Em Defesa do Design Inteligente

Início » Posts etiquetados como 'Douglas Axe'

Arquivo da tag: Douglas Axe

Design Inteligente Brilha no Brasil – Mais do Lançamento Discovery Institute-Mackenzie.

By Evolution News – David Klinghoffer | @d_klinghoffer

Discovery-Brazil-3.jpg

Eu tenho que dizer que acho essas fotos do lançamento do Discovery Institute-Mackenzie encantadoras. Refiro-me ao novo centro de pesquisa em design inteligente da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo.

Discovery-Brazil-1.jpg

Discovery-Brazil-9.jpg

Discovery-Brazil-6.jpg

Discovery-Brazil-10.jpg

Discovery-Brazil-7.jpg

Muitos desses rostos não são conhecidos por mim – ainda não – mas a energia e a diversidade brilham por completo. Você vai, é claro, ser capaz de escolher algumas figuras que são muito bem conhecidas por nós – Doug Axe, Michael Behe, Brian Miller, coordenador de pesquisas do Centro de Ciência e Cultura, e Steve Buri, presidente do Discovery Institute.

Discovery-Brazil-5.jpg

Discovery-Brazil-11.jpg

Discovery-Brazil-8.jpg

Discovery-Brazil-2.jpg

O Brasil não é apenas outro país, mas, é claro, uma cultura completamente diferente. É ótimo ver a mistura do familiar e do novo, e encorajar a observar a maneira como a ciência do DI se traduz através das fronteiras. É assim que se deve ser dado que o DI é uma descrição objetiva do mundo natural. As evidências de design em biologia e cosmologia devem ser universalmente reconhecíveis – e são.

[Adaptado]

Crédito das fotos: Cortesia de Steve Buri e Professor Marcos Eberlin da Sociedade Brasileira de Design Inteligente.

Anúncios

Joaninha E Design Inteligente.

By Evolution News – David Klinghoffer | @d_klinghoffer

[Obs: Texto adaptado – O título não é o mesmo do original (Ladybug, Living Origami, Lends a Hand with Umbrella and Other Designs) – O artigo contem links em inglês – Imagens, vídeo do EnV, com os devidos créditos] 

ladybugs.jpg

Delicado e agradável, o besouro joaninha é um inseto que todos amam. Ter um inesperadamente em sua mão, é um lembrete de quão suave e bela a natureza pode ser.

Sua habilidade de alternar agilmente entre andar e voar também é uma maravilha de design. Cientistas japoneses têm trabalhado para esclarecer o segredo de como eles dobram e desdobram suas asas, um gesto sem esforço de um origami vivo. Eles publicaram suas descobertas no PNAS.

De USA Today:

Os cientistas japoneses ficaram curiosos em saber como as joaninhas dobravam suas asas dentro de suas cascas, de modo que removeram cirurgicamente as cascas externas de várias joaninhas (tecnicamente chamado elytra) e as substituíram com cascas de silicone transparentes e coladas para observar o mecanismo de dobramento das asas.

Por que se preocupar com essa pesquisa aparentemente frívola? Acontece que a forma como os insetos naturalmente dobram suas asas, pode fornecer dicas de design para uma ampla gama de usos práticos para os seres humanos. Isso inclui antenas de satélite, instrumentos médicos microscópicos e até mesmo itens comuns como guarda-chuvas e ventiladores.

“A técnica das joaninhas para realizar dobras complexas é bastante fascinante e inovadora, especialmente para pesquisadores nos campos da robótica, mecânica, aeroespacial e engenharia mecânica”, disse o principal autor Kazuya Saito, da Universidade de Tóquio. [Enfase adicionada.]

Isso é um conjunto surpreendentemente grande de “dicas de design” do humilde inseto, que também é chamado de joaninha. Veja o design em ação:

The Telegraph ecoa:

As asas da joaninha poderia ajudar a mudar o design de guarda-chuvas pela primeira vez em 1.000 anos.

O jornal New York Times:

O Conjunto De Asas Das Joaninhas E Os Segredos Da Engenharia Em Conjuntos Arranjados De Origami.

