Sei Que Deus Existe.


O militante ateu e ardente evolucionista Ludwig escreveu no seu blog um post com o título “Sei Que Deus Não Existe“, onde ele tenta, de forma lógica, explicar o porquê de rejeitar a existência de Deus. Embora ele tente refutar todas as concepções de Deus com uma só “vassourada”, o seu post tem como ponto principal o Deus da tradição Judaico-cristã.

 

Uma coisa que eu reparei no post é que o Ludwig tem mostrado alguma dificuldade em ter uma concepção realista de Deus.

 

O Ludwig diz:

 

Algo existe se forem verdadeiras todas as proposições que o caracterizam.

 

Ele depois dá o exemplo da aranha encarnada no tecto

 

Por exemplo, existe uma aranha encarnada no tecto do meu quarto se for verdade que é aranha, que é encarnada e que está no tecto do meu quarto. Se uma destas for falsa então não existe uma aranha encarnada no tecto do meu quarto.

 

Até aqui tudo +/- bem. O problema começa quando ele diz:

 

Em suma, sei que o Deus cristão não existe porque tenho razões para concluir que nem todas as proposições que o caracterizam são verdadeiras.

 

Mas agora convém perguntar: quais proposições? Aquelas que o Ludwig concluiu que devem ser as “sine-qua-non” para a existência de Deus? Uma coisa é eu exigir que Deus se manifeste de uma certa forma, outra é eu deixar que as evidências falem.

 

Estou-me a lembrar do debate entre o filósofo cristão Greg Bahsen e o ateu Gordon Stein, onde o último disse que acreditaria em Deus e Ele fizesse levitar uma mesa em frente durante alguns minutos. Com este nível de “requerimentos”, é fácil ser-se ateu!

 

O Ludwig faz o mesmo erro. Ele define as proposições que ele considera serem as válidas, e diz que, como essas são falsas (segundo ele), então o Deus da Bíblia não existe.

 

Não acho que seja lógico operar-se assim. Eu acho que pela Natureza do assunto (Deus) este nível de exigências reduz em muito a dimensão do debate.

 

Se nós estamos a falar de Um Ser Sobrenatural, que actuou na história, na geologia, na biologia, na antropologia, mas que nem sempre actua de forma sobrenatural, o nível de exigências têm que levar isso em conta.

 

O Ludwig, neste post, não chegou a qualificar Deus, mas em traços gerais pode-se qualificá-Lo da seguinte forma:

“O Deus que fez o mundo e tudo que nele há, sendo Senhor do céu e da terra, não habita em templos feitos por mãos de homens;Nem tão-pouco é servido por mãos de homens, como que necessitando de alguma coisa; pois Ele mesmo é quem dá a todos a vida, e a respiração, e todas as coisas;

E, de um só, fez toda a geração dos homens, para habitar sobre toda a face da terra, determinando os tempos já dantes ordenados, e os limites da sua habitação;

Para que buscassem ao Senhor, se, porventura, tacteando, o pudessem achar; ainda que não está longe de cada um de nós” – Actos 17

Podemos vêr que Deus é o “Criador”, “Senhor dos céus e da Terra”, “Auto-suficiente”, “Sustentador”, “Imaterial”, “Omnipotente”, “Omnisciente”, etc, etc.

Tendo em conta isto, vamos vêr as proposições que o Ludwig “exige” para crêr na existência de Deus.

 

Algumas parecem claramente falsas. Tudo indica ser impossível que algo imaterial seja consciente.

 

Aqui vêmos a filosofia de vida do Ludwig a “classificar” uma proposição de falsa. Como é que o Ludwig sabe que um ser imaterial não pode ser consciente? O Ludwig “sabe” disso porque assume que assim seja, não porque tenha evidências em favor do que ele disse.

 

Segundo, se a nossa consciência é apenas matéria (químicos), então o que nós pensamos nada mais é que apenas o que os químicos nos “dizem” para pensar. Que razão temos nós para confiar nas nossas capacidades cognitivas?

 

O ateísmo refuta toda a base para se confiar na nossa mente, e desde logo, como ateu, o Ludwig não pode confiar naquilo que pensa. São só químicos em movimento.

