica há duas hipóteses: Ou ela ocorre/ocorreu, ou ela não ocorre/ocorreu.

Bem, mas meu ponto não é exatamente se ela ocorre / ocorreu; meu ponto é: como ela ocorre / ocorreu ???

Raciocine, antes de tudo o evolucionista afirma que tudo o que existe é o cosmos; e dentro do cosmos ocorre a evolução dos seres vivos; que no fim das contas são produtos da “matéria”  e/ou energia.

Oras, tal natureza (matéria e energia) não possui propósito, intenção, planos, objetivos específicos, fins adequados. Sendo assim, a evolução materialista ocorre / ocorreu de forma despropositada, “cega”, sem direção… Afinal não passa de um evento “material” dentro do cosmos.

Sendo assim, eu lhe pergunto; como um processo redutivelmente materialista pode ser previsível? Como ele pode exibir um padrão, ordem, uma certa constante? Mesmos resultados?

Isso só é possível, quando ao estudarmos a realidade abandonemos a crença naturalista que é materialismo filosófico puro.

Se não fizermos isso, ficamos com a ideia falsa que a evolução lida com todos os fatos reais,  mesmo que a realidade não tenha nenhuma relação com o postulado naturalista que é intrínseco a filosofia materialista.

O artigo a seguir coloca, ao meu ver, a forma como a evolução ocorre / ocorreu  em sérias dúvidas. Embora o artigo não negue o fato da evolução. Assim, os evolucionistas fazem da TE um dogma, uma teoria de tudo. Nesse caso a forma como a evolução ocorre / ocorreu deveria colocar em sérias duvidas não o fato da evolução, embora eu possuo profundo ceticismo frente a evolução teísta; deveria colocar dúvidas quanto a evolução ser um evento redutivelmente materialista. Mas os materialistas mesmo reconhecendo curiosidades da evolução despropositadas, não admitem  que a evolução “cega”, despropositada não possui evidências.

 

 

Eis o artigo:

Se alguém rebobinar a fita da vida, a evolução dará no mesmo resultado?

O biólogo evolucionista Stephen Jay Gould veio com essa famosa experiência de pensamento. Ele sugeriu que a evolução não se repetiria: o papel dos processos aleatórios na origem da biodiversidade era muito importante e, portanto, a evolução não era previsível. O Prof. Axel Meyer (Konstanz) descreveu agora a evolução paralela de duas populações intimamente relacionadas, mas geograficamente isoladas de peixes ciclídeos em lagoas da Nicarágua. Este resultado repetido da evolução é melhor interpretado como evidência de adaptação semelhante à pressão de seleção natural darwiniana similar – e sugere trajetórias evolutivas pouco deterministas. As conclusões do estudo (Konstanz) foram publicados na revista Nature Communications.

Há muito poucas circunstâncias em que pode-se investigar a repetibilidade da evolução, porque os ambientes espacialmente independentes que são preenchidos pelas mesmas espécies são extremamente raros na natureza. “As jovens e completamente isoladas lagoas ao longo do arco americano vulcânico Central na Nicarágua proporcionam um ambiente ideal para estudar .Várias populações de Ciclídeo Midas com habitat em lagoas que se desenvolveram independentemente da população ancestral nas proximidades dos grandes lagos da Nicarágua. Essa configuração é como um experimento natural “, explica Axel Meyer.

Em dois destes lagos da cratera, Apoyo e Xiloá; novos tipos de Ciclídeos Midas evoluíram, independentemente um do outro, em menos de 10 mil anos. Essas novas espécies apresentam adaptações morfológicas idênticas que não são encontrados na população ancestral: a partir da água escura superficial para o novo habitat do abismo, ou seja as águas límpidas dos lagos da cratera. “Em cada um dos dois lagos de cratera, novas espécies de Ciclídeos Midas evoluíram com um corpo alongado – um fenótipo que não existe em lagos ancestrais a partir do qual os colonizadores de lagoas vieram”, explica Meyer. Sua equipe de pesquisa estudou a morfológica, ecológico, genética de populações, e padrões filogenéticos destes peixes. “Nós encontramos nestes ciclídeos forte evidência para a evolução paralela que – curiosamente – ocorreu por diferentes vias.

Nossos resultados mostram que fenótipos paralelos podem evoluir em habitats semelhantes e, devido à pressão de seleção semelhante, no entanto, não necessariamente na seqüência evolutiva paralela”, explica o biólogo evolucionário de Konstanz. Isso indica que a adaptação paralela à ambientes semelhantes podem levar ao mesmo resultado por seleção natural, no entanto, esta evolução pode prosseguir ao longo de diferentes percursos genéticos evolutivos. Isso ocorre porque as espécies endêmicas equivalentes nesses dois lagos de cratera foram originadas em diferentes sequências em ambos os lagos. “Agora nós estamos olhando para os genes e mutações que são a causa para este paralelismo”, diz Axel Meyer.

“Nosso estudo mostra que fenótipos paralelos complexos em ambientes semelhantes podem evoluir muito rapidamente, repetidamente e ainda através de diferentes vias evolutivas. Este é um exemplo microevolutivo de rebobinar a fita de Gould e resultando na de duas espécies muito semelhantes, embora por rotas evolutivas não  rotas “, resume Axel Meyer.

 

 

_________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________

 

 

More information: Kathryn R. Elmer, Shaohua Fan, Henrik Kusche, Maria Luise Spreitzer, Andreas F. Kautt, Paolo Franchini and Axel Meyer.2014. “Parallel evolution of Nicaraguan crater lake cichlid fishes via non-parallel routes.” Nature Communications , DOI: 10.1038/ncomm6168

A desonestidade acadêmica de alguns cientistas quanto ao colapso de seus paradigmas

Os cientistas são livres para expressarem suas dúvidas ao saber da existência de problemas fundamentais nos atuais paradigmas vigentes, tal como a biologia evolucionária moderna?