[…]

A olho nu, essa elegante transformação é um mistério. Mas cientistas no Japão criaram uma janela para o processo em um estudo publicado segunda-feira em Proceedings of the National Academy of Sciences. Somente como joaninhas controlam o “amarrar” estas estruturas rígidas em espaços minúsculos, é uma lição valiosa para os engenheiros que projetam estruturas destacáveis como guarda-chuvas e satélites.

As asas traseiras de uma joaninha são resistentes o bastante para mantê-la no ar por até duas horas e permitir que alcance velocidades até 37 milhas por hora e altitudes tão elevadas quanto três edifícios Empire State verticalmente empilhados. Contudo, elas se dobram com facilidade. Estes atributos aparentemente contraditórios deixaram perplexo, Kazuya Saito; engenheiro aeroespacial da Universidade de Tóquio e autor principal do estudo.

Trabalhando na criação de estruturas destacáveis como grandes velas e sistemas de energia solar para naves espaciais, ele se voltou para a joaninha para a inspiração de design.

Observe como, ao discuti-los, é como se fôssemos forçados a usar a linguagem do design. No que diz respeito às joaninhas e seus “segredos de engenharia”, como diz o NY Times, o biólogo molecular Douglas Axe tweetou: “Como um DeLorean, apenas um refrigerador!” Aqui está um DeLorean:

Delorean_DMC-12_side.jpg

Em seu livro Undeniable: How Biology Confirms Our Intuition That Life Is Designed, o Dr. Axe usa a ilustração de um guindaste de origami. Com boa razão por trás dessa intuição universal, nossas mentes se rebelam contra a ideia de que qualquer criação de origami pode surgir por meio de uma combinação de acaso e lei, sem propósito ou design. No entanto, a teoria darwiniana exige que acreditamos que um guindaste real surgiu dessa maneira, ou uma joaninha real.

Em Undeniable, Douglas Axe liberta os leitores da tirania dos “especialistas” em evolução.

By Evolution News – David Klinghoffer

[Obs: Texto adaptado – O artigo possui links em inglês – Imagens do EnV]

Undeniable release day.jpg

Foi com um anseio familiar que eu virei a última página do novo livro de Douglas Axe, Undeniable: How Biology Confirms Our Intuition that Life Is Designed [Inegável: Como a biologia confirma nossa intuição de que a vida é projetada], publicado hoje. Se apenas os evolucionistas parassem de girar sua teoria por um momento, ler um crítico sério, e respondê-lo. Se apenas! Uma das características mais marcantes do “debate” sobre Darwin, é o sinal de recusa dos defensores de Darwin registrarem críticas científicas e oferecerem uma resposta digna.

Undeniable-Books.jpg

Tendo lido Undeniable, acho que o defensor da evolução que eu mais gostaria de ouvir é o Jeremy England do MIT, saudado como o “próximo Charles Darwin“. Axe cita Paul Rosenberg escrevendo em Salon, alegando (com a costumeira e confusa implantação da palavra assustadora “criacionista”), que “as coisas poderiam ficar muito piores para os criacionistas por causa de Jeremy England, um jovem professor do MIT que propôs uma teoria, baseada na termodinâmica, mostrando que o surgimento da vida não foi acidental, mas necessário “.

Necessário” significa basicamente um estalo. Como o próprio England diz: “Você começa com um amontoado de átomos aleatórios, e se você ilumina com luz por tempo suficiente, não deve ser surpreendente que você obtenha uma planta”. Ou como Axe resume a “equação”:

Luz + átomos aleatórios + tempo = planta viva

England está em uma longa tradição de pessoas inteligentes nas ciências que grosseiramente – descontroladamente! – subestimam o desafio de desenvolver a vida a partir de não-vida ou o complexo a partir do simples. Para o leigo, a tentação é simplesmente tomar essa opinião de peritos como permitida, sem questioná-la. Essa é a maneira mais fácil, e pelo menos na visão da mídia, a mais louvável, tocada pelo prestígio da opinião da elite. Afinal, quem sou eu, um não-cientista, para duvidar de um famoso especialista?

