A desonestidade acadêmica de alguns cientistas quanto ao colapso de seus paradigmas


Os cientistas são livres para expressarem suas dúvidas ao saber da existência de problemas fundamentais nos atuais paradigmas vigentes, tal como a biologia evolucionária moderna?

Não pergunte no Posto Ipiranga. Leia o que alguns cientistas e céticos escreveram a respeito:

“Há um sentimento em biologia que os cientistas devem manter escondida sua roupa suja, porque a direita religiosa está sempre procurando qualquer discussão entre os evolucionistas como apoio para suas teorias criacionistas [sic]. Há uma forte escola de pensamento de que nunca ninguém deve questionar Darwin em público.” (W. Daniel Hillis, in “Introduction: The Emerging Third Culture,” in Third Culture: Beyond the Scientific Revolution, editado por John Brockman, Touchstone, 1995, p. 26.

“There’s a feeling in biology that scientists should keep their dirty laundry hidden, because the religious right are always looking for any argument between evolutionists as support for their creationist theories. There’s a strong school of thought that one should never question Darwin in public.” (W. Daniel Hillis, in “Introduction: The Emerging Third Culture,” in Third Culture: Beyond the Scientific Revolution, edited by John Brockman(Touchstone, 1995), p. 26.)

“À primeira vista, é altamente implausível que a vida como nós conhecemos, seja o resultado de uma sequência de acidentes físicos junto com o mecanismo da seleção natural… O meu ceticismo não é baseado em crença religiosa ou em uma crença em qualquer alternativa definitiva. É apenas uma crença de que a evidência científica disponível, apesar do consenso da opinião científica, não nesta questão, racionalmente requeira que nós nos subordinemos à incredulidade do senso comum. Isso é especialmente verdade no que diz respeito à origem da vida… Eu entendo que tais dúvidas podem parecer para muitas pessoas como afrontosas, mas isso é porque quase todo o mundo em nossa cultura secular tem sido intimidado em considerar o programa de pesquisa redutivo como sacrossanto, pelo fato de que qualquer outra coisa não seria ciência. … Pensando nessas questões, eu tenho sido estimulado pelas críticas da dominante visão científica do mundo… feita pelos defensores do design inteligente. … Os problemas que esses iconoclastas colocam para o consenso científico ortodoxo devem ser considerados seriamente. Eles não merecem o menosprezo que comumente eles enfrentam. É manifestamente injusto.” Thomas Nagel, Mind and Cosmos: Why the Materialist Neo-Darwinian Conception of Nature Is Almost Certainly False, Oxford University Press, 2012, p. 6-7, 10.)

“It is prima facie highly implausible that life as we know it is the result of a sequence of physical accidents together with the mechanism of natural selection … My skepticism is not based on religious belief or on a belief in any definite alternative. It is just a belief that the available scientific evidence, in spite of the consensus of scientific opinion, does not in this matter rationally require us to subordinate the incredulity of common sense. This is especially true with regard to the origin of life … I realize that such doubts will strike many people as outrageous, but that is because almost everyone in our secular culture has been browbeaten into regarding the reductive research program as sacrosanct, on the ground that anything else would not be science. … In thinking about these questions I have been stimulated by criticisms of the prevailing scientific world picture… by the defenders of intelligent design. … [T]he problems that these iconoclasts pose for the orthodox scientific consensus should be taken seriously. They do not deserve the scorn with which they are commonly met. It is manifestly unfair.” (Thomas Nagel, Mind and Cosmos: Why the Materialist Neo-Darwinian Conception of Nature Is Almost Certainly False, p. (Oxford University Press, 2012), pp. 6-7, 10.)

“Críticos honestos do modo evolucionário de pensamento que têm enfatizado os problemas com o dogma dos biólogos e seus termos indefiníveis, frequentemente, são desconsiderados como se eles fossem cristãos zelotas fundamentalistas ou racistas preconceituosos. Mas a parte da tese deste livro que insiste que tal terminologia interfere com a ciência verdadeira, exige um debate aberto e ponderado sobre a realidade das afirmações feitas pelos evolucionistas zoocêntricos.” Lynn Margulis e Dorion Sagan, Acquiring Genomes: A Theory of the Origins of the Species, Basic Books, 2003, p. 29.

“Honest critics of the evolutionary way of thinking who have emphasized problems with biologists’ dogma and their undefinable terms are often dismissed as if they were Christian fundamentalist zealots or racial bigots. But the part of this book’s thesis that insists such terminology interferes with real science requires an open and thoughtful debate about the reality of the claims made by zoocentric evolutionists.” (Lynn Margulis and Dorion Sagan, Acquiring Genomes: A Theory of the Origins of the Species, (Basic Books, 2003), p. 29).)

