Em Defesa do Design Inteligente

Início » Posts etiquetados como 'origem da vida'

Arquivo da tag: origem da vida

Em Undeniable, Douglas Axe liberta os leitores da tirania dos “especialistas” em evolução.

By Evolution News – David Klinghoffer

[Obs: Texto adaptado – O artigo possui links em inglês – Imagens do EnV]

Undeniable release day.jpg

Foi com um anseio familiar que eu virei a última página do novo livro de Douglas Axe, Undeniable: How Biology Confirms Our Intuition that Life Is Designed [Inegável: Como a biologia confirma nossa intuição de que a vida é projetada], publicado hoje. Se apenas os evolucionistas parassem de girar sua teoria por um momento, ler um crítico sério, e respondê-lo. Se apenas! Uma das características mais marcantes do “debate” sobre Darwin, é o sinal de recusa dos defensores de Darwin registrarem críticas científicas e oferecerem uma resposta digna.

Undeniable-Books.jpg

Tendo lido Undeniable, acho que o defensor da evolução que eu mais gostaria de ouvir é o Jeremy England do MIT, saudado como o “próximo Charles Darwin“. Axe cita Paul Rosenberg escrevendo em Salon, alegando (com a costumeira e confusa implantação da palavra assustadora “criacionista”), que “as coisas poderiam ficar muito piores para os criacionistas por causa de Jeremy England, um jovem professor do MIT que propôs uma teoria, baseada na termodinâmica, mostrando que o surgimento da vida não foi acidental, mas necessário “.

Necessário” significa basicamente um estalo. Como o próprio England diz: “Você começa com um amontoado de átomos aleatórios, e se você ilumina com luz por tempo suficiente, não deve ser surpreendente que você obtenha uma planta”. Ou como Axe resume a “equação”:

Luz + átomos aleatórios + tempo = planta viva

England está em uma longa tradição de pessoas inteligentes nas ciências que grosseiramente – descontroladamente! – subestimam o desafio de desenvolver a vida a partir de não-vida ou o complexo a partir do simples. Para o leigo, a tentação é simplesmente tomar essa opinião de peritos como permitida, sem questioná-la. Essa é a maneira mais fácil, e pelo menos na visão da mídia, a mais louvável, tocada pelo prestígio da opinião da elite. Afinal, quem sou eu, um não-cientista, para duvidar de um famoso especialista?

Para essa pergunta, o livro do Dr. Axe é a resposta. Altamente rigoroso, mas apaixonante, lírico, direto, refrescantemente breve e acessível, Undeniable é uma adição urgentemente necessária para a biblioteca de livros sobre design inteligente. Destaca-se de várias maneiras. É o livro que basicamente se afasta dos assuntos técnicos e demonstra por que todos os outros livros do DI devem estar certos. Ao dar as perspectivas de engenharia e biologia, oferece aos não-engenheiros e não-biólogos as ferramentas intelectuais, sem dominar literatura técnica, para ter e defender sua própria visão bem-informada sobre a questão final das origens da vida.

Não quero dizer que seja inteiramente fácil de ler ou remotamente superficial, de modo que qualquer um possa virar e sair preparado em um piscar de olhos para dar a Jeremy England uma parte de sua mente. Mas uma leitura focada e talvez a releitura deve ser suficiente.

Axe discute com England, com David Barash, com Richard Dawkins e, muito respeitosamente, com Thomas Nagel. O livro é moldado pelo engajamento com Nagel. Mas o Dr. Axe não está discutindo por nós, em nosso nome. Ele está nos mostrando como fazê-lo.

Axe conclui que as explicações darwinianas não são apenas improváveis, meramente implausíveis, mas “fisicamente impossíveis”. Ele explica como ele chegou a essa conclusão, em uma jornada própria nos tempos de graduação na UC Berkeley, PhD em Caltech, e na Universidade de Cambridge, onde ele era um estudante de pós-doutorado e cientista de pesquisa, finalmente expulso por sua associação com o DI. Axe é atualmente diretor do Instituto Biológico.

Publicando no Journal of Molecular Biology, ele investigou a raridade das proteínas funcionais, testando a afirmação anterior do biólogo Michael Denton de que elas “poderiam muito bem ser extremamente raras“. O qual foi um vasto, vasto eufemismo: “Eu fui capaz de colocar um número sobre a verdadeira raridade – um número surpreendente”, com “apenas uma boa sequência de proteínas para cada 1074 más“.

Mas você não tem que tomar a palavra de Axe para isto, contra a maioria admitida de seus colegas cientistas que afirmam a alternativa darwiniana. Ele explica como a intuição natural do design não é apenas inata, mas intelectualmente, cientificamente válida, confirmada pelo o que Axe chama de “ciência comum”. Não é verdade que porque você não tem um PhD e porque seu trabalho, ao contrário de Axe, não é destaque na Nature ou PNAS, que você não é um cientista. Praticar a ciência é algo que todos nós fazemos, mesmo que muitos nunca se aventurem em seus aspectos rarefeitos.

A intuição de design é suprimida por muitos de nós, de forma natural, e esse é o pequeno segredo sujo da biologia evolutiva. Em resumo, a evolução pode “violar”, mas não pode “inventar”:

Se a invenção de um trabalho X  é um projeto completo que requer uma nova coerência funcional extensa, então a invenção de X por acidentes de qualquer tipo é fisicamente impossível. Por quê? Porque causas acidentais para combinar insight nesta escala seria uma coincidência fantasticamente improvável, e nosso universo simplesmente não pode entregar fantasticamente improváveis coincidências. O fato de que coisas muito mais simples podem ser obtidas por acidente é completamente irrelevante. A única coisa que precisamos saber para rejeitar todos os relatos do próprio X sendo inventado por acidente é que todas essas histórias tentam desculpar uma coincidência impossível.

A invenção, seja de uma omelete ou de uma orca, requer conhecimento. Reconhecemos que o papel dobrável para conceber um guindaste de origami exigiu saber; mas ligeiramente rejeitar o mesmo requisito em um guindaste vivo, por causa da “seleção natural”? Axe aconselha “cientistas comuns” como nós mesmos a “manter o olho na bola”:

Chegamos ao que parece ser um argumento decisivo. Em uma frase: A coerência funcional torna a invenção acidental fantasticamente improvável e, portanto, fisicamente impossível. Invenção não pode acontecer por acidente. Então, esta é a bola. Tornar-se distraído por qualquer defesa de origens acidentais que não responda a este argumento é tirar o olho da bola.

O enigma da evolução da proteína por si só é suficiente para servir como um “desfazer a evolução“. Mas o problema, a demanda por conhecimento e insight, como um pré-requisito para a invenção, vai por todo o caminho até a hierarquia ordenada que compreende cada criatura viva; da aranha, salmão, orca: “Cada uma é impressionantemente atraente e completa, totalmente comprometida a ser o que é“.

A organização hierárquica é a chave, e Axe ilustra o conceito de forma clara, com exemplos que incluem o sistema fotossintético das cianobactérias e o “sistema completo”, a “hierarquia funcional” da visão dos mamíferos.

Isso é tudo maravilhosamente explicado – Axe é um belo escritor – em menos de trezentas páginas que se movem rapidamente e com grande brio. “Meu objetivo”, escreve Axe, é “É libertar os leitores da sua dependência de peritos. Ele fez isso, magistralmente.

Estou no Twitter. Siga-me @d_klinghoffer.

 

Anúncios

James Tour e as origens da vida – “Está tudo resolvido?”.

By Evolution News – Sarah Chaffee

[Obs: Texto adaptado –  O título do original difere do desse blog – Este artigo possui links no original em inglês – Imagens do EnV com os devidos créditos]  

Denver_Museum_of_Nature_&_Science.JPG

As falsas declarações da evidência científica sobre a evolução estão em toda parte. Confira os monitores em seu museu de ciências local, por exemplo, e você não pode ajudar tropeçando sobre eles.

Recebemos uma observação de um amigo nosso que visitou o Denver Museum of Nature & Science. Além de explorar a nova exposição de robótica com seus netos, o defensor do Discovery Institute e entusiasta do design inteligente Jim Campbell decidiu visitar a seção origens da vida. Duas das exposições, sobre a formação de células e o experimento Miller-Urey, eram cientificamente imprecisas.

Letter_DMNS_Aug2016 (005)[2].jpg

Letter_DMNS_Aug2016 (004).jpg

Ele enviou uma carta ao museu, apontando isso. No visor “Receita para a vida“:

… De acordo com a exibição, a receita apenas requer alguns ingredientes; carbono, enxofre, nitrogênio, hidrogênio, oxigênio e fósforo. Em seguida, siga estes passos:

Misture em um ambiente quente,

Seque ocasionalmente,

Adicione tempo e energia e

Permita a combinação de formas ordenadas e padronizadas.