 

No entanto, se Deus existe, e se nós fomos criados à Sua Imagem e Semelhança (Génesis 1:26-27), então temos fundamento para confiar nas nossas capacidades mentais. Embora o mundo em que vivêmos esteja sob a maldição do pecado (Génesis 3:17), nós ainda retemos a Imagem de Deus em nós, e a nossa mente é o reflexo da Mente de Deus – embora num nível bem inferior.

 

Resumindo este ponto: se a consciência é apenas matéria, então não há razão para confiar nela. Se a consciência vai para além do mundo material, e se foi feita à Imagem de Deus, então há razões para se confiar nos nossos pensamentos. Desde logo, se é impossível que algo imaterial seja consciente, então não razões para se confiar na crença que diz “tudo indica ser impossível que algo imaterial seja consciente

 

É contraditório ser omnisciente e livre ou agir quando se existe fora do tempo.

 

Isto são anúncios filosóficos, e não factos. Como é que o Ludwig sabe que é contraditório ser Omnisciente e livre, ou agir fora da dimensão do tempo?

 

A doutrina da trindade não faz sentido nem é razoável aceitar que Deus é Jesus, que nasceu de uma virgem, ressuscitou, salvou todos pelo seu sacrifício e assim por diante.

 

Note-se que o Ludwig não disse o porquê da Trindade não “fazer sentido”, nem disse o porquê de não ser “razoável” acreditar-se que “Deus é Jesus”, no nascimento de uma virgem, na ressurreição, nem no Sacrifício Expiatório.

 

Todos sabemos que num blog é difícil uma pessoa expandir-se como provavelmente desejaria, mas se calhar não era má ideia oferecer uma razão para a “falta de sentido” ou a falta de “razoabilidade” desta ou daquela crença.

 

Convém dizer que nenhum cristão acredita que Deus é Jesus.

 

Vejo boas razões para rejeitar muitas das proposições que caracterizam Deus por serem incoerentes ou contrárias às evidências. É principalmente por isso que sei que ele não existe.

 

Contrárias as evidências, ou contrárias as interpretações que o Ludwig faz das evidências?

 

Mas os cristãos defendem que o seu deus é excepção e não pode ser conhecido pela ciência.

 

Tudo depende do que o Ludwig define como “ciência”. Se a “ciência” é apenas o naturalismo aplicado, então, obviamente, Deus não pode ser encontrado através de uma actividade que rejeita à priori qualquer causa ou efeito que não seja naturalista.

 

No entanto, se por ciência o Ludwig tem em mente a actividade que testa todas as hipóteses, sem rejeitar nenhuma hipótese por motivos filosóficos, então pode-se dizer que podemos “conhecer” Deus.

Obviamente que a ciência não é a melhor forma de se conhecer a Deus, da mesma forma que as pegadas que eu deixo na praia não são suficientes para as pessoas saberem quem eu sou. No entanto, a ciência aponta para o Sobrenatural, tal como as evidências numa cena de crime apontam para o culpado.

 

A Melhor Forma para se conhecer a Deus é a Pessoa do Senhor Jesus Cristo (Lucas 10:22, João 14:6). Nele vêmos como Deus é, como Deus opera, ama, cuida, cura e conforta.

 

Ou seja, nenhuma das propriedades de Deus pode se inferida daquilo que observamos.

 

Esta frase assume que o Ludwig conhece TODAS as propriedades de Deus, e que já observou TUDO o que havia para observar. Uma vez que o Ludwig não sabe todas a propriedades de Deus, e nem observou tudo, esta frase é mais uma postulação filosófica feita no nome da “lógica”.

 

Postular que Deus está fora de tudo o que conhecemos e é uma excepção a qualquer inferência torna impossível determinar as suas propriedades.

 

Torna-se impossível, se nós assumirmos que Deus não comunica com os homens que ele criou. No entanto, como nem todos partilham desta pressuposição, mais uma vez vêmos uma crença pessoal a moldar o nível de exigência.

 

Segundo, o facto de que Deus existe para além das nossas capacidades sensoriais não invalida que Ele Se possa manifestar pontualmente de forma que os nossos sentidos possam observar. O Profeta Moisés viu com os seus olhos a Sarça Ardente, e ouviu com os seus ouvidos a Voz de Deus que saía de Dentro da Sarça (Êxodo 3).

