Em Defesa do Design Inteligente

Início » Fé que produz resultados sobrenaturais

Arquivo da categoria: Fé que produz resultados sobrenaturais

A conversão de Andressa Urach.

Andressa Urach, modelo famosa, conta a história de sua vida, após ser internada, ele recebeu uma segunda chance de entregar sua vida a Cristo, em obediência, segundo dizem as ESCRITURAS SAGRADAS.

 

Veja o vídeo, e se você ainda não entregou sua vida a Cristo, entregue ela IMEDIATAMENTE! O tempo é agora!

 

Anúncios

Teísta, evangélico, católico, espírita, budista, religioso ou não, ateu, agnóstico… HUMANO. Ninguém escapará da morte! Cedo ou tarde você vai morrer.

O homem tem muitos assuntos importantes nesta vida… Trabalho, sucesso profissional, sonhos na vida sentimental, um lar harmonioso, enfim somos movidos por objetivos em nossa vida cotidiana.

 

A unica vez que pensamos na morte e quando vemos alguém morrer, quando vamos a um velório, ou quando nossas vidas passam a não ter sentido, e existem aqueles que almejam tirar a própria vida.

Mas a verdade é que o ser humano; no geral; a última coisa que ele pensa, esquadrinha, é sua própria morte.

Parece até algo negativo, ficar falando em morte… Mas ela é uma VERDADE ABSOLUTA… Ela é SIM, inevitável.

 

Nenhum homem escapara dela, eu não escaparei…

 

Estes vídeos ilustram e explicam essa condição inerente ao homem, e dá a dica de como escapar, não da morte, mas do que acontece com TODOS aqueles que morrem sem aceitarem, e se entregarem em obediência a Cristo Jesus conforme dizem as Escrituras Sagradas.

Cabe a você fazer sua escolha, o caminho é apertado, a escolha é difícil, mas você tem o poder da escolha.

Desperta ó tu que dormes e Cristo te iluminará!

 

 

Assista este:

 

 

 

 

 

E este vídeo e faça sua escolha! Aliás VOCÊ FARÁ INEVITAVELMENTE… LEMBRE-SE DISSO!

 

 

 

O problema do inferno.

Poderia um Deus amoroso mandar pessoas para o inferno?

Tradução de Tatiana Teles Luques dos Santos

 

 

O filósofo cristão Dr. William Lane Craig e o filósofo ateu Dr. Ray Bradley debateram sobre a questão “poderia um Deus amoroso mandar pessoas para o inferno?” na Universidade Simon Fraser, Canadá, em 1994.

Este texto é a transcrição do discurso inicial do Dr. Craig.

Argumentos Introdutórios do Dr. Craig

Obrigado. “Se Deus realmente é amor, então como pode mandar alguém para o inferno?” A questão é quase um vexame para os cristãos hoje. Por um lado, a Bíblia ensina que Deus é amor, e ainda, por outro lado, adverte sobre aqueles que rejeitam a Deus perante a punição eterna, e contém avisos freqüentes sobre o perigo de ir para o inferno. Mas não são ambas de alguma forma inconsistentes uma com a outra? Bem, muitas pessoas parecem pensar que são inconsistentes, mas na verdade isto não é de todo óbvio. Afinal, não existe uma contradição explícita entre elas. A frase “Deus é amor” e “Algumas pessoas vão para o inferno” não são explicitamente contraditórias. Então se essas são ambas inconsistentes, devem existir algumas pressuposições implícitas que serviriam para extrair a contradição e torná-la explícita.

Mas quais são essas pressuposições? Parece a mim que o difamador do inferno está fazendo duas pressuposições cruciais. Primeiro, afirma que se Deus é Todo-Poderoso, então pode criar um mundo no qual todos escolhem livremente dar sua vida a Deus e serem salvos. Segundo, afirma que se Deus é amor, então prefere um mundo no qual todos escolhem livremente dar sua vida a Deus e serem salvos. Desde que Deus é desejoso e capaz de criar um mundo em que todos são salvos livremente, segue-se que ninguém vai para o inferno.

Agora perceba que ambas afirmações tem que ser necessariamente verdadeiras, para provar que Deus e o inferno são logicamente inconsistentes um com o outro. Então, sendo que existe até uma possibilidade de uma das afirmações ser falsa, é possível que Deus é amor e que ainda assim algumas pessoas vão para o inferno. Além disso, o oponente do inferno tem que sustentar um ônus pesado de provas, inclusive. Ele tem que provar que ambas afirmações são necessariamente verdadeiras.