É isso aí! Basta misturar alguns produtos químicos, adicionar algum tempo e energia, e a vida magicamente aparece. Para deixar claro quão fácil deve ter sido, a sua exposição mostra uma tigela de mistura, como se criar a vida fosse pouco mais do que fazer um pão ou uma tigela de sopa de galinha.

Para uma visão esclarecida sobre o tema das origens da vida, considere o que o Dr. James Tour tem a dizer sobre isso. Dr. Tour é Professor de química, TT & WF Chao, na Universidade de Rice. Ele também ensina Ciência da Computação, Ciência dos Materiais e Nano-Engenharia. Dr. Tour é um dos principais especialistas mundiais em química sintética – A ciência que projeta moléculas complexas. Estas citações foram tiradas de sua palestra em Pascal, na universidade de Waterloo em 2016:

A abiogênese é o processo prebiótico em que a vida, tal como uma célula, resulta de compostos orgânicos simples não vivos: carboidratos, ácidos nucleicos, lipídios e proteínas (polímeros de aminoácidos). Tudo isso é necessário antes que a evolução entre em ação…

( Confusão Coletiva ) Não temos ideia de como as moléculas que compõem os sistemas vivos poderiam ter sido concebidas de tal forma a funcionar em conjunto para cumprir funções biológicas. Nós não temos ideia de como o conjunto básico de moléculas, carboidratos, ácidos nucleicos, lipídios e proteínas, foram feitos e como eles poderiam ter acoplado em sequências apropriadas e, em seguida, transformado em conjuntos ordenados até que houvesse a construção de um sistema biológico complexo, e, eventualmente, para uma primeira célula. Ninguém tem ideia de como isso foi produzido quando usamos nossos mecanismos comumente entendidos de ciência química. Aqueles que dizem que entendem, são geralmente totalmente desinformados em relação à síntese química. Aqueles que dizem que tudo isso está resolvido, não sabem nada: nada sobre a síntese química. Nada!

( Confusão Adicional ) Do ponto de vista químico sintético, nem eu, nem nenhum de meus colegas conseguimos imaginar uma via molecular prebiótica para a construção de um sistema complexo. Não conseguimos nem descobrir as rotas prebióticas para os blocos básicos da vida: Carboidratos, ácidos nucleicos, lipídios e proteínas. Os químicos estão coletivamente perplexos. Daí eu digo que nenhum químico entende a síntese prebiótica dos blocos de construção necessários, muito menos a sua montagem em um sistema complexo.

Pedi a todos os meus colegas, membros da Academia Nacional, ganhadores do Prêmio Nobel. Eu sento com eles em escritórios. Ninguém entende isso. Então, se seus professores disserem: “está tudo resolvido”  – seus professores dizem: “está tudo resolvido“, eles não sabem do que estão falando. Não está resolvido. Você não pode simplesmente afirmar isso a outra pessoa. Eles não sabem o que estão falando.

A exposição “Receita para a Vida” é, na melhor das hipóteses, enganosa, e na pior das hipóteses, propaganda descarada. É um embaraço para o museu e deve ser removida.

E na exposição Miller-Urey, o Sr. Campbell comentou:

A segunda exibição ofensiva do museu envolve o experimento Miller-Urey. O experimento foi certamente importante e informativo no momento em que foi conduzido, embora haja agora, questões válidas sobre se a atmosfera simulada no experimento era a representação pretendida da atmosfera primitiva. No entanto, o principal problema com esta exibição diz respeito à sua legenda, “Replicando a vida no laboratório?”.

A legenda, apresentada sob a forma de uma pergunta para evitar ser tecnicamente incorreta, é claramente destinada a enganar pessoas motivadas em acreditar que a vida foi criada em um laboratório – nem perto disso! No entanto, a tela parece destinada a induzir as pessoas a acreditarem exatamente o contrário.

Mais uma vez, esta exibição do museu não é digna e a legenda deve ser pelo menos modificada para representar mais honestamente a experiência.

Como o Denver Museum of Nature & Science respondeu? Em uma carta, em setembro:

Você compartilhou suas críticas sobre as origens da vida, na seção Viagem Pré-Histórica. Eu passei suas recomendações para a equipe multidisciplinar – Incluindo curadores, planejadores e educadores – Que supervisionam coletivamente nossa exposição da Viagem Pré-Histórica. Devido aos horários de viagem, eles não devem se reunir por várias semanas, mas vão rever sua opinião e retornarão a você depois dessa discussão.

Campbell acompanhou após receber a carta, e depois novamente, alguns meses mais tarde, mas não recebeu nenhuma resposta. É ótimo ver pessoas usando seu conhecimento científico para apontar falhas no dogma darwiniano. Mas um museu varrendo um cliente, quando se trata de evolução, infelizmente não vem como uma grande surpresa.

Design Inteligente: Por que as informações biológicas não podem se originar por meio de um processo materialista? – Stephen Meyer

smeyer635x265-250x150Uma das coisas que faço nas minhas aulas, para levar essa ideia aos alunos, é que eu seguro dois discos de computador. Um é carregado com software, e o outro está em branco. E eu pergunto a eles, “qual é a diferença de massa entre esses dois discos de computador, como resultado da diferença no conteúdo de informações que eles possuem?”.
E, claro, a resposta é: Zero! Nenhuma! Não há diferença como resultado da informação. E isso é porque a *informação é quantitativamente sem massa  [*information is a mass-less quantityoriginal].

Agora, se a informação não é uma entidade material, então como uma explicação materialista pode explicar sua origem? Como pode qualquer causa material explicar sua origem? E este é um problema real e fundamental que a presença da informação na biologia tem colocado. Ela cria um desafio fundamental para os cenários materialistas e evolutivos, porque a informação é um tipo diferente de entidade que a matéria e a energia não podem produzir.

hci-certificateNo século XIX, pensávamos que havia duas entidades fundamentais na ciência; matéria e energia. No início do século XXI, agora, reconhecemos que há uma terceira entidade fundamental, e sua “informação”. Não é redutível à matéria. Não é redutível à energia. Mas ainda é uma coisa muito importante que é real; nós compramos, vendemos, nós enviamos através de fios e cabos elétricos.
Agora, o que devemos fazer diante do fato que a informação está presente na própria raiz de toda função biológica? Na biologia, temos matéria, temos energia, mas também temos essa terceira entidade, muito importante; a informação. Penso que a biologia da era da informação, representa um desafio fundamental para qualquer abordagem materialista da origem da vida.

Dr. Stephen C. Meyer obteve seu PhD em História e Filosofia da Ciência na Universidade de Cambridge para uma dissertação sobre a história da biologia da origem-da-vida e da metodologia das ciências históricas.

Design Inteligente: Por que as informações biológicas não podem se originar por meio de um processo materialista? – Stephen Meyer – vídeo

 


Original em Inglês: Uncommon Descent – Primeiro Comentário – Bornagain77

O Enigma da Informação. “A explosão cambriana da informação”.

Por Teoria do Design Inteligente – Comunidade

É extremamente importante a difusão deste pequeno documentário que apresenta o que eu considero a mais sucinta explicação de alguns aspectos da Teoria do Design Inteligente.

A tradução foi realizada por nosso amigo Saulo Reis da página Universo Privilegiado.

Douglas Axe apresenta uma síntese de seus resultados trabalhando com mutagênese sítio-específica em biologia molecular: o universo de possibilidades e o imenso espaço não funcional através de busca exaustiva.

Stephen Meyer aborda o método histórico-científico de natureza narrativa e as inferências ao design, o método das Múltiplas Hipóteses Concorrentes(MHC), também chamado método da Inferência para a Melhor Explicação(IME), e como tudo isso se relaciona com a formação de um caso científico para o Design Inteligente.

 

…………………..

Eskelsen

 

Moléculas fundamentais da célula são universais – As primeiras previsões da evolução.