Não pergunte no Posto Ipiranga. Leia o que alguns cientistas e céticos escreveram a respeito:

“Há um sentimento em biologia que os cientistas devem manter escondida sua roupa suja, porque a direita religiosa está sempre procurando qualquer discussão entre os evolucionistas como apoio para suas teorias criacionistas [sic]. Há uma forte escola de pensamento de que nunca ninguém deve questionar Darwin em público.” (W. Daniel Hillis, in “Introduction: The Emerging Third Culture,” in Third Culture: Beyond the Scientific Revolution, editado por John Brockman, Touchstone, 1995, p. 26.

“There’s a feeling in biology that scientists should keep their dirty laundry hidden, because the religious right are always looking for any argument between evolutionists as support for their creationist theories. There’s a strong school of thought that one should never question Darwin in public.” (W. Daniel Hillis, in “Introduction: The Emerging Third Culture,” in Third Culture: Beyond the Scientific Revolution, edited by John Brockman(Touchstone, 1995), p. 26.)

“À primeira vista, é altamente implausível que a vida como nós conhecemos, seja o resultado de uma sequência de acidentes físicos junto com o mecanismo da seleção natural… O meu ceticismo não é baseado em crença religiosa ou em uma crença em qualquer alternativa definitiva. É apenas uma crença de que a evidência científica disponível, apesar do consenso da opinião científica, não nesta questão, racionalmente requeira que nós nos subordinemos à incredulidade do senso comum. Isso é especialmente verdade no que diz respeito à origem da vida… Eu entendo que tais dúvidas podem parecer para muitas pessoas como afrontosas, mas isso é porque quase todo o mundo em nossa cultura secular tem sido intimidado em considerar o programa de pesquisa redutivo como sacrossanto, pelo fato de que qualquer outra coisa não seria ciência. … Pensando nessas questões, eu tenho sido estimulado pelas críticas da dominante visão científica do mundo… feita pelos defensores do design inteligente. … Os problemas que esses iconoclastas colocam para o consenso científico ortodoxo devem ser considerados seriamente. Eles não merecem o menosprezo que comumente eles enfrentam. É manifestamente injusto.” Thomas Nagel, Mind and Cosmos: Why the Materialist Neo-Darwinian Conception of Nature Is Almost Certainly False, Oxford University Press, 2012, p. 6-7, 10.)

“It is prima facie highly implausible that life as we know it is the result of a sequence of physical accidents together with the mechanism of natural selection … My skepticism is not based on religious belief or on a belief in any definite alternative. It is just a belief that the available scientific evidence, in spite of the consensus of scientific opinion, does not in this matter rationally require us to subordinate the incredulity of common sense. This is especially true with regard to the origin of life … I realize that such doubts will strike many people as outrageous, but that is because almost everyone in our secular culture has been browbeaten into regarding the reductive research program as sacrosanct, on the ground that anything else would not be science. … In thinking about these questions I have been stimulated by criticisms of the prevailing scientific world picture… by the defenders of intelligent design. … [T]he problems that these iconoclasts pose for the orthodox scientific consensus should be taken seriously. They do not deserve the scorn with which they are commonly met. It is manifestly unfair.” (Thomas Nagel, Mind and Cosmos: Why the Materialist Neo-Darwinian Conception of Nature Is Almost Certainly False, p. (Oxford University Press, 2012), pp. 6-7, 10.)

“Críticos honestos do modo evolucionário de pensamento que têm enfatizado os problemas com o dogma dos biólogos e seus termos indefiníveis, frequentemente, são desconsiderados como se eles fossem cristãos zelotas fundamentalistas ou racistas preconceituosos. Mas a parte da tese deste livro que insiste que tal terminologia interfere com a ciência verdadeira, exige um debate aberto e ponderado sobre a realidade das afirmações feitas pelos evolucionistas zoocêntricos.” Lynn Margulis e Dorion Sagan, Acquiring Genomes: A Theory of the Origins of the Species, Basic Books, 2003, p. 29.

“Honest critics of the evolutionary way of thinking who have emphasized problems with biologists’ dogma and their undefinable terms are often dismissed as if they were Christian fundamentalist zealots or racial bigots. But the part of this book’s thesis that insists such terminology interferes with real science requires an open and thoughtful debate about the reality of the claims made by zoocentric evolutionists.” (Lynn Margulis and Dorion Sagan, Acquiring Genomes: A Theory of the Origins of the Species, (Basic Books, 2003), p. 29).)

“É perigoso despertar a atenção para o fato de que não existe explicação satisfatória para a macroevolução. Alguém facilmente se torna alvo da biologia evolucionária ortodoxa e um falso amigo de proponentes de conceitos não científicos. Conforme a primeira, nós já conhecemos todos os princípios relevantes que explicam a complexidade e a diversidade da vida na Terra; para a última, a ciência e a pesquisa nunca serão capazes de fornecer uma explicação conclusiva, simplesmente porque a vida complexa não tem uma origem natural.” Günter Theißen, “The proper place of hopeful monsters in evolutionary biology,” Theory in Biosciences, 124: 349-369, 2006.

“It is dangerous to raise attention to the fact that there is no satisfying explanation for macroevolution. One easily becomes a target of orthodox evolutionary biology and a false friend of proponents of non-scientific concepts. According to the former we already know all the relevant principles that explain the complexity and diversity of life on earth; for the latter science and research will never be able to provide a conclusive explanation, simply because complex life does not have a natural origin.” (Günter Theißen, “The proper place of hopeful monsters in evolutionary biology,” Theory in Biosciences,124: 349-369, 2006.

