Em Defesa do Design Inteligente

Início » Argumentos

Arquivo da categoria: Argumentos

New York Times Publica Defesa Da Supressão Da Voz.

By Evolution News – Wesley J. Smith 

[Texto adaptado – Links em inglês]

NY-Times-building-1024x538.jpg

Estes são tempos perigosos para a liberdade de expressão no mundo ocidental. Na Europa e no Canadá, pode-se ser multado ou encarcerado por expressar opiniões que os que estão no poder acham odiosas ou “opressivas”. Aqui nos Estados Unidos, vemos essa supressão autoritária da fala cada vez mais abraçada nos campi universitários. Mas no New York Times?

Infelizmente, sim. O jornal, que raramente publica posições que divergem materialmente de suas próprias posições editoriais, publicou uma vigorosa defesa da supressão da fala. A ideia é que o discurso considerado antitético ao “bem público“, pode ser sufocado. De “Que direito tem os flocos de neve sobre a liberdade de expressão“, do professor da Universidade de Nova York, Ulrich Baer (ênfase minha):

É difícil subestimar o grande valor e a importância da liberdade de expressão, do ensino superior e da democracia. Mas foi lamentavelmente fácil para os comentaristas criar uma dicotomia simples entre a hipersensibilidade de uma geração mais nova e a liberdade de expressão como um bem absoluto que leva à verdade.

Seria melhor se concentrar em um entendimento mais sofisticado, como o fornecido por [Jean-François] Lyotard, das condições necessárias para que o discurso seja um bem comum e público. Isso requer a percepção de que, na política, os parâmetros da fala pública devem ser continuamente redesenhados para acomodar aqueles que antes não tinham posição.

Assim, o discurso que supostamente degrada aqueles a quem os supressores da fala consideram marginalizados, devem ser silenciados. Assim, aqueles que recusam aceitar isso, que, digamos, Caitlyn Jenner é agora parte, não só podem ser – mas devem ser – forçosamente calados.

Mas Ulrich defende uma supressão ainda mais ampla da fala:

A ideia de liberdade de expressão não significa uma permissão geral para dizer qualquer coisa que alguém pensa. Significa equilibrar o valor inerente de uma determinada visão com a obrigação de assegurar que outros membros de uma dada comunidade possam participar do discurso como membros plenamente reconhecidos dessa comunidade.

O grande perigo aqui não pode ser desprezado. Quem decide a visão que tem o “valor inerente“? Os que estão no poder. Isto significa, como vemos nos campi universitários de hoje, que as opiniões minoritárias não são apenas suprimidas, mas suprimida pela força ou ameaças dela – como vimos na UC Berkeley e Middlebury College.

Ulrich conclui:

Estou especialmente sintonizado com as demandas da próxima geração para revisar as definições existentes de liberdade de expressão para acomodar experiências previamente deslegitimadas.

A liberdade de expressão não é um absoluto imutável. Quando seus proponentes esquecem que requer o exame vigilante e contínuo de seus parâmetros e invocam um modelo puro de liberdade de expressão que nunca existiu, os perigos para nossa democracia são claros e presentes.

Assim, o discurso político protegido pela Primeira Emenda é uma ameaça clara e presente à democracia? Não, mas o de Ulrich sim.

Além disso, ele perde o ponto óbvio de que o poder de silenciar o discurso que entra em conflito com a defesa social por parte dos progressistas, pode ser transformado ao redor deles, se é que o governo alguma vez alcançou o poder de punir pontos de vista desfavoráveis.

Estive pensando há algum tempo que, em questões de discurso, estamos assistindo a uma disputa entre a Revolução Americana – que garante o direito de expressar opiniões sociais e políticas impopulares – e a Revolução Francesa que desata Jacobinos para suprimir a heterodoxia.

Mas depois de ler Ulrich, eu acho que enfrentamos algo ainda mais perigoso para a liberdade: uma revolução cultural no estilo Mao, que está gesticulando nos campi universitários. Se não restabelecermos os ideais americanos de liberdade de expressão para esses enclaves de “flocos de neve“, poderíamos ver uma violenta avalanche se materializar, ameaçando a pacificação de nosso discurso social mais amplo.

Crédito da foto: Torrenegra, via Flickr.

Cruzado no The Corner.

Anúncios

A Investigação Científica Apresenta Princípios de Design Inteligente.

By Evolution News – @DiscoveryCSC

[Texto adaptado – O artigo contem links em inglês – Imagem do EnV com os devidos créditos]

Amazonia.jpg

Uma das nossas respostas aos críticos do DI é aquilo que os cientistas usam todos os dias. Se o design inteligente não fosse científico, teríamos de jogar fora [ciência] forense, arqueologia, criptologia, informática, teoria da otimização, engenharia e SETI. Aqui estão alguns exemplos de DI em ação que apareceram recentemente em periódicos. Os princípios para deduzir o design são semelhantes. Se alguns desses exemplos parecem fracos para inferir o design, eles se tornam nossos casos favoritos mais fortes quando defendemos o design no código genético, máquinas moleculares ou ajuste fino do universo.

O livro da Selva.

O que está gravado na paisagem da Amazônia? Algo estranho e inesperado veio à luz. Por décadas, as florestas tropicais do Brasil exemplificavam a natureza selvagem e indomada. Seus poucos habitantes humanos, retratados romanticamente como nobres selvagens, levavam suas vidas simples em harmonia com a natureza como uma repreensão para nós, americanos-europeus, poluidores e invasores do planeta. Este era o mundo de Darwin, uma terra de competição e cooperação produzindo sistemas ecológicos por leis naturais não guiadas (especialmente a “lei” da seleção natural).

Sob o dossel da floresta, porém, estruturas bizarras já revelaram forças diferentes no trabalho também: forças inteligentes. As leis naturais geralmente não criam círculos concêntricos e nem quadrados. Desde 1980, terraplenagens chamadas geoglifos [“mensagens de terra“] vieram à luz sobre uma vasta área entre os sistemas fluviais da Amazônia. Uma nova imagem desta região revela evidência de propósito, intenção e plano: ou seja, design inteligente. Um artigo dramático de pesquisadores da Universidade de São Paulo e da Universidade de Exeter, publicado no mês passado na Proceedings of the National Academy of Sciences, derruba o paradigma do deserto selvagem.

Mais de 450 pré-colombianos (pré-AD 1492) cercos geométricos abandonados (“geoglifos”) ocupam 13.000 km² do estado do Acre, Brasil, representando uma descoberta-chave da arqueologia amazônica. Essas enormes terraplenagens foram ocultas durante séculos sob a floresta tropical de terra firme (planalto interfluvial), desafiando diretamente o status “primordial” deste ecossistema e sua vulnerabilidade aos impactos humanos, percebida.  

A noção da Amazônia como um deserto intocado foi agora anulada por evidências crescentes de sociedades pré-colombianas grandes, diversas e socialmente complexas em muitas regiões da bacia. A descoberta de numerosas, vasta terra preta (terras antropogênicas escuras) que fazem fronteira com as planícies aluviais dos rios principais e extensos complexos de terraplanagem nas savanas sazonalmente inundadas dos Llanos de Mojos (nordeste da Bolívia), Ilha de Marajó (nordeste do Brasil) e costeira da Guiana Francesa, representam exemplos de grandes impactos humanos realizados nesses ambientes. [Enfase adicionada]

Executado, ou seja, por design inteligente. Esta vasta região tem sido “amplamente transformada pelos seres humanos ao longo de milênios“, dizem eles. Em notícias da Universidade de Exeter, a autora principal Jennifer Watling expressa quão dramática esta mudança de pensamento é:

A Dr. Watling disse: “O fato de que esses sítios ficaram escondidos por séculos sob floresta sazonada, realmente desafia a idéia de que as florestas amazônicas são “ecossistemas imaculados”.”

Imediatamente quisemos saber se a região já estava coberta de florestas quando os geoglifos foram construídos, e até que ponto as pessoas impactaram a paisagem para construir essas terras.

A equipe usou vários métodos para inferir design – importante para fazer uma inferência robusta de design. Os mais óbvios são os geoglifos. Podem-se obter inferências adicionais sobre as suas funções através de uma análise minuciosa dos detalhes estruturais:

Com valas de até 11 m de largura, 4 m de profundidade e 100-300 m de diâmetro, e com alguns sítios com até seis recintos, os geoglifos da Amazônia ocidental rivalizam com os exemplos mais impressionantes de arquitetura monumental pré-colombiana em qualquer lugar das Américas. As escavações dos geoglifos mostraram que foram construídos e usados esporadicamente como locais cerimoniais e de coleta pública entre 2000 e 650 anos calibrados antes do presente (BP), mas que alguns podem ter sido construídos já em 3500-3000 BP. A evidência de sua função cerimonial baseia-se na ausência quase que total de material cultural encontrado dentro das áreas fechadas, o que sugere que eles foram mantidos ritualmente “limpos”, ao lado de suas formas arquitetônicas altamente formalizadas (principalmente círculos e quadrados) – Características que distinguem os geoglifos de compartimentos similares fechados no nordeste da Bolívia.

É necessário saber quem são os designers? O DI exige conhecer seus motivos?

Surpreendentemente, pouco se sabe sobre quem foram os construtores de geoglifos, como e onde viveram, já que os locais de assentamentos contemporâneos ainda não foram encontrados na região. Pensa-se que os construtores de geoglifos eram uma rede complexa de grupos locais, relativamente autônomos, conectados por um sistema ideológico compartilhado e altamente desenvolvido. Embora alguns tenham proposto uma conexão entre os geoglifos e as sociedades da fala Aruaque, as cerâmicas descobertas a partir desses locais desafiam uma estreita ligação com os estilos Saladoide-Barrancoide normalmente associados com esta família linguística e, em vez disso, apresentam uma mistura complexa de diferentes tradições locais. Além disso, é provável que os geoglifos tenham sido utilizados e reutilizados por diferentes grupos culturais ao longo de sua vida útil.

Aqui é onde fica ainda mais interessante. Outras pistas revelam que a ecologia foi intencionalmente modificada por essas pessoas desconhecidas. Estudando carvão, fósseis de plantas e isótopos de carbono, e seguindo padrões entre locais de geoglifos, os pesquisadores inferiram que os habitantes transformaram a floresta tropical para melhorar a produção de frutas, nozes e outras plantas que eles achavam úteis. A equipe também foi capaz de inferir quais espécies foram modificadas e quais eram “naturais” ao clima, e até mesmo determinar como as pessoas usaram o fogo para conseguirem uma clareira controlada. Não só isso, eles inferiram que “os geoglifos foram usados de forma esporádica em vez de habitados continuamente“.

Em vez de serem construídos dentro de uma floresta de bambu “intocada”, nossos dados dos fitólitos sugerem que os geoglifos foram construídos dentro de florestas antropogênicas que já haviam sido fundamentalmente alteradas por atividades humanas ao longo de milhares de anos.

Como podem ter certeza? “Nenhuma explicação natural existe” para os padrões que encontraram. O bambu, segundo eles, está em sua abundância natural, mas as árvores de frutos e nozes mostram padrões de “agrofloresta“, como se os habitantes criassem intencionalmente “uma espécie de “supermercado pré-histórico” de produtos florestais úteis”. A equipe chegou mesmo a estimar quando os sítios de geoglifos foram abandonados e a dizer se o ecossistema havia se recuperado ou não desde que eles saíram. A partir dos dados fitolíticos (depósitos de sílica de restos de plantas), eles concluem que “legados da agroflorestação pré-colombiana ainda existem hoje dentro das florestas remanescentes do Acre“. Isso é muito inferência de design, a partir de restos silenciosos!

Conclusões semelhantes foram alcançadas por Levis et al. na Science Magazine. A partir de padrões de plantas apenas na Bacia Amazônica, uma grande equipe de arqueólogos concluiu que “as marcas das sociedades humanas pré-históricas em florestas tropicais ainda podem ser detectadas hoje“. Erin Ross, da Nature News, concorda: “A floresta amazônica foi moldada por um antigo apetite por frutas e nozes.” Os cientistas podem dizer que a floresta tropical não está em um estado natural. Em vez disso, “As árvores que vivem nessas áreas povoadas podem ser relíquias de um passado vibrante“.