By Cornelius Hunter – Darwins Predictions

Além do código de DNA, existem outros processos moleculares fundamentais que parecem ser comuns a toda a vida. Um exemplo intrigante é a replicação que copia ambas as cadeias da molécula de DNA, mas em direções diferentes . Evolução prevê que esses processos fundamentais são comuns a toda a vida. Na verdade, esta era comumente dita, ser uma importante previsão de sucesso para a teoria. Como Niles Eldredge explicou, a “uniformidade química subjacente da vida ” foi um teste severo que a evolução passou com distinção. (Eldredge, 41)

Da mesma forma Christian De Duve declarou que a evolução é em parte confirmada pelo fato de que todos os organismos vivos existentes funcionam de acordo com os mesmos princípios. (De Duve, 1) E Michael Ruse concluiu que as macromoléculas essenciais da vida ajudam a tornar a evolução para além de qualquer dúvida razoável. (Ruse, 4)

 

Mas esta conclusão de que os processos moleculares fundamentais dentro da célula são comuns a todas as espécies foi superficial. Nos anos posteriores, quando os detalhes foram investigados, diferenças importantes entre espécies surgiram. Por exemplo, proteínas-chave de replicação de DNA surpreendentemente “mostraram pouca ou nenhuma semelhança de sequência entre as bactérias e archaea / eucariotos.” (Leipe) também diferentes processos de replicação de DNA foram descobertos. Esses resultados não foram como se esperava:

 

Em particular, e contra intuitivamente, dado o papel central do ADN em todas as células e a uniformidade mecanicista de replicação, as enzimas do núcleo dos sistemas de replicação de bactérias e archaea (bem como eucariotas) são independentes ou a relação entre ambos é extremamente distante. Os vírus e plasmídeos, além disso, possuem, pelo menos, dois sistemas de replicação de DNA original, ou seja, proteína primordial e  a replicação das modalidades de círculo de rolamento. Esta diversidade inesperada faz com que a origem e evolução de sistemas de replicação de DNA um problema particularmente desafiador e intrigante na biologia evolutiva. (Koonin)

 

Alguns evolucionistas estão reconsiderando a suposição de que toda a vida na Terra compartilha a mesma arquitetura básica molecular e bioquímica, e ao invés disso, examinam a possibilidade de evolução independente, e múltiplas origens, fundamentalmente diferente, de formas de vida. (Cleland, Leipe)

 

(Texto adaptado)

 

Referencias:

Cleland, Carol. 2007. “Epistemological issues in the study of microbial life: alternative terran biospheres?.” Studies in History and Philosophy of Science Part C: Studies in History and Philosophy of Biological and Biomedical Sciences 38:847-861.

de Duve, Christian. 1995. Vital Dust. New York: BasicBooks.

Eldredge, Niles. 1982. The Monkey Business. New York: Washington Square Press.

Koonin, E. 2006. “Temporal order of evolution of DNA replication systems inferred by comparison of cellular and viral DNA polymerases.” Biology Direct 18:1-39.

Leipe, D., L. Aravind, E. Koonin. 1999. “Did DNA replication evolve twice independently?.” Nucleic Acids Research27:3389-3401.
Ruse, Michael. 1986. Taking Darwin Seriously. New York: Basil Blackwell.

 

Compartilho agora esse documento do Discovery Institute com uma abordagem profunda sobre evolução e Design Inteligente.

Clique aqui e tenha acesso ao documento na integra (O documento está em inglês).

Alguns trechos:

“(…)… Para o próprio Darwin, a idéia de um projetista divino não era o problema. Aliás, ele não tinha nada contra a visão de que universo como um todo foi inteligentemente concebido, uma noção que era parte da visão do mundo comum….(…)”

“Para que a evolução ocorra nesses modelos, o conhecimento externo deve ser imposto sobre o processo de orientação. Metabiology parece então ser um outro exemplo, onde seu criador faz o trabalho de modelo evolutivo. … Consistente com as leis de conservação da informação, a seleção natural só pode trabalhar usando a orientação de informação ativa, que só pode ser providenciada por um designer.”

“O que isto significa é que, dada a segunda lei da termodinâmica, os argumentos de compensação não resolvem necessariamente o problema para evolução darwiniana, e a segunda lei poderia potencialmente ser um problema para o darwinismo. Se defensores darwinianos estivessem dispostos a examinar abertamente as improbabilidades enfrentados por sua teoria, veriam que questões sérias sobre a segunda lei —- entre muitos outras, é claro —- ainda precisam ser respondidas.”

“Reconhecendo os organismos vivos como sistemas semióticos permite-se analogias úteis para ser retiradas de outros sistemas semióticos. Tais analogias são poderosas porque: (1) elas dão uma visão e compreensão, relacionando o desconhecido em termos familiar e, (2) lições aprendidas com outras esferas semióticas (como princípios da eficiência de armazenamento e recuperação de informação em ciência da computação) pode gerar previsões e hipóteses para novas fronteiras na biologia (como uma árvore – como estrutura de banco de dados para armazenamento e recuperação da informação no genoma humano). Isto é evidenciado pelo fato de que os biólogos usam frequentemente analogias entre os sistemas semióticos familiares de linguagem humana e computadores.”

“Para ser considerado de forma inequívoca como um sinal inteligente, quaisquer padrões no código devem satisfazer os seguintes critérios: (1) eles devem ser altamente significativos estatisticamente e (2) não só eles devem possuir inteligencia – como características, mas eles devem ser inconsistentes, em princípio, com qualquer processo natural, seja ele ou darwiniana ou Lamarckista evolução, impulsionado pela biossíntese de aminoácidos, alterações genômicas, afinidades entre (Anti) códons e aminoácidos, a seleção para o aumento da diversidade de proteínas energética de códon – interações Anticódon, ou vários mecanismos pré-translacionais.”

Matemática e a teoria da evolução

By Darwinismo WordPress

Por Granville Sewell

No ano de 1996, Michael Behe, bioquímico da Universidade de Lehigh, publicou o seu livro com o título de “Darwin’s Black Box”, cujo tema central era a tese de que as células vivas encontram-se preenchidas com características e processos bioquímicos que são “irredutivelmente complexos” – isto é, eles requerem a existência de componentes numerosos e complexos, cada um deles essencial para o funcionamento. Logo, estes traços e processos não podem ser explicados através duma gradual melhoria Darwiniana uma vez que até que todos os componentes estejam operacionais, estas estruturas são inúteis e não conferem qualquer vantagem selectiva.

Behe passa mais de 100 páginas a descrever detalhadamente alguns destes sistemas bioquímicos irredutivelmente complexos, e depois sumariza os resultados duma exaustiva busca na literatura bioquímica por explicações Darwinianas. Ele conclui que, embora os textos de Bioquímica frequentemente prestem homenagem verbal à ideia de que a selecção natural das mutações aleatórias pode explicar tudo o que existe dentro da célula, tais alegações são puro “ruído” visto que “não existe qualquer publicação dentro da literatura científica que descreva a forma como a evolução molecular de qualquer sistema bioquímico, real e complexo, ocorreu ou pode vir a ocorrer.”

Quando o Dr Behe esteve na Universidade do Texas – El Paso – em Maio de 1997 como palestrante convidado, disse-lhe que ele poderia encontrar um maior apoio às suas ideias nos departamentos de Matemática, Física e Ciência Computacional do que na sua própria área. Conheço muitos bons matemáticos, físicos e cientistas computacionais que, como eu, estão estarrecidos com o facto das explicações de Darwin para o desenvolvimento da vida serem tão amplamente aceites pelas ciências da vida [ed: biologia, zoologia, microbiologia, fisiologia, bioquímica, e áreas relacionadas]. Poucos desses matemáticos, físicos e cientistas computacionais chegam a falar ou a escrever sobre este assunto – muito provavelmente porque sentem que o assunto encontra-se fora do seu domínio.

Apesar disso, acredito que existem dois argumentos centrais contra o Darwinismo, e ambos parecem ser muito do agrado daqueles que se encontram dentro das ciências matemáticas.

1. A pedra angular do Darwinismo é a ideia de que melhorias maciças (complexas) podem-se ir acumulando através de melhorias menores; que novos órgãos e novos sistemas de órgãos, que deram origem às novas ordens, novas classes, e novos filos, desenvolveram-se gradualmente, através de muitas melhorias menores.

Temos que salientar inicialmente que o registo fóssil não confirma esta ideia; por exemplo, George Gaylord Simpson, paleontólogo de Harvard, escreve:

É característica do registo fóssil conhecido que a maior parte dos táxons apareçam abruptamente. Em regra geral, eles não se vão formando através duma sequência de mudanças quase imperceptíveis de precursores, tal como Darwin acreditou que seria normal dentro da evolução… Este fenômeno torna-se mais universal e mais intenso à medida que a hierarquia de categorias é ascendida. As lacunas entre as espécies conhecidas são esporádicas e pequenas. As lacunas entre as ordens, as classes, e os filos são sistemáticos e quase sempre enormes.

Estas peculiaridades do registo fóssil são um dos mais importantes problemas teóricos de toda a história da vida: É o aparecimento súbito das categorias mais elevadas um fenômeno da evolução, ou só do registo devido à recolha tendenciosa [de fósseis] e outras inadequações? – [“The History of Life,” in Volume I of “Evolution after Darwin,” University of Chicago Press, 1960]

Em Abril de 1892, um artigo da Life Magazine (excerto do livro de Francis Hitching “The Neck of the Giraffe: Where Darwin Went Wrong”) contém a seguinte informação:

Quando procuramos elos entre os principais grupos de animais, eles pura e simplesmente não estão lá….“Em vez de encontramos um desdobramento gradual da vida”, escreve David Raup, Curador do Field Museum of Natural History em Chicago, “o que os geólogos do tempo de Darwin, bem como os geólogos actuais, encontram é um registo fóssil altamente desigual e irregular; isto é, as espécies aparecem no registo fóssil muito subitamente, exibem pouca ou nenhuma modificação durante a sua existência, e depois desaparecem abruptamente.” Isto não são falhas insignificantes mas sim períodos, presentes nas principais transições evolutivas, durante os quais mudanças fisiológicas imensas teriam que ter acontecido.