“Nós temos sido informados por mais de um de nossos colegas que, mesmo que se Darwin estivesse substancialmente errado em afirmar que a seleção natural é o mecanismo da evolução, mesmo assim nós não deveríamos dizer isso. Não, de modo algum, dizer isso em público. Fazer isso, contudo, é se alinhar inadvertidamente, com a Forças do Mal, cujo objetivo é levar a Ciência ao descrédito.. … O neodarwinismo é aceito axiomaticamente; prossegue, literalmente, sem ser questionado. Uma visão que pareça contradizê-lo é, diretamente ou por implicação, rejeitado, quão plausível possa parecer o contrário. Departmentos completos, publicações científicas e centros de pesquisas operam agora neste princípio.” Jerry Fodor e Massimo Piattelli-Palmarini, What Darwin Got Wrong, Farrar, Straus and Giroux, 2010, p. xx, xvi.

“We’ve been told by more than one of our colleagues that, even if Darwin was substantially wrong to claim that natural selection is the mechanism of evolution, nonetheless we shouldn’t say so. Not, anyhow, in public. To do that is, however inadvertently, to align oneself with the Forces of Darkness, whose goal is to bring Science into disrepute. … [N]eo-Darwinism is taken as axiomatic; it goes literally unquestioned. A view that looks to contradict it, either directly or by implication is ipso facto rejected, however plausible it may otherwise seem. Entire departments, journals and research centres now work on this principle.” (Jerry Fodor and Massimo Piattelli-Palmarini, What Darwin Got Wrong (Farrar, Straus and Giroux, 2010), pp. xx, xvi.)

Não se percebeu em Altenberg nenhum desejo de atacar a teoria evolucionária a partir da esquerda. Bem ao contrário – a preocupação política dominante foi um medo de ataque por parte dos fundamentalistas. Como Gould descobriu, os criacionistas pegam qualquer sinal de divisões na teoria evolucionária ou uma insatisfação com o Darwinismo. Nas duas últimas décadas, todo mundo tem tomado conhecimento disso, independentemente de sua satisfação ou não com a Síntese Moderna. “Você sempre se sente como se estivesse tentando cobrir sua retaguarda”, disse Love. “Se você criticar, é como dar munição a essas pessoas”. Assim, não critique de modo arrogante, disse Coyne: “As pessoas não devem suprimir suas diferenças para aplacar os criacionistas, mas para sugerir que o neodarwinismo alcançou algum tipo de ponto de crise nas mãos dos criacionistas”, disse ele.

John Whitfield, “Biological theory: Postmodern evolution?,” Nature, Vol. 455: 281-284, 7 de setembro de 2008

[T]here was no sense at Altenberg of a desire to attack evolutionary theory from the left. Quite the reverse — the dominant political concern was a fear of attack from fundamentalists. As Gould discovered, creationists seize on any hint of splits in evolutionary theory or dissatisfaction with Darwinism. In the past couple of decades, everyone has become keenly aware of this, regardless of their satisfaction or otherwise with the modern synthesis. “You always feel like you’re trying to cover your rear,” says Love. “If you criticize, it’s like handing ammunition to these folks.” So don’t criticize in a grandstanding way, says Coyne: “People shouldn’t suppress their differences to placate creationists, but to suggest that neo-Darwinism has reached some kind of crisis point plays into creationists’ hands,” he says.

John Whitfield, “Biological theory: Postmodern evolution?,” Nature, Vol. 455: 281-284, September 17, 2008.

Postado por Desafiando a Nomenklatura Científica

_____________________________________________________________________

Para mim, Jeph Simple, a TE não passa de uma superstição naturalista, por mais que isso pareça um paradoxo.

Um pouco sobre a Teoria da Evolução – Parte I

Sou apaixonado por ID,  sou profundamente cético com relação ao “relojoeiro cego”,  me esforço para explicar ID, e também entender evolução, mesmo que eu não creio na mesma, eu devo compreender o máximo. Bom, eu não vou explicar evolução com minhas palavras, vou utilizar a explicação dos próprios evos. Esse post em específico não tem como intenção expor a explicação evo e apontar equívocos que eu creio existir em evolução, no seu sentido explicativo.   Então o artigo não expressa minha opinião, mas cada um pode tirar suas conclusões.   Segue agora a explicação extraída de  Evo 101  (tradução livre):

Uma Introdução à Teoria da Evolução

A Definição: A evolução biológica, simplesmente, é a descendência com modificação. Esta definição abrange evolução em pequena escala (mudanças na freqüência genética em uma população de uma geração para a seguinte) e evolução em grande escala (a descida de espécies diferentes a partir de um ancestral comum ao longo de muitas gerações). Evolução nos ajuda a entender a história da vida.

A explicação: A evolução biológica não é simplesmente uma questão de mudança ao longo do tempo.Muitas coisas mudam com o tempo: as árvores perdem suas folhas, cadeias de montanhas subem e corroem, mas eles não são exemplos de evolução biológica, pois não envolvem descida por herança genética. Mudança de curto prazo w / o herança Folhas de árvores mudam de cor e caem ao longo de várias semanas.
Mudança a longo prazo w / o herança As cadeias de montanhas corroem ao longo de milhões de anos.
A idéia central da evolução biológica é que toda a vida na Terra compartilha um ancestral comum, assim como você e seus primos partilham uma avó comum. Através do processo de descendência com modificação, o ancestral comum da vida na Terra deu origem à diversidade fantástica que vemos documentado no registro fóssil e ao nosso redor hoje. Evolução significa que somos todos primos distantes: os humanos e os carvalhos, beija-flores e baleias. Mudança de curto prazo w / herança A genealogia ilustra a mudança com a herança ao longo de um pequeno número de anos.
Mudança a longo prazo w / herança Ao longo de um grande número de anos, a evolução produz enorme diversidade de formas de vida.