Mas de fato, parece a mim que nenhuma dessas afirmações é necessariamente verdadeira. Para explicar isso, permita-me explanar para você o ensino cristão a respeito de Deus e do inferno. De acordo com a Bíblia, a natureza de Deus é tanto justiça perfeita quanto amor perfeito. Ambas são igualmente poderosas, e nenhuma delas pode ser comprometida. Vamos olhar primeiramente para a justiça de Deus. Estava conversando com um aluno, uma vez, a respeito de sua necessidade de salvação, e ele disse a mim “Confio na justiça de Deus. Não acho que poderia existir alguém que fosse mais reto ou justo que Deus. Tenho a plena certeza em sua decisão”. Agora isto é verdadeiro. Deus é reto. Totalmente justo. Ele não tem contas a acertar. Não está aí para pegar você. Ele é o mais competente, inteligente, imparcial e mais justo juiz que você terá. Ninguém terá uma decisão bombástica numa cadeira durante o julgamento de Deus. Todos os humanos podem ficar garantidos de uma justiça absoluta.

Mas isto é precisamente o problema! Porque a justiça de Deus expõe a inadequação humana. A Bíblia diz que todas as pessoas falharam em viver a lei moral divina e então se encontram culpados perante Deus. A palavra bíblica para esta falha moral é pecado. A Bíblia diz que “Todos estão debaixo do poder do pecado. Não há um justo; não, um justo sequer; todos se extraviaram, e juntamente se fizeram inúteis. Todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Romanos 3:10, 12 e 23).

Então percebemos que estamos debaixo da lei da justiça divina. Você colhe o que planta. A Bíblia diz, “Não se enganem; Deus não se deixa escarnecer. Aquilo que o homem plantar, isso também colherá. O que planta na sua carne, da carne colherá a corrupção; mas o que semeia no Espírito, do Espírito colherá a vida eterna”, (Gal. 6:7-8). O profeta Ezequiel declarou, “a alma que pecar essa morrerá” (Ez. 18:4), e o apóstolo Paulo ecoa, “O salário do pecado é a morte” (Rom. 6:23). Você colhe o que planta. Você colhe o que planta. Está é a justiça em sua forma mais pura.

O único problema é que ninguém é perfeito! Então, se confiamos somente na justiça de Deus, nos afundaremos! Não há ninguém que mereça ir ao céu. Ninguém é bom o bastante! Então se dependemos da justiça de Deus, a temos. E está tudo certo.

Portanto, devemos colocarmo-nos na misericórdia de Deus. Mesmo quando somos culpados e merecemos morrer, Deus ainda nos ama. Algumas vezes as pessoas tem a idéia de que Deus é um tipo de tirano cósmico lá em cima, querendo pegar-nos. Mas esta não é a compreensão cristã de Deus. Escute o que a Bíblia diz, “’Desejaria eu, de qualquer maneira, a morte do ímpio?’Diz o Senhor Deus, ‘Não desejo antes que se converta dos seus caminhos e viva? Porque não tenho prazer na morte do que morre’, diz o Senhor Deus, ‘convertei-vos, pois, e vivei. Dize-lhes: Vivo eu, diz o Senhor DEUS, que não tenho prazer na morte do ímpio, mas em que o ímpio se converta do seu caminho, e viva. Convertei-vos, convertei-vos dos vossos maus caminhos; pois, por que razão morrereis, ó casa de Israel? (Ez. 18.23,32; 33.11).

Aqui Deus invoca literalmente as pessoas para retornarem de seus caminhos destrutivos e serem salvos. E no Novo Testamento diz, “o Senhor não está querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se” (2 Pedro 3:9). “Quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade” (1 Tim. 2:4).

Assim, Deus encontra-se em um tipo de dilema. De um lado estão Sua justiça e santidade, os quais exigem punição ao pecado, justamente merecida. Por outro lado estão o amor e a misericórdia de Deus, os quais exigem reconciliação e perdão. Ambos são essenciais a natureza Dele; e estão relacionados um com o outro. O que Deus deve fazer com este dilema?

A resposta é Jesus Cristo. Ele é o fundamento da justiça e do amor de Deus. Eles se encontram na cruz: o amor e a ira de Deus. Na cruz, vemos o amor de Deus pelas pessoas e sua ira contra o pecado.

