Em Defesa do Design Inteligente

Início » Posts etiquetados como 'TDI'

Arquivo da tag: TDI

Camuflagem e Mimetismo.

Por Canal Inteligentista Douglas Fagner 

Características de alta complexidade estão envolvidas nos fenômenos biológicos da camuflagem e do mimetismo, induzindo adeptos da teoria da evolução a elaborar explicações naturalistas baseadas em seleção natural e mutacionismo, levando a hipóteses como a da evolução convergente. No entanto, os processos e mecanismos necessários para se produzir a extrema complexidade de fenômenos como a camuflagem e o mimetismo constituem-se em obstáculo, e não em evidência, às explicações naturalistas. Uma análise científica despida de preconceito, demonstra que o mimetismo e a camuflagem podem representar evidências consideráveis em favor da Teoria do Design Inteligente.


Inscreva-se no canal.

Pelo Facebook

Pelo Twitter

Apoie nosso trabalho

Site

 

Anúncios

Do Brasil, Um Debate Sobre Design Inteligente Com O Professor Marcos Eberlin.

By Evolution News – David Klinghoffer | @d_klinghoffer

 

[Texto adaptado – Imagem  do EnV]

 

Eberlin-radio-debate.jpg

 

Para sua diversão, nossos amigos no Brasil enviaram um agradável link do YouTube ( https://www.youtube.com/watch?v=-H-hZ1xyJbU&feature=youtu.be ). O professor Marcos Eberlin da Universidade de Campinas e a Sociedade Brasileira do Design Inteligente participaram de um debate de rádio que você também pode assistir no formato de vídeo. A ocasião foi o lançamento do novo centro de pesquisa sobre Design Inteligente (DI) da Universidade Presbiteriana Mackenzie em São Paulo.

Claro que está em português. No entanto, o Dr. Eberlin, químico distinguido e membro da Academia Nacional de Ciências, oferece alguns destaques:

O Jovem Pan Morning Show é um programa de rádio muito popular, ouvido por cerca de 200 mil pessoas no Brasil. Agora está no YouTube e muitos outros vão assistir!

Após o lançamento do Discovery Institute-Mackenzie, Fábio Raposo do Amaral, professor de biologia em uma universidade pública do Brasil, Universidade Federal de São Paulo, escreveu uma carta pública criticando o Mackenzie por criar um centro para estudar a “pseudociência” do design inteligente. Como presidente da TDI Brasil, fui convidado a debater o DI com ele.

O professor Fabio disse primeiro que a evolução é óbvia e vista, por exemplo, na seleção de homens por fêmeas, quando os meninos “vão caçar meninas nas noites de sábado”. Ele mencionou que, quando uma menina seleciona um menino, este seria um caso claro de seleção sexual.

Eu expliquei o quanto este conceito é errado, falando sobre Darwin e pavões e o intrincado mecanismo de dispersão de luz que dá cor às asas de um pavão. Eu mencionei um artigo que reporta pesquisas realizadas com centenas de pavões femininos e como elas não mostraram nenhuma preferência por caudas mais coloridas. As fêmeas realmente selecionam machos com melhor sinalização acústica. Isso foi devastador.

Então, falamos sobre o que a ciência é, como a ciência naturalista está errada em repudiar o DI, como o DI propõe uma ciência melhor ao considerar as duas possíveis causas da vida e do universo e sobre as implicações filosóficas e teológicas tanto da evolução quanto do DI. Se DI aponta para um designer, a evolução não aponta para nenhum designer, e depois aponta para o ateísmo, fazendo com que os ateus se sintam “intelectualmente realizados”, como Richard Dawkins disse uma vez.

Também tive a oportunidade de definir corretamente o DI como a ciência que desenvolve uma metodologia para detectar a ação de processos naturais ou de uma causa inteligente. Eu falei sobre os filtros de design que usamos, os três pilares da ID (complexidade irredutível, informação biológica e previsão), e assim por diante.

Os comentários no YouTube mostram que o resultado foi devastador para a evolução. Era claro que um biólogo, um professor de uma grande universidade pública, trabalhando em um departamento de genética e evolução, não tinha argumentos claros para defender a evolução e foi derrotado por um “IDiot“. O DI também foi claramente apresentado como uma teoria totalmente científica, que quer simplesmente fazer ciência da maneira como a ciência deve ser feita – como uma busca imparcial pela verdade.

Também falamos sobre a falta de evidência para a evolução, mesmo após 150 anos de busca intensa; e como a ciência moderna está fornecendo evidências crescentes a favor do DI. Foi um debate histórico para o DI no Brasil.

Mesmo que você não entenda o português, ver o vídeo dá a sensação do humor da conversa. O prazer no debate, na resposta séria a um adversário, não precisa ser traduzido. Parabéns ao professor Eberlin e aos seus colegas por seu maravilhoso trabalho!

Design Inteligente Brilha no Brasil – Mais do Lançamento Discovery Institute-Mackenzie.

By Evolution News – David Klinghoffer | @d_klinghoffer

Discovery-Brazil-3.jpg

Eu tenho que dizer que acho essas fotos do lançamento do Discovery Institute-Mackenzie encantadoras. Refiro-me ao novo centro de pesquisa em design inteligente da Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo.

Discovery-Brazil-1.jpg

Discovery-Brazil-9.jpg

Discovery-Brazil-6.jpg

Discovery-Brazil-10.jpg

Discovery-Brazil-7.jpg

Muitos desses rostos não são conhecidos por mim – ainda não – mas a energia e a diversidade brilham por completo. Você vai, é claro, ser capaz de escolher algumas figuras que são muito bem conhecidas por nós – Doug Axe, Michael Behe, Brian Miller, coordenador de pesquisas do Centro de Ciência e Cultura, e Steve Buri, presidente do Discovery Institute.

Discovery-Brazil-5.jpg

Discovery-Brazil-11.jpg

Discovery-Brazil-8.jpg

Discovery-Brazil-2.jpg

O Brasil não é apenas outro país, mas, é claro, uma cultura completamente diferente. É ótimo ver a mistura do familiar e do novo, e encorajar a observar a maneira como a ciência do DI se traduz através das fronteiras. É assim que se deve ser dado que o DI é uma descrição objetiva do mundo natural. As evidências de design em biologia e cosmologia devem ser universalmente reconhecíveis – e são.

[Adaptado]

Crédito das fotos: Cortesia de Steve Buri e Professor Marcos Eberlin da Sociedade Brasileira de Design Inteligente.

Cientista Biomimético Líder: Não Deixe O Materialismo Superar As Evidências.