Mesmo entre os biólogos, a ideia de órgãos novos, e desde logo categorias superiores, se poderem desenvolver gradualmente através de pequenas melhorias, tem sido alvo de contestação. De que forma é que a “sobrevivência do mais apto” poderia controlar o desenvolvimento de órgãos durante as fases iniciais sem utilidade, durante as quais elas obviamente não apresentavam qualquer vantagem selectiva (isto é frequentemente identificado como “o problema das novidades”), ou orientar o desenvolvimento total de novos sistemas, tais como o sistema nervoso, o circulatório, o digestivo, o respiratório, e o reprodutor – algo que exigiria o desenvolvimento simultâneo de vários órgãos interdependentes, nenhum deles útil ou possuindo alguma vantagem selectiva isoladamente?

O biólogo Francês Jean Rostand, por exemplo, escreveu:

Não parece totalmente impossível que as mutações tenham introduzido para dentro do reino animal as diferenças que existem entre uma espécie e a próxima…..logo, é muito tentador deixar também à sua porta as diferenças entre as classes, famílias, e ordens, e, basicamente, toda a evolução. Mas é óbvio que tal extrapolação envolve uma atribuição gratuita, às mutações do passado, duma magnitude e dum poder inovador muito maior do que aquele que é mostrado pelas mutações de hoje. – [“A Biologist’s View,” Wm. Heinemann Ltd. 1956]

O livro de Behe é, primordialmente, um desafio a esta pedra angular da Darwinismo ao nível microscópico. Embora nós possamos não estar familiarizados com os sistemas bioquímicos complexos que são estudados no seu livro, acredito que os matemáticos encontram-se muito bem qualificados para avaliar as ideias gerais envolvidas. E embora uma analogia seja apenas uma analogia, talvez a melhor forma de entender o argumento de Behe seja comparando o desenvolvimento do código genético da vida com o desenvolvimento dum programa de computador.

Imaginem que um engenheiro tenta criar uma análise estrutural dum programa de computador, escrevendo a análise numa linguagem de máquina totalmente desconhecida para ele. Ele simplesmente digita caracteres aleatórios com o seu teclado, e periodicamente executa testes ao programa de modo a reconhecer e escolher as melhorias fortuitas sempre que elas ocorrem. As melhorias são permanentemente incorporadas no programa ao mesmo tempo que as outras mudanças são rejeitadas.

Se o nosso engenheiro continuar com este processo de alterações aleatórias e testes durante um longo período de tempo, será que ele eventualmente seria capaz de desenvolver um sofisticado programa de análise estrutural? (Claro que quando seres humanos inteligentes decidem o que é uma “melhoria”, isto é, na verdade, selecção artificial, e devido a isso, esta analogia é demasiado generosa para o Darwinismo).

Se mil milhões de engenheiros estivessem a digitar ao mesmo ritmo um carácter aleatório por segundo, não há qualquer possibilidade de qualquer um deles, e no espaço de 4,5 mil milhões de anos da idade da Terra [ed: segundo os crentes nos milhões de anos] duplicar acidentalmente uma melhoria com 20 caracteres. Logo, o nosso engenheiro não pode contar em fazer algum tipo de melhoria só de forma aleatória.

Mas será que o engenheiro não conseguiria talvez fazer algum tipo de progresso através da acumulação de pequenas melhorias? O Darwinista presumivelmente diria que sim, mas para alguém com experiência mínima de programação, esta ideia é igualmente implausível. As melhorias principais dum programa de computador normalmente exigem uma adição ou modificação de centenas de linhas [de código] interdependentes, e nenhuma delas faz qualquer sentido, ou resulta em alguma melhora, se adicionada/modificada por si só.

Até a mais pequena das melhorias normalmente requer o adição de várias linhas. É concebível que um programador, incapaz de olhar mais além que 5 ou 6 caracteres, seja capaz de fazer algumas melhorias ínfimas a um programa de computador, mas é inconcebível que ele seja capaz de criar algo minimamente sofisticado sem uma habilidade de olhar mais além e modificar as suas alterações tendo em vista um plano geral.

Se arqueólogos duma sociedade futura por acaso desenterrarem as muitas versões do meu PDE solver, PDE2D , que eu criei durante os últimos 20 anos, certamente que eles iriam notar um aumento constante de complexidade com o passar do tempo, e iriam notar também nas muitas óbvias semelhanças entre cada uma das novas versões e as prévias. No princípio, o programa só era capaz de resolver uma equação linear única, 2D, steady-state numa região poligonal. Desde então, o PDE2D desenvolveu muitas novas habilidades (…).

Um arqueólogo que tentasse explicar a evolução deste programa de computador em termos das suas muitas pequenas melhorias, ficaria confuso se por acaso viesse a descobrir que todos estes avanços maiores (novas classes ou filos??) haviam aparecido subitamente como versões novas; por exemplo, a capacidade de resolver problemas em 3D [três dimensões] apareceu pela primeira vez na versão 4.0. Outras melhorias maiores (novas famílias ou ordens??) apareceram subitamente nas novas sub-versões – por exemplo, a capacidade de resolver problemas em 3D com condições de contorno periódicas apareceram pela primeira vez na versão 5.6.

De facto, o registo do desenvolvimento do PDE2D seria muito semelhante ao registo fóssil, com lacunas enormes onde os traços principais apareceram, e lacunas menores onde os traços menores surgiram. Isto prende-se com o facto da multitude de programas intermediários entre as versões e sub-versões que os arqueólogos poderiam esperar encontrar nunca terem chegado a existir porque – por exemplo – nenhuma das modificações que eu fiz à versão 4.0 fazia algum sentido, ou disponibilizava ao PDE2D alguma vantagem na resolução de problemas em 3D (ou qualquer outra coisa), até que centenas de novas linhas de código foram acrescentadas.

Quer seja ao nível microscópico ou ao nível macroscópico, os principais e complexos avanços evolutivos, envolvendo novos traços (em oposição às quantitativas mudanças menores tais como o aumento do comprimento do pescoço da girafa (1), ou o escurecimento das asas das mariposas, que claramente poderiam ocorrer de foram gradual) também envolvem a adição de muitas peças interligadas e interdependentes.

Estes avanços complexos, tais como aqueles feitos aos programas de computador, nem sempre são “irredutivelmente complexos” – por vezes existem fases intermédias úteis. Mas da mesma forma que as melhorias principais ao programa de computador não podem ser feitas com 5 ou 6 caracteres de cada vez, certamente que nenhum avanço evolutivo considerável é redutível a uma série de pequenas melhorias – cada uma delas suficientemente pequena para ser unida através duma simples mutação aleatória.

2. O outro ponto, que é bastante simples mas que também só parece ser apreciado pelas pessoas com orientação mais matemática, é: atribuir o desenvolvimento da vida na Terra à selecção natural é atribuir a ela – e só a ela, acima de todas as outras “forças” naturais – a capacidade de violar a 2ª Lei da Termodinâmica (SLT), e causar a que a ordem apareça da desordem.

É alegado com frequência que, visto que a Terra não é um sistema fechado – por receber energia do Sol, por exemplo – a 2ª Lei da Termodinâmica não se aplica neste caso. É verdade que a ordem pode aumentar localmente se esse aumento de ordem for compensado com uma diminuição de ordem noutro sítio qualquer – isto é, um sistema aberto pode ser visto como um estado menos provável através da importação de ordem externa. Por exemplo, podemos transportar um camião cheio de enciclopédias e computadores para a Lua sem que com isso violemos a 2ª Lei.

Mas esta Lei da Termodinâmica – pelo menos o princípio básico da lei – diz simplesmente que as forças naturais não conseguem causar o acontecimento de eventos extremamente improváveis (2), e consequentemente, é um absurdo alegar que, visto que a Terra recebe energia do Sol, este princípio não foi violado quando ocorreu o arranjo original de átomos para enciclopédias e computadores.

O biólogo estuda os detalhes da história natural, e quando olha para as semelhanças entre duas espécies de borboletas, ele está compreensivelmente relutante em atribuir ao sobrenatural a causa das pequenas diferenças. Mas o matemático ou o físico é mais susceptível de olhar para as coisas duma forma mais alargada. Eu imagino-me a visitar a Terra quando ela era nova, e voltar agora e encontrar auto-estradas com carros sobre elas, aeroportos com aviões, e edifícios altos cheios de equipamentos complicados tais como televisões, telefones e computadores.