A fim de que ninguém defenda que essas marcas de design não são diferentes na espécie, de ninhos de pássaros, grandes cupinzeiros, barragens de castores ou qualquer outra estrutura animal que modifica a ecologia, basta voltar o argumento para os pesquisadores. Teria algum sentido afirmar que um artigo científico em uma revista é o trabalho de causas naturais não guiadas? Claro que não. Todos nós reconhecemos as marcas de inteligência. Os seres humanos são excepcionais nesse sentido, formando estruturas não naturais para fins criativos que vão além da mera sobrevivência e reprodução. Se os castores e os pássaros obtiveram suas habilidades através de uma inteligência de programação é uma boa pergunta, mas os seres humanos não são obrigados a construir geoglifos ou automóveis, ou a pensar em “sistemas ideológicos” que deixam suas marcas séculos mais tarde. Se os seres humanos são apenas animais, por que eles moldaram toda a floresta? Por que não desenvolver um apetite por bambu, como pandas?

Minerais como pista para design.

Vamos expandir o raciocínio acima para um caso que está em escala global. Geólogos e antropólogos estão atualmente discutindo se queremos chamar nosso tempo de “Época Antropocênica“. Ouvimos falar do Eoceno, do Paleoceno e de outras épocas “naturais“, mas a idéia antropocênica seria caracterizada por algo antinatural. Definido na New Scientist como “um novo intervalo de tempo geológico distinguido pelo impacto das atividades humanas“, o Antropoceno difere de todas as épocas anteriores. Observe a repórter Chelsea Whyte aplicar o raciocínio de design inteligente:

Pense em grandes coleções de jóias em museus. Essas amostras minerais não ocorreriam naturalmente nas proximidades, mas elas são propensas a ficarem enterradas juntas e cimentadas no registro como vizinhas.

A imagem igualmente coloca lugares como o Cemitério Nacional de Arlington em Virgínia. Esse arranjo ordenado de lápides não é provável que ocorra naturalmente, sem influência humana. O registro mineral revelará não apenas nossos processos tecnológicos, mas também nossa cultura.

O que fica realmente interessante é como pelo menos um ardente evolucionista, usa o mesmo raciocínio para inferir causas inteligentes humanas na mera existência de certos minerais raros:

A evidência de seres humanos mudando o planeta é sólida como pedra. Um novo catálogo de minerais contabiliza 208 que resultam exclusiva ou principalmente da atividade humana, diz Robert Hazen, da Carnegie Institution for Science, nos Estados Unidos, que liderou o estudo.

A maioria dos minerais podem ser explicado naturalmente, diz ele, mas pode-se dizer que algo não natural aconteceu a partir de evidências observacionais. Hazen identificou 208 minerais – cerca de 4 por cento dos 5200 minerais catalogados – que são incomuns. Eles tinham que ser feitos pelo homem. E essa não é a única evidência para o design humano.

Não é só que esses novos minerais existem, mas como eles são distribuídos e como eles persistirão. Nossa atividade tem levado a grande escala de movimento de rochas, sedimentos e minerais, graças à mineração, transporte e infra-estrutura, bem como a redistribuição global de minerais naturais altamente valorizados, como diamantes e ouro. E há substâncias em coisas como cimento e tijolos que são raros na natureza, mas agora são difundidas em todo o globo.

“Estes são como minerais e eles vão formar uma camada marcadora para todo o tempo geológico“, diz Hazen.

Inferência Injustificada de Design.

Em contraste com esses exemplos de inferência legítima de design, vamos olhar para um que está um pouco no lado estúpido. O tablóide britânico The Express postou um videoclipe de algum teórico da conspiração desconhecido, apontando para um objeto “bizarro” debaixo do Oceano Pacífico. Ele aponta para um caminho reto de 41 milhas de comprimento que ele alega ter sido deixado por um objeto circular de 2,5 milhas de diâmetro que aparece ao lado dele. Ele afirma que “parece feito pelo homem ao invés de natural” – talvez até feito por alienígenas espaciais!

É uma reminiscência da moda Face-on-Mars que dominava os programas de entrevistas de fim de noite antes que se tivesse uma visão mais atenta sobre a espaçonave. Isso só mostra que as inferências de design exigem um nível mínimo de rigor. Não parece que esses pensadores ilustres descartaram o acaso ou a lei natural como causas. Se o objeto tivesse luzes piscando e esculpido “Olá, mundo!” em Inglês, poderíamos ficar impressionados.

Na verdade, a evidência para o design no DNA e no ajuste cósmico é muito mais forte do que as evidências apresentadas nas duas citações anteriores sobre geoglifos e minerais do Antropoceno. Tais ilustram que o raciocínio de senso comum sobre causas inteligentes está vivo e bem nas ciências, publicado prontamente em revistas de ponta – exceto quando as implicações podem favorecer uma determinada visão de mundo.

Agora é o “Pluralismo Ético pós-humanista”.

By Evolution News – Wesley J. Smith

[Obs: Texto adaptado – O texto contem links no original em inglês – Imagem do EnV com os devidos créditos] 

1024px-20120623_Sqwiki_the_Squirrel_at_Wiknic.JPG

 

O New York Times publica continuamente, artigos de opinião e artigos de notícias, destinados a minar o excepcionalismo humano e a compreensão de que temos maior valor moral.

Isso é extremamente perigoso. Se a vida humana não tem um maior valor objetivo final simplesmente e apenas por ser humana – um valor igual a ser distinguido de todas as outras formas de vida no planeta – não há uma forma de defender filosoficamente os direitos humanos universais.

Além disso, se não pudermos distinguir entre nosso valor inerente e o dos animais, não elevaremos seu status a nosso nível, mas diminuiremos o nosso próprio ao deles.

Agora, o Times tem uma longa entrevista com o estudioso anti-humanista Cary Wolfe, conduzida por Natasha Lennard. Wolfe, que dirige o Centro de Teoria Crítica e Cultural da Universidade de Rice, defende um “pluralismo ético pós-humanista” entre nós e o resto da vida no planeta.

Naturalmente, Wolfe faz a reivindicação usual entre tais crentes que o que é feito a um animal ou a outra forma de vida, deve ser julgado como moralmente equivalente à mesma coisa que está sendo feita a um ser humano. Da entrevista:

NL. Como poderia uma abordagem pós-humanista para desfazer hierarquias interespécies, intervir em estruturas de violência entre os humanos? A eleição de Trump reflete e encoraja a supremacia branca e a misoginia a um grau assustador.Poderia uma intervenção pós-humanista se afastar de uma luta direta e muito necessária contra essas coisas, ou poderia ajudar?

Que pergunta morônica. Podemos todos girar nossos olhos e assoviar em uníssono?

E pegue a resposta insípida do grande cérebro:

CW. Oh, eu acho que pode ajudar enormemente, ao traçar mais claramente a base mais ampla que essas lutas compartilham a qual eu chamei de pluralismo ético pós-humanista. Minha posição sempre foi que todas essas hierarquias racistas e sexistas sempre foram tacitamente fundamentadas na mais profunda – e muitas vezes mais invisível – hierarquia de todos: a divisão ontológica entre a vida humana e a vida animal, que por sua vez fundamenta uma hierarquia ética perniciosa. A não ser que para você esteja O.K. o cometer violência contra animais simplesmente por causa de sua designação biológica; então essa mesma lógica estará disponível para você cometer violência contra qualquer outro ser, de qualquer espécie, humana ou não, que você pode caracterizar como uma “inferior” ou mais “primitiva” forma de vida. Isso é óbvio na história da escravidão, do imperialismo e da violência contra os povos indígenas. E isso é exatamente o que o racismo e a misoginia fazem: usar uma taxonomia racial ou sexual para tolerar uma violência que não conta como violência, porque é praticada em pessoas que são assumidas como menores ou inferiores e que nesse sentido, de alguma forma, “merecem isso”.

Mas não acreditamos em nada disso. Na verdade, instituímos leis de bem-estar animal cada vez mais rigorosas, precisamente porque entendemos que, como seres humanos, temos deveres de cuidado humano com os animais.

Além disso, criar galinhas para ter ovos e inseminar vacas não leva à “cultura de estupro“.

Que diabos seria instituir uma sociedade baseada em “pluralismo ético pós-humano“, oque isso significa na prática real? Não surpreende que essas perguntas práticas sejam deixadas sem resposta na entrevista:

CW. O primeiro imperativo do pós-humanismo é insistir que quando estamos falando sobre quem pode e não pode ser tratado de uma maneira particular, a primeira coisa que temos a fazer é descartar a distinção entre “humano” e “animal” – e de fato lançar fora o desejo de pensar que podemos indexar o tratamento de vários seres, humanos ou não, a alguma designação biológica, taxonômica. Isso significa que todas as formas de vida são de alguma forma “a mesma”? Não, significa exatamente o oposto: Significa que a questão de “humano” versus “animal” é uma ferramenta filosófica terrivelmente inadequada para dar sentido à incrível diversidade de diferentes formas de vida no planeta, como eles experimentam o mundo e como eles devem ser tratados.

Se rejeitarmos a hierarquia moral da vida, conosco no ápice, significa que não podemos comer carne? Significa que temos de nos prejudicar fundamentalmente por cessar a experimentação animal?

No mundo real – sim, eu sei que não é onde os professores tendem a viver – tudo isso é simplesmente impraticável. E o potencial impacto adverso de tentar impor políticas baseadas em tal pensamento faria danos não quantificáveis à prosperidade humana.

Mas note que toda a discussão se baseia na extensão e profundidade dos deveres morais humanos que atribuímos a nós mesmos. E, de fato, toda a questão prova a hierarquia moral que Wolfe está com tanta dificuldade em negar. Nenhuma outra espécie no universo conhecido poderia sequer engajar essa questão, muito menos decidir que o altruísmo exige elevar moralmente formas de vida menores em igualdade – ou mais alta – de importância juntamente conosco.

*Post cruzado em The Corner .

Esquerda x Direita

Esse pequeno texto a seguir é uma resposta de um administrador a um comentário na page Tradutores de Direita relativo a este post.

Se refere ao argumento não sou de direita nem de esquerda:

Essa estratégia de “despolarizar” o debate baseada em um suposto pseudo-maniqueísmo é um tiro no pé. De início, temos que entender por que alguém gostaria de ser reconhecido como “não sendo nem de direita e nem de esquerda”.

A resposta é até simples demais: participantes de debates públicos são vendedores de ideias. Automaticamente, o fato de alguém ser aderente a uma ideia diminui (embora não elimine) automaticamente o valor desta ideia. O senso comum pensa: “Ele diz isso por que é comunista!” ou “Ele diz isso por que é conservador!” e coisas do tipo.

Para reduzir o grau de rejeição, o debatedor poderá alegar que “não é nem de direita e nem de esquerda”, para, enfim, ser reconhecido pelo público como não aderente a ideia. Mas, se ele não é um aderente, mas mesmo assim está apoiando a ideia, qual a mensagem subliminar? Simples. A posição política elogiada é tão boa que ele, mesmo que não esteja do lado desta posição, “tem que reconhecer os méritos dela”.

Este tipo de interesse justifica por que existe tanta fuga da lógica quando alguém luta para fingir, perante ao público, que “não é de direita, e nem de esquerda”.

Podemos organizar isso usando um critério facilmente justificável: a crença fundamental. Assim, por exemplo, alguém ou é ateu ou teísta, se considerarmos a crença fundamental que define teísmo ou ateísmo. Neste caso, a crença em Deus. Mas este ateu pode ser espiritualista, o que é tipicamente considerado como sendo uma característica teísta ou deísta. Mas não há problema algum em alguém ser ateu e espiritualista. Ou mesmo ser ateu e adotar alguns princípios de uma religião. Ou rejeitar as religiões e adotar o teísmo. Mesmo assim, isto não permite que alguém diga que “não é nem ateu e nem teísta”.

Usando o mesmo critério, tomemos a crença no estado inchado, e nas pessoas que tomam conta deste estado. Sendo esta a mais fundamental das crenças do esquerdismo, por causa da crença no homem (a crença humanista que é um guarda-chuva para o esquerdismo – surgiram recentemente até direitistas humanistas, mas estes vivem em duplipensar, o que não é o caso dos esquerdistas, que seguem o humanismo à risca), alguém deve ser definido como esquerdista pelo fato de apostar ou não neste estado. A rejeição a esse paradigma configura o pensamento de direita.

Desta forma, é muito fácil saber se estamos diante de alguém da esquerda ou da direita. Se um sujeito começa a pedir subserviência das pessoas “ao estado” (como se fosse uma entidade abstrata e benevolente)… é de esquerda. Um esquerdista ainda tentando implementar a rotina poderia dizer que “quer o estado inchado, mas só se os serviços forem bons”, o que é o mesmo que dizer que “defende o estupro, mas acha que uma rosa deve ser deixada no corpo na mulher após o ato de violência”. Isto é, não existe um meio termo entre “aceitar estupro” e “não aceitar estupro” ou “aceitar estado inchado” e “não aceitar estado inchado”.