Por Evolution NewsJonathan Witt

[Texto adapto – Links em inglês – Imagem do EnV]

 

Hercules-beetle.jpg

 

Aqui está outra história, DI-via-internacional; forte nos bastidores do lançamento do Discovery Institute-Mackenzie no Brasil na semana passada: O inovador cientista sul-coreano, Dr. Seung-Yop Lee, saiu contra a prática de governar as hipóteses do projeto inteligente fora dos limites antes de considerar as evidências.

“Como pesquisador biomimético, me pergunto como surgiram as complexas nanoestruturas fotônicas dos insetos”, escreve ele. “Desenhos biológicos estão provocando uma corrida do ouro da inovação para engenheiros e cientistas, mas em geral, somente explicações materialistas para essas estruturas biológicas são permitidas no campo biomimético”.

Lee é professor do Departamento de Engenharia Mecânica e Biomédica da Universidade Sogang, em Seul, e é uma figura destacada no campo da biomimética.

A recente leitura de Lee do novo livro de Jonathan Wells, Zombie Science: More Icons of Evolution, apressou os comentários. “Em seu excelente livro novo, Zombie Science, Jonathan Wells pede uma outra abordagem para a investigação científica”, escreveu Lee. “Não deixe a filosofia materialista superar a evidência, diz Wells. Em vez disso, siga a evidência onde quer que ela leve.”

Um artigo na revista Nature relata uma das inovações biomiméticas do Dr. Lee, “um filme que muda de cor de acordo com a umidade ambiental”. Segundo o artigo, a invenção foi “inspirada no design natural do besouro Hércules ” e abre caminho para o desenvolvimento de um sensor que “não precisaria de eletricidade e poderia ser usado em pequenos dispositivos médicos ou agrícolas.”

O sucesso do professor Lee em fazer descobertas de design ao procurar inspiração de maravilhas de engenharia no reino biológico, parece tê-lo deixado impaciente com o materialismo dogmático na biologia de origens e simpático ao argumento que Wells faz em seu novo livro. “O título, Zombie Science, é peculiar e colorido”, disse Lee,  “mas Wells usa-o para realçar um problema real: Vívidas “provas” de evolução continuam a ser construídas, mesmo depois de evidências contrárias as terem matado e os biólogos tradicionais terem renunciado a elas”.

Zombie Science é uma sequela do livro de 2001 do Dr. Wells, Icons of Evolution. “Wells traz leitores atualizados sobre os dez ícones originais e desmistifica mais seis”, comenta Lee em seu endosso ao livro. “Wells argumenta que esses ícones desmascarados persistem em livros didáticos e em outros lugares apenas porque eles suportam um paradigma evolucionista dominante e um dogma materialista. Zombie Science é um apelo oportuno para a reforma.”

O Evolution News relatou aqui, aqui, aqui, aqui e aqui, em apenas algumas das muitas veias sendo minadas no campo da biomimética. Encontre muitos mais artigos sobre o assunto, através da inserção de “biomimetics” no campo de pesquisa do site (do Evolution).

A Investigação Científica Apresenta Princípios de Design Inteligente.

By Evolution News – @DiscoveryCSC

[Texto adaptado – O artigo contem links em inglês – Imagem do EnV com os devidos créditos]

Amazonia.jpg

Uma das nossas respostas aos críticos do DI é aquilo que os cientistas usam todos os dias. Se o design inteligente não fosse científico, teríamos de jogar fora [ciência] forense, arqueologia, criptologia, informática, teoria da otimização, engenharia e SETI. Aqui estão alguns exemplos de DI em ação que apareceram recentemente em periódicos. Os princípios para deduzir o design são semelhantes. Se alguns desses exemplos parecem fracos para inferir o design, eles se tornam nossos casos favoritos mais fortes quando defendemos o design no código genético, máquinas moleculares ou ajuste fino do universo.

O livro da Selva.

O que está gravado na paisagem da Amazônia? Algo estranho e inesperado veio à luz. Por décadas, as florestas tropicais do Brasil exemplificavam a natureza selvagem e indomada. Seus poucos habitantes humanos, retratados romanticamente como nobres selvagens, levavam suas vidas simples em harmonia com a natureza como uma repreensão para nós, americanos-europeus, poluidores e invasores do planeta. Este era o mundo de Darwin, uma terra de competição e cooperação produzindo sistemas ecológicos por leis naturais não guiadas (especialmente a “lei” da seleção natural).

Sob o dossel da floresta, porém, estruturas bizarras já revelaram forças diferentes no trabalho também: forças inteligentes. As leis naturais geralmente não criam círculos concêntricos e nem quadrados. Desde 1980, terraplenagens chamadas geoglifos [“mensagens de terra“] vieram à luz sobre uma vasta área entre os sistemas fluviais da Amazônia. Uma nova imagem desta região revela evidência de propósito, intenção e plano: ou seja, design inteligente. Um artigo dramático de pesquisadores da Universidade de São Paulo e da Universidade de Exeter, publicado no mês passado na Proceedings of the National Academy of Sciences, derruba o paradigma do deserto selvagem.

Mais de 450 pré-colombianos (pré-AD 1492) cercos geométricos abandonados (“geoglifos”) ocupam 13.000 km² do estado do Acre, Brasil, representando uma descoberta-chave da arqueologia amazônica. Essas enormes terraplenagens foram ocultas durante séculos sob a floresta tropical de terra firme (planalto interfluvial), desafiando diretamente o status “primordial” deste ecossistema e sua vulnerabilidade aos impactos humanos, percebida.  

A noção da Amazônia como um deserto intocado foi agora anulada por evidências crescentes de sociedades pré-colombianas grandes, diversas e socialmente complexas em muitas regiões da bacia. A descoberta de numerosas, vasta terra preta (terras antropogênicas escuras) que fazem fronteira com as planícies aluviais dos rios principais e extensos complexos de terraplanagem nas savanas sazonalmente inundadas dos Llanos de Mojos (nordeste da Bolívia), Ilha de Marajó (nordeste do Brasil) e costeira da Guiana Francesa, representam exemplos de grandes impactos humanos realizados nesses ambientes. [Enfase adicionada]

Executado, ou seja, por design inteligente. Esta vasta região tem sido “amplamente transformada pelos seres humanos ao longo de milênios“, dizem eles. Em notícias da Universidade de Exeter, a autora principal Jennifer Watling expressa quão dramática esta mudança de pensamento é:

A Dr. Watling disse: “O fato de que esses sítios ficaram escondidos por séculos sob floresta sazonada, realmente desafia a idéia de que as florestas amazônicas são “ecossistemas imaculados”.”