Para essa pergunta, o livro do Dr. Axe é a resposta. Altamente rigoroso, mas apaixonante, lírico, direto, refrescantemente breve e acessível, Undeniable é uma adição urgentemente necessária para a biblioteca de livros sobre design inteligente. Destaca-se de várias maneiras. É o livro que basicamente se afasta dos assuntos técnicos e demonstra por que todos os outros livros do DI devem estar certos. Ao dar as perspectivas de engenharia e biologia, oferece aos não-engenheiros e não-biólogos as ferramentas intelectuais, sem dominar literatura técnica, para ter e defender sua própria visão bem-informada sobre a questão final das origens da vida.

Não quero dizer que seja inteiramente fácil de ler ou remotamente superficial, de modo que qualquer um possa virar e sair preparado em um piscar de olhos para dar a Jeremy England uma parte de sua mente. Mas uma leitura focada e talvez a releitura deve ser suficiente.

Axe discute com England, com David Barash, com Richard Dawkins e, muito respeitosamente, com Thomas Nagel. O livro é moldado pelo engajamento com Nagel. Mas o Dr. Axe não está discutindo por nós, em nosso nome. Ele está nos mostrando como fazê-lo.

Axe conclui que as explicações darwinianas não são apenas improváveis, meramente implausíveis, mas “fisicamente impossíveis”. Ele explica como ele chegou a essa conclusão, em uma jornada própria nos tempos de graduação na UC Berkeley, PhD em Caltech, e na Universidade de Cambridge, onde ele era um estudante de pós-doutorado e cientista de pesquisa, finalmente expulso por sua associação com o DI. Axe é atualmente diretor do Instituto Biológico.

Publicando no Journal of Molecular Biology, ele investigou a raridade das proteínas funcionais, testando a afirmação anterior do biólogo Michael Denton de que elas “poderiam muito bem ser extremamente raras“. O qual foi um vasto, vasto eufemismo: “Eu fui capaz de colocar um número sobre a verdadeira raridade – um número surpreendente”, com “apenas uma boa sequência de proteínas para cada 1074 más“.

Mas você não tem que tomar a palavra de Axe para isto, contra a maioria admitida de seus colegas cientistas que afirmam a alternativa darwiniana. Ele explica como a intuição natural do design não é apenas inata, mas intelectualmente, cientificamente válida, confirmada pelo o que Axe chama de “ciência comum”. Não é verdade que porque você não tem um PhD e porque seu trabalho, ao contrário de Axe, não é destaque na Nature ou PNAS, que você não é um cientista. Praticar a ciência é algo que todos nós fazemos, mesmo que muitos nunca se aventurem em seus aspectos rarefeitos.

A intuição de design é suprimida por muitos de nós, de forma natural, e esse é o pequeno segredo sujo da biologia evolutiva. Em resumo, a evolução pode “violar”, mas não pode “inventar”:

Se a invenção de um trabalho X  é um projeto completo que requer uma nova coerência funcional extensa, então a invenção de X por acidentes de qualquer tipo é fisicamente impossível. Por quê? Porque causas acidentais para combinar insight nesta escala seria uma coincidência fantasticamente improvável, e nosso universo simplesmente não pode entregar fantasticamente improváveis coincidências. O fato de que coisas muito mais simples podem ser obtidas por acidente é completamente irrelevante. A única coisa que precisamos saber para rejeitar todos os relatos do próprio X sendo inventado por acidente é que todas essas histórias tentam desculpar uma coincidência impossível.

A invenção, seja de uma omelete ou de uma orca, requer conhecimento. Reconhecemos que o papel dobrável para conceber um guindaste de origami exigiu saber; mas ligeiramente rejeitar o mesmo requisito em um guindaste vivo, por causa da “seleção natural”? Axe aconselha “cientistas comuns” como nós mesmos a “manter o olho na bola”:

Chegamos ao que parece ser um argumento decisivo. Em uma frase: A coerência funcional torna a invenção acidental fantasticamente improvável e, portanto, fisicamente impossível. Invenção não pode acontecer por acidente. Então, esta é a bola. Tornar-se distraído por qualquer defesa de origens acidentais que não responda a este argumento é tirar o olho da bola.

O enigma da evolução da proteína por si só é suficiente para servir como um “desfazer a evolução“. Mas o problema, a demanda por conhecimento e insight, como um pré-requisito para a invenção, vai por todo o caminho até a hierarquia ordenada que compreende cada criatura viva; da aranha, salmão, orca: “Cada uma é impressionantemente atraente e completa, totalmente comprometida a ser o que é“.