Depois imagino a construção dum gigantesco modelo informático que começa com as condições inicias da Terra há 4 mil milhões de anos atrás [ed: posição refutada pela ciência] e que tenta simular os efeitos que as quatro forças físicas conhecidas (gravitacional, electromagnética, força nuclear forte, e força nuclear fraca) teriam em todos os átomos e partículas sub-atômicas do nosso planeta (provavelmente usando geradores de números aleatórios como forma de simular as incertezas quânticas!).

Se por acaso nós executássemos essa simulação até aos dias de hoje, será que isso iria prever que as forças básicas da Natureza iriam reorganizar as partículas básicas da Natureza até que elas formassem livrarias cheias de enciclopédias, textos científicos e novelas, usinas eléctricas, porta-aviões com jatos supersônicos estacionados no convés, e computadores ligados a impressoras a laser, CRT e teclados? Se por acaso nós pudéssemos exibir graficamente a posição dos átomos no final da simulação, será que ficaríamos a saber que carros e camiões haviam sido formados, e que super-computadores haviam surgido? Certamente que não, e nem acredito que adicionar a luz do Sol ao modelo iria ajudar muito.

Com a origem e o desenvolvimento da vida, e especialmente com o desenvolvimento da consciência e criatividade humana, claramente algo extremamente improvável aconteceu no nosso planeta.

Fontes: Discovery.org e University of Texas at El Paso – Mathematical Sciences

* * * * * * * *

E que evento “extremamente improvável” foi esse que adicionou quantidades imensas de informação no nosso planeta?

10 Principais Problemas Científicos com a Evolução Química e Biológica – Parte 2/10

Problema 2: Processos Químicos Não Guiados Não Podem Explicar a Origem do Código Genético

 

 

Casey Luskin 5 de janeiro de 2015 12:00 AM

 

 

Nota do Editor: Esta é a parte 2 de uma série de 10 baseado no capítulo de Casey Luskinr, “The Top Ten Scientific Problems with Biological and Chemical Evolution,” [Os dez principais problemas científicos com a evolução biológica e química] no volume More than Myth [Mais do que mito] editado por Paul Brown e Robert Stackpole (Chartwell Press, 2014). Quando a série estiver completa, o capítulo inteiro será postado online. A primeira parte pode ser encontrada aqui: Problema 1. Quando a série estiver completa, o capítulo inteiro será postado online.

Vamos presumir que o mar primordial cheio de blocos construtores de vida que existiam na Terra primeva, e de alguma maneira ele formou proteínas e outras moléculas orgânicas complexas. Teóricos creem que o próximo passo na origem da vida é que – completamente ao acaso – mais e mais moléculas complexas formaram até que algumas começaram a se autorreplicar. A partir disso, eles creem que a seleção natural darwinista tomou controle, favorecendo aquelas moléculas que eram mais capazes de fazer cópias de si mesmas. Eventualmente, eles presumem, era inevitável que essas moléculas evoluiriam maquinaria complexa – como aquela usada no código genético atual – para sobreviver e reproduzir.
Os teóricos modernos da origem da vida explicaram como aconteceu esta ponte crucial a partir de elementos químicos para sistemas moleculares autorreplicantes? A hipótese mais proeminente para a origem da primeira vida é chamada de “Mundo RNA.” Em células vivas, a informação genética é transportada pelo DNA, e a maioria das funções celulares é feita pelas proteínas. Contudo, o RNA é capaz de tanto transportar a informação genética e catalisar algumas reações bioquímicas. Como resultado, alguns teóricos postulam que a primeira vida pode ter usado somente RNA para realizar todas essas funções.
Mas, há muitos problemas com esta hipótese.
Em primeiro lugar, as primeiras moléculas de RNA teriam que surgir por processos químicos não biológicos não guiados. Mas sabe-se que o RNA não é capaz de se agregar sem a ajuda de um químico de laboratório proficiente guiando inteligentemente o processo. Robert Shapiro, químico da Universidade New York, criticou os esforços daqueles cientistas que tentaram fazer RNA no laboratório, dizendo: “O defeito está na lógica – que este controle experimental pelos pesquisadores em um laboratório moderno estivesse disponível na Terra primitiva.”15

Em segundo lugar, embora tenha sido demonstrado que o RNA realiza muitos papéis na célula, não existe nenhuma evidência que pudesse realizar todas as atuais funções celular necessárias feitas pelas proteínas.16

Em terceiro lugar, a hipótese do mundo RNA não explica a origem da informação genética.
Os defensores do mundo RNA sugerem que, se a primeira vida autorreplicante fosse baseada em RNA, teria sido necessário uma molécula entre 200 e 300 nucleotídeos de comprimento.17 Contudo, não existem leis químicas ou físicas conhecidas que ditar a ordem daqueles nucleotídeos.18 Para explicar o ordenamento dos nucleotídeos na primeira molécula de RNA autorreplicante, os materialistas precisam confiar no puro acaso. Mas as probabilidades de se especificar, por exemplo, 250 nucleotídeos em uma molécula de RNA, ao acaso é aproximadamente 1 em 10150 – abaixo do limite de probabilidade universal, ou eventos que são remotamente possíveis de ocorrer dentro da história do universo.19 Shapiro coloca o problema dessa maneira:

A aparição súbita de uma grande molécula autocopiável como o RNA era extremamente improvável. … [A probabilidade] é tão extremamente pequena que a sua ocorrência, mesmo que seja uma só vez em qualquer lugar no universo visível, isso contaria como uma peça de boa sorte excepcional.20

Em quarto lugar – e mais fundamentalmente – a hipótese do mundo RNA não explica a origem do código genético. A fim de evoluir na vida baseada em DNA/proteína que existe hoje, o mundo RNA precisaria evoluir a capacidade de converter informação genética em proteínas.
Todavia, esse processo de transcrição e tradução exige uma grande série de proteínas e máquinas moleculares – que em si mesmas são codificadas por informação genética. Isso cria um problema ovo-galinha, onde as enzimas essenciais e máquinas moleculares são necessárias para realizar a própria tarefa que as constrói.
A Galinha e o DVD

Para avaliarmos este problema, consideremos a origem do primeiro DVD e leitor de DVD player. Os DVDs são ricos em informação, mas sem a maquinaria de um leitor de DVD para ler o disco, processar sua informação, e convertê-la em uma figura e som, o disco seria inútil. Mas, se as instruções para construir o primeiro leitor de DVD somente fossem encontradas codificadas em um DVD? Você nunca poderia tocar o DVD para aprender como construir um leitor de DVD. Então, como surgiram o primeiro disco e leitor de DVD? A resposta é óbvia: um processo dirigido para um objetivo – design inteligente – é necessário para produzir tanto o leitor de DVD e o disco ao mesmo tempo.
Em células vivas, as moléculas que transportam informação (ex.: DNA ou RNA) são como o DVD, e a maquinaria celular que lê aquela informação e a converte em proteínas são como o leitor de DVD. Assim como a analogia do DVD, a informação genética nunca pode ser convertida em proteínas se a maquinaria adequada. Ainda assim, nas células, as máquinas necessárias para o processamento da informação genética no RNA ou DNA são codificadas por aquelas mesmas moléculas genéticas – elas realizam e dirigem a própria tarefa que as constrói.
Este sistema não pode existir a menos que, tanto a informação genética e a maquinaria de transcrição/tradução estejam presentes ao mesmo tempo e que ao menos as duas falem a mesma língua. O biólogo Frank Salisbury explicou este problema em um artigo no American Biology Teacher, não muito tempo depois que os funcionamentos do código genético foram descobertos pela primeira vez:
É legal falar sobre as moléculas replicadoras de DNA surgindo em um mar de sopa, mas nas células modernas esta replicação exige a presença de enzimas adequadas. … O elo entre o DNA e a enzima é um elo altamente complexo, envolvendo o RNA e uma enzima para sua síntese em um DNA molde; ribossomos; enzimas para ativar os aminoácidos; e as moléculas transfer-RNA. … Como, na ausência da enzima final, poderia a seleção agir sobre o DNA e todos os mecanismos para replicá-lo? É como se tudo deva acontecer de uma vez: o sistema inteiro deva passar a existir como uma unidade, ou ele é imprestável. Podem até existir meios de como sair desse dilema, mas eu não os vejo no momento.21
Apesar de décadas de trabalho, os teóricos da origem da vida ainda estão perdidos quanto a explicar como que esse sistema surgiu. Em 2007, George Whitesides, químico da Universidade Harvard, ganhou a Medalha Priestley, a mais alta premiação da American Chemical Society [Sociedade Americana de Química]. Durante seu discurso recebendo o prêmio, ele ofereceu esta seguinte análise forte, republicada no respeitável journal, Chemical and Engineering News:

A Origem da Vida. Este problema é um dos maiores problemas na ciência. Ele começa colocando a vida, e nós, no universo. A maioria dos químicos creem, como eu creio, que a vida surgiu espontaneamente de misturas de moléculas na Terra prebiótica. Como? Eu não faço a menor ideia.22

Semelhantemente, o artigo no Cell Biology International acima mencionado concluiu: “Novas abordagens para investigar a origem do código genético são necessárias. As restrições da ciência histórica são tais que a origem da vida talvez nunca seja entendida.”23 Isto é, elas talvez nunca sejam entendidas a menos que os cientistas queiram considerar explicações científicas dirigidas a um objetivo tipo design inteligente.