 

Qualquer cristão rejeita as hipóteses que Deus ditou o Corão, que Deus é um Boddisatva, que Deus é Vishnhu ou Rama ou Odin. Não porque as possa refutar, pois estão todas igualmente fora daquilo que se pode testar.

 

Não necessariamente. Uma vez que acreditamos naquilo que a Bíblia diz (e até hoje não temos razão para duvidar), tudo aquilo que vai contra aquilo que Deus disse é falso. As outras “religiões” dizem coisas que não só vão contra as nossas observações, mas vão contra aquilo que o Criador disse. Eu poderia dar-te exemplos em como o Islão, por exemplo, vai contra a história, a ciência observável e a lógica. O mesmo pode ser feito do Budismo, do Hinduismo, etc, etc.

 

Não rejeitamos os outros deuses porque não podemos testá-los, mas porque temos forma de testá-los, e vimos que são falsos.

 

Mas porque são mera especulação e a probabilidade de acertar nisto à sorte é ridiculamente pequena. Eu aplico o mesmo princípio às hipóteses que Deus inspirou a Bíblia, que encarnou em Jesus, que nos deu mandamentos e assim. É tudo pura especulação e vai tão longe do que se justificaria inferir que não merece qualquer confiança. Posso afirmar que isso está errado e que esse deus, definido dessa forma, não existe.

 

O Ludwig não nos disse como é que sabe que é TUDO especulação. Como é que ele sabe que é especulação que Deus incarnou na Pessoa do Senhor Jesus Cristo? Provavelmente ele “sabe” disso porque ASSUME que tais coisas nunca podem acontecer. Tal como tinha dito em cima, o Ludwig usa a sua filosofia de vida como forma de refutar o Sobrenatural.

 

Se os cristãos rejeitam a possibilidade de testar as suas hipóteses alegando que não se pode confrontá-las com a nossa experiência então já sei que são falsas.

 

Talvez tenha lido mal, mas será que o Ludwig está a dizer é que aquilo que não pode ser testado é automaticamente falso? Então que fazer da crença que diz que os dinossauros evoluíram para pássaros? Que dizer da crença que defende que o mundo material é TUDO o que existe? Como é que testamos isso? Como é que testamos a evolução de um animal terrestre para uma colossal baleia?

Usando o critério proposto pelo Ludwig, podemos concluir que, uma vez que tais coisas não podem ser testadas, então são falsas.

 

Se querem defender que há evidências a favor das suas conclusões então têm que prescindir da alegada imunidade aos factos observáveis e avaliar cada hipótese à luz daquilo que conhecemos.

 

Eu nunca li ou ouvi um cristão a dizer que Deus é “Imune aos factos observáveis”. O Ludwig também não definiu o que ele entende como “imune aos factos”.

 

Mas será que os factos observáveis estão contra aquilo que Deus diz na Bíblia? Então vejamos:

 

1. Deus diz que os animais vão-se reproduzir de acordo com o seu “tipo” (heb: “bara” – Génesis 1). O que é que observamos? Gatos dão à luz gatos, cães, cães, etc, etc. Ou seja, o que observamos está de acordo com a Bíblia.

 

2. Deus diz que houve um Dilúvio que cobriu toda a Terra (Génesis 6-9). Se isto é verdade, o que é que encontraríamos no registo fóssil? Milhões de coisas mortas enterradas em camadas rochosas que foram depositadas pela água. Curiosamente, é exactamente isso que encontramos.

 

3. A Bíblia diz que os dinossauros e o homem sempre viveram lado a lado. O que é que os achados mostram? Exactamente isso.

 

Muitos outros exemplos poderiam ser dados, mas o que importa ressalvar é que, até hoje, que eu saiba, não foi observado nada que contradiga a Palavra do Criador. Nem poderia ser de outra forma, uma vez que Ele estava lá quando as coisas aconteceram, e nós não.