A organização hierárquica é a chave, e Axe ilustra o conceito de forma clara, com exemplos que incluem o sistema fotossintético das cianobactérias e o “sistema completo”, a “hierarquia funcional” da visão dos mamíferos.

Isso é tudo maravilhosamente explicado – Axe é um belo escritor – em menos de trezentas páginas que se movem rapidamente e com grande brio. “Meu objetivo”, escreve Axe, é “É libertar os leitores da sua dependência de peritos. Ele fez isso, magistralmente.

Estou no Twitter. Siga-me @d_klinghoffer.

 

Compare a arte sublime da natureza com a do homem.

By Evolution News – David Klinghoffer

[Obs: Texto adaptado – O artigo a seguir  possui  links no original em inglês – Imagem do EnV com os devidos créditos.] 

Järise_järv_Saaremaal.jpg

O Science News lança algumas ilustrações impressionantes:

Você já se sentiu pesado por suas posses materiais? A variedade ilimitada de coisas que os seres humanos fabricam – tratores, edifícios, esferográficas, mochilas Hello Kitty – tem um peso sério: uma métrica de 30 trilhões de toneladas; estima um novo estudo. Isso é aproximadamente 50 quilogramas por cada metro quadrado da superfície da Terra.

A “tecnosfera” humana, todos os produtos manufaturados em nossos dias atuais, ultrapassam a biosfera natural em massa e variedade; segundo o geólogo Jan Zalasiewicz da Universidade de Leicester na Inglaterra e o relatório online de colegas em The Anthropocene Review, de 28 de novembro.

Ao que Douglas Axe, autor de  Undeniable: How Biology Confirms Our Intuition That Life Is Designed, responde apropriadamente:

“A “tecnosfera” humana [produtos, materiais feitos pelo homem] ultrapassa a biosfera natural em massa e variedade. Contudo, certamente não em elegância.” https://twitter.com/ScienceNews/status/823954811880083461

Os seres humanos criaram uma arte sublime que, como diz George Steiner memoravelmente, em um breve vídeo que eu recomendei antes, gesticula para mysterium tremendum.

Isso pode ser verdade sobre a música, acima de tudo, o que naturalmente não deixa vestígios. É pura informação, se você quiser chamar assim. No entanto, os seres humanos também criam um monte de lixo, montanhas de feiura. Nosso produto de trabalho total, a “tecnosfera”, supera em massa os seres humanos, em massa, de 60.000 para 1. Grande parte desse material é lixo.

De volume a parte; o contraste com a natureza e sua elegância, é o ponto do Dr. Axe.

Um golfinho ou uma aranha, é uma obra-prima, ao qual ele chama de “coerência funcional“. Qual é o artista mais sublime, o homem ou a natureza? É uma pergunta interessante para um darwinista, se ele for honesto o suficiente para responder de forma franca. Eu tenho uma visão sobre isto, e você provavelmente tem a sua. Podemos conversar sobre isso.

Por que esperaríamos arte em toda a natureza, tendo em conta a premissa de um cosmos sem propósito ou design? O fato de que há alguma coisa para discutir acerca dela toda, onde a natureza pode ser comparada significativamente com Mozart, digamos, ela parece grávida de significado.

O Enigma da Informação. “A explosão cambriana da informação”.

Por Teoria do Design Inteligente – Comunidade

É extremamente importante a difusão deste pequeno documentário que apresenta o que eu considero a mais sucinta explicação de alguns aspectos da Teoria do Design Inteligente.

A tradução foi realizada por nosso amigo Saulo Reis da página Universo Privilegiado.

Douglas Axe apresenta uma síntese de seus resultados trabalhando com mutagênese sítio-específica em biologia molecular: o universo de possibilidades e o imenso espaço não funcional através de busca exaustiva.

Stephen Meyer aborda o método histórico-científico de natureza narrativa e as inferências ao design, o método das Múltiplas Hipóteses Concorrentes(MHC), também chamado método da Inferência para a Melhor Explicação(IME), e como tudo isso se relaciona com a formação de um caso científico para o Design Inteligente.

 

…………………..

Eskelsen