Darwinismo e neodarwinismo: como ambas as sínteses têm sido refutadas pelo avanço da ciência.


By Teoria do Design Inteligente

Apesar de não ser amplamente divulgado ao público, a verdade é que a síntese moderna evolutiva (ou também, teoria sintética da evolução (TSE)), informalmente conhecida como neodarwinismo, está com seus dias contados. Tornou-se difícil ignorar/omitir o quanto as evidências reveladas nas últimas décadas contradizem-na, sendo esta a principal razão pela qual uma ala crescente entre os darwinistas esteja propondo sua “ampliação”, como divulgado anteriormente, ou, no caso de Denis Noble (renomado fisiologista), seu completo descarte e substituição imediata.

Essa síntese surgiu na primeira metade do séc. XX, após um esforço conjunto por parte de Fisher, Haldane, Wright, Dobzhansky, Mayr, Simpson, J. Huxley, Stebbins, entre outros, visando unificar a evolução com as leis da hereditariedade apresentadas primeiramente por Gregor Mendel, que em sua época não recebeu atenção por parte do meio acadêmico, fazendo seus estudos caírem no esquecimento até serem redescobertos no início do século passado pelos botânicos C.E. Correns, E. Tschermak e H.M. de Vries (Randy Moore 2001).

Tais leis se mostraram incompatíveis com o que Darwin postulou. Ele não fazia ideia de que os caracteres eram regidos e transmitidos pelo material genético; acabou cogitando a ideia de que cada organismo seria como um “pequeno Universo”, onde suas partes se reproduziriam de maneira independente (Kenneth M. Weiss and Anne VB. 2014) e as variações ocorridas dentro do seu corpo seriam transmitidas aos gametas (células reprodutivas, como óvulos e espermatozoides) através das hipotéticas “gêmulas” (Darwin 1868, cap. 27; Brian and Deborah C. 2009). Consequentemente, tais modificações seriam herdadas pelos filhos, levando à descendência com modificação, que então passariam pela ação da seleção natural, responsável por eliminar indivíduos com caracteres prejudiciais e manter aqueles com variações que promovessem sua sobrevivência e capacidade de reproduzir.

As leis mendelianas causaram um verdadeiro frisson no meio acadêmico, trazendo fortes questionamentos sobre a legitimidade da teoria darwiniana e seu mecanismo de hereditariedade baseado em “blending inheritance”, isto é, a mesclagem/mistura dos materiais (genéticos) do pai e da mãe herdados pelos filhos (Alan R. Rogers 2015). Por conta disso, Darwin via o conceito de espécies como uma mera demarcação arbitrária imaginária e que os seres vivos estariam todos sob um processo contínuo de diversificação e gradual modificação (M. Pigliucci and G. Muller 2010).

A primeira metade do século foi palco de uma disputa acirrada entre os chamados mutacionistas (encabeçados por H. de Vries, rejeitavam a seleção natural e estipulavam que a evolução ocorreria através de mutações nos genes que confeririam grandes modificações, levando à especialização) e os biometristas, liderados por Karl Pearson (defendiam a seleção natural como causa principal da evolução, agindo por meio do acúmulo de variações individuais ínfimas que não seriam sujeitas às leis da hereditariedade (Ayala and Walter 1997)).

Tal embate só cessou após a divulgação contínua de diversos trabalhos teoréticos de geneticistas como Fisher e principalmente Theodosius Dobzhansky, que veio a publicar o livro “Genetics and the Origin of Species” (Genética e a origem das espécies) em 1937, fator crucial para a ampla aceitação da síntese moderna por parte dos biólogos. Em sua obra, o soviético defendia que mutações eram a fonte da variação hereditária, discutiu o papel da reorganização dos cromossomos, da poliploidia (mutação onde ocorre a cópia de um ou mais cromossomos em um mesmo núcleo. Ocorre com frequência em vegetais mas não em animais, por ser muito nociva aos últimos (J. Frazer 2013; B. Wertheim et al. 2013)), a variação em populações naturais, seu isolamento geográfico, enfim.