Claro que um esquerdista pode adotar algumas ideias da direita, e a teoria da dissonância cognitiva explica o processo. Já vi esquerdistas (raríssimos) defendendo penas altas para criminosos e até a redução da maioridade penal, por causa da crença na responsabilidade individual, mas isso pode configurar no máximo um esquerdismo moderado.

Mesmo na situação de um esquerdismo moderado, ainda existe uma opção entre esquerda ou direita na crença fundamental do esquerdismo, assim como mesmo na situação de um ateu espiritualista X teísta não-espiritualista existe uma opção entre ateísmo ou teísmo, que não pode ser superada.

A impossibilidade de superação existe por que falamos de dilemas, ou seja, situações onde ou escolhemos um lado ou escolhemos outro. A não ser que exista um esquerdismo quântico no sentido do espiritualismo picareta de um Amit Goswami. Aí existiria o “ser e não-ser” ao mesmo tempo ou até o “existir e não-existir ao mesmo tempo”. Mas nada disso pode ser levado a sério.

Quando alguém começar a dizer que “não é de esquerda e nem de direita”, observe o comportamento e faça questionamentos incômodos, e você poderá notar que, em relação a crença fundamental da esquerda, o sujeito irá demonstrar o seu lado. Que com certeza não é uma posição “nem de direita e nem de esquerda”, mas sim de esquerda.

Na maioria absoluta dos casos de aplicação desta rotina, podemos ter segurança de estarmos diante de alguém com aderência aos ideais de esquerda. São eles que adoram maquiar a realidade, inclusive sobre as definições que abarcam seu paradigma.

 

Como o corpo lida com a gravidade?

By Evolution News – Howard Glicksman

[Obs: Esse texto é uma adaptação feita a partir do original – As imagens são do original com os devidos créditos]

 

piers_sellers_spacewalk

Nossos músculos, sob o controle de nossos nervos, nos permitem respirar, engolir, movimentar-se e lidar com as coisas. Os nervos periféricos enviam informações sensoriais sobre o que está acontecendo dentro e fora do corpo para a medula espinhal e o cérebro e a partir deles enviam de volta instruções motoras para os músculos, para lhes dizerem o que fazer. Em um artigo anterior desta série, descrevi alguns dos sensores que, como transdutores, convertem fenômenos em informações que o corpo pode usar. A pressão é detectada por sensores na pele; o movimento do corpo, especialmente da cabeça, é detectado pelo aparelho vestibular dentro do ouvido interno; e os próprios receptores fornecem informações sobre o estado dos músculos, tendões e articulações.

the-designed-body4Meu último artigo descreveu alguns dos reflexos (respostas motoras involuntárias, automáticas, pré-programadas, sem direção consciente do cérebro) que o corpo usa para evitar ferimentos graves e manter a sua posição. Agora vamos olhar para a forma como o corpo lida com a lei da gravidade e o que é preciso para manter o seu equilíbrio. Lembre-se de que quando os biólogos evolucionistas nos dizem sobre a vida e o mecanismo pelo qual ela deve ter surgido, eles lidam apenas com sua aparência e não como ela deve realmente trabalhar dentro das leis da natureza. Pergunte a si mesmo qual é a explicação mais plausível para como a vida surgiu: acaso e as leis da natureza por si só, ou design inteligente?

O centro de gravidade de um objeto é um ponto teórico sobre o qual o seu peso é distribuído uniformemente. Para um objeto que tem uma densidade uniforme com uma forma regular e simétrica, tal como um pedaço quadrado de madeira maciça, o centro de gravidade está no seu centro geométrico. Coloque um bloco quadrado de madeira sobre uma mesa e empurre-o mais e mais para fora da borda. Ele vai cair no chão quando seu centro de gravidade não estiver mais sobre a mesa.

O corpo humano é feito de músculos, órgãos, gordura e osso, cada um com uma densidade diferente. Embora o contorno físico do corpo seja simétrico de um lado para o outro, a sua forma é muito irregular. O centro de gravidade para a maioria das pessoas, enquanto em pé ou deitada, com os braços ao lado do corpo está na linha média, perto de seu umbigo. Para se manter em pé, o centro de gravidade do corpo deve permanecer entre os seus dois pés, tanto de um lado para o outro e de trás para frente, caso contrário, ele cai. O movimento dos braços ou pernas se distanciando a partir do corpo ou no dobrar da coluna em qualquer direção muda o centro de gravidade do corpo. Transportar um objeto, especialmente, a uma distância a partir do corpo, também irá alterar o seu centro de gravidade. Para os nossos primeiros ancestrais sobreviverem dentro das leis da natureza, eles não só tinham que ficar equilibrados em pé, mas também a pé, somente com um pé, e correndo; com nenhum dos pés em contato com o solo. Em outras palavras, o corpo humano é um objeto inerentemente instável, que precisa de controle para o equilíbrio.

O sistema neuromuscular mantém o corpo em posição, equilibrando-se em relação à gravidade. Embora a medula espinhal forneça reflexos que ajudam a manter a sua postura, é em grande parte no cérebro (particularmente o tronco cerebral e cerebelo) que se fornecem os padrões motores coordenados, necessários para manter o equilíbrio. Para fazer ajustamentos em continuo, o cérebro recebe dados sensoriais de basicamente quatro fontes diferentes: os receptores de pressão no pé, os proprioceptores (particularmente do pescoço e o restante da coluna vertebral), o aparelho vestibular dentro do ouvido interno, e visão.

Os sensores de pressão dos pés informam o cérebro sobre a distribuição do peso do corpo em relação ao seu centro de gravidade. Levante-se e incline-se de lado a lado, para frente e para trás. Observe a diferença nas sensações de pressão sentidas em cada pé com esses movimentos, a sensação de desequilíbrio, e os ajustes imediatos que devem ser feitos para ficar de pé.

Os proprioceptores do pescoço e o restante da coluna vertebral fornecem ao cérebro informações sobre a posição relativa da cabeça e o resto do corpo. Dobre o pescoço para frente e para trás e, em seguida, dobre a partir de sua cintura em qualquer direção. Onde quer que seu pescoço e coluna vertebral irem, assim vai a sua cabeça e o resto do seu corpo. Observe a sensação de desequilíbrio, como o seu centro de gravidade se move, estando longe dos seus pés e como você rapidamente tem que se ajustar para evitar a queda.

O aparelho vestibular contribui na informação sensorial sobre a velocidade e direção da cabeça e pescoço, movimento linear e angular e o movimento vertical do corpo. Além disso, ele ajuda a estabilizar a imagem da retina. Olhe em um espelho, com foco em seus olhos, e mova a cabeça lentamente para cima e para baixo, de lado a lado. Observe que os olhos se movem automaticamente na direção oposta, permitindo que eles permaneçam em foco. Você está vendo os efeitos do reflexo vestíbulo-ocular.

Agora, continue a focar os olhos e mover a cabeça para cima e para baixo, de lado a lado o mais rápido que você puder. Você não pode controlar conscientemente seus olhos rápido o suficiente para compensar estes movimentos. Isso ocorre automaticamente por causa de sua decisão de se concentrar em seus olhos (ou qualquer outro objeto), enquanto sua cabeça e seu corpo estão em movimento. Observe também como você se sentiu um pouco tonto e sem equilíbrio. Isto é causado pelos fortes impulsos nervosos alternados, sendo enviados a partir do aparelho vestibular em cada lado da cabeça para o cérebro, devido à velocidade dos movimentos da cabeça.

Os olhos fornecem ao cérebro uma imagem do ambiente no qual o corpo está localizado. A experiência clínica ensina que com a concentração, treinamento e movimento lento, a visão muitas vezes pode ajudar a manter o equilíbrio do corpo, sem informações dos sensores de pressão, dos proprioceptores, e do aparelho vestibular. Feche os olhos e comece a andar, aumentando progressivamente a sua velocidade. Observe como é difícil manter o seu equilíbrio. Fechar os olhos faz  de você totalmente dependente dos sensores de pressão nos pés, proprioceptores da coluna vertebral e membros, aparelho vestibular, o deixando um pouco fora de equilíbrio. Agora faça este exercício novamente, mas desta vez com os olhos abertos. É evidente que pistas visuais contribuem muito para sua capacidade de manter equilíbrio.

Uma das primeiras indicações de que uma pessoa pode ter um problema com o seu equilíbrio é quando ela inadvertidamente cai no chuveiro. Ao tomar uma ducha, a maioria das pessoas fecham os olhos por causa do uso shampoo no cabelo e, em seguida, voltam rapidamente sua cabeça e pescoço, e muitas vezes todo o seu corpo, para removê-lo. Movendo-se desta forma com os olhos fechados, significa que seu cérebro já não pode usar pistas visuais para manter o equilíbrio. Se uma pessoa tem condição como uma neuropatia sensorial (comum em diabéticos), que limita a recepção dos dados sensoriais dos pés, ou a esclerose múltipla, que retarda a velocidade do impulso nervoso no tronco cerebral, ou degeneração do cerebelo, fazendo com que as coordenações sejam pobres, então eles irão perceber o quão importante é a visão. Sem ela, torna-se difícil ou impossível para eles manterem o equilíbrio.

Toda a experiência clínica ensina que para nossos ancestrais mais antigos (e os organismos intermediários teóricos que conduziram a eles) manterem o seu equilíbrio, teriam necessidade de ter um sistema irredutivelmente complexo, com uma capacidade natural de sobrevivência similar ao nosso. Isso teria que incluir diferentes sensores localizados em lugares estratégicos para fornecer informações sobre a posição do corpo no espaço e no relacionamento com gravidade, um sistema nervoso central para receber e analisar, e a capacidade de acessar reflexos motores automáticos e enviar mensagens motoras voluntárias, rápido o suficiente para prevenir uma queda. Pelo que a força da gravidade não espera por ninguém e é um nivelador de igualdade de oportunidades, de sorte após sorte.

Só porque organismos semelhantes têm mecanismos semelhantes para manter o seu equilíbrio; isso, por si só, não explica de onde esses mecanismos e a sua capacidade de reagir adequadamente e rapidamente, veio, em primeiro lugar. Biologia evolutiva, como eu disse, é muito boa em descrever como a vida parece, mas não tem capacidade para explicar como ela deve trabalhar dentro das leis da natureza para sobreviver. Em meu próximo artigo veremos como somos capazes de realizar movimentos intencionais e realizar atividades dirigidas a objetivos. Como tudo o mais nesta série tem mostrado, não é tão simples como biólogos evolucionistas nos querem fazer crer.

Filósofo ateu acha que “nunca temos acesso direto aos nossos pensamentos”

By Evolution News 

[Obs: Texto adaptado – Links em inglês – A imagem é do EnV]

 

Huike_thinking

 

Em um post intitulado “Por fim: um pensador racional em “The Stone”, o biólogo ateu e negador do livre-arbítrio,  Jerry Coyne, cita o companheiro ateu Alex Rosenberg, professor de filosofia na Universidade Duke .

Rosenberg:

Nós nunca temos acesso direto aos nossos pensamentos. Como Peter Carruthers já havia argumentado primeiramente, a auto-consciência é apenas a leitura da mente voltada para dentro … Não há nenhum ponto de vista em primeira pessoa.

Nosso acesso aos nossos próprios pensamentos é tão indireto e falível como o nosso acesso aos pensamentos de outras pessoas. Nós não temos acesso privilegiado às nossas próprias mentes. Se nossos pensamentos dão o verdadeiro significado para nossas ações, nossas palavras, nossas vidas, então não podemos; nunca, estarmos certos sobre o que dizer ou fazer, ou para essa matéria, o que pensamos ou porque pensamos isso.

Nem sequer está claro o que “Nós nunca temos acesso direto aos nossos pensamentos” significa. Claro que temos acesso direto aos nossos pensamentos. Pode-se definir a experiência em primeira pessoa (ou seja, pensamento) como “aquilo que temos acesso direto.

Uma característica marcante da mente é que ela é incorrigível. Nossos pensamentos são nossos, estamos sempre certo sobre a existência dos nossos próprios pensamentos, e um observador nunca pode estar certo sobre o pensamento de outra pessoa, se o observador e a pessoa discordar. Se eu estou pensando de uma maçã vermelha, então eu estou pensando em uma maçã vermelha. Se o meu amigo diz: “Não está não. Você está pensando de um Corvette azul“, então eu estou certo e meu amigo está errado. Você não pode estar errado sobre o conteúdo bruto do que você está pensando.

Agora isso não significa que você não pode ter um pensamento equivocado (uma proposição falsa) ou que você não pode ter um mal-entendido (talvez a maçã que estou pensando é mais marrom do que o vermelha). Mas meu pensamento é o meu pensamento. Eu tenho acesso direto a ele – eu o experimento – e as outras pessoas não.