Por um lado vemos o amor de Deus. Jesus morreu em nosso lugar. Ele voluntariamente tomou a si mesmo a pena de morte do pecado que merecíamos. A Bíblia diz, “Nisto está o amor, não em que nos tenhamos amado a Deus, mas em que Ele nos amou a nós, e enviou seu filho para propiciação pelos nossos pecados”. (I Jo 4:10).

Mas na cruz também vemos a ira de Deus, assim como Seu primeiro julgamento é derramado sobre o pecado. Jesus foi nosso substituto. Ele experimentou a morte por todos os seres humanos e arrancou a punição por todo pecado. Nenhum de nós poderia imaginar o que Ele suportou. Como Olin Curtis escreveu, “Lá somente nosso Deus abre sua mente, seu coração, sua consciência pessoal para o fluir horrendo do pecado, esta história interminável, desde a primeira escolha de egoísmo até agora, da eternidade do inferno, o ilimitado oceano de desolação, Ele permite que lutas e lutas oprimam sua alma”1. Jesus suportou o inferno por nós, para que não tivéssemos que suportar. É por isto que Jesus é a chave, e a questão suprema da vida se torna, “O que você vai fazer com Cristo?”.

A fim de receber perdão, precisamos colocar nossa confiança e em Cristo como nosso salvador e Senhor de nossas vidas. Mas se rejeitarmos a Cristo, então rejeitamos a misericórdia de Deus e retrocedemos à Sua justiça. E você sabe onde você está. Se rejeitarmos a oferta de perdão de Jesus, então não existe simplesmente ninguém mais que pague a penalidade pelo seu pecado — exceto você mesmo.

Assim, em um sentido, Deus não manda ninguém para o inferno. Seu desejo é que todos sejam salvos, e Ele invoca as pessoas a virem até Ele. Mas se rejeitarmos o sacrifício de Cristo por nós, então Deus não tem escolha senão dar a nós o que merecemos. Deus não nos mandará para o inferno—mas nós mesmos nos mandaremos para lá. Nosso destino eterno, assim sendo, reside em nossas próprias mãos. É uma questão de nossa escolha livre onde iremos passar a eternidade.

Agora, se este cenário é até possível, segue que nenhuma inconsistência tem sido demonstrada entre Deus ser amoroso e algumas pessoas irem para o inferno. Dado que Deus nos criou com livre arbítrio, então Ele não pode garantir que todas as pessoas irão dar suas vidas livremente a Ele para serem salvas. A Bíblia deixa isso muito claro, que Deus deseja que todas as pessoas sejam salvas, e por Seu Espírito, pretende chamar a Si cada um. O único obstáculo para a salvação universal é, portanto, a livre escolha humana. É logicamente impossível fazer alguém fazer por livre vontade alguma coisa. O fato de Deus ser o Todo-Poderoso não significa que Ele possa fazer o logicamente impossível. Assim, mesmo que Ele seja Onipotente, não pode fazer com que todos sejam livremente salvos. Dado a liberdade e a obstinação humanas, algumas pessoas podem ir ao inferno apesar do desejo e esforço de Deus para salvá-los.

Além disso, está longe de ser óbvio que o fato de Deus ser amoroso O obriga a preferir um mundo no qual ninguém vai ao inferno a um mundo no qual algumas pessoas vão. Suponhamos que Deus pudesse criar um mundo em que cada um seria livremente salvo, mas existe somente um problema: tais mundos tem somente uma pessoa dentro deles! O fato de Deus ser todo-amoroso O obriga a preferir um desses mundos que não são populosos sobre um mundo no qual multidões são salvas, mesmo que algumas pessoas vão livremente para o inferno? Eu acredito que não. O fato de Deus ser todo-amoroso implica que em qualquer mundo que Ele crie, Ele deseja e se esforça pela salvação de todas as pessoas. Mas as pessoas que iriam, espontaneamente, rejeitar todos os esforços de Deus para salvá-los não deveriam ser permitidos a ter alguma sorte de poder de veto sobre o que o mundo de Deus é livre para criar. Por que a alegria e a benção daqueles que livremente aceitariam a salvação de Deus deveriam ser impedidas por causa de quem obstinada e livremente iria rejeitá-las? Parece-me que o fato de Deus ser amoroso requereria, no máximo, que Ele criasse um mundo que tivesse um equilíbrio ente os salvos e os perdidos, um mundo no qual tantos quanto possível livremente aceitam a salvação e o o mínimo quanto possível livremente a rejeita.