Sem surpresa alguma, como Michael Rose e Todd Oakley deixam claro em seu artigo (2007), o sucesso e a aceitação de ambas às sínteses pelo mundo acadêmico se deram por conta da ignorância da época! Como já dito acima, Darwin nada sabia sobre as leis mendelianas, genes, enfim; já sobre a TSE, seus proponentes visualizavam o genoma como uma biblioteca simples ordenada contendo informação hereditária (genes) moldada pela seleção natural (Michael and Todd 2007).

Antes dos anos 50, áreas como a biologia molecular, a bioquímica e a genética ainda engatinhavam, o DNA não tinha sido descoberto ainda, tudo isso contribuiu para a concepção de conceitos tão rudimentares e simplórios acerca dos genomas por parte dos darwinistas. Pior ainda, essa linha de pensamento influenciou fatidicamente o meio acadêmico, causando diversos equívocos, como notado por exemplo, no chamado dogma central da biologia molecular, eternizado por Francis Crick na década de 50 (Crick FH. 1958), onde ele estabeleceu o esquema “gene → RNA mensageiro → proteína ( = traço) ” (Sui Huang 2011). Ou seja, cada gene continha o material genético suficiente para produzir uma proteína, que por sua vez, seria sozinha responsável por um determinado traço (fenótipo) de um ser vivo, tudo de maneira linear e sem a intervenção de qualquer outro tipo de elemento regulatório.

Talvez por isso, até pouco tempo atrás, achava-se que humanos deveriam possuir entre 50 e 100 mil genes (ex.: Cooper GM. 2000). Nada comparado à estimativa feita por F. Vogel, em 1964, que deduziu a existência de 6.7 milhões de genes (Vogel F. 1964). Se cada característica humana fosse regida por uma ou poucas proteínas, como pensavam, seria então compreensível esperar que tivéssemos um número extenso delas, o que explicaria nossa complexidade em relação a organismos mais simples, como nematoides e amebas… Mas, para o espanto dos darwinistas (vide Bin Xue and Lin He 2014), hoje é fato que o nosso genoma não possui mais do que 22-23 mil genes (Mihaela P. and Steven L S. 2010)!

Outro conceito equivocado promovido pela TSE foi o famoso e polêmico “DNA lixo” (Junk DNA em inglês). Esse termo foi usado oficialmente pela 1ª vez em 1972, por Susumu Ohno, em um artigo entitulado: “Um monte de DNA “lixo” em nosso genoma” (“So much “junk” DNA in our genome”), defendendo, como esperado, que a maioria do DNA seria inútil justamente por não codificar proteínas. Essa gafe não é nem a pior parte da história, o pior é observar à inaceitável relutância dos darwinistas atuais em abrir mão desse conceito defasado, como notado na disputa entre eles e os líderes do ambicioso projeto ENCODE.

A era genômica

A partir da segunda metade do século anterior, o mundo científico testemunhou o gradual colapso do modelo neodarwinista. Conforme as pesquisas avançavam e novos métodos eram implementados, a simplória “biblioteca” do genoma ia revelando-se cada vez mais complexa e antagônica ao que foi proposto pelo “dogma” molecular. Na década de 50, Watson e Crick desvendaram a estrutura da dupla hélice do DNA (Watson JD, Crick FH 1953), um dos fatos cruciais para a era genômica.

É interessante notar que Crick, perplexo diante da elegante complexidade e arquitetura do DNA, acabou desprezando a origem dessa molécula por meio da evolução darwiniana, em vez disso, defendendo a hipótese da panspermia dirigida/guiada, junto com ninguém menos do que Leslie Orgel. Seu artigo relata:

Como alternativa a estes mecanismos do século XIX [teoria de Darwin], levamos em consideração a Panspermia Dirigida, teoria que [atesta que] organismos foram deliberadamente transmitidos à Terra por seres inteligentes de outro planeta” (F.H. Crick and L. Orgel 1973)

Nem preciso dizer que tal proposição foi ridicularizada e caiu no esquecimento, já que qualquer ideia que envolva design inteligente da vida é algo inaceitável para o meio acadêmico (mesmo apesar de vários ícones do meio apoiarem essa noção, a exemplo de Fred Hoyle, astrônomo inglês agnóstico, que teve o prêmio Nobel de Física negado justamente por defender que um “superintelecto” ajustou as leis físicas, químicas e biológicas (Hoyle 1982).)