A História da Vida:

Olhando para os padrões

As idéias centrais da evolução são que a vida teve mudanças ao longo da história do tempo e que as espécies diferentes compartilham ancestrais comuns. Aqui, você pode explorar a forma como a mudança evolutiva e relações evolutivas são representados em “árvores genealógicas”, como essas árvores são construídas, e como esse conhecimento afeta a classificação biológica. Você também vai encontrar uma linha do tempo da história evolutiva e informações sobre alguns eventos específicos na história da vida: a da evolução humana e da origem da vida. Cladogram de selecionar vertebrados mostrando onde alguns personagens aparecem

Mecanismos: Os processos de evolução

A evolução é o processo pelo qual os organismos modernos descendem de ancestrais. A evolução é responsável por ambas as semelhanças notáveis ​​que vemos em toda a toda a vida e a diversidade surpreendente da vida, mas exatamente como isso funciona? Fundamental para o processo é a variação genética sobre a qual forças seletivas podem agir para que a evolução ocorra. Esta seção examina os mecanismos de evolução com foco em:

    • Descida e as diferenças genéticas que são hereditárias e passam para a próxima geração;

 

 

 

    • A natureza aleatória dos deriva genética e os efeitos de uma redução na variação genética;

 

    • Como variação, reprodução diferencial e resultado hereditariedade na evolução por seleção natural ; e

 

  • Como espécies diferentes podem afetar a evolução de cada um através de co-evolução .

Os componentes da seleção natural: variação, reprodução diferencial e hereditariedade

 

A microevolução

Pardais se adaptaram ao clima da América do Norte, os mosquitos têm evoluído em resposta ao aquecimento global, e os insetos desenvolveram resistência aos nossos pesticidas. Estes são exemplos de microevolução-evolução em pequena escala. Aqui, você pode explorar o tema da microevolução através de vários estudos de caso em que temos observados diretamente sua ação. Podemos começar com uma definição exata. A microevolução é a evolução em pequena escala.

Especiação

Quais são as espécies afinal, e como novas evoluem? Aqui, você pode explorar diferentes maneiras de definir uma espécie e aprender sobre os vários processos através dos quais a especiação pode ocorrer. Esta seção também aborda os temas de coespeciação quando duas linhagens divididas em conjunto umas com as outras e os modos de especiação que são específicos para as plantas. Vamos começar pela definição de uma espécie. Especiação em ação

Macroevolution

Macroevolução é a evolução em grande escala ; que vemos quando olhamos para a história mais abrangente da vida: estabilidade,  mudança,  linhagens resultantes e extinção. Aqui, você pode examinar os padrões de macroevolução na história evolutiva e descobrir como os cientistas investigam profundamente a história dos seres vivos.

As grandes questões 

Todas as evidências disponíveis apoiam as conclusões centrais da teoria da evolução, de que a vida na Terra evoluiu e que as espécies compartilham ancestrais comuns. Os biólogos não estão discutindo sobre estas conclusões. Mas eles estão tentando descobrir como a evolução acontece, e isso não é uma tarefa fácil. Ela envolve a coleta de dados, propondo hipóteses, criando modelos, e avaliando o trabalho de outros cientistas. Estas são todas as atividades que podem, e devem, manter-se à nossa lista de verificação e fazer a pergunta: eles estão fazendo ciência? Todas as ciências fazem perguntas sobre o mundo natural, propoem explicações em termos de processos naturais, e avaliam essas explicações usando evidências do mundo natural. A biologia evolutiva não é excepção. Concepção básica da mudança evolutiva e diversificação (*ilustrado com uma página de seu caderno à esquerda) de Darwin explica muitas observações em termos de processos naturais e é apoiado por evidências do mundo natural.Algumas das perguntas que os biólogos evolucionistas estão tentando responder incluem:

  1. A evolução tende a continuar lenta e progressivamente ou em saltos rápidos?
  2. Por que algumas clades são muito diversificadas e algumas são extraordinariamente escassas?
  3. Como a evolução produziu características novas e complexas?
  4. Há tendências em evolução, e em caso afirmativo, por quais processos são geradas?

[*Darwin notebook excerpt used by permission of the Syndics of Cambridge University Library and may not be reproduced without their written permission.(Por isso não publiquei a imagem, você pode ver no link)]   Essa foi a primeira parte, em breve postarei a segunda.

Será que Darwin cometeu a maior fraude da história da ciência?

By darwinismo.wordpress

Depois de passar anos a cruzar a informação relativa aos trabalhos de Charles Darwin (1812-1882) com os de Patrick Matthew (1790-1874), como forma de saber se Darwin havia “emprestado” a teoria da selecção natural para o livro “A Origem das Espécies”, Mike Sutton (perito em criminologia na “Nottingham Trent University”) concluiu:

Com base na preponderância das evidências, não tenho dúvidas nenhumas de que Darwin leu o material presente no livro de Matthew e replicou a sua [de Matthew] descoberta e os seus temas-chave.

No seu artigo “Será que Charles Darwin ‘emprestou’ a teoria da selecção natural?”, publicado no The Telegraph, relatando as descobertas de Sutton, a correspondente científica Sarah Knapton concluiu que, “Não só Darwin estava ciente do trabalho de Matthew, como emprestou do mesmo de um modo considerável”, provando que “o naturalista [Darwin] mentiu.”

Patrick-MatthewAntes da publicação do livro “A Origem das Espécies” em 1859, Matthew publicou, em 1831, o seu livro “On Naval and Timber Aboration”, que avançou inicialmente com a teoria da selecção natural tendo como base o seu conhecimento das árvores. O ano da publicação do livro de Matthew foi também o ano em que Darwin zarpou pela primeira vez da Inglaterra a bordo do HMS Beagle.