Imediatamente quisemos saber se a região já estava coberta de florestas quando os geoglifos foram construídos, e até que ponto as pessoas impactaram a paisagem para construir essas terras.

A equipe usou vários métodos para inferir design – importante para fazer uma inferência robusta de design. Os mais óbvios são os geoglifos. Podem-se obter inferências adicionais sobre as suas funções através de uma análise minuciosa dos detalhes estruturais:

Com valas de até 11 m de largura, 4 m de profundidade e 100-300 m de diâmetro, e com alguns sítios com até seis recintos, os geoglifos da Amazônia ocidental rivalizam com os exemplos mais impressionantes de arquitetura monumental pré-colombiana em qualquer lugar das Américas. As escavações dos geoglifos mostraram que foram construídos e usados esporadicamente como locais cerimoniais e de coleta pública entre 2000 e 650 anos calibrados antes do presente (BP), mas que alguns podem ter sido construídos já em 3500-3000 BP. A evidência de sua função cerimonial baseia-se na ausência quase que total de material cultural encontrado dentro das áreas fechadas, o que sugere que eles foram mantidos ritualmente “limpos”, ao lado de suas formas arquitetônicas altamente formalizadas (principalmente círculos e quadrados) – Características que distinguem os geoglifos de compartimentos similares fechados no nordeste da Bolívia.

É necessário saber quem são os designers? O DI exige conhecer seus motivos?

Surpreendentemente, pouco se sabe sobre quem foram os construtores de geoglifos, como e onde viveram, já que os locais de assentamentos contemporâneos ainda não foram encontrados na região. Pensa-se que os construtores de geoglifos eram uma rede complexa de grupos locais, relativamente autônomos, conectados por um sistema ideológico compartilhado e altamente desenvolvido. Embora alguns tenham proposto uma conexão entre os geoglifos e as sociedades da fala Aruaque, as cerâmicas descobertas a partir desses locais desafiam uma estreita ligação com os estilos Saladoide-Barrancoide normalmente associados com esta família linguística e, em vez disso, apresentam uma mistura complexa de diferentes tradições locais. Além disso, é provável que os geoglifos tenham sido utilizados e reutilizados por diferentes grupos culturais ao longo de sua vida útil.

Aqui é onde fica ainda mais interessante. Outras pistas revelam que a ecologia foi intencionalmente modificada por essas pessoas desconhecidas. Estudando carvão, fósseis de plantas e isótopos de carbono, e seguindo padrões entre locais de geoglifos, os pesquisadores inferiram que os habitantes transformaram a floresta tropical para melhorar a produção de frutas, nozes e outras plantas que eles achavam úteis. A equipe também foi capaz de inferir quais espécies foram modificadas e quais eram “naturais” ao clima, e até mesmo determinar como as pessoas usaram o fogo para conseguirem uma clareira controlada. Não só isso, eles inferiram que “os geoglifos foram usados de forma esporádica em vez de habitados continuamente“.

Em vez de serem construídos dentro de uma floresta de bambu “intocada”, nossos dados dos fitólitos sugerem que os geoglifos foram construídos dentro de florestas antropogênicas que já haviam sido fundamentalmente alteradas por atividades humanas ao longo de milhares de anos.

Como podem ter certeza? “Nenhuma explicação natural existe” para os padrões que encontraram. O bambu, segundo eles, está em sua abundância natural, mas as árvores de frutos e nozes mostram padrões de “agrofloresta“, como se os habitantes criassem intencionalmente “uma espécie de “supermercado pré-histórico” de produtos florestais úteis”. A equipe chegou mesmo a estimar quando os sítios de geoglifos foram abandonados e a dizer se o ecossistema havia se recuperado ou não desde que eles saíram. A partir dos dados fitolíticos (depósitos de sílica de restos de plantas), eles concluem que “legados da agroflorestação pré-colombiana ainda existem hoje dentro das florestas remanescentes do Acre“. Isso é muito inferência de design, a partir de restos silenciosos!

Conclusões semelhantes foram alcançadas por Levis et al. na Science Magazine. A partir de padrões de plantas apenas na Bacia Amazônica, uma grande equipe de arqueólogos concluiu que “as marcas das sociedades humanas pré-históricas em florestas tropicais ainda podem ser detectadas hoje“. Erin Ross, da Nature News, concorda: “A floresta amazônica foi moldada por um antigo apetite por frutas e nozes.” Os cientistas podem dizer que a floresta tropical não está em um estado natural. Em vez disso, “As árvores que vivem nessas áreas povoadas podem ser relíquias de um passado vibrante“.

A fim de que ninguém defenda que essas marcas de design não são diferentes na espécie, de ninhos de pássaros, grandes cupinzeiros, barragens de castores ou qualquer outra estrutura animal que modifica a ecologia, basta voltar o argumento para os pesquisadores. Teria algum sentido afirmar que um artigo científico em uma revista é o trabalho de causas naturais não guiadas? Claro que não. Todos nós reconhecemos as marcas de inteligência. Os seres humanos são excepcionais nesse sentido, formando estruturas não naturais para fins criativos que vão além da mera sobrevivência e reprodução. Se os castores e os pássaros obtiveram suas habilidades através de uma inteligência de programação é uma boa pergunta, mas os seres humanos não são obrigados a construir geoglifos ou automóveis, ou a pensar em “sistemas ideológicos” que deixam suas marcas séculos mais tarde. Se os seres humanos são apenas animais, por que eles moldaram toda a floresta? Por que não desenvolver um apetite por bambu, como pandas?

Minerais como pista para design.

Vamos expandir o raciocínio acima para um caso que está em escala global. Geólogos e antropólogos estão atualmente discutindo se queremos chamar nosso tempo de “Época Antropocênica“. Ouvimos falar do Eoceno, do Paleoceno e de outras épocas “naturais“, mas a idéia antropocênica seria caracterizada por algo antinatural. Definido na New Scientist como “um novo intervalo de tempo geológico distinguido pelo impacto das atividades humanas“, o Antropoceno difere de todas as épocas anteriores. Observe a repórter Chelsea Whyte aplicar o raciocínio de design inteligente:

Pense em grandes coleções de jóias em museus. Essas amostras minerais não ocorreriam naturalmente nas proximidades, mas elas são propensas a ficarem enterradas juntas e cimentadas no registro como vizinhas.

A imagem igualmente coloca lugares como o Cemitério Nacional de Arlington em Virgínia. Esse arranjo ordenado de lápides não é provável que ocorra naturalmente, sem influência humana. O registro mineral revelará não apenas nossos processos tecnológicos, mas também nossa cultura.