Conclusão:

O que este post mais uma vez mostra é o peso que as nossas pressuposições têm quando investigamos o mundo à nossa volta, e principalmente quando interpretámos os factos passados. O Ludwig é um firme crente no naturalismo, e como tal, qualquer evidência que vá contra o naturalismo tem que ser rejeitado ou re-interpretado.

 

Para o cristão isto não deve ser surpresa porque Deus diz:

Salmo 14:1
Diz o néscio no seu coração: Não há Deus. Os homens têm-se corrompido, fazem-se abomináveis em suas obras; não há quem faça o bem.

Convém reparar que Deus põe a rejeição da Sua pessoa não ao nível intelectual mas ao nível moral. As pessoas rejeitam Deus não por razões intelectuais, mas devido à sua própria moralidade.

 

Que existem evidências que facilmente mostram que tem que existir Um Criador é por demais óbvio. No entanto, que existem pessoas que rejeitam, ignoram ou reinterpretam as evidências de modo a manterem-se a sua filosofia de vida, é também por demais claro.

 

fonte :  http://darwinismo.wordpress.com/2011/09/03/sei-que-deus-existe-2/#comment-15041

11 comentários sobre “Sei Que Deus Existe.

  1. Toda religião tem um crédulo, cristianismo, budismo, judaísmo ou afins são comuns nisso. Mas afirmar a existência de um Deus através da ciência ou tentativas ” racionais ” não parecem levar a nada. Não acredito na existência de deuses pessoais(que protegem, amam e retribuem seus fieis). Mas muitos que se alegam ateus tem um dilema, o famoso ” acaso ”, que também por muitos é considerado de forma errônea como ” então tudo veio do nada ”. A relação entre nada e acaso simplesmente não existe, ninguém afirmar(eu acho) que nada veio do nada, porém, de alguma forma isso acabou caindo na língua do povo.

    Acaso simplesmente é algo que não acontece com objetivo ou finalidade, ou qualquer derivado nesse sentido. Como Agnóstico, não acredito que haja um motivo para existir vida, motivo como um ser inteligente criando cada estrelinha, células e formação de indivíduos. Creio que tudo se encaixa perfeitamente em um processo natural e espontâneo, sem interferência externa, assim como de milhares de espermatozoides apenas um conseguir fecundar(sim, eu sei que existem casos de gêmeos, tri-gêmeos e a penca, mas vamos descartar estes apenas dessa vez, está bem ?), há quem diga que esse fato entre milhares e apenas um seja uma seleção ” divina ”, já ouvi isso, não sei se todo aquele que crê pensa assim, mas de qualquer forma, eu discordo, afinal, o que aconteceria com os outros milhares ? Seriam simplesmente descartados ?

    Quando penso em um Deus, não tento lhe atribuir moral, não o imagino dizendo o que é certo ou errado, afinal, cada um de nós possuímos uma opinião, conceito e inúmeras ideias, mas as verdades filosóficas de cada um simplesmente não existem, nada mais são que verdades individuais, que emboras compartilhadas as vezes entre grupos e até mesmo sociedade, não deixam de ser individuais. A ideia de ” pecado ” me é ridícula em certos pontos, concordo, para mim também seria um pecado retirar a vida de outro homem por ódio, prazer ou qualquer motivo que não fosse uma auto defesa, isso em um caso de risco. Mas o que á de errado em um homossexual ? Ou até mesmo na vida juvenil de hoje, jovens que curtem suas vidas com inúmeras namoradas(Não todas de uma vez, ao menos, não em todos os casos, né), piercings, tatuagens ou até mesmo a roupa de cada um, por fim a tão determinada ” vida mundanada ”.

    Não pretendo julgar o que é certo/errado, claro, tenho meus conceitos, ideias, moral e para mim, eles são o que valem( a verdade individual a qual me refiro). Porém a entidade ” Deus ” possui sua verdade individual(Assim como qualquer entidade religiosa), afinal de contas, todos sabemos que o pecado nada mais é do que aquilo que desagrada ao Deus Judaico-Cristão. O cristianismo possui uma filosofia bonita, embora em alguns casos escondidas. Por exemplo, a soberania do homem sobre a mulher não é apenas uma coisa dos Islâmicos/Muçulmanos, o cristianismo também a prega, porém, por alguma razão ela não está mais enraizada em nossas vidas, no fim, tudo que parece ruim e existir tanto no novo e velho testamento parece ser camuflado com a frase: ” Ele morreu por todos os nossos pecados ” ou até mesmo ” Ame ao próximo ”.