No ano de 1860, e depois de ter lido uma crítica/análise ao livro “A Origem das Espécies” no “Gardeners’ Chronicle”, Matthew enviou imediatamente uma carta à editora, alertando para o facto da teoria de Darwin não ser nada de novo visto que ele havia publicado a essência da mesma teoria no seu livro de 1831. Depois de ler a carta de Matthew, Darwin enviou uma carta a Charles Lyell onde se lia:

Na edição do Sábado passado da “Gardeners’ Chronicle”, um tal de Patrick Matthew publica um longo segmento do seu trabalho presente no livro ‘Naval Timber and Arboriculture’, publicado em 1831, onde ele antecipa, brevemente mas de forma completa, a teoria da Selecção Natural. Eu já encomendei o livro, visto que algumas passagens são relativamente obscuras, mas certamente que é, julgo eu, uma antecipação completa mas não totalmente desenvolvida.

Reconhecendo as contribuições de Matthew, Darwin respondeu através duma carta aos editores da “Gardeners’ Chronicle” explicando:

Reconheço abertamente que o Sr Matthew antecipou em muitos anos a explicação que eu disponibilizei no livro “A Origem das Espécies”, sob o nome de Selecção Natural.

Na terceira edição do livro “A Origem das Espécies” (1861), Darwin reconheceu o trabalho prévio de Matthew, declarando que Matthew “viu claramente . . . o poder total do princípio da Selecção Natural.

Matthew estava livido. Alegando crédito por ter desenvolvido a teoria da selecção natural, Matthew identificou-se como “O Descobridor do Princípio da Selecção Natural” nos seus cartões de negócios. Apesar dos cartões de negócios e as declarações de Darwin, Matthew, juntamente com Alfred Wallace (1823-1913), continuou a fazer parte dos esquecidos dentro da história da selecção natural.

Durante a altura em que Darwin escreveu o seu livro, o livro de Matthew era amplamente conhecido. Até Robert Chambers, autor do livro “Vestiges of Creation” (1844), livro bastante popular em 1859, e Prideaux John Selby, que editou e publicou o famoso artigo de Albert Russel Wallace com o nome de “Sarawak” (1855), em torno a mutabilidade das espécies, deram crédito claro ao livro de Matthew. Depois da história se ter tornado pública no “Gardeners’ Chronicle”, e depois ter sido desafiado, Darwin respondeu afirmando que nunca havia visto o livro de Matthew. Mas Sutton, baseando-se nas evidências, disse o seguinte a Knapton:

Na minha opinião, Charles Darwin cometeu a maior fraude científica da História, das que se tem conhecimento, ao plagiar por inteiro a hipótese da selecção natural de Matthew, a sua terminologia, as suas observações e as suas explicações criativas. Sem Patrick Matthew, o livro “A Origem das Espécies” nunca teria sido escrito. Matthew, e não Darwin, deveria ser celebrado como o descobridor da teoria unificadora da biologia, e o solucionador da origem das espécies.

Sutton continua:

Ao contrário do que os autores de milhares de livros escolares e livros eruditos têm vindo a afirmar durante estes últimos 154 anos, o descobridor original da lei da selecção natural deve ter influenciado Alfred Russel Wallace e Charles Darwin com o seu trabalho publicado previamente. A descoberta, na ciência, raramente é um jogo da soma zero. No entanto, tanto Darwin como Wallace alegaram nenhum conhecimento prévio da publicação precedente do trabalho de Matthew depois de o terem replicado 27 anos mais tarde. A comunidade científica credulamente acreditou neles durante os últimos 154 anos.

Será que isto tem alguma importância?

À medida que a origem do princípio fundamental de Darwin, “Por Meio da Selecção Natural”, é alvo de crítica crescente, também o é a própria relevância da selecção natural – até mesmo dentro da indústria evolutiva. A história da selecção natural como o “meio” [mecanismo] através do qual ocorre a origem das novas espécies tem sido tortuosa. Por altura da publicação do livro “A Origem das Espécies”, Darwin foi desafiado até pelos seus colegas, incluindo Charles Lyell e Joseph D. Hooker. Na sua autobiografia, Darwin ressalvou:

Lyell e Hooker, embora eles me ouvissem com interesse, nunca pareciam estar de acordo. Tentei uma ou duas vezes explicar a homens capazes o que é que eu queria dizer com Selecção Natural, mas sem dúvida alguma, falhei.

O professor John Beatty (Universidade de British Columbia) comenta:

Lyell acusou Darwin de “deificar” a selecção natural ao atribuir a ela o tipo de criatividade que deveria ser reservada ao Criador.

Desde então, a controvérsia em torno da selecção natural como agente da “Origem das Espécies” continuou por todo o século 20. As contradições em torno da definição própria da selecção natural também não ajudaram. Darwin entrou em contradição consigo mesmo em pelos menos 15 aspectos importantes da selecção natural – tal como detalhado no livro “Darwin, Then and Now, the Most Amazing Story in the History of Science“ ( ).

Passados que estão mais de 150 anos, as críticas à selecção natural chegam-nos até de Richard Dawkins, um dos principais defensores de Darwin:

Como forma de simplificar as coisas, nós falamos das mutações como o primeiro passo do processo Darwiniano, e a selecção natural como o segundo. Mas isto é enganador se isso sugere que a selecção natural fica por perto à espera duma mutação que é ou rejeitada ou adoptada, e depois a espera começa. As coisas podem ter sido desta forma: a selecção natural desse tipo provavelmente funcionaria algures no universo, mas como matéria factual, neste planeta, as coisas não funcionam assim.

Nas palavras de Lyn Margulis:

Darwin foi brilhante ao converter a “selecção natural” num termo “divino”, uma expressão que poderia substituir a palavra “Deus” (…). No entanto. o que é verdadeiramente a “selecção natural”? É o falhanço de se atingir o potencial biótico. E é quantitativo. A Selecção Natural é intrinsecamente um processo de eliminação.

Margulis diz, portanto, que “a selecção Natural ocorre a toda a hora, mas ela é um processo e eliminação” – e não um agente criador responsável pela origem de novas espécies.