O que fica realmente interessante é como pelo menos um ardente evolucionista, usa o mesmo raciocínio para inferir causas inteligentes humanas na mera existência de certos minerais raros:

A evidência de seres humanos mudando o planeta é sólida como pedra. Um novo catálogo de minerais contabiliza 208 que resultam exclusiva ou principalmente da atividade humana, diz Robert Hazen, da Carnegie Institution for Science, nos Estados Unidos, que liderou o estudo.

A maioria dos minerais podem ser explicado naturalmente, diz ele, mas pode-se dizer que algo não natural aconteceu a partir de evidências observacionais. Hazen identificou 208 minerais – cerca de 4 por cento dos 5200 minerais catalogados – que são incomuns. Eles tinham que ser feitos pelo homem. E essa não é a única evidência para o design humano.

Não é só que esses novos minerais existem, mas como eles são distribuídos e como eles persistirão. Nossa atividade tem levado a grande escala de movimento de rochas, sedimentos e minerais, graças à mineração, transporte e infra-estrutura, bem como a redistribuição global de minerais naturais altamente valorizados, como diamantes e ouro. E há substâncias em coisas como cimento e tijolos que são raros na natureza, mas agora são difundidas em todo o globo.

“Estes são como minerais e eles vão formar uma camada marcadora para todo o tempo geológico“, diz Hazen.

Inferência Injustificada de Design.

Em contraste com esses exemplos de inferência legítima de design, vamos olhar para um que está um pouco no lado estúpido. O tablóide britânico The Express postou um videoclipe de algum teórico da conspiração desconhecido, apontando para um objeto “bizarro” debaixo do Oceano Pacífico. Ele aponta para um caminho reto de 41 milhas de comprimento que ele alega ter sido deixado por um objeto circular de 2,5 milhas de diâmetro que aparece ao lado dele. Ele afirma que “parece feito pelo homem ao invés de natural” – talvez até feito por alienígenas espaciais!

É uma reminiscência da moda Face-on-Mars que dominava os programas de entrevistas de fim de noite antes que se tivesse uma visão mais atenta sobre a espaçonave. Isso só mostra que as inferências de design exigem um nível mínimo de rigor. Não parece que esses pensadores ilustres descartaram o acaso ou a lei natural como causas. Se o objeto tivesse luzes piscando e esculpido “Olá, mundo!” em Inglês, poderíamos ficar impressionados.

Na verdade, a evidência para o design no DNA e no ajuste cósmico é muito mais forte do que as evidências apresentadas nas duas citações anteriores sobre geoglifos e minerais do Antropoceno. Tais ilustram que o raciocínio de senso comum sobre causas inteligentes está vivo e bem nas ciências, publicado prontamente em revistas de ponta – exceto quando as implicações podem favorecer uma determinada visão de mundo.

Design inteligente é ciência ?

Por Angelo Grasso

 

 

 

flagellum

 

 

 

Sim, claro !

Existem basicamente duas alternativas de mecanismos de como o mundo natural foi causado e criado. Inteligência, e não inteligência. Se inteligência não foi envolvida, o que resta, é nada. O nada como origem de todo mundo físico.

1. Inteligência. É um processo mental, que tem a capacidade de alguém/algo usar e ter lógica, informação, abstração, memorização, compreensão, auto-conhecimento, comunicação, aprendizado, controle emocional, planejamento e resolução de problemas.

2. Chance. O que é chance ? Em Probabilidade e Estatística, a chance de ocorrência de um evento é a probabilidade de ocorrência deste evento dividida pela probabilidade da não ocorrência do mesmo evento. Chance não é uma força, não é uma causa, um agente que faz. Chance não é uma coisa. Portanto, o naturalista atribui ao nada o poder de causar mudança.

Isto é uma dicotomia falsa ?

Não. Todas as possibilidades e sugestões de origens (multiversos, universos oscilantes, teoria de branas, flutuações quânticas, um universo sem começo, eterno, o Big Bang sem causa, ou ET’s, vários deuses, panteísmo, deísmo, monoteísmo etc.) recaem para uma ou outra categoria. Dizer, que pode haver outra opção desconhecida por nós, é um argumento das lacunas, e racionalmente não se sustenta.

Objeção: Não aleatoriedade é uma gama de uma quantidade infinita de coordenadas entre um extremo (aleatório) e outra extremidade oposta do espectro (inteligência). Entre esses extremos opostos polares são diferentes graus de processos e eventos não aleatórios.

Resposta: Existe uma linha de divisão, indivisível, entre o consciente, e o não consciente. Ou alguém é, ou não é consciente. Todos os degraus de consciente, mesmo que seja ínfimo, fazem parte do ser consciente. Portanto há apenas duas categorias. [1]

A matéria inconsciente, e a realidade não material do consciente, inteligente, espiritual. As duas realidades são fundamentalmente distintas, e não há uma realidade intermediária.

Como Einstein habilmente disse: Einstein’s Gulf: Can Evolution cross it ? By John Oller, Ph.d Albert Einstein, sem dúvida, um dos maiores cientistas de todos os tempos, descreveu o “abismo” que separa logicamente o mundo concreto dos objetos firmes, de um lado, e do mundo abstrato das idéias, por outro. Ele escreveu: Nós temos o hábito de combinar alguns conceitos e relações conceptuais (proposições) de forma definitiva com certas experiências sensoriais que não se tornam conscientes do abismo intransponível – logicamente que separa o mundo de experiências sensoriais do mundo dos conceitos e proposições.

De um lado, vemos o mundo real dos objetos, eventos e relações espaço-tempo tensionais. Por outro lado, encontramos representações totalmente abstratas que contêm informações sobre o mundo material. Essa informação articulada é captada pela primeira vez por nossos sentidos, secundariamente por nossas ações corporais, e em terceiro lugar pela nossa capacidade de usar uma ou mais línguas particulares. Entre os dois reinos, encontramos o que parece ser um abismo intransponível.

Uma pequena parte do problema dos proponentes de naturalismo é que objetos duros nunca são observadas espontaneamente a transformar-se (em sua própria fiança) em idéias abstratas.

Defensores do naturalismo metodológico muitas vezes invocam a definição de “critérios de demarcação” que dizem que toda ciência deve ser observável, testável, falsificável, preditiva e repetível. A maioria dos filósofos da ciência porém agora descartam estes critérios porque há muitas exceções às regras que estabelecem a prática da ciência.