Assim, nenhuma das afirmações cruciais feitas pelo oponente da doutrina do inferno é necessariamente verdadeira. O fato de Deus ser Onipotente e amoroso não acarreta o fato de que todos irão abraçar a salvação de Deus ou que ninguém irá rejeitá-lo livremente. E assim, nenhuma inconsistência tem sido demonstrada ente Deus e inferno.

Agora, o oponente da doutrina do inferno deve admitir que dada a liberdade humana, Deus não pode garantir que todos serão salvos. Algumas pessoas podem condenar livremente a si mesmas ao rejeitar a oferta de salvação de Cristo. Mas, ele pode argumentar, seria injusto que Deus condenasse as pessoas para sempre. Pois até mesmo pecados graves como aqueles dos torturadores nazistas nos campos de concentração ainda merecem somente uma punição finita. Portanto, no máximo, o inferno poderia ser um tipo de purgatório, durando um período de tempo apropriado para cada pessoas antes que esta pessoa esteja liberada e seja levada ao céu. Finalmente, o inferno poderia estar vazio e o céu, cheio.

Agora, trata-se de uma objeção interessante, porque defende que o inferno é incompatível, não com o amor de Deus, mas com Sua justiça. A objeção é dizer que Deus é injusto porque a punição não se adequou ao crime. Trata-se também de uma objeção persuasiva, que poderia ser evitada por adotar a doutrina do aniquilacionismo. Alguns cristãos crêem que o inferno não é a separação eterna de Deus, mas sim a aniquilação do condenado. O inimigo condenado simplesmente deixa de existir, enquanto aos salvos é dada a vida eterna. Agora, enquanto não sou desta opinião particularmente, representa uma forma na qual você poderia ir contra o vigor desta objeção. Mas a objeção é persuasiva por si mesma? Acredito que não.

1) A objeção equivoca-se entre todo pecado o qual cometemos e todos os pecados que cometemos. Podemos concordar que todo pecado individual que uma pessoa comete merece comente uma punição finita. Mas não segue disto que todos os pecados de uma pessoa juntos como um todo merece somente uma punição finita. Se uma pessoa comete um número infinito de pecados, então a soma total de tais pecados merece uma punição infinita. Agora, claro, ninguém comete um número infinito de pecados na vida terrena. Mas que tal na vida após a morte? Na medida em que os habitantes do inferno continuam a odiar a Deus e rejeitá-Lo, continuam a pecar e por isso acumular a eles mesmos mais culpa e mais punições. Em um sentido real, então, o inferno é perpétuo por si mesmo. Neste caso, cada pecado tem um castigo finito, mas porque o pecado se prolonga, assim o faz a punição.

2) Por que pensar que todo pecado tem somente uma punição finita? Podemos concordar que pecados como roubo, mentira, adultério, e assim por diante, são somente consequências do finito e então, somente merecem uma punição finita. Mas, em outro sentido, esses pecados não são o que serve para separar alguém de Deus. Porque Cristo morreu por aqueles pecados. A penalidade por aqueles pecados foi paga Tem-se que aceitar a Cristo como Salvador para ser completamente livre e limpo daqueles pecados. Mas a recusa ao aceitar a Cristo e Seu sacrifício parece ser um pecado de uma ordem completamente diferente. Pois este pecado decididamente separa alguém de Deus e de Sua Salvação. Rejeitar a Cristo é rejeitar ao próprio Deus. E este é um pecado de gravidade e proporção infinitas e, portanto, merece uma punição infinita. Devemos, então, não pensar no inferno primeiramente como punição pela matriz dos pecados de consequências finitas os quais cometemos, mas sim, como o que é justo e devido a um pecado de consequência infinita, a saber, a rejeição do próprio Deus.

2) Por fim, é possível que Deus permitisse que o condenado deixasse o inferno e fosse ao céu, mas eles livremente recusam-se a isso. É possível que pessoas no inferno cresçam somente mais implacavelmente em sua ira por Deus assim que o tempo passa. Em vez de se arrependerem e de pedirem a Deus por perdão, eles continuam a amaldiçoá-Lo e rejeitá-Lo. Assim, Deus não tem escolha senão deixá-los onde estão. Neste caso, a porta do inferno está trancada, como John Paul Sartre disse, de dentro. O condenado assim escolhe a separação eterna de Deus. Então, novamente, assim como nenhum desses cenários é possível, invalida a objeção que a justiça perfeita de Deus é incompatível com a separação eterna de Deus.