A alegação de Darwin de “descendência com modificação” como algo causado pela selecção natural é uma falácia linguística.

Fazendo essencialmente a mesma alegação, o professor James Shapiro da Universidade de Chicago, reconhece:

É importante notar que a selecção [natural] nunca levou à formação duma espécie nova como postulou Darwin.

Isto leva-nos a ver que, no século 21, a selecção natural ou é vista com um agente eliminador, ou é vista como a “força primária de selecção (…) mantendo o status quo”, tal como alegado por Eugene V. Koonin no seu livro “The Logic of Chance, the Nature and Origin of Biological Evolution” (2011).

O geneticista italiano Giuseppe Sermonti alega:

A selecção natural pode muito provavelmente ser invocada como um mecanismo responsável pela sobrevivência das espécies. Mas a alegação de que a selecção natural é criadora de vida, da essência, dos tipos e das ordens da vida, só pode deixar quem ouve chocado e sem reacção.

Em relação à pergunta “Será que isto tem alguma importância?”, a resposta só pode ser uma: Não. Não interessa se Matthew, ou Wallace ou Darwin recebe o crédito pela descoberta da selecção natural visto que, como alega Sutton, é um exercício de futilidade. A guerra em torno da selecção natural acabou e a natureza venceu. Com a exclusão da selecção natural como o “Meio” para a “Origem das Espécies”, e com a ausência de consenso em relação a qualquer outra opção viável conhecida, a aderência à teoria da evolução biológica existe só como um sistema de crença – evolucionismo.

Antigamente, a evolução era uma teoria em crise, mas hoje a evolução é uma crise sem teoria. A evolução biológica existe apenas como um facto filosófico, e não como um facto científico.

Fonte: http://bit.ly/1p4iXMQ

* * * * * * *

Resumindo, Darwin “emprestou” de outro pesquisador o princípio que alegadamente causa a origem das espécies, mas alegou nunca ter tomado conhecimento da publicação prévia do livro onde o dito princípio se encontrava (embora esse livro fosse sobejamente conhecido durante o período em que Darwin escreveu o seu livro).

Ou seja o autor da “teoria unificadora da biologia” aparentemente mentiu e viu o seu nome historicamente associado a uma ideia que ele apenas copiou.

Aparentemente o Darwinismo está envolto em mentiras desde que ele foi formulado, e isto não é de surpreender visto que a teoria da evolução é ela mesma uma mentira.

Darwin mentiu duplamente: mentiu ao roubar uma teoria que não lhe pertencia, e mentiu ao conferir à selecção natural um poder que, segundo outros cientistas da altura, pertencia exclusivamente ao Criador.

Darwin é, pode-se concluir, um dos maiores (senão o maior) mentiroso da história da ciência.

Sobre o HypeScience: o que fazer com um site ideologicamente vendido ao naturalismo filosófico

Não é de hoje que o naturalismo se nega a aceitar qual posição além de seu mundo físico/químico.

(By Enezio E. de Almeida filho)

Em 2012 o site HypeScience afirma ser um site de ciência, e que todas as vezes que publica artigos sobre o Big Bang, a idade da Terra e o fato da evolução, sofre ataques frequentes de criacionistas com seus comentários defendendo “mitos religiosos”. Sofria, pois os responsáveis pelo site decidiram:

“Comentários de natureza criacionista que neguem a Teoria da Evolução das Espécies, a real idade da Terra ou do Universo e afins serão sumariamente removidos (juntamente com suas réplicas) por criarem discussões cíclicas inúteis”.

(Sobre os comentários: O que fazer com os criacionistas)

Não vou comentar a decisão do HypeScience censurar esses criacionistas, nem sobre o Big Bang, tampouco sobre a idade da Terra, muito menos defender os criacionistas que fizeram comentários inúteis, mas vou comentar sobre a afirmação do HypeScience de que “a evolução biológica é um fato”:

“Há inúmeras provas irrefutáveis que mostram a inexorabilidade deste processo que vem acontecendo há milhões de anos. A cada dia surgem mais evidências tanto da paleontologia quanto do campo genética e da biologia molecular. Há muita gente séria trabalhando nisso e inúmeras revistas científicas seculares com um enorme acervo de dados a disposição de todos”.

Sim, a evolução biológica é um fato, mas de qual evolução o HypeScience mencionou há “inúmeras provas irrefutáveis que mostram a inexorabilidade deste processo que vem acontecendo há milhões de anos”?

Primeiro, e talvez o pessoal do HypeScience não saiba, mas a teoria de Darwin não é uma ideia única: ela é um conglomerado de diversas ideias relacionadas, cada uma apoiada por argumentos específicos:

Evolução #1:

Aqui a evolução significa que as formas de vida que nós vemos hoje são diferentes das formas de vida que existiram no passado distante. Evolução como “mudança ao longo do tempo” também pode se referir a mudanças mínimas em características das espécies de espécies individuais – mudanças que ocorrem num curto espaço de tempo. Até os céticos da teoria de Darwin concordam que este tipo de “mudança ao longo do tempo” ocorre.

Evolução #2:

Alguns cientistas associam a palavra “evolução” com a ideia de que todos os organismos que nós vemos hoje descendem de um único ancestral comum em algum lugar no passado distante. A afirmação se tornou conhecida como a Teoria da Descendência Comum Universal. Esta teoria pinta um quadro da história da vida na Terra como sendo uma grande árvore cheia de galhos.

Evolução #3:

Finalmente, algumas pessoas usam o termo “evolução” para se referir a uma causa ou mecanismo de mudança, o processo biológico que Darwin pensou fosse responsável por este padrão de ramificação. Darwin argumentou que a seleção natural tinha o poder de produzir fundamentalmente novas formas de vida.

Juntas, as ideias da Descendência Comum Universal e a seleção natural formam o cerne da teoria da evolução darwinista. A evolução neodarwinista combina o nosso conhecimento sobre o DNA e a genética para afirmar que as mutações no DNA fornecem a variação sobre a qual a seleção natural age.