Nem toda ciência envolve entidades observáveis ou fenômenos repetíveis, por exemplo nós não temos como voltar atrás no tempo, para observar o que causou o universo, as estrelas, a terra, e sistemas biológicos, e a biodiversidade. Não temos como ser testemunhas de eventos do passado, mas podemos tranquilamente fazer inferências sobre o que causou eventos únicos ou singulares com base nas provas disponíveis hoje. Ciências históricas como arqueologia geologia, forense, e Biologia Evolucionária, todas inferem eventos causais do passado para explicar a ocorrência de outros eventos ou para explicar o que observamos hoje .

Sabemos por nossa experiência que erosão é resultado de muita água, chuva, tempestades etc, e produz ravinas, em seguida, arroios e, por extensão, cânions. Nós sabemos que agentes inteligentes têm as capacidades de design necessárias para prever e construir uma pirâmide. Forças naturais não tem. Estas são inferências baseadas em nosso conhecimento atual de causa e efeito. Devido à influência do naturalismo metodológico (a posição filosófica de que as explicações científicas deve ser restritas a processos naturais), muitas pessoas afirmam que o design inteligente situa-se além dos limites da ciência. No entanto, uma série de disciplinas científicas se baseiam na capacidade dos cientistas detectarem a atividade de agentes inteligentes e distinguir da atividade de processos naturais. Por exemplo, os cientistas forenses podem determinar se ou não um indivíduo morreu como resultado de processos naturais, por acidente, ou pela ação intencional de outra pessoa – um agente inteligente. Os antropólogos podem examinar pedaços de rocha e determinar se as pedras foram intencionalmente fabricadas em uma ferramenta por um hominídeo (como os neandertais) ou meramente moldadas por processos naturais. Na busca para identificar civilizações alienígenas, pesquisadores da SETI monitoram radiação eletromagnética emanada de estrelas distantes em busca de assinaturas que levam a marca da agência inteligente.

A ciência tem o kit de ferramentas para detectar a ação de um designer inteligente e distingui-lo de causas e eventos naturais. Se assim for, então por que perguntas científicas não deveriam poder determinar se um designer inteligente desempenhou um papel na origem, história e design da vida e do universo? Parece-me que ele pode, e eu diria que ele desempenhou.

A teoria do design inteligente, portanto, qualifica-se como ciência tanto histórica quanto operacional, pois pode ser testada. Nós não podemos observar diretamente a causa da origem da vida ou repetir os eventos que estudamos na história da vida, mas podemos inferir o que é a causa mais provável que seja responsável, em base do que conhecemos e sabemos do cotidiano . “Em nossa experiência, a única coisa capaz de causar a origem do código digital ou informações funcionais ou circularidade causal é a inteligência e nós sabemos que a origem da vida e a origem da vida animal, por exemplo, exigiu a produção de justamente estas coisas.

Ciências históricas, e naturalismo metodológico.

Existem pelo menos dois métodos científicos.

Como Stephen C. Meyer explica: As ciências indutivas (pelo qual podemos entender a física, química e outras ciências experimentais, principalmente) são motivados pela pergunta: “Como é que a natureza opera normalmente?” As ciências históricas (pela qual podemos entender cosmologia, geologia, paleontologia, a teoria da evolução e sistemática biológica), por outro lado, são motivadas principalmente pela pergunta: “Como é que este sistema ou objeto veio a ser?” Estes são logicamente questões distintas. Neste último caso, quando perguntamos como algo veio a ser, vamos explicar invocando narrativas ou padrões de eventos causais – métodos que empregam muitas vezes denominados “indutivo” ou “retrodutivo” – para descobrir que conjunto de eventos que explicam melhor as características que observamos no presente.

O estudo histórico é uma questão de probabilidade. Todas e quaisquer teorias históricas são suportadas pela evidência de que não são dedutivas por natureza (dedutivas = provas absolutas, como na matemática). Podemos considerá-las inferências para a melhor explicação, ou probabilidades Bayesianas, mas elas não podem ser deduções. Teorias históricas não são baseadas em experimentos, repetíveis – ou não – nem são teorias históricas sujeitas à verificação empírica. A evidência para a teoria da história pode ser empírica, mas a própria teoria não é. Essas diferenças significam que não se pode simplesmente tratar a ciência e a história como disciplinas similares.

O naturalismo metodológico é necessário na ciência , porque a ciência exige como uma pré-condição poder investigar as coisas naturais ?

O x da questão é: Inteligencia é natural, ou sobrenatural ? O que nós podemos ver, sentir, observar, medir, detectar, quantificar, etc, é natural e os efeitos da inteligência se enquadram nesta categoria. Quando não é possível para produzir qualquer evidência além de especulação, se coloca de forma abstrata como uma possibilidade, então isso seria não-natural. Inteligencia ainda é natural pois ela age observavelmente no mundo físico-natural, e nós podemos observar seus efeitos. O que os neurocientistas estudam o dia todo? Admita-se que consciência e inteligencia, se adotar o dualismo, não é uma entidade física que se possa quantificar ou detectar fisicamente, mas seus efeitos são evidentes a todos. Inteligência portanto é na verdade tanto natural, como sobrenatural. Afinal, o que dizer sobre espíritos desencarnados, que não precisam de um cérebro físico para existir, como comprovado por testes científicos ? [1]

O naturalismo metodológico também não é necessário para ciências históricas no entanto. A história não investiga determinando empiricamente nada. Embora a história não procura responder a perguntas sobre o passado, exige porem apenas que o passado seja racional. Racional simplesmente significa que há uma razão. Então, se alguma coisa acontecesse que fosse um ato de um designer inteligente/criador no passado, então, enquanto esse ato tinha uma razão, e a ciência histórica pode investigar.

Existem basicamente três possíveis agentes causadores de origem e do universo:

1. Necessidade física

2. Chance ( acaso ) ,

3. Design inteligente / criação.

Este resultado significa que o design inteligente não pode ser inteiramente retirado da consideração nas ciências históricas . No entanto, evidências ou razões devem ser encontradas para apoiá-los.

Eu sou contra o naturalismo metodológico aplicado em ciências históricas, porque nos ensina a estar satisfeitos com não permitir a evidência científica de eventos históricas a nos levar onde quer que seja.

Naturalismo é apenas uma das possíveis explicações para a origem do universo, o seu ajuste fino, não tem uma resposta sobre a origem da vida, explica muito pouco sobre a biodiversidade, e o que explica, explica mal, não tem explicação sobre questões essenciais, como o surgimento da fotossíntese, sexo, consciência, linguagem, línguas, moralidade. O resumo: ela não tem considerável poder de explicação, o que atrai tantos crentes, é que eles pensam, que este fundamento justifica eles se considerarem a última instância de moralidade, e não há o que se preocupar com interferência divina em suas decisões.