Então é claro que há um ponto de vista na primeira pessoa. Nosso ponto de vista único, é na primeira pessoa. Isso é o que “ponto de vista” significa. É a vista do “ponto” de um ser humano, que é a primeira pessoa por definição.

Agora, é claro, compreender as motivações para nossos pensamentos, e a correspondência entre nossas crenças e realidade, estão abertos ao debate.Podemos não saber exatamente por que pensamos algo e sobre algo. Mas nós sabemos – incorrigivelmente – que achamos alguma coisa e sobre alguma coisa.

Como tantas outras reivindicações materialistas bizarras sobre a mente, a afirmação de Rosenberg é auto-refutável. Se não temos acesso direto aos nossos pensamentos, por que iriamos assumir que o que Rosenberg tem escrito, tem qualquer relação com o que ele realmente pensa? Se Rosenberg não tem acesso direto aos seus próprios pensamentos, não há nenhuma maneira de saber o que ele realmente pensa. Mesmo que ele não saiba o que ele realmente pensa.

As teorias materialistas sobre a mente beiram a loucura.
Se um homem entra em um consultório médico e diz: “Eu não tenho, em tempo algum, acesso direto aos meus pensamentos e não tenho um ponto de vista na primeira pessoa“, este homem vai ser encaminhado para um psiquiatra e pode ser involuntariamente internado até que se prove que ele não é um perigo para si mesmo ou para os outros.

Se o mesmo cara entra no departamento de filosofia na Universidade de Duke, ele recebe um mandato.

 

O naturalismo metodológico comete a falácia “petição de princípio”!

Por Sociedade Origem e Destino – Johannes Janzen

Larmer considera um argumento como segue (ver original aqui):

 

 

8_circulo_vicioso

 

1. ) Se alguém é um naturalista metafísico, então deveria ser um naturalista metodológico, isto é, jamais postular entidades não físicas como a causa de um evento físico.

2. ) Não se deveria acreditar em entidades não físicas sem boa evidência.

3. ) Não há boa evidência para entidades não naturais.

4. ) Portanto, não se deveria aceitar o naturalismo metafísico, e por extensão lógica, o naturalismo metodológico.

Ele então desenvolve um diálogo entre um naturalista metafísico e seu oponente acerca da premissa 3.

 

NN [oponente]: Eu discordo que não há boa evidência para entidades não naturais.

MN [naturalista metafísico]: Tal evidência não pode existir.

NN: Por que?

MN: Porque qualquer investigação das causas de eventos físicos deve empregar o naturalismo metodológico, isto é, deve considerar que, em princípio, nunca é legítimo considerar uma causa não natural para um evento físico.

NN: Lembre-me uma vez mais para uma boa razão para pensar que o naturalismo metafísico é verdadeiro.

MN: Uma boa razão para pensar que o naturalismo metafísico é verdadeiro é que não há boa evidência para existência de entidades não naturais.

NN: Será que o naturalismo metodológico nunca permitiria postular uma entidade não natural como a causa de um evento físico?

MN: Não. Já apresentei isso de forma clara.

NN: Deixe-me ver se entendi corretamente. A sua aceitação do naturalismo metafísico é baseada no fato que não há evidência que entidades não naturais alguma vez causaram eventos físicos?

MN: Sim.

NN: E o seu endosso do naturalismo metodológico decorre de sua aceitação do naturalismo metafísico?

MN: Sim.

NN: Isso parece uma petitio principii (“petição de princípio”). Você endossa o naturalismo metafísico com base que não há evidência que entidades não naturais jamais tenham causado eventos físicos, mas adota uma metodologia que exclui a possibilidade de jamais reconhecer evidência de causas não naturais. Você está usando sua metafísica para justificar sua aceitação do naturalismo metodológico, mas sua aceitação do naturalismo metodológico serve para garantir que mesmo que existam evidência para existência de causas não físicas jamais poderão ser reconhecidas como tal.

Como refutar o Design Inteligente?

Ao demonstrar um caso credível, empiricamente observado, em que o acaso cego e / ou necessidade mecânica cria organização complexa funcionalmente específica e informações associadas além de 500 – 1.000 bits … A premissa indutiva chave da teoria do projeto (ID), entra em colapso.

 

software-screen5

Design inteligente é ciência ?

Por Angelo Grasso

 

 

 

flagellum

 

 

 

Sim, claro !

Existem basicamente duas alternativas de mecanismos de como o mundo natural foi causado e criado. Inteligência, e não inteligência. Se inteligência não foi envolvida, o que resta, é nada. O nada como origem de todo mundo físico.

1. Inteligência. É um processo mental, que tem a capacidade de alguém/algo usar e ter lógica, informação, abstração, memorização, compreensão, auto-conhecimento, comunicação, aprendizado, controle emocional, planejamento e resolução de problemas.

2. Chance. O que é chance ? Em Probabilidade e Estatística, a chance de ocorrência de um evento é a probabilidade de ocorrência deste evento dividida pela probabilidade da não ocorrência do mesmo evento. Chance não é uma força, não é uma causa, um agente que faz. Chance não é uma coisa. Portanto, o naturalista atribui ao nada o poder de causar mudança.

Isto é uma dicotomia falsa ?

Não. Todas as possibilidades e sugestões de origens (multiversos, universos oscilantes, teoria de branas, flutuações quânticas, um universo sem começo, eterno, o Big Bang sem causa, ou ET’s, vários deuses, panteísmo, deísmo, monoteísmo etc.) recaem para uma ou outra categoria. Dizer, que pode haver outra opção desconhecida por nós, é um argumento das lacunas, e racionalmente não se sustenta.

Objeção: Não aleatoriedade é uma gama de uma quantidade infinita de coordenadas entre um extremo (aleatório) e outra extremidade oposta do espectro (inteligência). Entre esses extremos opostos polares são diferentes graus de processos e eventos não aleatórios.

Resposta: Existe uma linha de divisão, indivisível, entre o consciente, e o não consciente. Ou alguém é, ou não é consciente. Todos os degraus de consciente, mesmo que seja ínfimo, fazem parte do ser consciente. Portanto há apenas duas categorias. [1]

A matéria inconsciente, e a realidade não material do consciente, inteligente, espiritual. As duas realidades são fundamentalmente distintas, e não há uma realidade intermediária.

Como Einstein habilmente disse: Einstein’s Gulf: Can Evolution cross it ? By John Oller, Ph.d Albert Einstein, sem dúvida, um dos maiores cientistas de todos os tempos, descreveu o “abismo” que separa logicamente o mundo concreto dos objetos firmes, de um lado, e do mundo abstrato das idéias, por outro. Ele escreveu: Nós temos o hábito de combinar alguns conceitos e relações conceptuais (proposições) de forma definitiva com certas experiências sensoriais que não se tornam conscientes do abismo intransponível – logicamente que separa o mundo de experiências sensoriais do mundo dos conceitos e proposições.

De um lado, vemos o mundo real dos objetos, eventos e relações espaço-tempo tensionais. Por outro lado, encontramos representações totalmente abstratas que contêm informações sobre o mundo material. Essa informação articulada é captada pela primeira vez por nossos sentidos, secundariamente por nossas ações corporais, e em terceiro lugar pela nossa capacidade de usar uma ou mais línguas particulares. Entre os dois reinos, encontramos o que parece ser um abismo intransponível.

Uma pequena parte do problema dos proponentes de naturalismo é que objetos duros nunca são observadas espontaneamente a transformar-se (em sua própria fiança) em idéias abstratas.

Defensores do naturalismo metodológico muitas vezes invocam a definição de “critérios de demarcação” que dizem que toda ciência deve ser observável, testável, falsificável, preditiva e repetível. A maioria dos filósofos da ciência porém agora descartam estes critérios porque há muitas exceções às regras que estabelecem a prática da ciência.

Nem toda ciência envolve entidades observáveis ou fenômenos repetíveis, por exemplo nós não temos como voltar atrás no tempo, para observar o que causou o universo, as estrelas, a terra, e sistemas biológicos, e a biodiversidade. Não temos como ser testemunhas de eventos do passado, mas podemos tranquilamente fazer inferências sobre o que causou eventos únicos ou singulares com base nas provas disponíveis hoje. Ciências históricas como arqueologia geologia, forense, e Biologia Evolucionária, todas inferem eventos causais do passado para explicar a ocorrência de outros eventos ou para explicar o que observamos hoje .

Sabemos por nossa experiência que erosão é resultado de muita água, chuva, tempestades etc, e produz ravinas, em seguida, arroios e, por extensão, cânions. Nós sabemos que agentes inteligentes têm as capacidades de design necessárias para prever e construir uma pirâmide. Forças naturais não tem. Estas são inferências baseadas em nosso conhecimento atual de causa e efeito. Devido à influência do naturalismo metodológico (a posição filosófica de que as explicações científicas deve ser restritas a processos naturais), muitas pessoas afirmam que o design inteligente situa-se além dos limites da ciência. No entanto, uma série de disciplinas científicas se baseiam na capacidade dos cientistas detectarem a atividade de agentes inteligentes e distinguir da atividade de processos naturais. Por exemplo, os cientistas forenses podem determinar se ou não um indivíduo morreu como resultado de processos naturais, por acidente, ou pela ação intencional de outra pessoa – um agente inteligente. Os antropólogos podem examinar pedaços de rocha e determinar se as pedras foram intencionalmente fabricadas em uma ferramenta por um hominídeo (como os neandertais) ou meramente moldadas por processos naturais. Na busca para identificar civilizações alienígenas, pesquisadores da SETI monitoram radiação eletromagnética emanada de estrelas distantes em busca de assinaturas que levam a marca da agência inteligente.

A ciência tem o kit de ferramentas para detectar a ação de um designer inteligente e distingui-lo de causas e eventos naturais. Se assim for, então por que perguntas científicas não deveriam poder determinar se um designer inteligente desempenhou um papel na origem, história e design da vida e do universo? Parece-me que ele pode, e eu diria que ele desempenhou.

A teoria do design inteligente, portanto, qualifica-se como ciência tanto histórica quanto operacional, pois pode ser testada. Nós não podemos observar diretamente a causa da origem da vida ou repetir os eventos que estudamos na história da vida, mas podemos inferir o que é a causa mais provável que seja responsável, em base do que conhecemos e sabemos do cotidiano . “Em nossa experiência, a única coisa capaz de causar a origem do código digital ou informações funcionais ou circularidade causal é a inteligência e nós sabemos que a origem da vida e a origem da vida animal, por exemplo, exigiu a produção de justamente estas coisas.

Ciências históricas, e naturalismo metodológico.

Existem pelo menos dois métodos científicos.

Como Stephen C. Meyer explica: As ciências indutivas (pelo qual podemos entender a física, química e outras ciências experimentais, principalmente) são motivados pela pergunta: “Como é que a natureza opera normalmente?” As ciências históricas (pela qual podemos entender cosmologia, geologia, paleontologia, a teoria da evolução e sistemática biológica), por outro lado, são motivadas principalmente pela pergunta: “Como é que este sistema ou objeto veio a ser?” Estes são logicamente questões distintas. Neste último caso, quando perguntamos como algo veio a ser, vamos explicar invocando narrativas ou padrões de eventos causais – métodos que empregam muitas vezes denominados “indutivo” ou “retrodutivo” – para descobrir que conjunto de eventos que explicam melhor as características que observamos no presente.

O estudo histórico é uma questão de probabilidade. Todas e quaisquer teorias históricas são suportadas pela evidência de que não são dedutivas por natureza (dedutivas = provas absolutas, como na matemática). Podemos considerá-las inferências para a melhor explicação, ou probabilidades Bayesianas, mas elas não podem ser deduções. Teorias históricas não são baseadas em experimentos, repetíveis – ou não – nem são teorias históricas sujeitas à verificação empírica. A evidência para a teoria da história pode ser empírica, mas a própria teoria não é. Essas diferenças significam que não se pode simplesmente tratar a ciência e a história como disciplinas similares.

O naturalismo metodológico é necessário na ciência , porque a ciência exige como uma pré-condição poder investigar as coisas naturais ?