Mas talvez a este ponto, o oponente a doutrina do inferno poderia tentar uma última objeção. Considerando que não é nem falta de amor nem de justiça de Deus para criar um mundo no qual algumas pessoas rejeitam a Ele de livre vontade, sempre, e como fica o destino daqueles que nunca ouviram sobre Cristo? Como Deus pode condenar as pessoas que, não por causa delas, nunca tiveram a oportunidade de receber Cristo como seu Salvador? A salvação ou a condenação de um pessoa assim, parece ser o resultado de um acidente histórico e geográfico, o qual é incompatível com um Deus amoroso.

A objeção é, no entanto, falaciosa, porque afirma que aqueles que nunca ouviram sobre Cristo são julgados na mesma base daquele que ouviram. Mas a Bíblia diz que o não-alcançado será julgado em uma base bem diferente da base daqueles que ouviram o evangelho. Deus julgará o não-alcançado na base da resposta deles a auto-revelação na natureza e na consciência. A Bíblia diz que a partir do fim, Deus nos criou sozinho, todas as pessoas podem saber que um Deus Criador existe e que Deus implantou sua lei moral nos corações das pessoas, para que eles ficassem inescusáveis a Deus. (Rom. 1.20; 2.14-15). A Bíblia promete salvação para todo aquele que responder afirmativamente à sua auto-revelação de Deus (Rom. 2.7).

Agora, isto não significa que eles podem ser salvos sem Cristo. Em vez disso, signica que os benefícios do sacrifício de Cristo pode ser aplicado a eles sem seu conhecimento consciente de Cristo. Eles seriam como o povo no Antigo Testamento, antes de Jesus vir, que não tinha o conhecimento consciente de Cristo, mas que estava salvo na base de seu sacrifício através de suas respostas à informação que Deus tinha revelado a eles. E assim, a salvação está verdadeiramente disponível a todas as pessoas em todos os tempos. Tudo depende de nossa escolha livre.

Nenhum cristão aprecia a doutrina do inferno. Eu queria, de verdade, com todo o meu coração que a salvação universal fosse verdade. Mas fingir que as pessoas não são pecadoras e não têm necessidade de salvação seria cruel e enganoso como fingir que todo mundo fosse saudável mesmo quando soubessem que têm uma doença fatal da qual soubessem a cura. A questão perante nós hoje não é, portanto se gostamos da doutrina do inferno; a questão é se a doutrina é possivelmente verdadeira. Argumentei que nenhuma inconsistência existe entre os conceitos cristãos de Deus e inferno. Se Dr. Bradley quer manter que são inconsistentes, então o ônus da prova permanece em seus ombros.

Notas

1. O. A. Curtis, The Christian Faith, p. 325.

A vida tem 3,5 bilhões de anos???…Acredite se quiser… contrariar as probabilidades e as evidências!

Sempre vou frisar isso,eu sou o que eu penso,por isso estou sendo cético,por que eu questiono,eu não concordo com a teoria da evolução,mas tem que existir razões para eu ser cético, e não simplesmente eu questionar por que eu tenho certeza que Deus existe;mas sim por que,se essa teoria diz se apoiar em evidências ela tem que nos mostrar as evidências,assim como a fé não se justifica pela sua definição mas pelas suas consequências,ela traz a existência aquilo que a ciência não pode trazer,aquilo que seres humanos não podem trazer,aquilo que nada desse plano material pode trazer a existência,mas que Deus pode trazer a existência,não para provar a existência Dele,mas para provar a nós mesmos,evidenciar que sem Ele,nós temos limites e muitas vezes esses limites nos tornam incapazes,desiludidos,perplexos,abatidos,imprestavéis aos nossos próprios olhos e que ficamos condicionados as circunstâncias da vida.
Portanto se a fé não produz resultados que nossos limites não podem produzir,a fé não tem nenhum valor por que sem ela nós produzimos muitas coisas que nos beneficiam,inclusive a ciência,enfim a fé tem a obrigação de nos trazer resultados sobrenaturais,que transcendem as capacidades naturais do nosso mundo interno e externo … como o Apóstolo Tiago nos aponta de forma racional,a fé sem obras é morta … assim podemos definir que algo morto não existe,se a fé é morta ela não produz resultados,jamais … se a fé é viva ela obrigatoriamente traz resultados e evidenciam,confirmam ,provam que nosso Deus,criador do universo é um Deus Vivo!