A evidência científica é o que observamos na natureza. O entendimento de que como os sistemas e processos biológicos micro e macro funcionam, é o exercício e exploração da ciência. O que se infere a partir da observação, especialmente quando se trata da origem de fenômenos dados na natureza, é filosófico, e com base na indução individual e raciocínio pessoal. O que parece como uma explicação convincente para você, não pode ser atraente para mim, e eu chego eventualmente a conclusões diferentes.

O projeto inteligente é “Criacionismo disfarçado”.

Na verdade, as duas teorias são radicalmente diferentes. O criacionismo se move para frente, isto é, ele assume, afirma ou aceita algo sobre Deus e sobre o que um livro religioso tem a dizer sobre as origens; então interpreta observações na natureza para se encaixarem nesse contexto. O design inteligente se move para trás, isto é, ele observa algo interessante na natureza (complexidade, interdependência de mecanismos moleculares, informações especificadas) e, em seguida, teoriza e testa possíveis maneiras como isso pode ter vindo a ser. O criacionismo é baseada na fé; Design Inteligente é baseado na observação empírica.

Cada abordagem tem um pedigree que remonta a mais de dois mil anos. Notamos a abordagem “para a frente” em Tertuliano, Agostinho, Boaventura, e Anselmo. Agostinho descreveu-o melhor com a frase, “fé em busca de entendimento.” Com esses pensadores, a investigação foi baseada na fé. Pelo contrário, descobrimos a orientação “para trás” em Aristóteles, Tomás de Aquino, e Paley. O argumento de Aristóteles, que começa com “movimento na natureza” e as razões de volta a uma “força motriz” – isto é, do efeito para a sua “melhor” explicação causal – é, obviamente, base empírica.

Para dizer então, que Tertuliano, Agostinho, Anselmo (criacionismo) é semelhante à de Aristóteles, Tomás de Aquino, Paley (DI) é equivalente a dizer para a frente é igual para trás. O que poderia ser mais ilógico?

Como o Dr. William Dembski, um dos principais pesquisadores do design inteligente, habilmente declarou:

O projeto inteligente é. . . uma investigação científica sobre como os padrões exibidos pelos arranjos finitos de matéria podem significar inteligência .

Na melhor das hipóteses, a ciência é uma busca desenfreada (mas de forma ética e intelectualmente responsável) e progressiva para a verdade sobre o nosso mundo com base em análise fundamentada de observações empíricas. A própria antítese de uma busca desenfreada pela verdade ocorre quando cientistas com antolhos intelectuais e afirmam dogmaticamente que todas as conclusões devem estar em conformidade com a filosofia “materialista”. Tal abordagem evita que os fatos falem por si mesmos. A busca da verdade só pode sofrer quando é artificialmente restrita por aqueles que querem impor a ortodoxia materialista por decreto autoritário antes que a investigação ainda nem começou. Esta abordagem, obviamente, suscita a questão, mas, infelizmente, é muito comum entre aqueles que escondem seus preconceitos metafísicos com a autoridade da ciência institucional ou a lei.

Isto é especialmente lamentável, porque a reflexão apenas de um momento é suficiente para concluir que ela é falsa verdade que a ciência deve necessariamente limitar-se a investigação de causas materiais somente. Causas materiais consistem de acaso e necessidade física (as chamadas “leis da natureza”) ou uma combinação dos dois. No entanto, os investigadores do mundo já em Platão reconheceram um terceiro tipo de causa existente – atos por um agente inteligente (ou seja, “design”). A experiência confirma para além do menor dúvida de que o agir por agentes inteligentes freqüentemente resultam em sinais empiricamente observáveis de inteligência. Na verdade, se não fosse assim, teríamos de abandonar forense, para citar apenas um dos muitos exemplos, a partir da rubrica de “ciência”.

Basta olhar ao seu redor. O próprio fato de que você está lendo esta frase confirma que você é capaz de distingui-la de ruído.

Além disso, o DI satisfaz todas as condições normalmente requeridas para a pesquisa científica (ou seja, observação, hipótese, experimento, conclusão):

1. Baseia-se em dados empíricos: a observação empírica do processo de concepção humana, e propriedades específicas comuns a concepção humana e informação biológica (informação complexa especificada ICE).

2. É um modelo quantitativo e internamente consistente.

3. É falsificável: qualquer demonstração positiva que ICE pode ser facilmente gerada por outros mecanismos além de projeto é uma falsificação potencial da teoria DI ( TDI).

4. Faz previsões empiricamente testáveis e frutíferas.



[1] http://reasonandscience.heavenforum.org/t1284-near-death-experience-evidence-of-dualism?highlight=dualism

Simpósio TDI 2015

Por Design Inteligente São Paulo.

 

12043148_611279665679344_7384823282334384595_n
A Sociedade Brasileira do Design Inteligente (TDI-Brasil), seguindo com sua agenda de divulgação sobre o Design Inteligente, têm o enorme prazer de apresentar ao público mais um distinto encontro: O TDI-São Paulo.  O Simpósio será realizado nos dias 04 e 05 de Dezembro de 2015, em parceria com a Universidade Presbiteriana Mackenzie, instituição de grande renome e prestígio acadêmico. O evento será imperdível!!

Contando com uma série de palestras realizadas por cientistas e profissionais das mais diversas áreas, o Simpósio Brasileiro do Design Inteligente de São Paulo abordará assuntos multi e interdisciplinares sobre a teoria que está revolucionando as ciências sobre nossas origens, a TDI.

Além disso teremos um convidado especial entre os palestrantes, o filósofo, escritor e ensaísta Luíz Felipe Pondé. Haverá momentos de grande aprendizado junto com nosso convidado, e uma mesa redonda da qual participará também o Prof. Dr. Marcos Eberlin, presidente executivo da Sociedade Brasileira do Design Inteligente e o coordenador do evento e membro do Comitê Científico da Sociedade Brasileira do Design Inteligente, o Biomédico Dr. Dermeval Reis Junior.

Certamente o evento será de extrema relevância para a Sociedade Brasileira do Design Inteligente, para o Mackenzie e para seus participantes.

O TDI-São Paulo 2015 terá início no dia  04 de Dezembro de 2015, às 20:00 h com cerimônia de abertura e duas palestras. E continuará no dia 05 de Dezembro com a sua programação que pode ser conferida aqui mesmo nessa página, na seção PROGRAMAÇÃO.