A descoberta e o impacto dos elementos transponíveis

Ainda na década de 50, Barbara McClintock publicou seus estudos com milho onde encontrou elementos genéticos móveis (“genes saltitantes”) (McClintock B. 1950). Isso deu início à descoberta de uma nossa e abundante classe: os elementos transponíveis (transpósons), encontrados em todos os domínios da vida. Interessante notar que tais elementos só passaram a ser amplamente aceitos pela comunidade duas décadas após sua publicação, e Barbara só veio a ganhar seu Nobel em 1983 (W. F. Doolittle et al 2013)… Porque será…

Hoje sabe-se que transpósons compõem cerca de 45% do genoma humano (e pode compor até 90% do genoma de certas plantas), cujas variedades incluem: transpósons DNA e retrotranspósons, sendo que os últimos são divididos em LTRs (long terminal repeat), chamados de retrovírus endógenos em humanos (HERVs) e não-LTRs (que incluem elementos LINE-1, Alu e SVA) (S. Ayarpadikannan and Heui-Soo K. 2014).

Esses elementos possuem papel importante na regulação genética e epigenética dos organismos, programação em células germinativas e células-tronco, resposta contra estresses ambientais, além de contribuir com a diversidade eucariótica e complexidade de inúmeros órgãos, incluindo o cérebro humano (Erwin, Jennifer A. et al 2014; S. Ayarpadikannan and Heui-Soo K. 2014; P. Kumar Singh et al 2014; Makarevitch I et al 2015). Cientistas ainda estão começando a desvendar a relação entre o desregulamento dos elementos transponíveis e o câncer (Bin Xue and Lin He 2014), e sabe-se que esses elementos podem, raramente, causar mutações (nada mais do que 0.3% do total) (S. Ayarpadikannan and Heui-Soo K. 2014).

Finalmente, é sabido que esses elementos são superabundantes em procariontes (seres unicelulares), assim como a troca constante de genes entre as cepas através da transferência horizontal de genes, responsável pela proliferação da resistência contra antibióticos, pela adaptação, enfim. Porém, mais do que isso, essas transferências são responsáveis pelo verdadeiro mosaico genético indistinguível entre as bactérias, fato que derruba o conceito de “árvore da vida” vislumbrado por Darwin (fixado à ideia de que todos os seres vivos se originaram de um mesmo ancestral, se ramificando posteriormente em vários “galhos”, que seriam as diversas classes taxonômicas da vida.) como demonstrado por análises filogenéticas, levando certos darwinistas a conceberem, em vez disso, uma “rede” ou “floresta” da vida (E.V. Koonin et al 2012).

Bem, encerramos a 1ª parte por aqui; na parte 2 daremos continuidade à era genômica, discutiremos sobre a revolução pós-genômica causada pelo projeto ENCODE e pela multidão de dados obtidos através dos recentes métodos de larga escala (high-throughput) e como isso tudo tem abalado as fundações da TSE e demonstrado a extraordinária complexidade da vida.

Por Wallace Barbosa

Revisão: Marcos Ariel e Eskelsen

Referências

Alan R. Rogers (2015) Rate of Adaptive Evolution under Blending Inheritance. ArXiv: 1504.00374v1 [q-bio.PE] 1 Apr 2015

Ayala F. J. and Walter M. Fitch (1997) Genetics and the origin of species: An introduction.

Bin Xue and Lin He (2014) An expanding universe of the non-coding genome in cancer biology. Carcinogenesis (2014) 35 (6): 1209-1216. doi: 10.1093/carcin/bgu099

Brian and Deborah Charlesworth (2009) Darwin and Genetics. Genetics 183, 757–766.

B.Wertheim, L.W. Beukeboom, L. van de Zande. (2013). Cytogenet Genome Res 2013;140:256–269 DOI: 10.1159/0003519

Cooper GM.Sunderland (2000) The Cell: A Molecular Approach. 2nd edition. (MA): Sinauer Associates.

Crick FH. (1958) On protein synthesis.Symp Soc Exp Biol 12: 138–63.