  

A origem da vida e o escasso tempo na coluna geológica

022

Figura 1. Origin of life (Fonte: Lunar and Planetary Institute).
Os evolucionistas dependem excessivamente de longos períodos de tempo para explicar os eventos extremamente improváveis propostos em seu modelo. Essa confiança é muito bem ilustrada pela famosa citação de George Wald, ganhador do prêmio Nobel, ao referir-se a dois bilhões de anos para a origem da vida. Ele afirma:
“Com uma grande quantidade de tempo, o impossível torna-se possível, o possível, provável, e o provável, praticamente certo. Tudo o que se tem a fazer é esperar: o tempo se encarrega de realizar os milagres”.[1]
Infelizmente, para o modelo evolucionista, eras de tempo que chegam a 15 bilhões de anos, a suposta idade do Universo, simplesmente não são de nenhuma ajuda quando avaliadas a partir do conhecimento que temos a respeito da química da vida e das probabilidades matemáticas. A probabilidade de se formar uma única proteína ou uma pequena célula a partir de um evento acidental único é extremamente baixa.
No entando, se acrescentássemos muito tempo, o que permitiria muitas tentativas, a possibilidade de um processo evolutivo aparentemente aumentaria de modo drástico. Contudo, quando se trata da origem da vida, as probabilidades são tão ínfimas, e o tempo exigido tão extenso, que mal se pode perceber os efeitos dos bilhões de anos do tempo geológico. O tempo, deixado a si mesmo, não realiza os milagres que os evolucionistas esperam. Se avaliarmos com cuidado, constataremos que a evolução dispõe de muito pouco tempo em comparação com o que é realmente necessário. Como ilustração, basta considerar o longo tempo que seria necessário para formar pelo menos duas moléculas.
Quando eu estava na faculdade, uma das minhas preciosidades era o livro Human Destiny [Destino Humano], escrito pelo biofísico francês Lecomte du Noüy. Essa obra apresenta muitos questionamentos relevantes que contestam as concepções tradicionais sobre a origem da vida e apresenta alguns cálculos sobre a quantidade média de tempo que seria necessário para produzir determinada molécula de proteína. Adotando uma abordagem conservadora, ele até foi muito benevolente com os evolucionistas na maneira como trabalhou com os números.
Levando em conta uma quantidade de átomos equivalente à que existe em nosso planeta, sua estimativa é de que teriam sido necessários 10e242 bilhões de anos para produzir uma única molécula de proteína.[2] Atualmente, supõe-se que a Terra tenha menos de cinco bilhões de anos (5x10e9). Vale lembrar que cada dígito do expoente “242” em “10e242” multiplica o tempo dez vezes. Mesmo que tivéssemos à nossa disposição um tempo infinito, conseguiríamos, em média, apenas um único tipo de molécula de proteína para cada 10e242 bilhões de anos. Contudo, considerando a natureza frágil das moléculas de proteínas e a dificuldade que teriam  para se conservar por longos períodos de tempo em condições primitivas, seria praticamente impossível acumular a enorme quantidade necessária de moléculas.
Precisa-se de muita proteína para produzir a vida. Vale relembrar que o minúsculo micróbio Escherichia coli tem 4.288 diferentes tipos de moléculas de proteínas que se replicam muitas vezes, chegando a um total de 2.400.000 moléculas de proteínas em um único micróbio. Além disso, sua existência depende também de uma quantidade muitas vezes maior de outros tipos de moléculas orgânicas. Embora esse micróbio não seja o menor organismo conhecido, é o que mais conhecemos. Se para produzir a menor forma de vida de que se tem conhecimento precisamos de pelo menos centenas de diferentes tipos de moléculas de proteínas, podemos então concluir que um período infinito de tempo com tentativas para acumular frágeis moléculas de proteínas não nos parece uma solução plausível. Além do mais, vale lembrar que essas moléculas precisam estar todas juntas no mesmo lugar. Para ilustrar, se todas as partes de um carro estiverem estiverem espalhadas por toda a Terra, após bilhões de anos elevados à infinita potência, elas não se terão ajuntado no mesmo lugar para fabricar um carro.