 

Os objetivos do TDI-SÃO PAULO:

 

O TDI-São Paulo pretende – como seu alvo maior – reunir os membros da comunidade científica brasileira que entendem que as evidências científicas atuais, em suas mais variadas áreas do conhecimento, apontam hoje para diversas falhas cruciais no paradigma científico sobre nossas origens, a Teoria da Evolução, mas que encontra na TDI a melhor inferência de acordo com os mais recentes dados científicos.

Sendo assim, o maior objetivo do Simpósio é a formação de uma comunidade de cientistas e profissionais que conheçam melhor a TDI e seus fundamentos, que defenda e propague a teoria no Brasil através de palestras, artigos, e midia em geral, utilizando os fundamentos adequados, com conhecimento de causa e com o suporte e referendo da Sociedade Brasileira do Design Inteligente (TDI-BRASIL).

Público alvo do TDI-SÃO PAULO:

A Sociedade Brasileira do Design Inteligente, a TDI-Brasil, reconhece que as Ciências de nossas origens são multi e interdisciplinares, e por isso muito abrangentes, inclusive com fortes implicações históricas, filosóficas e teológicas.

Por essa razão, o TDI-São Paulo terá como público alvo principal a comunidade acadêmica formada por alunos universitários de graduação, mestrado, doutorado e pós-docs, por professores e pesquisadores de escolas, colégios, universidades e centros de pesquisa, bem como por profissionais – de TODAS as áreas do conhecimento científico.

Apesar do Simpósio ser direcionado a estudantes, cientistas e profissionais das mais diversas áreas do conhecimento, estará plenamente aberto para o público interessado em conhecer a TDI, os seus princípios e fundamentação.

Sem dúvida será um encontro de grande relevância, histórico, e portanto imperdível!

Não deixe de participar! Programe-se e venha conhecer melhor a teoria que está contra-revolucionando a Ciência de nossas origens!

 

O que é Teoria do Design Inteligente (TDI)?

Teoria do Design Inteligente de forma resumida e simples.

DA RUÍNA DOS ALICERCES DA SÍNTESE MODERNA A UMA NOVA TENTATIVA: a “síntese integrativa” dos neo-neo-evolucionistas.

By Everton F. Alves

NOBLE (2013), um biólogo de sistemas, alega que a fisiologia está balançando a fundação da biologia evolutiva.

Ele argumenta que “A ‘Síntese Moderna’ (Neodarwinismo) é uma visão genocêntrica da evolução de meados do século 20, com base em mutações aleatórias que se acumulam para produzir uma mudança gradual através da seleção natural“. Em seguida, ele afirma que os cientistas agora sabem que esta visão está errada, porque “mudança genética está longe de ser aleatória, e muitas vezes não gradual.” Noble comenta que, em relação ao ponto de vista neodarwinista, “não é só a visão padrão do século 20 da genética molecular que está em causa. A teoria da evolução em si já está em um estado de fluxo”.

Noble, em seguida, narra que os seguintes pressupostos do neodarwinismo estão errados, tais como:

(1) “mudança genética é aleatória”,

(2) “mudança genética é gradual”,

(3) “na sequência de alteração genética, seleção natural leva a variações de genes específicos (alelos) aumentando em frequência dentro da população”, e

(4) “herança de características adquiridas é impossível”.

 Para refutar cada um desses pressupostos, ele cita alguns exemplos (artigos) de recém-descobertas de herança de características adquiridas (aliás, estudos que a TDI também apresenta como evidências de uma mente inteligente). Noble conclui que o fluxo de estudos durante os últimos 5 anos mostraram que a herança não-mendeliana está cada vez mais acumulando evidências. Ele acrescenta que os exemplos citados por ele sobre a herança de características adquiridas revelam uma grande variedade de mecanismos pelo qual tal herança pode ser alcançada.

Ele, então, propõe um modelo novo e radical da biologia chamado de “Síntese integrativa”, onde os genes não executam o programa, e todas as partes de um organismo – o genoma, a célula, o plano corpóreo, tudo – está integrado. Segundo o autor, “a característica central da síntese integrativa é uma revisão radical do conceito de causalidade em biologia. A priori não existe um nível privilegiado de causalidade. Este é o princípio que eu tenho chamado a ‘teoria da relatividade biológica’. […] Controle é então distribuído, alguns dos quais é herdado, independentemente de sequências de DNA. A revisão do conceito também irá reconhecer as diferentes formas de causalidade. Sequências de DNA são mais bem vistas como causas passivas, porque elas são usadas apenas quando as sequências relevantes são ativadas. DNA por conta própria não faz nada. As causas ativas encontram-se dentro das redes das células, tecidos e órgãos do corpo”.
Esta é uma nítida abordagem da Biologia de sistemas. No entanto, embora Noble não endosse essa conclusão, essa abordagem é muito mais consistente com o design inteligente do que com um modelo baseado em mecanismos evolutivos estritamente desgovernados. Aliás, nos surge a seguinte dúvida: “Esta é uma tentativa de um neo-neo-evolucionista em tomar para si as evidências defendidas pelos inteligentistas? Ou um recém-ex-evolucionista se desprendendo das amarras da ignorância do acaso cego?” Aguardamos os próximos capítulos…

 Referência:

Noble D. Physiology is rocking the foundations of evolutionary biology. Exp Physiol 2013; 98(8): 1235–43.

Link do artigo(PDF)

” Qual a evidência para o Design? “

By Júnior D. Eskelsen

A evidência para o design está na disposição e configuração das estruturas, assim como temos evidente a água em estado sólido com determinada estrutura trivial, assim temos o design por uma configuração estrutural informacional distinta.

Em qualquer lugar na face deserta de Marte por exemplo, caso encontrado um objeto desconhecido com design, ele é facilmente reconhecido independente conhecimento de função, origem ou composição da estrutura.

Podemos destacar: nodos de escolha, chaves configuráveis inertes, informação rescritiva e codificação otimizada que são mais do que suficientes, bastaria uma pedra lascada anormal para o caso.

Analogias como as de “poças de água” tem sido utilizadas para descaracterizar o Design.

 

P = Design
Q = Causa sobrenatural
P → Q
¬ Q
∴ ¬ P
Design implica em causa sobrenatural.
Não temos causa sobrenatural.
Não temos Design.

 

Ocorre que não usamos e nem dependemos dessas premissas:

” Nenhuma das premissas depende de entidade inteligente, as conclusões seguem das premissas, se elas
fulminam o pensamento de alguém, quer goste ou não, não altera a realidade.”

 

Modus ponens
P → Q
P
∴ Q

P = Nodos de escolha
Q = Inteligência

Nodos de escolha implicam em inteligência
Temos nodos de escolha.
Consequentemente temos inteligência.