Embora surjam “mais evidências tanto da paleontologia quanto do campo genética e da biologia molecular” essas evidências, uma leitura objetiva e isenta da literatura especializada revela que nem sempre essas evidências são favoráveis ao estabelecimento do fato da evolução, e apontam noutra direção.

Vide: ALMEIDA FILHO, E. E. “A sugestão de Edgar Morin para o ensino das incertezas das ciências da evolução química e biológica — uma bibliografia brevemente comentada”, in Anais do II Congresso Nacional de Licenciaturas 2009, Universidade Presbiteriana Mackenzie, em 01/10/2009. [Link não localizado] *
Neste trabalho, mais de 100 pesquisas e artigos abordam as ‘zonas de incertezas’ das ciências da evolução química e biológica que Edgar Morin sugeriu em 1999 à UNESCO fossem ensinadas para a educação do futuro.

Além disso, quando se discute evolução é preciso ter em mente quais das três definições acima estão sendo usadas? Atualmente, a maioria dos críticos do Neodarwinismo focaliza na Evolução #2 ou na Evolução #3. Todavia, a discussão ou debate fica confuso quando alguém pega uma evidência a favor da Evolução #1, e tenta fazer com que pareça apoiando a Evolução #2 ou a Evolução #3. **

Assim, alguém pode criticar ou discutir os problemas fundamentais da Evolução #2 ou Evolução #3 no contexto de justificação teórica, mas é falsamente acusado de rejeitar também a Evolução #1. Isso simplesmente não é o caso, pois até biólogos dissidentes do neodarwinismo aceitam a Evolução #1.

A ciência avança pela discussão de pontos de vistas teóricos diferentes. Este site aqui não quer que se discuta as predições propostas pela atual teoria da evolução de Darwin que fracassaram? Entre muitas fracassadas, cito algumas:

1. O fracasso da biologia evolucionária fornecer explicações evolucionárias detalhadas para a origem das características bioquímicas complexas;

2. O fracasso do registro fossil em fornecer apoio para a evolução darwinista;

3. O fracasso da biologia molecular em fornecer evidência para a descendência comum universal;

4. O fracasso da Genética e da Química explicar a origem do código genético;

5. O fracasso da biologia do desenvolvimento explicar por que os embriões de vertebrados divergem no início do desenvolvimento.

Como site de ciência, HypeScience, em vez de afirmar veementemente que a evolução biológica (sem qualificar qual dos seus três significados acima) é um fato, deveria abordar as questões sobre o fato, Fato, FATO da evolução que não são corroborados no contexto de justificação teórica e que são debatidas intramuros pela comunidade científica.

Como site de ciência, o HypeScience deveria, mas não me lembro de ter visto (recebo sua newsletter online), mencionar que a teoria da evolução atual, a Síntese Evolutiva Moderna foi considerada uma teoria científica morta em 1980, mas que posa como ortodoxia científica nos livros didáticos, por ninguém nada menos do que Stephen Jay Gould, um paleontólogo evolucionista.

Como site de ciência, o HypeScience deveria, mas não me lembro de ter visto, mencionar que, devido as montanhas de evidências contrárias trazidas por diversas áreas científicas no século 20 e século 21, especialmente a genômica, os cientistas estão trabalhando na elaboração de uma nova teoria geral da evolução – a Síntese Evolutiva Ampliada, que não deverá ser selecionista (contra Darwin) e deverá incorporar alguns aspectos lamarckistas (Lamarck redivivus?).

Talvez este site de ciência nem saiba, mas a nova teoria geral da evolução será apresentada à comunidade científica e ao público somente em 2020.

Desde 1859 as especulações transformistas de Darwin promovidas no Origem das espécies (que não explicou o que o título prometia, e nem a origem das variações) sofre críticas e rejeição, não somente da parte de religiosos, mas de cientistas.

Hoje, também não é diferente. Há cientistas, membros de Academias de Ciências e professores em renomadas universidades que são críticos e dissidentes de Darwin. Tem teístas, mas há alguns ateus, agnósticos e céticos. Vide lista.

Ah, o site HypeScience, um site de ciência, deveria saber que é o contraditório que faz avançar a ciência, e que não existe Theoria perennis em ciência. Nem a teoria da evolução de Darwin através da seleção natural e n mecanismos evolucionários de A a Z. Razão? Por ser um construto humano para a descrição da realidade encontrada na natureza, sujeito a revisões, ajustes e até o simples descarte (mudança paradigmática).

Mas isso, o HypeScience não abordará online, pois é um site que aceita as proposições transformistas de Darwin sem nenhum questionamento científico. QED, o HypeScience não é um site de ciência, mas sim um site ideológico promovendo o naturalismo filosófico como se fosse ciência.

HypeScience, uma dose de ceticismo salutar contra Darwin é científico, muito mais do que vocês imaginam!!!

+++++

* Trabalho apresentado no II Congresso Nacional de Licenciaturas 2009, Universidade Presbiteriana Mackenzie, em 01/10/2009

A Sugestão de Egar Morin para o ensino das incertezas das ciências da evolução química e biológica – uma bibliografia brevemente comentada

Enézio Eugênio de Almeida Filho
Ms em História da Ciência
Doutorando em História da Ciência [Naquela ocasião]
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Email: neddy@uol.com.br

Resumo:

No seu livro Os sete saberes necessários à educação do futuro, Edgar Morin sugeriu à UNESCO incluir o estudo das incertezas que surgiram nas ciências físicas, nas ciências da evolução biológica e nas ciências históricas no século XX. Este artigo expande a sugestão feita por Morin em 1999 ao apresentar alguns exemplos da discussão de algumas linhas de evidências usadas para defender a evolução química ou biológica em livros-texto de biologia do ensino médio. Os argumentos apresentados por esses especialistas contradizem aspectos fundamentais das atuais teorias da evolução química e biológica, especialmente aqueles apresentados aos alunos em livros didáticos. Esses exemplos de discussão estão divididos em cinco seções, com uma breve descrição de suas implicações para a evolução química e biológica em um contexto de justificação teórica.