O x da questão é: Inteligencia é natural, ou sobrenatural ? O que nós podemos ver, sentir, observar, medir, detectar, quantificar, etc, é natural e os efeitos da inteligência se enquadram nesta categoria. Quando não é possível para produzir qualquer evidência além de especulação, se coloca de forma abstrata como uma possibilidade, então isso seria não-natural. Inteligencia ainda é natural pois ela age observavelmente no mundo físico-natural, e nós podemos observar seus efeitos. O que os neurocientistas estudam o dia todo? Admita-se que consciência e inteligencia, se adotar o dualismo, não é uma entidade física que se possa quantificar ou detectar fisicamente, mas seus efeitos são evidentes a todos. Inteligência portanto é na verdade tanto natural, como sobrenatural. Afinal, o que dizer sobre espíritos desencarnados, que não precisam de um cérebro físico para existir, como comprovado por testes científicos ? [1]

O naturalismo metodológico também não é necessário para ciências históricas no entanto. A história não investiga determinando empiricamente nada. Embora a história não procura responder a perguntas sobre o passado, exige porem apenas que o passado seja racional. Racional simplesmente significa que há uma razão. Então, se alguma coisa acontecesse que fosse um ato de um designer inteligente/criador no passado, então, enquanto esse ato tinha uma razão, e a ciência histórica pode investigar.

Existem basicamente três possíveis agentes causadores de origem e do universo:

1. Necessidade física

2. Chance ( acaso ) ,

3. Design inteligente / criação.

Este resultado significa que o design inteligente não pode ser inteiramente retirado da consideração nas ciências históricas . No entanto, evidências ou razões devem ser encontradas para apoiá-los.

Eu sou contra o naturalismo metodológico aplicado em ciências históricas, porque nos ensina a estar satisfeitos com não permitir a evidência científica de eventos históricas a nos levar onde quer que seja.

Naturalismo é apenas uma das possíveis explicações para a origem do universo, o seu ajuste fino, não tem uma resposta sobre a origem da vida, explica muito pouco sobre a biodiversidade, e o que explica, explica mal, não tem explicação sobre questões essenciais, como o surgimento da fotossíntese, sexo, consciência, linguagem, línguas, moralidade. O resumo: ela não tem considerável poder de explicação, o que atrai tantos crentes, é que eles pensam, que este fundamento justifica eles se considerarem a última instância de moralidade, e não há o que se preocupar com interferência divina em suas decisões.

A evidência científica é o que observamos na natureza. O entendimento de que como os sistemas e processos biológicos micro e macro funcionam, é o exercício e exploração da ciência. O que se infere a partir da observação, especialmente quando se trata da origem de fenômenos dados na natureza, é filosófico, e com base na indução individual e raciocínio pessoal. O que parece como uma explicação convincente para você, não pode ser atraente para mim, e eu chego eventualmente a conclusões diferentes.

O projeto inteligente é “Criacionismo disfarçado”.

Na verdade, as duas teorias são radicalmente diferentes. O criacionismo se move para frente, isto é, ele assume, afirma ou aceita algo sobre Deus e sobre o que um livro religioso tem a dizer sobre as origens; então interpreta observações na natureza para se encaixarem nesse contexto. O design inteligente se move para trás, isto é, ele observa algo interessante na natureza (complexidade, interdependência de mecanismos moleculares, informações especificadas) e, em seguida, teoriza e testa possíveis maneiras como isso pode ter vindo a ser. O criacionismo é baseada na fé; Design Inteligente é baseado na observação empírica.

Cada abordagem tem um pedigree que remonta a mais de dois mil anos. Notamos a abordagem “para a frente” em Tertuliano, Agostinho, Boaventura, e Anselmo. Agostinho descreveu-o melhor com a frase, “fé em busca de entendimento.” Com esses pensadores, a investigação foi baseada na fé. Pelo contrário, descobrimos a orientação “para trás” em Aristóteles, Tomás de Aquino, e Paley. O argumento de Aristóteles, que começa com “movimento na natureza” e as razões de volta a uma “força motriz” – isto é, do efeito para a sua “melhor” explicação causal – é, obviamente, base empírica.

Para dizer então, que Tertuliano, Agostinho, Anselmo (criacionismo) é semelhante à de Aristóteles, Tomás de Aquino, Paley (DI) é equivalente a dizer para a frente é igual para trás. O que poderia ser mais ilógico?

Como o Dr. William Dembski, um dos principais pesquisadores do design inteligente, habilmente declarou:

O projeto inteligente é. . . uma investigação científica sobre como os padrões exibidos pelos arranjos finitos de matéria podem significar inteligência .

Na melhor das hipóteses, a ciência é uma busca desenfreada (mas de forma ética e intelectualmente responsável) e progressiva para a verdade sobre o nosso mundo com base em análise fundamentada de observações empíricas. A própria antítese de uma busca desenfreada pela verdade ocorre quando cientistas com antolhos intelectuais e afirmam dogmaticamente que todas as conclusões devem estar em conformidade com a filosofia “materialista”. Tal abordagem evita que os fatos falem por si mesmos. A busca da verdade só pode sofrer quando é artificialmente restrita por aqueles que querem impor a ortodoxia materialista por decreto autoritário antes que a investigação ainda nem começou. Esta abordagem, obviamente, suscita a questão, mas, infelizmente, é muito comum entre aqueles que escondem seus preconceitos metafísicos com a autoridade da ciência institucional ou a lei.

Isto é especialmente lamentável, porque a reflexão apenas de um momento é suficiente para concluir que ela é falsa verdade que a ciência deve necessariamente limitar-se a investigação de causas materiais somente. Causas materiais consistem de acaso e necessidade física (as chamadas “leis da natureza”) ou uma combinação dos dois. No entanto, os investigadores do mundo já em Platão reconheceram um terceiro tipo de causa existente – atos por um agente inteligente (ou seja, “design”). A experiência confirma para além do menor dúvida de que o agir por agentes inteligentes freqüentemente resultam em sinais empiricamente observáveis de inteligência. Na verdade, se não fosse assim, teríamos de abandonar forense, para citar apenas um dos muitos exemplos, a partir da rubrica de “ciência”.

Basta olhar ao seu redor. O próprio fato de que você está lendo esta frase confirma que você é capaz de distingui-la de ruído.

Além disso, o DI satisfaz todas as condições normalmente requeridas para a pesquisa científica (ou seja, observação, hipótese, experimento, conclusão):

1. Baseia-se em dados empíricos: a observação empírica do processo de concepção humana, e propriedades específicas comuns a concepção humana e informação biológica (informação complexa especificada ICE).

2. É um modelo quantitativo e internamente consistente.

3. É falsificável: qualquer demonstração positiva que ICE pode ser facilmente gerada por outros mecanismos além de projeto é uma falsificação potencial da teoria DI ( TDI).

4. Faz previsões empiricamente testáveis e frutíferas.



[1] http://reasonandscience.heavenforum.org/t1284-near-death-experience-evidence-of-dualism?highlight=dualism

QUAL É O MECANISMO DO DESIGN INTELIGENTE?

Por Ann Gauger – Evolution News

( **Texto adaptado, não traduzido na sua totalidade**)

Silhouette of human head with gears mechanism instead of brain

Um dos argumentos contra o design inteligente e que é repetido pelos simpatizantes de Darwin, é que a Teoria do Design Inteligente não fornece um mecanismo.

 [Jeph Simple]

Ou seja, como a informação é inserida nos seres vivos; Larry Moran, evolucionista, reivindica: Dê uma explicação detalhada.Qual é o mecanismo?

Há algo oculto por trás desse pedido de Moran, e de todos que usam esse argumento.

Moran insiste que se forneça um mecanismo. Tal insistência indica uma visão particular da ciência chamada de naturalismo metodológico, ou materialismo metodológico. Este ponto de vista da ciência, afirma que a ciência deve se limitar a causas estritamente materialistas para explicar todos os fenômenos da natureza, até mesmo coisas como a origem do universo, a origem da vida e a origem e causas da consciência humana.

Mas será que a regra funciona? A exigência de uma causa material, um mecanismo, pode levar à conclusão bizarra de que a lei da gravidade de Isaac Newton não é científica, porque ele notoriamente se recusou a fornecer uma explicação mecanicista para a ação a distância. Do mesmo modo, E = mc 2 (de Einstein) não tem nenhum mecanismo. Mas essas leis são certamente científica.

Então, que critérios os naturalistas metodológicos usam para definir a ciência?

Defensores do naturalismo metodológico invocam frequentemente uma definição ou “critérios de demarcação” que dizem que toda ciência deve ser observável, testável, falsificável, preditiva e repetível.

Mas agora, a maioria dos filósofos da ciência recusaram esses critérios, porque há muitas exceções às regras estabelecidas na prática real da ciência.

Ciências históricas como a arqueologia, geologia, ciência forense, e biologia evolutiva inferem eventos causais no passado para explicar a ocorrência de outros eventos, ou, para explicar, a evidência que nós temos deixado no presente, para trás.

A teoria do design inteligente também se qualifica como ciência histórica. Não podemos observar diretamente a causa da origem da vida ou repetir os eventos que estudamos na história da vida, mas podemos inferir qual causa é mais provável e seja portanto, responsável, como Stephen Meyer gosta de dizer, “a partir de nossa experiência repetida e uniforme .” Em nossa experiência, a única coisa capaz de causar a origem do código digital ou informações funcionais ou circularidade causal é a inteligência e sabemos que a origem da vida e a origem da vida animal, por exemplo, exigiu apenas a produção dessas coisas em sistemas vivos .

Mesmo que tais critério de delimitação do que é ciência e o que não é ciência, não são mais normativos para todas as áreas da ciência, vale a pena verificar que o design inteligente usa critérios que são relevantes para uma ciência histórica. Em resumo, embora o projetista postulado pela teoria do design inteligente não seja diretamente observável (como a maioria das entidades de causalidade postuladas por cientistas históricos não são), a teoria é testável e faz muitas previsões exigentes.

Claro, o principal desafio que Moran oferece tem a ver com um critério de demarcação diferente: a ideia de que uma teoria científica deve proporcionar um mecanismo para se qualificar como uma teoria científica.

Ele quer que detalhemos qual mecanismo a teoria do design inteligente propõe para explicar a origem da informação biológica, pensando que, se nós não oferecermos nenhum mecanismo, nossa teoria vai deixar de se qualificar como científica.

Moran assume que os cientistas não podem invocar uma mente, ou qualquer causa inteligente, como uma explicação para os fenômenos naturais, pelo menos se eles querem que suas teorias sejam consideradas científicas. Ele assume, mais uma vez, que a ciência deve se limitar a causas estritamente materialistas, a fim de explicar todos os fenômenos, até mesmo a origem da informação biológica, tais como o código digital no DNA, ou a explosão cambriana.

Sabemos que agentes inteligentes podem interagir com o universo, causando mudanças e produzindo informações funcionais.

A origem da informação funcional, invariavelmente resulta da atividade de mentes, em vez de estritamente (ou necessariamente) processos materiais. Assim uma das formas de se descartar a possibilidade de que uma mente pode ter produzido as informações presentes no DNA, por exemplo, é a de se fechar os olhos para o que sabemos sobre as causas de outros sistemas ricos em informação, tais como o código de computador ou linguagem falada.

Embora Moran não possa descartar o design inteligente, senão apenas através de uma limitação arbitrária, ainda vale a pena considerar como uma mente pode agir no mundo causando mudanças. A resposta é que não sabemos. Estou aqui sentado escrevendo. Minha mente, mediada pelo meu cérebro, está colocando palavras em um programa de computador (projetado por outras mentes, por sinal), usando os dedos para digitar. Mas como isso acontece, realmente? De onde vem um impulso ao invés de outro, para pressionar a tecla ? E como é que estas palavras, produtos de minha mente, é comunicada aos outros através de suas telas de computador?

Nós não podemos realmente dizer o quanto nossas próprias mentes trabalham para interagir com o mundo, no entanto, sabemos que elas o fazem. É nossa repetida, a experiência universal, pessoal, que nos mostra que nossa consciência interage com nossos corpos para produzir informação, mas exatamente como isso funciona não é conhecido. Então, por que devemos esperar saber como o(s) agente (s) responsável pela concepção da vida ou o universo, pode ter trabalhado?

A teoria do design inteligente não propõe um mecanismo (uma causa estritamente ou necessariamente materialista) para a origem da informação biológica. Em vez disso, propõe uma causa inteligente ou mental. Ao fazê-lo, ela faz exatamente o que queremos que uma boa teoria científica histórica faça. Ela propõe uma causa que é conhecido na nossa uniforme e experiência repetida (para usar uma expressão) que tem a capacidade de produzir o efeito em questão, que, neste caso, é a informação funcional em sistemas vivos.

Esta resposta sobre mecanismo foi dada antes, mais notavelmente no livro de Steve Meyer, Darwin’s Doubt , que Moran afirma ter lido. Em um post futuro, eu vou dar algumas passagens-chave do livro.

Imagem do Evolution News.

Como derrotar o ateu moderno com três perguntas simples.