Alguns evolucionistas ressaltam que, visto os organismos terem tantos tipos diferentes de proteínas, qualquer uma delas, entre as muitas, poderia servir como a primeira molécula de proteína, tornando, assim, desnecessário que essa primeira molécula tenha sido tão específica. Contudo, há dois problemas com essa proposta. Em primeiro lugar, ela funcionaria apenas por um curto espaço de tempo no início da vida, pois, mal iniciado o processo de organização da vida, uma molécula de proteína específica seria necessária para agir juntamente com a primeira a fim de fornecer um sistema que funcione. Em segundo lugar, as proteínas são elementos muito complexos.
A quantidade[3] total de tipos possíveis de moléculas de proteínas é 10e130, um número tão imenso que a probabilidade de se produzir uma única sequer, dentre as centenas de diferentes tipos de proteínas específicas encontradas nos mais simples micro-organismos, é uma verdadeira impossibilidade. Lembre-se de que existem apenas 10e78 de átomos em todo o Universo conhecido.
Outro estudo recente realizado pelo biólogo molecular Hubert Yockey[4], da Universidade da Califórnia, campus de Berkeley, não nos fornece resultados mais animadores do que os apresentados acima, com base em Noüy. Yockey, de certa forma, retoma a mesma discussão relacionada com a quantidade de tempo exigida para se formar uma molécula de proteína específica. Ele inclui informações e concepções matemáticas mais avançadas, mas, em vez de iniciar com os átomos, como o fez Noüy, aborda apenas o problema relacionado com o tempo exigido para se compor uma proteína a partir de aminoácidos que supostamente já estivessem presentes. Sendo assim, como é de se esperar, ele propõe um tempo mais curto, apesar de ainda ser extremamente longo.
O quadro apresentado por Noüy reflete mais o que se esperaria numa Terra primitiva. Yockey propõe que a sopa[5] original, pressuposta no modelo evolucionista, tinha as dimensões dos oceanos atuais e continham 10e44 moléculas de aminoácidos[6]. Seus cálculos indicam que nessa sopa seriam necessários, em média, 10e23 anos para se formar uma molécula de proteína específica. Considerando que a suposta idade da Terra é menor que cinco bilhões de anos (10e10 anos), essa idade se mostra 10.000 bilhões de vezes menor que o tempo necessário para se formar uma molécula de proteína específica. Supondo-se que essa proteína necessária tenha se formado por mero acaso no início desse extenso período de tempo, mesmo assim, teríamos apenas uma molécula, e, como vimos, um tipo específico de molécula se formaria apenas uma vez a cada 10e23 anos. O tempo geológico é, sem sombra de dúvidas, muito curto!
Naturalmente, fica bem evidente que os 5 bilhões de anos mencionados acima não são suficientes nem mesmo para formar a primeira proteína, muito menos para dar origem à vida na Terra. O panorama científico atual propõe que a Terra tem 4,6 bilhões de anos, e, em seus primórdios, tinha uma temperatura tão elevada que precisaria se esfriar por mais de 600 milhões de anos antes que a vida pudesse se iniciar[7]. De acordo com alguns cientistas, admite-se que a vida tenha se iniciado há 3,85 bilhões de anos[8], embora essa evidência seja controversa. Contudo, muitos cientistas estão de acordo que, com base na evidência que o isótopo de carbono fornece para a origem da vida e nos questionáveis registros fósseis encontrados, a vida originou-se na Terra pelo menos 3,5 bilhões de anos. A evidência do isótopo de carbono baseia-se no fato de que os seres vivos tendem, até certo ponto, a selecionar as formas mais leves de carbono (C-12) em maior quantidade que as formas mais pesadas (C-13 ou C-14), o que é evidente nas rochas.
Contudo, esses resultados poderiam ter sido causados pela contaminação de carbono proveniente de vida de outros locais. Sendo generosos com o modelo evolucionista, podemos afirmar que, segundo suas teorias, a primeira vida deveria ter se iniciado no decorrer de um período inferior a meio bilhão de anos, entre 4 e 3,5 bilhões de anos atrás. Esse tempo corresponde a apenas um décimo dos 5 bilhões de anos mencionados em nossos cálculos acima. No entanto, se levarmos em conta as excessivas improbabilidades consideradas, esses ajustes de somenos importância dificilmente fariam qualquer diferença. O fato é que não há tempo suficiente.