Palavras-chave: Charles Darwin, Edgar Morin, Teoria da evolução química, Teoria da evolução biológica, Incertezas

Abstract:

In his book Seven complex lessons in education for the future, Edgar Morin suggested to UNESCO to include the study of uncertainties that have emerged in the physical sciences, the sciences of biological evolution, the historical sciences in the 20th century. This article expands the suggestion made by Morin in 1999 by presenting some examples of the discussion of some lines of evidence used for defending the chemical or biological evolution in high school textbooks. The arguments presented by these specialists contradict fundamental aspects of current chemical and biological evolutionary theories, especially those presented to the students in textbooks. These examples of discussion are divided in five sections with a brief description of its implications for the chemical and biological evolution in a context of theoretical justification.

Key-words: Charles Darwin, Edgar Morin, Chemical theory of evolution, Biological theory of evolution, Uncertainties

** Para mais informações sobre os significados do termo ‘evolução’, vide “The Meanings of Evolução” por Stephen Meyer e Michael Keas.

Texto elaborado com materiais do Discovery Institute e seus vários blogs de ciência.

Veja o original aqui

Uma simples questão de reprodutibilidade no contexto de justificação teórica: os darwinistas pira, mano!

(By Enézio E. de Almeida Filho)
Por que será que muitos cientistas darwinistas membros da Nomenklatura científica ficam irritados quando o contexto de justificação teórica – aspecto importante na constatação da robustez heurística de uma teoria – é invocado quanto às especulações transformistas de Darwin? Por que a Galeria de meninos e meninas de Darwin nem sabe o que isso em termos epistemológicos, mas vomita sua retórica odiosa e cheia de ataques ad hominem aos críticos da atual teoria da evolução?
Source/Fonte: EchoTalk

Talvez eles fiquem irritados e demonizem os críticos de Darwin porque sabem que a maioria das pesquisas e trabalhos na área biológica evolutiva seriam reprovados magna cum laude no contexto de justificação teórica: reprodutibilidade. Abaixo um excerto do editorial da Bio Techniques lamentando-se que a falta de reprodutibilidade das pesquisas em algumas ciências produz uma falta de confiança nessas áreas. 75%  irreprodutibilidade na área biológica:

“The troubling trend of irreproducibility, which has been brewing for some time now, came to a head for many with the publication of a commentary in the journal Nature by Begley and Ellis finding that the results of 47 out of 53 studies could not be replicated. These preclinical studies formed the basis for other research studies and in some instances were the starting points for costly drug studies. Begley and Ellis are not alone in their findings- other reports have surfaced in recent months highlighting the problem of irreproducible studies. Recently, a group called the Global Biological Standards Institute (GBSI) presented a report making a case for biological standards. In interviews with 60 key figures in the life science community, nearly 75% of those interviewed described having to deal with irreproducible data and/or results. … It is interesting to note that at this moment of greater irreproducibility in life science, journals continue to minimize the space given to Materials and Methods sections in articles.”

+++++
COMENTÁRIO CAUSTICANTE DESTE BLOGGER:
Agora está explicado por que a Nomenklatura científica abomina a aplicação do contexto de justificação à teoria da evolução de Darwin através da seleção natural e de mecanismos de A a Z (vai que um falhe no meio do caminho…).

Por que o fato, Fato, FATO da evolução não é assim uma Brastemp epistemológica?

 

(By  )

1. As mutações não são aleatórias.
2. As características adquiridas podem ser hereditárias.
3. A visão genocêntrica da evolução está errada.
4. A evolução não é um processo gradual gene a gene, mas deve ser macromutacional.
5. Os cientistas não têm tido a capacidade de criar novas espécies em laboratório ou estufa, e nós não temos visto a especiação ocorrer na natureza.
QED: Darwin kaput desde 1859 na explicação da origem das espécies! E estamos fazendo biologia evolucionária no vácuo epistêmico…

Ué, mas nos ensinaram nas universidades que A CIÊNCIA ABOMINA O VÁCUO EPISTEMOLÓGICO! Então, como está sendo feita a CIÊNCIA NORMAL em biologia evolucionária? Abracadabra? Entranhas de animais? Cartas de Tarô? Búzios? Leitura de mão? Horóscopo???

 

Contra Dobzhansky, Kirschner ‘falou e disse’: a evolução não é a base fundamental da biologia!!!

(Por Enezio E. de Almeida Filho)

 

O mantra de Theodosius Dobzhansky reverbera na retórica evolucionista contra os críticos e oponentes da teoria da evolução de Darwin através da seleção natural e n mecanismos evolucionários de A a Z (eita teoria científica extremamente plástica): 
“Nada em biologia faz sentido a não ser à luz da evolução”.
Mas há controvérsia, e da parte de biólogos evolucionistas de renome:
“Na verdade, nos últimos 100 anos, quase toda a biologia tem avançado independente da evolução, exceto a biologia evolucionária. A biologia molecular, a bioquímica, fisiologia, não levaram em conta a evolução de modo algum.” 
“In fact, over the last 100 years, almost all of biology has proceeded independent of evolution, except evolutionary biology itself. Molecular biology, biochemistry, physiology, have not taken evolution into account at all.” 
– Dr. Marc Kirschner, chefe do Departamento de Sistemas de Biologia, Faculdade de  Medicina da Universidade Harvard, em entrevista concedida ao Boston Globe, em 2005.

+++++

Traduzindo em miúdos: Nada em biologia faz sentido a não ser à luz das evidências, e aonde elas forem dar…