 

Modus tollens

P → Q
¬ Q
∴ ¬ P
P = Nodos de escolha
Q = Inteligência

Nodos de escolha implicam em inteligência
Não temos inteligência.
Consequentemente não temos nodos de escolha.

 

Isso é refutar uma ideia que não representa nada na realidade do contexto empírico do Design, e existem detalhes simples e nem sequer chegamos neles.

” Causa suficiente não implica em ser necessária. “

Design vs Gravidade vs Big Bang vs Vida

P = Design
Q = Inteligência (Natureza desconhecida)
P → Q
P

∴ Q : onde Q é invalidado pelos críticos.
P = Massa
Q = Força Gravitacional (Natureza desconhecida)
P → Q
P

∴ Q : onde Q também deveria ser invalidado pelos críticos.
P = Universo
Q = Big Bang (Natureza desconhecida)
P → Q

∴ Q : onde Q também deveria ser invalidado pelos críticos.
P = Seres vivos
Q = Vida (Natureza desconhecida)
P → Q
P

∴ Q : onde Q também deveria ser invalidado pelos críticos.

Ou seja, não consigo explicar a natureza de Q, portanto Q como causa de P é inválido.

Isso pode ser generalizado para toda ciência.

Respondendo novamente a objeção quem projetou o Designer.

Postado por Barry Arrington

 

(Tradução livre)

Na minha pós (post) anterior, Calvins Bulldog veio com algumas questões interessantes que formulo aqui:

Calvin, Obrigado por seus comentários.

Enquanto ID tenta ser confortavelmente agnóstico sobre o designer, os cristãos ortodoxos sabem que o designer não é outro senão Deus

Gostaria de colocar o caso um pouco diferente. Eu diria que os cristãos ortodoxos “acreditam” que o designer não é outro senão Deus.

Aqui surge a questão de categoria  da ontologia /  epistemologia novamente.

Ontologicamente (a realidade da matéria), o design é óbvio. Mesmo Dawkins admite que a aparência de design possui Epistemologia (o que podemos saber sobre o projeto) “esmagadora”.

Sem dúvida os dados garantem que foram projetados. Em face disso, operando de forma empírica, o que podemos saber sobre o designer? Não muito diferente do que ele / ela / isto é capaz de projetar e deixar para trás as marcas de design que garante a própria inferência de design. Os dados, que estão “na sua cara”, não dão autorização para um cristão (nem ninguém)  inferir que Deus é necessariamente o designer. Dizer que Ele não seria o designer, simplesmente, também, seria falso. Certamente Deus é um candidato plausível para o designer (duh), e é o que muitos proponentes do DI (inclusive eu) acreditam. Mas a questão é se os dados obrigam a essa conclusão. Eles não o fazem. Você diz que o ID é “confortavelmente agnóstico” sobre o designer. Eu diria que ID é “modestamente agnóstico” sobre o designer, porque ID não empurra suas conclusões para além do que os dados estão suportando.

Resumo:

Ontologia:
É óbvio que muitas características dos seres vivos foram criados por um agente inteligente com um propósito.

Epistemologia:
(1) Sabemos empiricamente o que um designer fez.
(2) Um cristão crê pela fé que o designer é Deus.
(3) Dizer que os dados empíricos obrigam à conclusão de que o designer é Deus, é simplesmente falso.
(4) Quando ID recusa-se a dizer que os dados empíricos que estão “na sua cara” obrigam à conclusão de que o designer é Deus, não é ser tímido ou falso. É simplesmente dizer a verdade.

Por enquanto defensores do ID propõem um designer, que filosoficamente é  coibido de se revelar qualquer coisa sobre ele, ou, na verdade, até mesmo  especular muito sobre esse designer. Isso é bastante intrigante

Eu não sei por que deveria ser intrigante. Como explicado acima, o proponente do ID faz conclusões que são garantidas (na verdade, praticamente obriga) pelos os dados (ou seja, muitos aspectos da vida são melhor explicadas por design). O proponente do ID não diz que os dados obrigam a uma conclusão  que os dados não obrigam; como uma questão estritamente lógica, obriga (ou seja, o designer é Deus).

Então, eu tenho medo. Eu não vejo onde a lógica de Spearshake  quebra. Ele está sendo perfeitamente coerente com a sua própria posição.

É claro que Spearshake não está a ser coerente dentro de sua própria posição. Sua posição assenta em dois pressupostos: (1) que os atos sobrenaturais são absolutamente desnecessários para a vida começar e evoluir. (2) Se um designer projetou a vida, esse designer deve ser sobrenatural. Você não vê que o primeiro pressuposto não só não é consistente com o primeiro pressuposto; ele é de facto absolutamente excluído pela primeira suposição.

Ele, com razão,  identifica que o único candidato racional para o designer, mesmo no quadro do Design Inteligente é Deus.

Não, Spearshake acredita que a vida nada mais é do super-sofisticada física e química. Dado que a premissa “Deus é o designer” não é, como você sugere, a única conclusão racional. Certamente “Deus é o designer” é uma conclusão plausível. Mas para que a conclusão como única racional, “Deus é o designer” teria de ser a única conclusão possível. Como expliquei acima, se, como diz Spearshake, tudo é apenas química e  física, “Deus é o designer” não é a única conclusão possível.

As próprias premissas de Spearshake o impede de dizer que um ato sobrenatural é necessária para a vida começar e depois evoluir.

O problema aqui deve ser bastante óbvio: esta é uma receita para uma regressão infinita. . . . o velha castanheira atéia, finalmente, torna-se relevante: “Quem projetou o projetista?”

Sim, é uma castanha, uma castanha que foi refutado tantas vezes temos que colocar a resposta no WAC (Clique em “Recursos” acima – [aba do UD]) cito WAC 22 na íntegra.:

22] quem projetou o projetista?

Teoria do design inteligente busca apenas  determinar se um objeto foi ou não projetado.Desde que estuda apenas os efeitos empiricamente evidentes de design, ela não consegue detectar diretamente a identidade do designer; muito menos, ela pode detectar a identidade do “designer do designer.” Ciência, per se, só pode discernir a implicação baseada em evidências de que um designer foi uma vez presente.

A única maneira de resolver isso é a postular um designer inteligente que existe fora da natureza – que é, por definição, um ser sobrenatural.

Por uma questão de lógica isso é simplesmente falso. Não há outra maneira de resolver a questão. E é um erro dizer “os dados empíricos obrigam à conclusão que havia uma designer. Os dados empíricos não obrigam qualquer conclusão sobre a identidade do designer “

 

 

 

 

Fonte deste texto