A partir de Origem & Destino

 

aHR0cDovL3N1ZGRlbmx5c2VwdGVtYmVyLmNvbS93cC1jb250ZW50L3VwbG9hZHMvMjAxNS8wMi9Bc2stVGhlLVJpZ2h0LVF1ZXN0aW9ucy0uanBn

O blog Shadow To Light postou o texto abaixo. Verifique se você concorda…

Quando alguém demanda que você apresente evidências reais, do mundo real, e críveis acerca do Deus do Cristianismo, há três perguntas simples que você pode fazer para expor a natureza fictícia do inquérito e assim invalidar a tentativa de validar o ateísmo.

Questão 1: O que você considera como evidência real, do mundo real e crível para Deus?
Se o ateu se recusar a responder a pergunta, ele estará exposto a falácia de esconder as regras do jogo, demonstrando a sua desonestidade intelectual ao fazer a pergunta. Se o ateu responder a pergunta, há uma grande possibilidade que ele cite alguma demonstração dramática, miraculosa e sensacional de poder por Deus. Isso nos conduz a segunda pergunta.

Questão 2: Por que esse evento dramático, miraculoso e sensacional conta como evidência para Deus?
Neste ponto, o ateu provavelmente irá procurar mudar o tópico da conversa. Mas persista com a pergunta. A razão pela qual o ateu considera tal evento como evidência para Deus é porque o evento possivelmente não poderia ser explicado por causas naturais e pela ciência, uma vez que houve uma lacuna. O ateísmo moderno está construído sobre a lógica “Deus das lacunas”. Neste ponto, você pode perguntar a terceira questão.

Questão 3: O raciocínio “Deus das lacunas” é uma forma válida de determinar a existência de Deus?
Se o ateu não “correu” até este momento, ele irá correr agora. Por que? Pois se ele responder NÃO, então ficará claro que nada poderá contar como evidência para a existência de Deus, pois se a única “evidência” que o ateu permite em sua corte é uma lacuna (algo que não pode ser explicado por uma lei natural/científica) e o raciocínio do Deus das lacunas também não é permitido, então está claro que a exigência do ateu por uma evidência é um jogo desonesto de “cara eu ganho, coroa você perde”.
É claro que se o ateu responder SIM a essa questão, então o teísta está livre para usar a lacuna como uma evidência para Deus (origem da vida, origem da consciência, etc.).
Esta é a razão pela qual o ateu irá fugir do tópico. A exigência por uma evidência coloca o ateu na posição ou de reconhecer a desonestidade de sua pergunta ou de reconhecer que há evidência uma vez que existem certas lacunas.

Homem, fantoche de Deus? O absurdo calvinismo.

fantoche

 

 

 

 

 

 

Pode parecer absurdo, mas essa é a implicação inevitável da interpretação calvinista sobre soberania de Deus e livre arbítrio.

Primeiro vamos ao básico do livre arbítrio, que realmente não é um conceito tão simples mas basicamente seria:

print7

 

Umas das justificativas mais frágeis contra o livre arbítrio, do ponto de vista religioso, é que o mesmo tiraria a soberania de Deus e colocaria Deus nas mãos dos homens, ou seja a salvação dependeria do homem e não de Deus, eu chamo isso de falsa dicotomia, ou seja, ou é uma coisa ou outra.

Mas suponhamos que isso seja verdade; então o homem, aliás homem algum teria livre arbítrio. Isso quer dizer que o homem não tem escolha, certo?

Dessa forma, essa cosmovisão absurda, isenta o homem de qualquer culpa! Vou dar-te um exemplo:

Chimpanzés costumam matar chimpanzés bebes que não são suas crias… Assim, você acha que um chimpanzé tem consciência moral de seu ato? Deveriam os chimpanzés enquadrar os infanticidas dentro de uma lei deles, criada por eles? Ou os humanos deveriam punir, educar os chimpanzés e punir os rebeldes?

Oras, chimpanzés não são pecadores, pois não possuem consciência de bem e mal e nem possuem a escolha entre o bem o mal….

E se o homem não possui a consciência do bem e do mal, e nem pode escolher entre o bem e o mal, qual a diferença entre um chimpanzé e um humano?

Assim, fica impossível sustentar que um ser , sem poder de escolha, sem consciência do bem e do mal, deve ser enquadrado no conceito de pecador merecedor de ser punido, e pior ainda, isto ser chamado de justa punição !

Isso coloca o Deus soberano como o verdadeiro autor do mal, do pecado [veja mais sobre isso aqui] e Ele mostra uma natureza perversa, cruel, cínica, sádica, afinal é Ele que controla o ser humano, decreta que o mesmo vai pecar, esse ser não possui o poder de negar o erro, ou nem mesmo de se opor ao erro, e ainda assim é considerado culpado pelos pecados que não o cometeu livremente jamais. Não consigo encontrar uma covardia maior que essa, senão o ato covarde de negar uma ação 100% eficiente, irresistível, levando este ser supostamente pecador ao arrependimento e a salvação da própria alma.

Sim porque dentro desta cosmovisão Deus poderia salvar todos homens mas em sua soberania decidiu salvar uns poucos, usando toda sua ação irresistível (nem sei porque precisaria gastar tanta energia) e deixar uma grande massa afundada em pecados (mas lembre-se eles não tem livre arbítrio) e assim, os irá condena-los ao terror eterno.

Eu fico pensando que tipo de julgamento seria esse! Seria como condenar chimpanzés ao terror eterno!

É um absurdo como mesmo assim, pessoas com acesso aos textos sagrados, inteligentes, não se incomodam nenhum um pouco com esse tipo de interpretação absurda, de fato é tão absurda que muitos chamam isso de mistério de Deus.

Eureka!!! O sofrimento eterno de uma massa gigantesca de pessoas, que poderiam ser graciosamente salvas, por uma ação irresistível, já que o homem não passa de um fantoche, não é um absurdo, não harmoniza com amor,misericórdia infinita, justiça, equidade, bondade; ao invés disso é apenas um mistério?

É tão absurdo que Deus teria dado seu filho por pecados que ele mesmo decretou! Quantas contradições! Paradoxos!

Mas o homem ter livre arbítrio e Deus ser ao mesmo tempo soberano não é mistério né? Seria uma contradição lógica, paradoxo! Faz o favor né???

Pois essa é a deturpação atribuída ao caráter de Deus, reduzindo-o a um deus estúpido, irracional, mentiroso, manipulador, fraco, sem nenhum senso de justiça.

Com referência a esse deus eu sou ateu!

Creio num Deus que criou homens com capacidades de discernir entre o bem e mal, são confrontados em sua mente, podem não ser totalmente livres do pecado, precisam sim da luz do evangelho, para, não serem salvos, mas sim decidir pessoalmente se crerão ou não no evangelho.

Não são fantoches! Possuem responsabilidade!

 

O que é realmente a Teoria do Design Inteligente?

Resumindo este tópico do Evolution News… >>>> “O que é realmente a Teoria do Design Inteligente?”

 

Quem é o designer?
O que faz o designer?
Como é que ele faz?
Onde ele faz?
Quando ele faz?

 

b032

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Muitos críticos do ID promovem versões falsas, espantalhos da TDI:

O design inteligente afirma que a vida é tão complexa, que não poderia ter evoluído, portanto, ela foi projetada por uma inteligência sobrenatural.

 

Bom,

 

Parte A O que o design inteligente não é.

 

1. ID não é somente um argumento negativo contra evolução.

ID não é apenas mero argumento contra evolução, ID oferece um forte argumento positivo, baseando-se em encontrar na natureza o tipo de informação e complexidade que vem somente de inteligência (baseando-se em nossa experiência).

2. ID não é uma teoria sobre o designer ou sobre o sobrenatural.

É um dos erros dos críticos, sugerir que a teoria está focada em estudar o designer; mais especificamente forças sobrenaturais ou uma divindade. Quando o ID estuda objetos naturais para determinar se eles carregam uma assinatura informativa indicando uma causa inteligente.
ID não se propõe a identificar a natureza ou a identidade dessa causa.

Como William Dembski explica:

 

O design inteligente é a ciência que estuda os sinais de inteligência. Note que um sinal não é a coisa significada ….. Como um programa de pesquisa científica, design inteligente investiga os efeitos da inteligência, não a inteligência como tal.[1]

 

Michael Behe explica:

Muitas pessoas (inclusive eu) vão atribuir o projeto a Deus – com base, em parte, em outros, julgamentos não científicos que fizeram – eu não afirmo que a evidência bioquímica leva inevitavelmente a uma conclusão sobre quem é o designer . Na verdade, eu disse diretamente que, de um ponto de vista científico, a questão permanece em aberto. … A evidência bioquímica indica fortemente design, mas não mostra aonde o designer estava.” [2]

 

3. ID não é uma teoria de tudo.

ID é uma teoria científica de detecção de design, e isso é tudo.
ID não é uma teoria em pleno desenvolvimento, sobre tudo.Quem esperar ou exigir que o ID explique tudo sobre a história da vida e do cosmos, vai se decepcionar.

Se você quer saber se algo foi projetado ou não, tudo bem, volte-se para o ID.

 

 

Parte B... O que é o design inteligente.

 

1. ID utiliza argumento positivo baseado em encontrar elevados níveis de informação complexa e especificada.

A teoria do design inteligente começa com observações de como agentes inteligentes agem quando eles projetam coisas. A inteligência humana proporciona um grande conjunto de dados empíricos para estudar os produtos da ação de agentes inteligentes. Este conjunto de dados, baseado em observação atual estabelece relações de causa e efeito entre a ação inteligente e certos tipos de informação.

William Dembski observa que “[o] princípio característico da agência inteligente é contingência dirigida, ou o que chamamos de escolha.” [3] Dembski chama o ID de “uma teoria da informação”, onde “a informação torna-se um indicador confiável de design, bem como um objeto adequado para a investigação científica. [4] A relação de causa e efeito pode ser estabelecida entre mente e informações. Como o teórico da informação Henry Quastler observou, a “criação de novas informações é habitualmente associada à atividade consciente.[5]

2. O projeto inteligente é uma ciência histórica que é metodologicamente equivalente ao neo darwinismo.

Como já vimos, o design inteligente é essencialmente uma ciência histórica, o que significa que estuda as causas atuais e, em seguida, as aplica ao registro histórico para inferir a melhor explicação para a origem dos fenômenos naturais. O design inteligente usa o raciocínio uniformista com base no princípio de que “o presente é a chave para o passado.”

Darwinistas usam este método para mutações e seleção. Afim de reconhecer capacidades causais e efeitos no mundo atual.Em seguida, tentam explicar o registro histórico em termos dessas causas, por exemplo buscando a reconhecer os efeitos conhecidos da mutação e seleção no registro histórico.

O design inteligente aplica esse mesmo método, estudando causas como a inteligência, a fim de reconhecer as suas capacidades causais e efeitos no mundo atual. Os teóricos do DI estão interessados em compreender os poderes de informação-generativa de agentes inteligentes. Os teóricos do DI, em seguida, tentam explicar o registro histórico, incluindo apelos para essa causa, procurando reconhecer os efeitos conhecidos de design inteligente (por exemplo, alta CSI) no registro histórico.

Então, se nós apelarmos para causas materialistas como mutação e seleção, ou causas não materiais, como o design inteligente, estamos usando o mesmo raciocínio uniformista básico e métodos científicos que são bem aceitos em ciências históricas. ID e neo-darwinismo são, portanto, metodologicamente equivalentes, o que significa que ambos são ou ciência, ou ambos não são ciência. No entanto, podemos saber que ID é ciência, porque ele usa o método científico.

3. O design inteligente usa o método científico.

ID usa o método científico para fazer suas reivindicações. Este método é comumente descrito como um processo de quatro etapas de: observações, hipóteses, experimentos e conclusão. Agora vou ilustrar isto referindo-se a quatro áreas científicas: bioquímica, paleontologia, sistemática e genética.

 

° ID e Bioquímica:

Observação: Os agentes inteligentes resolvem problemas complexos, atuando com um objetivo final em mente, produzindo altos níveis de CSI. Em nossa experiência, os sistemas com grandes quantidades de complexidade específica – como códigos e linguagens – invariavelmente são originários de uma fonte inteligente. Da mesma forma, em nossa experiência, a inteligência é a única causa conhecida de máquinas irredutivelmente complexos. [6]

Hipótese (Previsão): estruturas naturais que contêm muitas peças dispostas em intrincados padrões (incluindo a complexidade irredutível) que realizam uma função específica – indicando altos níveis de CSI.