Mais existe um problema muito mais profundo com as teorias da evolução química, bem como com a evolução biológica. Isso diz respeito não somente na capacidade para processar informação genética através de um código genético, mas a origem daquela informação.
Referências:
[16.] Vide Stephen C. Meyer, Signature in the Cell: DNA and the Evidence for Intelligent Design, p. 304 (New York: HarperOne, 2009).

[17.] Jack W. Szostak, David P. Bartel, e P. Luigi Luisi, “Synthesizing Life,” Nature, 409: 387-390 (18 de janeiro de 2001).

[18.] Michael Polanyi, “Life’s Irreducible Structure,” Science, 160 (3834): 1308-1312 (21 de junho de 1968).

[19.] Vide William A. Dembski, The Design Inference: Eliminating Chance through Small Probabilities (Cambridge University Press, 1998).

[20.] Robert Shapiro, “A Simpler Origin for Life,” Scientific American, p. 46-53 (Junho de 2007).

[21.] Frank B. Salisbury, “Doubts about the Modern Synthetic Theory of Evolution,” American Biology Teacher, 33: 335-338 (Setembro de 1971).

[22.] George M. Whitesides, “Revolutions In Chemistry: Priestley Medalist George M. Whitesides’ Address,” Chemical and Engineering News, 85: 12-17 (26 de março de 2007).

[23.] J.T. Trevors e D.L. Abel, “Chance and necessity do not explain the origin of life,” Cell Biology International, 28: 729-739 (2004).

_____________________________________________________________________

FONTE DESTE ARTIGO

A pior de todas as hipóteses científicas sobre a origem da vida

terça-feira, setembro 25, 2012

Meu objeto de discussão tem sido a vida, a informação genética, e claro, como teísta creio no surgimento inteligente da vida, no surgimento inteligente da informação…mas o naturalismo é oposto a esta posição, mas não tem muito a oferecer, eu prefiro a TDI entendo que ela possui sim Parcimônia, vamos então a uma breve “explicação” naturalista para a origem da vida.

Você pode conferir o original deste artigo no blog desafiando a nomenklatura científica. 

 
The RNA world hypothesis: the worst theory of the early evolution of life (except for all the others)
 
Harold S Bernhardt 1
 
Email: harold.bernhardt@otago.ac.nz
 
1 Department of Biochemistry, University of Otago, P.O. Box 56, Dunedin, New Zealand
 
Abstract
 
The problems associated with the RNA world hypothesis are well known. In the following I discuss some of these difficulties, some of the alternative hypotheses that have been proposed, and some of the problems with these alternative models. From a biosynthetic – as well as, arguably, evolutionary – perspective, DNA is a modified RNA, and so the chicken and-egg dilemma of “which came first?” boils down to a choice between RNA and protein. This is not just a question of cause and effect, but also one of statistical likelihood, as the chance of two such different types of macromolecule arising simultaneously would appear unlikely. The RNA world hypothesis is an example of a ‘top down’ (or should it be ‘present back’?) approach to early evolution: how can we simplify modern biological systems to give a plausible evolutionary pathway that preserves continuity of function? The discovery that RNA possesses catalytic ability provides a potential solution: a single macromolecule could have originally carried out both replication and catalysis. RNA – which constitutes the genome of RNA viruses, and catalyzes peptide synthesis on the ribosome – could have been both the chicken and the egg! However, the following objections have been raised to the RNA world hypothesis: (i) RNA is too complex a molecule to have arisen prebiotically; (ii) RNA is inherently unstable; (iii) catalysis is a relatively rare property of long RNA sequences only; and (iv) the catalytic repertoire of RNA is too limited. I will offer some possible responses to these objections in the light of work by our and other labs. Finally, I will critically discuss an alternative theory to the RNA world hypothesis known as ‘proteins first’, which holds that proteins either preceded RNA in evolution, or – at the very least – that proteins and RNA coevolved. I will argue that, while theoretically possible, such a hypothesis is probably unprovable, and that the RNA world hypothesis, although far from perfect or complete, is the best we currently have to help understand the backstory to contemporary biology.
 
Reviewers
 
This article was reviewed by Eugene Koonin, Anthony Poole and Michael Yarus (nominated by Laura Landweber).
 
Keywords RNA world hypothesis, Proteins first, Acidic pH, tRNA introns, Small ribozymes
 
+++++
 
 
+++++
 
 
 
Os problemas associados com a hipótese do mundo de ARN são bem conhecidos. No que se segue  são discutidas várias destas dificuldades, algumas das hipóteses alternativas que têm sido  propostas, e alguns dos problemas com estes modelos alternativos. De uma biossintética – como  também, sem dúvida, evolutiva – perspectiva, o DNA é um RNA modificado, e assim o dilema do ovo e da galinha “, o que veio primeiro?” se resume a uma escolha entre RNA e proteínas.  Esta não é apenas uma questão de causa e efeito, mas também uma  probabilidade estatística, como a  possibilidade de dois diferentes, tais tipos de macromoléculas resultantes simultaneamente, parece  improvável. A hipótese do mundo RNA é um exemplo de um ‘top down’ (ou deveria ser “apresentar  de volta “?) de abordagem à evolução inicial: como podemos simplificar modernos sistemas biológicos para dar  uma explicação evolucionista plausível ?O caminho  que preserva a continuidade da função. A descoberta de que o RNA possui capacidade catalítica fornece uma solução potencial: a macromolécula única, poderia  originalmente ter realizado a replicação e a catálise. ARN – que constitui o  genoma do vírus de ARN e catalisa a síntese de péptidos no ribossoma – podia ter sido  tanto a galinha quanto o ovo! No entanto, as objecções seguintes foram levantados para a  hipótese do mundo do RNA: (i) O ARN é muito complexo para ser uma molécula  surgida pré-bioticamente, (ii)  o RNA é inerentemente instável, (iii) a catálise é uma propriedade relativamente rara de longas seqüências de RNA  apenas, e (iv) o repertório catalítica de RNA é muito limitado. Vou oferecer algumas possíveis  respostas a essas objeções à luz do trabalho pelo nosso e outros laboratórios. Finalmente, vou  discutir criticamente uma teoria alternativa para a hipótese do mundo de RNA conhecido como “proteínas primeira”,  que afirma que tanto proteínas tanto RNA precederam na evolução, ou – no mínimo – que  proteínas e RNA co-evoluíram. Vou argumentar que, embora teoricamente possível, tal hipótese  provavelmente é improvável, e que a hipótese do mundo do RNA, embora longe de ser perfeita ou  completa, é o melhor que temos atualmente para ajudar a compreender a história de fundo a contemporânea  biologia.
 
Revisores
 
Este artigo foi revisado por Eugene Koonin, Poole e Anthony Michael Yarus (indicado  por Laura Landweber).
 
Palavras-chave  hipótese do mundo RNA, Proteínas de pH, primeiro ácida, íntrons tRNA, ribozimas Pequenas
 
 
 
NOTA DESTE BLOGGER:
 
O Mundo RNA, segundo Harold S Bernhardt, é a pior de todas as hipóteses científicas, porque não é corroborada no contexto de justificação teórica, mas é a única que temos!!!

Macacos me mordam, durma-se com um barulho desses – a ciência, uma busca pela verdade, repousa agora nas piores teorias e hipóteses, mas se são as únicas que temos, é com essas que se faz ciência normal hoje em dia!

E as evidências? Ora, as evidências que se danem, o que vale é a teoria (Atribuída a Dobzhansky no Brasil, mas seus alunos sobreviventes se recusam a comentar). E nossos alunos do ensino médio ainda aprendem o Mundo RNA como verdade científica…

 
Pobre ciência!!!
 

A vida tem 3,5 bilhões de anos???…Acredite se quiser… contrariar as probabilidades e as evidências!