    Eu não acho que as pessoas testaram outros Deuses e confirmaram por si que eram falsos. Um exemplo disso é vc citar o Budismo, uma religião que nem se quer possui divindades, apenas a vã filosofia Budista, e não, buda não é uma ” divindade ” e muito menos aquela representação de snorlax.

    Particularmente, não entendo o Deus cristão, eu tento, mas concordo e discordo. Como citei, concordo que é pecado matar um homem por ódio, inveja ou motivos desde tipo. Mas discordo em apedrejar um adultério, uma mulher que trai um marido ou o inverso, acho errado, mas de longe merecem a morte. Claro, os cristãos de hoje não fazem isso. Na verdade, o cristianismo chega a ser uma religião ” moderna ”, o cristão de hoje não é igual ao de 2 ou 3 séculos atrás, mas o livro sagrado é o mesmo, o que será que houve ? Algumas ”verdades individuais” foram descartadas ou apenas os famosos ” erros de interpretação ”, bom, não sei, mas prefiro o atual.

    Por fim, se existir um Deus, espero que não seja um que julgue indivíduos entre céu e inferno pelos seus atos, mas que ensine o que muitos não são capazes de aprender e compreender, afinal das contas, se ele for um Deus, isso não seria problema, e me parece muito mais aceitável do que queimar alguém eternamente, como muitos fanáticos declaram. Mas não confunda, quando digo ”Deus” é só uma referência a alguma entidade, não necessariamente o Judaico-Cristão, até porque, o próprio, não parece ter a visão de Deus na qual descrevi, embora alguns me digam ” é o livre-arbítrio”, eu dou risada, não entendo como acreditar em liberdade, se posso ser julgado pelos atos que compreendo, sigo e por fim, acredito.

    Curtir

    • Toda religião tem um crédulo, cristianismo, budismo, judaísmo ou afins são comuns nisso. Mas afirmar a existência de um Deus através da ciência ou tentativas ” racionais ” não parecem levar a nada.

      Nesse caso eu discordo,pois você usou dois escopos diferentes pra um teísta supostamente querer justificar sua crença,eu não justifico minha crença pela ciência,a ciência compreende o natural,ela não tem um equipamento capaz de comprovar a existência de Deus,nem tambem anular essa existência,se eu não estiver errado, a ciência nem pode provar o big bang,ela pode postular uma teoria mais próxima do que pode ter acontecido no início do universo somado as evidências obtidas pelo método científico,mas mesmo com todos esses dados a ciência ainda está longe de dar uma resposta com 100% de precisão,até a própria mente humana ainda tem muito a ser estudada,muito a ser respondido devido a sua complexa funcionalidade. “A glória de Deus está nas coisas encobertas; mas a honra dos reis, está em descobri-las.
      Provérbios 25:2
      Isso é uma questão de cosmovisão,como funciona a cognição de cada invíduo … Se você acha que as tentativas racionais para justificar a crença em Deus são insuficientes veja o artigo q postei “Teísmo,Ateísmo e Racionalidade – Alvin Plantinga
      Já com respeito a Deus ser bom,inferno, eu sugiro q leia esse “A matanca dos cananitas conflitam com a bondade de Deus?”

      Curtir

  2. I am frequently to blogging and i really appreciate your content regularly.

    Your content has actually peaks my interest. Let me bookmark your internet site and maintain checking for first
    time information.

    Curtir

  3. I something like that the valuable information you provide
    in your articles. I’ll bookmark your weblog and check again here frequently.
    I am quite certain I’ll figure out quite a large amount of
    new stuff right here! First-rate luck for that the next!

    xrumer

    Curtir

Não será permitido neste blog, insultos, palavras frívolas, palavrões, ataques pessoais, caso essas regras não sejam seguidas não perca seu precioso tempo postando comentário. Qualquer comentário que violar a política do blog será apagado sem aviso prévio. Na persistência da violação o comentador será banido.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s