“É perigoso despertar a atenção para o fato de que não existe explicação satisfatória para a macroevolução. Alguém facilmente se torna alvo da biologia evolucionária ortodoxa e um falso amigo de proponentes de conceitos não científicos. Conforme a primeira, nós já conhecemos todos os princípios relevantes que explicam a complexidade e a diversidade da vida na Terra; para a última, a ciência e a pesquisa nunca serão capazes de fornecer uma explicação conclusiva, simplesmente porque a vida complexa não tem uma origem natural.” Günter Theißen, “The proper place of hopeful monsters in evolutionary biology,” Theory in Biosciences, 124: 349-369, 2006.

“It is dangerous to raise attention to the fact that there is no satisfying explanation for macroevolution. One easily becomes a target of orthodox evolutionary biology and a false friend of proponents of non-scientific concepts. According to the former we already know all the relevant principles that explain the complexity and diversity of life on earth; for the latter science and research will never be able to provide a conclusive explanation, simply because complex life does not have a natural origin.” (Günter Theißen, “The proper place of hopeful monsters in evolutionary biology,” Theory in Biosciences,124: 349-369, 2006.

“Nós temos sido informados por mais de um de nossos colegas que, mesmo que se Darwin estivesse substancialmente errado em afirmar que a seleção natural é o mecanismo da evolução, mesmo assim nós não deveríamos dizer isso. Não, de modo algum, dizer isso em público. Fazer isso, contudo, é se alinhar inadvertidamente, com a Forças do Mal, cujo objetivo é levar a Ciência ao descrédito.. … O neodarwinismo é aceito axiomaticamente; prossegue, literalmente, sem ser questionado. Uma visão que pareça contradizê-lo é, diretamente ou por implicação, rejeitado, quão plausível possa parecer o contrário. Departmentos completos, publicações científicas e centros de pesquisas operam agora neste princípio.” Jerry Fodor e Massimo Piattelli-Palmarini, What Darwin Got Wrong, Farrar, Straus and Giroux, 2010, p. xx, xvi.

“We’ve been told by more than one of our colleagues that, even if Darwin was substantially wrong to claim that natural selection is the mechanism of evolution, nonetheless we shouldn’t say so. Not, anyhow, in public. To do that is, however inadvertently, to align oneself with the Forces of Darkness, whose goal is to bring Science into disrepute. … [N]eo-Darwinism is taken as axiomatic; it goes literally unquestioned. A view that looks to contradict it, either directly or by implication is ipso facto rejected, however plausible it may otherwise seem. Entire departments, journals and research centres now work on this principle.” (Jerry Fodor and Massimo Piattelli-Palmarini, What Darwin Got Wrong (Farrar, Straus and Giroux, 2010), pp. xx, xvi.)

Não se percebeu em Altenberg nenhum desejo de atacar a teoria evolucionária a partir da esquerda. Bem ao contrário – a preocupação política dominante foi um medo de ataque por parte dos fundamentalistas. Como Gould descobriu, os criacionistas pegam qualquer sinal de divisões na teoria evolucionária ou uma insatisfação com o Darwinismo. Nas duas últimas décadas, todo mundo tem tomado conhecimento disso, independentemente de sua satisfação ou não com a Síntese Moderna. “Você sempre se sente como se estivesse tentando cobrir sua retaguarda”, disse Love. “Se você criticar, é como dar munição a essas pessoas”. Assim, não critique de modo arrogante, disse Coyne: “As pessoas não devem suprimir suas diferenças para aplacar os criacionistas, mas para sugerir que o neodarwinismo alcançou algum tipo de ponto de crise nas mãos dos criacionistas”, disse ele.

John Whitfield, “Biological theory: Postmodern evolution?,” Nature, Vol. 455: 281-284, 7 de setembro de 2008

[T]here was no sense at Altenberg of a desire to attack evolutionary theory from the left. Quite the reverse — the dominant political concern was a fear of attack from fundamentalists. As Gould discovered, creationists seize on any hint of splits in evolutionary theory or dissatisfaction with Darwinism. In the past couple of decades, everyone has become keenly aware of this, regardless of their satisfaction or otherwise with the modern synthesis. “You always feel like you’re trying to cover your rear,” says Love. “If you criticize, it’s like handing ammunition to these folks.” So don’t criticize in a grandstanding way, says Coyne: “People shouldn’t suppress their differences to placate creationists, but to suggest that neo-Darwinism has reached some kind of crisis point plays into creationists’ hands,” he says.

John Whitfield, “Biological theory: Postmodern evolution?,” Nature, Vol. 455: 281-284, September 17, 2008.

Postado por Desafiando a Nomenklatura Científica

_____________________________________________________________________

Para mim, Jeph Simple, a TE não passa de uma superstição naturalista, por mais que isso pareça um paradoxo.

Não será permitido neste blog, insultos, palavras frívolas, palavrões, ataques pessoais, caso essas regras não sejam seguidas não perca seu precioso tempo postando comentário. Qualquer comentário que violar a política do blog será apagado sem aviso prévio. Na persistência da violação o comentador será banido.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s