Experiência: investigações experimentais de DNA indicam que ele é composto de um código baseado em linguagem rica em CSI. Os biólogos realizaram testes de sensibilidade mutacionais em proteínas e determinaram que as suas sequências de aminoácidos são altamente especificadas. [7] Além disso, experimentos genéticos inesperados e outros estudos têm mostrado que algumas máquinas moleculares, como o flagelo, são irredutivelmente complexas. [8]

Conclusão: Os altos níveis de CSI – incluindo a complexidade irredutível – em sistemas bioquímicos são melhor explicadas pela ação de um agente inteligente.

 

° ID e Paleontologia:

Observação: Os agentes inteligentes infundem rapidamente grandes quantidades de informação em sistemas. Como quatro teóricos do DI escreveram: “design inteligente fornece uma explicação causal suficiente para a origem de grandes quantidades de informação … o design inteligente de um projeto muitas vezes precede a montagem de peças de acordo com um projeto ou plano de projeto preconcebido.” [9]

Hipótese (Previsão): Formas que contêm grandes quantidades de novas informações aparecem no registro fóssil de repente e sem precursores semelhantes.

Experiência: Estudos sobre o registro fóssil mostram que as espécies geralmente aparecem de forma abrupta, sem precursores semelhantes. [10] A explosão cambriana é um excelente exemplo, embora existam outros exemplos de explosões na história da vida. Grandes quantidades de informações complexas e especificadas tiveram que surgir rapidamente para explicar o aparecimento abrupto dessas formas.[11]

Conclusão: O aparecimento abrupto de novos planos corporais totalmente formados no registro fóssil é melhor explicado por design inteligente.

° ID e Sistemática:

Observação: Os agentes inteligentes, muitas vezes reutilizam componentes funcionais em diferentes projetos. Como Paul Nelson e Jonathan Wells explicam: “. Uma causa inteligente pode reutilizar ou reimplantar o mesmo módulo em sistemas diferentes … [e] gerar padrões idênticos de forma independente” [12]

Hipótese (Previsão): Os genes e outras partes funcionais, normalmente, serão reutilizados em diferentes organismos. [13]

Experiência: Estudos de anatomia comparativa e genética descobriram peças semelhantes comumente existentes em organismos muito diferentes. Exemplos de “evolução extrema convergente” mostram reutilização de genes funcionais e estruturas de um modo não previsto pela ancestralidade comum.[14]

Conclusão: A re-utilização de partes altamente complexas e semelhantes, em organismos amplamente diferentes do padrão de árvore (arvore da vida) é melhor explicado através da ação de um agente inteligente.

 

° ID e Genética:

Observação: Os agentes inteligentes constroem estruturas com finalidade e função. Como William Dembski argumenta: “Considere o termo ‘DNA lixo’. … Em uma visão evolucionista esperamos uma grande quantidade de ADN inútil. Se, por outro lado, os organismos foram concebidos, esperamos que o ADN, tanto quanto possível,venha exibir função “. [15]

Hipótese (Previsão): Muito do chamado “DNA lixo” vai revelar que desempenha funções valiosas.

Experiência: Numerosos estudos têm descoberto funções no “DNA lixo”. Exemplos incluem funções para pseudogenes, íntrons e DNA repetitivo. [16]

Conclusão: A descoberta da função para vários tipos de “DNA lixo” foi prevista com sucesso pelo design inteligente.

Desta forma, podemos verificar que o design inteligente é uma teoria científica de boa-fé que usa o método científico para fazer suas reivindicações em vários campos científicos.

 

 

 

Referências usadas neste artigo:

[1.] William Dembski, The Design Revolution (InterVarsity Press, 2004), p. 33.

[2.] Michael Behe, “Philosophical Objections to Intelligent Design: Response to Critics,” (July 31, 2000) at

[3] William A. Dembski, The Design Inference: Eliminating Chance through Small Probabilities (Cambridge University Press 1998), p. 62.

[4] William A. Dembski, “Intelligent Design as a Theory of Information,” in Intelligent Design Creationism and Its Critics: Philosophical, Theological, and Scientific Perspectives (Robert T. Pennock ed., MIT Press 2001), p. 553.

[5] Henry Quastler, The emergence of biological organization, (Yale University Press, 1964), p. 16.

[6] Scott A. Minnich and Stephen C. Meyer, “Genetic analysis of coordinate flagellar and type III regulatory circuits in pathogenic bacteria,” Proceedings of the Second International Conference on Design & Nature, Rhodes Greece, edited by M.W. Collins and C.A. Brebbia (WIT Press, 2004).

[7] Douglas D. Axe, “Extreme Functional Sensitivity to Conservative Amino Acid Changes on Enzyme Exteriors,” Journal of Molecular Biology, Vol. 301:585-595 (2000); Douglas D. Axe, “Estimating the Prevalence of Protein Sequences Adopting Functional Enzyme Folds,” Journal of Molecular Biology, 1-21 (2004); Ann K Gauger, Stephanie Ebnet, Pamela F Fahey, Ralph Seelke, “Reductive Evolution Can Prevent Populations from Taking Simple Adaptive Paths to High Fitness,” BIO-Complexity, Vol. 2010; Ann K. Gauger and Douglas D. Axe, “The Evolutionary Accessibility of New Enzyme Functions: A Case Study from the Biotin Pathway,” BIO-Complexity, Vol. 2011(1) (2011).

[8.] See Kitzmiller Transcript of Testimony of Scott Minnich pp. 99-108, November 3, 2005; Robert M. Macnab, “Flagella,” in Escherichia Coli and Salmonella Typhimurium: Cellular and Molecular Biology Vol. 1, eds. Frederick C. Neidhardt, John L. Ingraham, K. Brooks Low, Boris Magasanik, Moselio Schaechter, and H. Edwin Umbarger (Washington D.C.: American Society for Microbiology, 1987), pp. 73-74.

[9.] Stephen C. Meyer, Marcus Ross, Paul Nelson, and Paul Chien, “The Cambrian Explosion: Biology’s Big Bang,” in Darwinism, Design, and Public Education, eds. John A. Campbell and Stephen C. Meyer (East Lansing, MI: Michigan State University Press, 2003), pp. 367, 386.

[10.] See Meyer, Ross, Nelson, and Chien, “The Cambrian Explosion: Biology’s Big Bang;” Wolf-Ekkehard Lönnig, “Dynamic genomes, morphological stasis, and the origin of irreducible complexity,” Dynamical Genetics, eds. Valerio Parisi, Valeria De Fonzo, and Filippo Aluffi-Pentini (Kerala, India, Research Signpost, 2004), 101-119; A.C. McIntosh, “Evidence of Design in Bird Feathers and Avian Respiration,” International Journal of Design & Nature and Ecodynamics, Vol. 4: 154-169 (2009).

[11.] Meyer, “The origin of biological information and the higher taxonomic categories.”

[12.] Paul Nelson and Jonathan Wells, “Homology in Biology,” in Darwinism, Design, and Public Education, eds. John Angus Campbell and Stephen C. Meyer (East Lansing: Michigan State University Press, 2003), p. 316.

[13.] In this case of systematics, neo-Darwinism might make some of the same predictions. Is this a problem for the positive case for design? Not at all. The fact that another theory can explain some data does not negate ID’s ability to successfully predict what we should find in nature. After all, part of making a “positive case” means that the arguments for design stand on their own and do not depend on refuting other theories. Moreover, there are many cases of supposed extreme “convergent evolution” that are better explained by common design. Additionally, regarding the predictions from biochemistry), paleontology, and genetics, neo-Darwinism has made different predictions from ID. In any case, in this example ID makes a slightly different prediction in that it does not predict that re-usage of parts must necessarily occur in a nested hierarchical pattern–a prediction which is in fact confirmed. See chapters 5-6 in Stephen C. Meyer, Darwin’s Doubt: The Explosive Origin of Animal Life and the Case for Intelligent Design (HarperOne, 2013).

[14.] John A. Davison, “A Prescribed Evolutionary Hypothesis,” Rivista di Biologia / Biology Forum, Vol. 98 (2005): 155-166; Nelson and Wells, “Homology in Biology;” Lönnig, “Dynamic genomes, morphological stasis, and the origin of irreducible complexity;” Michael Sherman, “Universal Genome in the Origin of Metazoa: Thoughts About Evolution,” Cell Cycle, 6: 1873-1877 (August 1, 2007).

[15.] William A. Dembski, “Science and Design,” First Things, Vol. 86 (October, 1998).

[16.] See Jonathan Wells, The Myth of Junk DNA (Discovery Institute Press, 2011); Richard Sternberg, “On the Roles of Repetitive DNA Elements in the Context of a Unified Genomic-Epigenetic System,” Annals of the NY Academy of Science, Vol. 981: 154-188 (2002); James A. Shapiro, and Richard Sternberg, “Why repetitive DNA is essential to genome function,” Biological Reviews of the Cambridge Philosophical Society, Vol. 80: 227-250 (2005); A.C. McIntosh, “Information and Entropy–Top-Down or Bottom-Up Development in Living Systems?,” International Journal of Design & Nature and Ecodynamics, Vol. 4: 351-385 (2009); The ENCODE Project Consortium, “An integrated encyclopedia of DNA elements in the human genome,” Nature, Vol. 489: 57-74 (September 6, 2012).

Laszlo Bencze: A mente como um híbrido entre dois mundos.

By Uncommon Descent [Texto Adaptado]

 

 

original1

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Leia e tire suas conclusões…

 Galileu foi um naturalista metodológico, porque ele não era um supernaturalista metodológico, a outra única opção. Galileu estava interessado no mundo natural, especificamente nos movimentos dos planetas e suas luas. Ele estudou esses movimentos através de métodos naturais, ou seja, observou-os através de um telescópio. Ele não usou métodos sobrenaturais nos seus estudos. O que seriam “métodos sobrenaturais” ? Ele poderia ter escrito suas perguntas sobre o sistema solar em tiras de papel,  queimado em incenso, com expectativas de receber visões que explicassem tudo. É claro que a “metodologia sobrenatural” soa muito tola. Não estou ciente de qualquer pensador cristão sério que nunca tenha usado esse método de investigação (NM). Todos eles entenderam que, se uma pessoa quisesse entender o trabalho de um Deus não contingente no mundo criado pelo mesmo não haveria escolha, senão estudar esse mundo diretamente. O seu funcionamento não pode ser previsto a partir de primeiros princípios como pensava Aristóteles. Nenhum ser humano sequer poderia presumir  questionar Deus diretamente, para receber respostas. Essa abordagem não foi bem sucedida por Jó e seria igualmente mal sucedida por qualquer outra pessoa. Deus não é um bibliotecário cósmico que é obrigado a satisfazer a curiosidade ociosa da demanda.

Admitir  que a única maneira de entender o mundo natural é observar que certamente não se exclui a existência de um mundo sobrenatural. Mas o estudo direto do mundo sobrenatural pela observação não é possível. A Compreensão do mundo sobrenatural vem através de revelação e via ações normais da mente racional. Na verdade o pensamento racional leva necessariamente à conclusão de que um mundo sobrenatural deve existir. A mente racional é em si um mistério, porque ele participa de qualidades que são sobrenaturais que existem em nosso mundo natural. Assim, a mente é uma espécie de híbrido entre os dois reinos. Portanto, temos a dificuldade desconcertante de atribuir  lógica e matemática, quer ao mundo natural ou ao mundo sobrenatural. O preconceito moderno é de atribuir ambos ao mundo natural, o mundo das coisas materiais, e dizer que aqueles “emergem” deste mundo.Essa visão faz pouco sentido. Eu digo que Deus nos equipou com a capacidade de compreender a lógica e a matemática como resultado de serem feitas à sua imagem. Ele nos dá as ferramentas para compreender as coisas que são imateriais e além da física (daí o “metafísico”).

Assim, através da combinação de nossas mentes com as nossas observações do mundo natural, através de meios normais, chegamos a esse entendimento que chamamos de ciência. A metodologia da ciência é natural na medida em que não permite atalhos sobrenaturais ao conhecimento. No entanto, é sobrenatural na medida em que as ferramentas mentais invocadas não podem ser explicadas como artefatos do mundo natural. Por isso, quando utilizado de forma justa e correta, o termo “naturalismo metodológico” não é nada mais do que uma admissão do lugar limitado do homem no mundo. Não podemos evocar respostas diretamente de reinos sobrenaturais. Nós só pode persistir obstinadamente em observar oque está aberto à observação. Porem, a nossa dependência do naturalismo metodológico de modo algum limita nosso mundo apenas ao que pode ser observado, porque o próprio ato de observação baseia-se em muito grande, algo misterioso , não-natural: a mente humana.

Respostas as objeções comuns evolucionistas.