Nesses estudos relacionados com probabilidades, é sempre possível fazer outras conjecturas e sugerir novas condições na tentativa de melhorar as possibilidades; no entanto, quando temos diante de nós probabilidades efetivamente impossíveis, fica difícil não concluir que temos aí um problema concreto e que outras alternativas precisam ser consideradas.
Muitos cientistas já se deram a esse trabalho e sugeriram outros modelos que visam explicar a origem da vida na Terra[9]. Todas essas propostas se mostraram insatisfatórias pelo fato de não proverem nenhuma solução para o mesmo problema relacionado com as moléculas de proteínas, a saber, os complexos requisitos integrados e específicos. Além disso, não são simplesmente as proteínas que precisam ser consideradas; há que se levar em conta as gorduras (lipídios) e os carboidratos, os quais, diga-se de passagem, são elementos relativamente simples, se comparados com o DNA e sua complexa função de fornecer as informações essenciais para a vida.
Em relação ao problema da origem da vida, há algumas discussões recentes sobre a identificação da vida primitiva. Grandes ícones das formas mais primitivas de vida na Terra perderam seu impacto devido a discussões polêmicas sobre o assunto em muitas revistas científicas[10] e em outras fontes. O que a ciência, em dado momento, considerava como fato mostrou ser algo bem diferente. Um influente pesquisador nessa área comenta com propriedade que “para cada interpretação corresponde  uma interpretação contrária” [11]. O que ficou demonstrado é que algumas das rochas mais relevantes em que a vida teria ocorrido não representam os tipos de rochas originalmente classificados.
Os fósseis, por sua vez, muitas vezes parecem fósseis, sendo, no entanto, coisas totalmente diferentes. Esse último problema tem infestado boa parte dos estudos sobre fósseis pré-cambrianos. Alguns achados apenas são definidamente irrefutáveis; quanto aos demais, um pesquisador chega a mencionar quase 300 variedades de fósseis catalogados de natureza dúbia ou simplesmente falsos[12]. Na verdade, trata-se de um campo de estudo que não oferece muita credibilidade, não podendo ser investigado superficialmente ou aceito só pelo fato de se encontrar na literatura científica.
 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
  1. WALD, G. The origin of life. Scientific American, v. 191, n. 2, p.45-53, 1954.
  2. du Noüy, L. Human destiny. Nova York, Longmans, Green, p. 33-35, 1947.
  3. MEYER, SC. The explanatory power of design: DNA and the origin of information. In: DEMBSKI, WA, editor. Mere creation: science, faith & intelligent design. Downers Grove: InterVarsity, p. 113-147, 1998.
  4. YOCKEY, HP. Information theory and molecular biology. Cambridge University Press, p. 248-255, 1992.
  5. Vide capítulo 3 do livro onde esta parte foi extraída.
  6. Trata-se de um número bem aceito. Por exemplo: EIGEN, M. Self-organization of matter and the evolution of biological macromolecules. Die Naturwissenschften, v. 58, p. 465-523, 1971.
  7. MOROWITZ, HJ. Beginnings of cellular life: metabolism recapitulates biogenesis. New Haven: Yale University Press, p. 31, 1992.
  8. (a) HAYES, JM. The earliest memories of life on earth. Nature, v. 384, p. 21-22, 1996. (b) MOJZSIS, SJ; HARRISON, TM. Vestiges of a beginning: clues to the emergent biosphere recorded in the oldest sedimentary rocks. GSA Today, v. 10, n. 4, p. 1-6, 2000.
  9. Vide capítulo 3 do livro onde esta parte foi extraída.
  10. Para alguns comentários críticos gerais e referências, ver: (a) COPLEY, J. Proof of life. New scientist, v. 177, p. 28-31, 2003. (b) KERR, RA. Reversals reveal pitfalls in spotting ancient and E.T. life. Science, v. 296, p. 1384-1385, 2002. (c) SIMPSON, S. Questioning the oldest signs of life. Scientific American, v. 288, n. 4, p. 70-77, 2003.
  11. COPLEY, p. 28-31.
  12. HOFFMANN, HJ. Proterozoic and selected Cambrian megascopic dubiofossils and pseudofossils. In: SCHOPF, WJ; KLEIN, C, editors. The Proterozoic biosphere: a multidisciplinary study. Cambridge University Press, p. 1035-1053, 1992.
________________________________________________________________________________
Extraído na íntegra de Ariel A. Roth em “A Ciência Descobre Deus: Evidências convincentes de que o Criador existe” (Casa Publicadora Brasileira, p. 150-154, 2010).