Sempre vou frisar isso,eu sou o que eu penso,por isso estou sendo cético,por que eu questiono,eu não concordo com a teoria da evolução,mas tem que existir razões para eu ser cético, e não simplesmente eu questionar por que eu tenho certeza que Deus existe;mas sim por que,se essa teoria diz se apoiar em evidências ela tem que nos mostrar as evidências,assim como a fé não se justifica pela sua definição mas pelas suas consequências,ela traz a existência aquilo que a ciência não pode trazer,aquilo que seres humanos não podem trazer,aquilo que nada desse plano material pode trazer a existência,mas que Deus pode trazer a existência,não para provar a existência Dele,mas para provar a nós mesmos,evidenciar que sem Ele,nós temos limites e muitas vezes esses limites nos tornam incapazes,desiludidos,perplexos,abatidos,imprestavéis aos nossos próprios olhos e que ficamos condicionados as circunstâncias da vida.
Portanto se a fé não produz resultados que nossos limites não podem produzir,a fé não tem nenhum valor por que sem ela nós produzimos muitas coisas que nos beneficiam,inclusive a ciência,enfim a fé tem a obrigação de nos trazer resultados sobrenaturais,que transcendem as capacidades naturais do nosso mundo interno e externo … como o Apóstolo Tiago nos aponta de forma racional,a fé sem obras é morta … assim podemos definir que algo morto não existe,se a fé é morta ela não produz resultados,jamais … se a fé é viva ela obrigatoriamente traz resultados e evidenciam,confirmam ,provam que nosso Deus,criador do universo é um Deus Vivo!

  

A origem da vida e o escasso tempo na coluna geológica

022

Figura 1. Origin of life (Fonte: Lunar and Planetary Institute).
Os evolucionistas dependem excessivamente de longos períodos de tempo para explicar os eventos extremamente improváveis propostos em seu modelo. Essa confiança é muito bem ilustrada pela famosa citação de George Wald, ganhador do prêmio Nobel, ao referir-se a dois bilhões de anos para a origem da vida. Ele afirma:
“Com uma grande quantidade de tempo, o impossível torna-se possível, o possível, provável, e o provável, praticamente certo. Tudo o que se tem a fazer é esperar: o tempo se encarrega de realizar os milagres”.[1]
Infelizmente, para o modelo evolucionista, eras de tempo que chegam a 15 bilhões de anos, a suposta idade do Universo, simplesmente não são de nenhuma ajuda quando avaliadas a partir do conhecimento que temos a respeito da química da vida e das probabilidades matemáticas. A probabilidade de se formar uma única proteína ou uma pequena célula a partir de um evento acidental único é extremamente baixa.
No entando, se acrescentássemos muito tempo, o que permitiria muitas tentativas, a possibilidade de um processo evolutivo aparentemente aumentaria de modo drástico. Contudo, quando se trata da origem da vida, as probabilidades são tão ínfimas, e o tempo exigido tão extenso, que mal se pode perceber os efeitos dos bilhões de anos do tempo geológico. O tempo, deixado a si mesmo, não realiza os milagres que os evolucionistas esperam. Se avaliarmos com cuidado, constataremos que a evolução dispõe de muito pouco tempo em comparação com o que é realmente necessário. Como ilustração, basta considerar o longo tempo que seria necessário para formar pelo menos duas moléculas.
Quando eu estava na faculdade, uma das minhas preciosidades era o livro Human Destiny [Destino Humano], escrito pelo biofísico francês Lecomte du Noüy. Essa obra apresenta muitos questionamentos relevantes que contestam as concepções tradicionais sobre a origem da vida e apresenta alguns cálculos sobre a quantidade média de tempo que seria necessário para produzir determinada molécula de proteína. Adotando uma abordagem conservadora, ele até foi muito benevolente com os evolucionistas na maneira como trabalhou com os números.
Levando em conta uma quantidade de átomos equivalente à que existe em nosso planeta, sua estimativa é de que teriam sido necessários 10e242 bilhões de anos para produzir uma única molécula de proteína.[2] Atualmente, supõe-se que a Terra tenha menos de cinco bilhões de anos (5x10e9). Vale lembrar que cada dígito do expoente “242” em “10e242” multiplica o tempo dez vezes. Mesmo que tivéssemos à nossa disposição um tempo infinito, conseguiríamos, em média, apenas um único tipo de molécula de proteína para cada 10e242 bilhões de anos. Contudo, considerando a natureza frágil das moléculas de proteínas e a dificuldade que teriam  para se conservar por longos períodos de tempo em condições primitivas, seria praticamente impossível acumular a enorme quantidade necessária de moléculas.
Precisa-se de muita proteína para produzir a vida. Vale relembrar que o minúsculo micróbio Escherichia coli tem 4.288 diferentes tipos de moléculas de proteínas que se replicam muitas vezes, chegando a um total de 2.400.000 moléculas de proteínas em um único micróbio. Além disso, sua existência depende também de uma quantidade muitas vezes maior de outros tipos de moléculas orgânicas. Embora esse micróbio não seja o menor organismo conhecido, é o que mais conhecemos. Se para produzir a menor forma de vida de que se tem conhecimento precisamos de pelo menos centenas de diferentes tipos de moléculas de proteínas, podemos então concluir que um período infinito de tempo com tentativas para acumular frágeis moléculas de proteínas não nos parece uma solução plausível. Além do mais, vale lembrar que essas moléculas precisam estar todas juntas no mesmo lugar. Para ilustrar, se todas as partes de um carro estiverem estiverem espalhadas por toda a Terra, após bilhões de anos elevados à infinita potência, elas não se terão ajuntado no mesmo lugar para fabricar um carro.
Alguns evolucionistas ressaltam que, visto os organismos terem tantos tipos diferentes de proteínas, qualquer uma delas, entre as muitas, poderia servir como a primeira molécula de proteína, tornando, assim, desnecessário que essa primeira molécula tenha sido tão específica. Contudo, há dois problemas com essa proposta. Em primeiro lugar, ela funcionaria apenas por um curto espaço de tempo no início da vida, pois, mal iniciado o processo de organização da vida, uma molécula de proteína específica seria necessária para agir juntamente com a primeira a fim de fornecer um sistema que funcione. Em segundo lugar, as proteínas são elementos muito complexos.
A quantidade[3] total de tipos possíveis de moléculas de proteínas é 10e130, um número tão imenso que a probabilidade de se produzir uma única sequer, dentre as centenas de diferentes tipos de proteínas específicas encontradas nos mais simples micro-organismos, é uma verdadeira impossibilidade. Lembre-se de que existem apenas 10e78 de átomos em todo o Universo conhecido.
Outro estudo recente realizado pelo biólogo molecular Hubert Yockey[4], da Universidade da Califórnia, campus de Berkeley, não nos fornece resultados mais animadores do que os apresentados acima, com base em Noüy. Yockey, de certa forma, retoma a mesma discussão relacionada com a quantidade de tempo exigida para se formar uma molécula de proteína específica. Ele inclui informações e concepções matemáticas mais avançadas, mas, em vez de iniciar com os átomos, como o fez Noüy, aborda apenas o problema relacionado com o tempo exigido para se compor uma proteína a partir de aminoácidos que supostamente já estivessem presentes. Sendo assim, como é de se esperar, ele propõe um tempo mais curto, apesar de ainda ser extremamente longo.
O quadro apresentado por Noüy reflete mais o que se esperaria numa Terra primitiva. Yockey propõe que a sopa[5] original, pressuposta no modelo evolucionista, tinha as dimensões dos oceanos atuais e continham 10e44 moléculas de aminoácidos[6]. Seus cálculos indicam que nessa sopa seriam necessários, em média, 10e23 anos para se formar uma molécula de proteína específica. Considerando que a suposta idade da Terra é menor que cinco bilhões de anos (10e10 anos), essa idade se mostra 10.000 bilhões de vezes menor que o tempo necessário para se formar uma molécula de proteína específica. Supondo-se que essa proteína necessária tenha se formado por mero acaso no início desse extenso período de tempo, mesmo assim, teríamos apenas uma molécula, e, como vimos, um tipo específico de molécula se formaria apenas uma vez a cada 10e23 anos. O tempo geológico é, sem sombra de dúvidas, muito curto!
Naturalmente, fica bem evidente que os 5 bilhões de anos mencionados acima não são suficientes nem mesmo para formar a primeira proteína, muito menos para dar origem à vida na Terra. O panorama científico atual propõe que a Terra tem 4,6 bilhões de anos, e, em seus primórdios, tinha uma temperatura tão elevada que precisaria se esfriar por mais de 600 milhões de anos antes que a vida pudesse se iniciar[7]. De acordo com alguns cientistas, admite-se que a vida tenha se iniciado há 3,85 bilhões de anos[8], embora essa evidência seja controversa. Contudo, muitos cientistas estão de acordo que, com base na evidência que o isótopo de carbono fornece para a origem da vida e nos questionáveis registros fósseis encontrados, a vida originou-se na Terra pelo menos 3,5 bilhões de anos. A evidência do isótopo de carbono baseia-se no fato de que os seres vivos tendem, até certo ponto, a selecionar as formas mais leves de carbono (C-12) em maior quantidade que as formas mais pesadas (C-13 ou C-14), o que é evidente nas rochas.
Contudo, esses resultados poderiam ter sido causados pela contaminação de carbono proveniente de vida de outros locais. Sendo generosos com o modelo evolucionista, podemos afirmar que, segundo suas teorias, a primeira vida deveria ter se iniciado no decorrer de um período inferior a meio bilhão de anos, entre 4 e 3,5 bilhões de anos atrás. Esse tempo corresponde a apenas um décimo dos 5 bilhões de anos mencionados em nossos cálculos acima. No entanto, se levarmos em conta as excessivas improbabilidades consideradas, esses ajustes de somenos importância dificilmente fariam qualquer diferença. O fato é que não há tempo suficiente.
Nesses estudos relacionados com probabilidades, é sempre possível fazer outras conjecturas e sugerir novas condições na tentativa de melhorar as possibilidades; no entanto, quando temos diante de nós probabilidades efetivamente impossíveis, fica difícil não concluir que temos aí um problema concreto e que outras alternativas precisam ser consideradas.
Muitos cientistas já se deram a esse trabalho e sugeriram outros modelos que visam explicar a origem da vida na Terra[9]. Todas essas propostas se mostraram insatisfatórias pelo fato de não proverem nenhuma solução para o mesmo problema relacionado com as moléculas de proteínas, a saber, os complexos requisitos integrados e específicos. Além disso, não são simplesmente as proteínas que precisam ser consideradas; há que se levar em conta as gorduras (lipídios) e os carboidratos, os quais, diga-se de passagem, são elementos relativamente simples, se comparados com o DNA e sua complexa função de fornecer as informações essenciais para a vida.
Em relação ao problema da origem da vida, há algumas discussões recentes sobre a identificação da vida primitiva. Grandes ícones das formas mais primitivas de vida na Terra perderam seu impacto devido a discussões polêmicas sobre o assunto em muitas revistas científicas[10] e em outras fontes. O que a ciência, em dado momento, considerava como fato mostrou ser algo bem diferente. Um influente pesquisador nessa área comenta com propriedade que “para cada interpretação corresponde  uma interpretação contrária” [11]. O que ficou demonstrado é que algumas das rochas mais relevantes em que a vida teria ocorrido não representam os tipos de rochas originalmente classificados.
Os fósseis, por sua vez, muitas vezes parecem fósseis, sendo, no entanto, coisas totalmente diferentes. Esse último problema tem infestado boa parte dos estudos sobre fósseis pré-cambrianos. Alguns achados apenas são definidamente irrefutáveis; quanto aos demais, um pesquisador chega a mencionar quase 300 variedades de fósseis catalogados de natureza dúbia ou simplesmente falsos[12]. Na verdade, trata-se de um campo de estudo que não oferece muita credibilidade, não podendo ser investigado superficialmente ou aceito só pelo fato de se encontrar na literatura científica.
 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
  1. WALD, G. The origin of life. Scientific American, v. 191, n. 2, p.45-53, 1954.
  2. du Noüy, L. Human destiny. Nova York, Longmans, Green, p. 33-35, 1947.
  3. MEYER, SC. The explanatory power of design: DNA and the origin of information. In: DEMBSKI, WA, editor. Mere creation: science, faith & intelligent design. Downers Grove: InterVarsity, p. 113-147, 1998.
  4. YOCKEY, HP. Information theory and molecular biology. Cambridge University Press, p. 248-255, 1992.
  5. Vide capítulo 3 do livro onde esta parte foi extraída.
  6. Trata-se de um número bem aceito. Por exemplo: EIGEN, M. Self-organization of matter and the evolution of biological macromolecules. Die Naturwissenschften, v. 58, p. 465-523, 1971.
  7. MOROWITZ, HJ. Beginnings of cellular life: metabolism recapitulates biogenesis. New Haven: Yale University Press, p. 31, 1992.
  8. (a) HAYES, JM. The earliest memories of life on earth. Nature, v. 384, p. 21-22, 1996. (b) MOJZSIS, SJ; HARRISON, TM. Vestiges of a beginning: clues to the emergent biosphere recorded in the oldest sedimentary rocks. GSA Today, v. 10, n. 4, p. 1-6, 2000.
  9. Vide capítulo 3 do livro onde esta parte foi extraída.
  10. Para alguns comentários críticos gerais e referências, ver: (a) COPLEY, J. Proof of life. New scientist, v. 177, p. 28-31, 2003. (b) KERR, RA. Reversals reveal pitfalls in spotting ancient and E.T. life. Science, v. 296, p. 1384-1385, 2002. (c) SIMPSON, S. Questioning the oldest signs of life. Scientific American, v. 288, n. 4, p. 70-77, 2003.
  11. COPLEY, p. 28-31.
  12. HOFFMANN, HJ. Proterozoic and selected Cambrian megascopic dubiofossils and pseudofossils. In: SCHOPF, WJ; KLEIN, C, editors. The Proterozoic biosphere: a multidisciplinary study. Cambridge University Press, p. 1035-1053, 1992.
________________________________________________________________________________
Extraído na íntegra de Ariel A. Roth em “A Ciência Descobre Deus: Evidências convincentes de que o Criador existe” (Casa Publicadora Brasileira, p. 150-154, 2010).