By Cornelius Hunter – Darwin’s God

(Texto adaptado)

 

 

 

1

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Esta seção examina diversas preocupações que evolucionistas têm frequentemente, sobre as falsas predições de sua teoria.

 

 

 

Previsões falsas muitas vezes levam a uma pesquisa produtiva.

Pesquisa produtiva pode vir de uma grande variedade de motivações científicas e não científicas, incluindo previsões falsas. A pesquisa produtiva que pode ter surgido a partir de algumas dessas previsões não diminui o fato de que elas são falsas.

 

 

Os evolucionistas fixaram estas previsões falsas.

Um proponente de uma teoria, dado a motivação suficiente, pode explicar todos os tipos de resultados contraditórios. (Quine) Tipicamente; no entanto, há um preço a ser pago quando a teoria se torna mais complexa e tem menor poder explicativo.

 

 

Ad hominem e negação.

Críticas à evolução atraem respostas aquecidas e os ataques pessoais são comuns. Tais ataques, no entanto, não mudam o fato de que a evolução tem gerado muitas predições falsas. Além disso, os evolucionistas, muitas vezes, ignoraram ou negam as descobertas inesperadas. Eles tentam desacreditar os fatos, referindo-se a eles como “argumentos velhos e cansados”, ou que não passam de falácias sem senso crítico nenhum.

 

 

Falsificacionismo é falho.

Tem sido argumentado que, a fim de qualificar-se como ciência, idéias e teorias precisam ser falsificáveis. Além disso, as previsões falsificadas são usadas, ​​às vezes, para discutir se uma teoria é falsa. Tal falsificacionismo ingênuo é falho (Popper) e não usado ​​aqui. Muitas predições falsas da evolução não demonstram que a evolução não é ciência ou que a evolução é falsa.

Previsões falsas são valiosas em julgar a qualidade de uma teoria, seu poder explicativo; e para melhorar a nossa compreensão científica em geral. No entanto, os evolucionistas, por vezes, rejeitam qualquer menção de previsões falsas de sua teoria como mero falsificacionismo ingênuo. As falhas do falsificacionismo ingênuo não dão aos evolucionistas uma licença para ignorar falhas substanciais e fundamentais de sua teoria.

 

 

Se houvessem tantos problemas a evolução teria sido derrubada.

Essa objeção se enquadra na categoria de falsificacionismo ingênuo. A ciência é um processo reativo. Novas evidências são processadas e as teorias são ajustadas em conformidade. Mas a ciência também pode ser um processo conservador, sustentando problemas substanciais antes de reavaliar uma teoria. Portanto, a reavaliação de uma teoria leva tempo. O fato de existirem problemas garante que uma teoria seja derrubada. (Lakatos; Chalmers)

 

 

Citados” acreditam na evolução.

Muitos cientistas duvidam da evolução, mas eles não são citados, ou não são citados em papers. Apenas as matérias de evolucionistas são usadas para ilustrar que até mesmo adeptos da teoria concordam que as predições são falsas.

 

 

Estas falsificações serão remediadas no futuro.

Como cientistas, precisamos avaliar teorias científicas de acordo com os dados atualmente disponíveis. Ninguém sabe o que os dados futuros poderão trazer, e a afirmação de que os dados futuros vão resgatar a evolução é, em última análise, circular.

 

 

Não há melhor alternativa.

Uma forma de avaliar uma teoria é compará-la com explicações alternativas. Esta abordagem tem a vantagem de contornar as dificuldades na avaliação de teorias científicas. Mas é claro que qualquer comparação dependerá crucialmente de quais explicações alternativas são usadas na comparação. Se não forem tomadas como boas alternativas podem ser deturpadas ou mesmo omitidas completamente. E, claro, podem haver alternativas ainda não concebidas. (Van Fraassen; Stanford) Em qualquer caso, o sucesso ou fracasso das previsões de evolução depende da ciência, não em quaisquer explicações alternativas.

 

 

Ninguém acredita mais nestas previsões.

Sim, este é o ponto. É verdade que os evolucionistas, em sua maior parte,reconhecem que caíram muitas previsões que foram feitas por outros evolucionistas, ou decorrentes da teoria. Podemos aprender com este histórico falho, pois tem implicações para a complexidade da evolução e seu poder explicativo.

 

 

E sobre todas as previsões bem sucedidas?

Os evolucionistas afirmam que a evolução é um fato, e que devemos nos concentrar em previsões bem sucedidas da evolução, em vez de suas previsões falsas. A tendência para procurar evidências que confirmem em contraste com evidências contrárias que surgiram e ainda surgem ao longo do tempo é conhecido como viés de confirmação. (Klayman, Ha) Uma conseqüência do viés de confirmação é que;pode ser que, uma vez confirmadas, certas evidências são vistas como corretas e típicas, enquanto evidências não confirmadas, previsões falsificadas são vistas como anormais e raras. Não é de surpreender que as evidências que confirmam são mais frequentemente mantidas e documentadas. Raramente as muitas previsões falsas são encontradas em textos de evolução.

Viés de confirmação pode afetar a investigação científica. Os evolucionistas tendem a ver as previsões da evolução como esmagadoramente verdade. Previsões falsas, por outro lado, não são geralmente vistas como falsificações legítimas, mas sim como questões de pesquisa abertas que estão ainda a ser resolvidas. Na verdade, os evolucionistas muitas vezes fazem a alegação notável que não há nenhuma evidência que é contrária à evolução.

 

 

Estas previsões falsificadas não são necessariamente previsões da teoria da evolução. Elas refletem apenas casos isolados de surpresa de um ou outro evolucionista sobre conjuntos específicos de dados.

As previsões foram consideradas necessárias quando foram realizadas. E elas representavam o consenso da ciência evolutiva no momento em que foram realizadas. Elas estão bem documentadas em ambos os trabalhos de pesquisa; peer-reviewed, literatura popular de autoria de líderes evolucionistas e em entrevistas dos principais evolucionistas. Elas não eram realizadas apenas por alguns, evolucionistas individuais. E elas não foram uma das várias possíveis previsões concorrentes.

O fato dessas previsões atualmente  não serem consideradas necessariamente previsões da evolução é um reflexo da maleabilidade da teoria da evolução e é um lembrete do por que um histórico de falsas previsões da evolução é importante.

___________________________________________

Referências

 

Chalmers, AF 1982. What is This Thing Called Science? . 2d ed. Indianapolis: Hackett.

Klayman, Joshua, Young-Won Ha. 1997. “Confirmation, disconfirmation, and information in hypothesis testing,” in WM Goldstein, RM Hogarth, (eds.) Research on Judgment and Decision Making: Currents, Connections, and Controversies.Cambridge: Cambridge University Press.

Lakatos, Imre. 1970. “History of science and Its rational reconstructions.” Proceedings of the Biennial Meeting of the Philosophy of Science Association 1970:91-136.

Popper, Karl. 1959. The Logic of Scientific Discovery . London: Hutchinson.

Quine, WVO 1951. “Two Dogmas of Empiricism,” The Philosophical Review 60:40.

Stanford, P. Kyle. 2006. Exceeding Our Grasp: Science, History, and the Problem of Unconceived Alternatives . New York: Oxford University Press.

van Fraassen. Bas C. 1989. Laws and Symmetry . Oxford: Clarendon Press.

 

Darwinismo; verdade ou dogma???

Excelente palestra desmistificando o mito de que a evolução darwiniana é um fato.

Richard Lenski: “É um fato incontroverso que os organismos tenham mudado, ou evoluído”

A mãe de todas as falsas dicotomias.

By Cornelius Hunter (Texto adaptado)

 

6a010535f2ca28970c0147e2069b40970b-800wi

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 Praticamente desde Darwin as várias espécies de tentilhões nas Ilhas Galápagos, foram declaradas como exemplos decisivamente poderosos da teoria da evolução. Uma confirmação inegável da idéia epicurista antiga de que o mundo surgiu espontaneamente. Mas como exatamente,  algumas espécies de aves em um grupo de ilhas no meio do oceano, demonstram uma reivindicação tão corajosa?

A resposta envolve muito mais do que ciência. Estes bonitos pássaros pequenos  não nos dizem que as bactérias unicelulares de alguma forma surgiram a partir de uma coleção de produtos químicos sem vida. Eles não nos dizem que bactérias deram origem aos eucariotos complicados, e, em seguida, a organismos multicelulares, e depois peixes, anfíbios, répteis, aves e mamíferos. Os tentilhões de Galápagos nem sequer nos dizem como eles mesmos poderiam ter evoluído.

O que eles nos dizem é que os organismos da natureza podem mudar. Darwin inferiu isso, e estudos mais recentes descobriram algumas das especificidades. Com a mudança de padrões climáticos e suprimentos alimentares, os pássaros respondem em conformidade. Eles se adaptam – um recurso que é onipresente em biologia.

As várias espécies têm algumas capacidades de adaptações fantásticas, e não é nada como a história da evolução de mutações cegas que alcançam melhores modelos em raras ocasiões. Em vez disso, é uma  mudança rápida entre modelos pré-existentes, ativados por mecanismos pré-existentes e muito complicados.

Mas é mudança. E que, para Darwin e os evolucionistas posteriores, é tudo o que eles precisam. Você vê que Darwin e os evolucionistas em geral esperam uma doutrina do criacionismo onde o Criador constrói espécies as quais são imutáveis. No século XVIII, isso foi referido como a “fixação” ou “imutabilidade” ou “estabilidade” das espécies.

Portanto, se os tentilhões poderiam, de fato, mudar, então para os evolucionistas a fixidez das espécies e tudo do criacionismo junto com isto, deve ser falso. E se o criacionismo é falso, então a evolução deve ser verdadeira. Como Darwin escreveu em seu notebook, se houvesse a mínima base para essa idéia, ele “poria em causa a estabilidade das espécies.” Assim, o modelo foi lançado para os evolucionistas que viriam a diante.

O que é surpreendente é a forte dependência metafísica. Nada sobre a ciência nos diz aqui, ou mesmo sugere, que o mundo biológico surgiu espontaneamente como os evolucionistas insistem que sim. A fundação subjacente do pensamento evolutivo é religiosa. Como NT Wright recentemente brincou , “Oh meu Deus, ele [Darwin] descobriu alguns tentilhões muito interessantes, isso significa que não podemos mais acreditar em Gênesis.”

Um um estudo recente destaca esta lacuna entre a metafísica e a ciência. O estudo demonstra ainda mais as capacidades adaptativas de espécies como os tentilhões. Ele também demonstra ainda mais que a adaptação não é evolução. As aves são rápidas em se adaptar, mas elas estão simplesmente seguindo o ambiente e a oferta de alimentos. A principal característica é a sua flexibilidade e adaptabilidade.

Como um cientista coloca: “não houve qualquer evolução especializada a longo prazo.” Por muitos anos e até agora mesmo os evolucionistas têm reconhecido que a adaptação não adiciona em grande escala a mudança que a evolução requer. É necessário algum outro mecanismo.

Apesar disso, os tentilhões de Galápagos continuam a ser comemorado como um texto de prova da evolução. Eles são um exemplo de mudança e evolução é equiparada a mudança; qualquer tipo de mudança. Mesmo uma simples alteração de frequências de genes em uma população é, para os evolucionistas, nada menos do que a evolução completa explodida. Tal mudança se torna trivialmente a prova de que o mundo biológico surgiu espontaneamente. É a mãe de todas as falsas dicotomias.

Como o evolucionista Richard Lenski coloca: “É um fato incontroverso que os organismos tenham mudado, ou que evoluiram, durante a história da vida na Terra.” Sim, é um fato incontroverso que os organismos mudaram. Mas não é um fato incontestável de que eles evoluíram. O equacionamento da mudança com a evolução repousa sobre crenças religiosas profundamente enraizadas.

Como NT Wright poderia dizer: “Oh meu Deus, Lenski descobriu algumas bactérias muito interessantes, isso significa que não podemos acreditar mais em Gênesis.” A idéia de que mudar as freqüências de genes, ou uma mutação genética ocasional, provam que as espécies surgiram espontaneamente é verdadeiramente um dos maiores saltos de lógica que você nunca mais verá.

O texto original possui ligações que não postei aqui.

O que é Teoria do Design Inteligente (TDI)?

Teoria do Design Inteligente de forma resumida e simples.

Design Inteligente: Um pressuposto Fundamental e Primordial da Ciência

Excelente palestra de Johannes Gérson Janzen autor do blog Sociedade Origem e Destino.

 

 

 

O Absurdo do materialismo filosófico

“Se o materialismo filosófico é verdadeiro; o cérebro nunca poderia ser consciente dele mesmo, por que ele não poderia interagir com ele mesmo fisicamente”

Mono_pensador