Crick FH., Orgel. L. (1973). Directed Panspermia. Icarus Volume 19, Issue 3, July 1973, Pages 341-346 Elsevier

Darwin, C. R., (1868) Variation of Animals and Plants Under Domestication. John Murray, London.

Erwin, Jennifer A., Maria C. Marchetto, Fred H. Gage (2014) Mobile DNA elements in the generation of diversity and complexity in the brain. Nature Reviews Neuroscience 15, 497–506 (2014) doi:10.1038/nrn3730

E.V. Koonin, Y.I. Wolf, and P. Puigbò (2012) The Phylogenetic Forest and the Quest for the Elusive Tree of Life. Cold Spring Harb Symp Quant Biol. 2009; 74: 205–213. Published online 2009 Aug 17. doi: 10.1101/sqb.2009.74.006

Kenneth M. Weiss and Anne V. Buchanan (2014) Is Life Law-Like? Genetics August 1, 2011 vol. 188 no. 4 761-771 doi: 10.1534/genetics.111.131318
J. Frazer (2013) For Plants, Polyploidy Is Not a Four-Letter Word. Blog Scientific American. May 19, 2013
Hoyle, F. (1982) The Universe: Past and Present Reflections. Annual Review of Astronomy and Astrophysics: 20:16.
Makarevitch I, Waters AJ, West PT, Stitzer M, Hirsch CN, Ross-Ibarra J, et al. (2015) Transposable Elements Contribute to Activation of Maize Genes in Response to Abiotic Stress. PLoS Genet 11(1): e1004915. doi:10.1371/journal.pgen.1004915

McClintock B. (1950) The origin and behavior of mutable loci in maize. Proc Natl Acad Sci USA 1950, 36:344-355.
M. Pigliucci and G. Muller (2010) Evolution—the Extended Synthesis. The MIT Press, London, England.

Michael R Rose and Todd H Oakley (2007) The new biology: beyond the Modern Synthesis. Biology Direct 2007, 2:30 doi:10.1186/1745-6150-2-30

Mihaela Pertea and Steven L Salzberg (2010) Between a chicken and a grape: estimating the number of human genes. Genome Biol. 2010; 11(5): 206. doi: 10.1186/gb-2010-11-5-206
P. Kumar Singh, G. Bourque, Nancy L Craig, Josh T Dubnau, Cédric Feschotte, Diane A Flasch, Kevin L Gunderson, Harmit Singh Malik, John V Moran, Joseph E Peters, R Keith Slotkin and Henry L Levin (2014) Mobile DNA 2014, 5:26 doi:10.1186/1759-8753-5-26

Randy Moore (2001) The “Rediscovery” of Mendel’s Work. Bioscene, Volume 27(2) May 2001.

S. Ayarpadikannan and Heui-Soo Kim (2014) The Impact of Transposable Elements in Genome Evolution and Genetic Instability and Their Implications in Various Diseases. Genomics Inform. 2014 Sep; 12(3): 98–104. Published online 2014 Sep 30. doi: 10.5808/GI.2014.12.3.98

Sui Huang (2011) The molecular and mathematical basis of Waddington’s epigenetic landscape: A framework for post-Darwinian biology? Bioessays DOI: 10.1002/bies.201100031

Vogel F. (1964) A preliminary estimate of the number of human genes. Nature. 1964 Feb 22; 201():847.

Watson JD, Crick FH (1953) Molecular structure of nucleic acids; a structure for deoxyribose nucleic acid. Nature 1953, 171:737-738.

W. F. Doolittle, Peter Fraser, Mark B Gerstein, Brenton R Graveley, Steven Henikoff, Curtis Huttenhower, Alicia Oshlack, Chris P Ponting, John L Rinn, Michael C Schatz, Jernej Ule, Detlef Weige and George M Weinstock (2013) Sixty years of genome biology. Genome Biology 2013, 14:113 doi:10.1186/gb-2013-14-4-113

Não será permitido neste blog, insultos, palavras frívolas, palavrões, ataques pessoais, caso essas regras não sejam seguidas não perca seu precioso tempo postando comentário. Qualquer comentário que violar a política do blog será apagado sem aviso prévio. Na persistência da violação o comentador será banido.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s