A outra face da guanina e da citosina.

Guanina e Citosina: Bases nitrogenadas que contam a origem da vida diferente de Darwin

Se você acredita que mutações criam novas informações genéticas e consequentemente novas funções,então você vai acreditar que essas informações abaixo são novas ,pelo fato dessa frase que eu acabei de escrever na introdução do artigo ser de minha autoria,ou seja, eu criei essa informação … mas o artigo abaixo é apenas uma “cópia” de outro artigo,e não ,essa frase acima não é uma frase que evoluiu a partir do artigo abaixo… 

citosinaguanina

Figura 1. Citosina (à esquerda) e Guanina (à direita) são bases nitrogenadas que formam nucleotídeos e se unem formando pares de bases que compõem a estrutura do DNA (Fonte: GGenetikk).
Artigo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America – PNAS (v. 95, p. 7933-7938, jul., 1998) – disponibilizado abaixo – de autoria de Matthew Levy e Stanley L. Miller, do Departamento de Química e Bioquímica da Universidade da Califórnia em San Diego, CA, com título The stability of the RNA bases: Implications for the origin of life (A estabilidade das bases de RNA: Implicações para a origem da vida) apresentaram resultados interessantes com implicações sérias sobre a origem da vida, veja abaixo o resumo do artigo [tradução livre]:
Algumas teorias sobre a origem da vida afirmam que a Terra possuia uma alta temperatura em seu primórdio, todavia, isso exigem que os componentes do primeiro material genético tenham sido totalmente estáveis devido à temperatura elevada. Nesta pesquisa, medimos a meia-vida para a decomposição das bases que formam os nucleotídeos. Estas bases nitrogenadas tem sido encontradas em períodos bem curtos quando comparado com a escala geológica de tempo. A 100°C, a temperatura de crescimento de micro-organismos hipertermófilos, as meia-vidas são muito curtas para permitir a acumulação adequada destes compostos (Adenina e Guanina = 1 ano; Uracila = 12 anos e Citosina = 19 dias). Portanto, a menos que a origem da vida tenha ocorrido de forma extremamente rápida (tempo <100 anos), concluímos que uma origem em um ambiente com alta temperatura, como defendido por algumas teorias, pode até ser possível, mas não envolveu Uracila, Adenina, Guanina ou Citosina. As taxas de hidrólise a 100°C também sugerem que em um oceano quente [a sopa primordial] o provável impacto de um asteróide iria acertar o relógio prebiótico, exigindo processos sintéticos para recomeçar. A 0°C, Adenina, Uracila, Guanina e Timina parecem ser suficientemente estáveis (t1 / 2 ≥ 106 anos) para estarem envolvidos em uma origem da vida, mas em baixa temperatura. No entanto, a falta de estabilidade de Citosina a 0°C (t1 / 2 = 17.000 anos) levanta a possibilidade de que o par de base Guanina-Citosina pode não ter sido utilizado no primeiro material genético, a menos que a vida tenha surgido rapidamente (tempo inferior a 106 anos). Um código de duas letras ou um par de bases alternativas pode ter sido usado na formação do primeiro material genético da Terra.
Stanley Miller foi um dos maiores especialistas em pesquisas sobre a origem da vida, todavia estas informações acima não estão presentes nos livros didáticos disponibilizados aos professores de biologia do ensino médio no Brasil, demonstrando uma desonestidade na abordagem da origem da vida, por não apresentar ao aluno TODAS as informações disponíveis na ciência [parafraseado de Enézio E. de Almeida Filho, do blog Desafiando a Nomenklatura Científica.
“A falsa ciência cria ateus; a verdadeira conduz o homem a prostrar-se diante de Deus” (Voltaire)