Em Defesa do Design Inteligente

Início » Biologia Evolutiva » A Falácia da Vantagem Evolutiva.

A Falácia da Vantagem Evolutiva.


By Evolution News|@DiscoveryCSC

[Texto Adaptado – O artigo contem links em inglês – Imagem do EnV]

 

Evolutionary-Advantage-Fallacy.jpg

Considere a seguinte história:

Por que existem dois modos de transporte para realizar a mesma função? Bicicletas e automóveis aparentemente surgiram de forma independente. Enquanto ambos fornecem transporte, o automóvel parece ter uma clara vantagem em milhas percorridas por unidade de energia. Nossa análise sugere uma possível explicação para esta relação aparente entre a entrada de energia e o mecanismo. Quando o carro e a bicicleta estão viajando a cerca de 10 km/h, a proporção de gasto de energia por metro é aproximadamente a mesma [para fins ilustrativos]. Quando as condições sob as quais o transporte deve ocorrer a uma velocidade mais elevada, são encontradas, o mecanismo do motor a gasolina pode ter sido selecionado pela sua vantagem cinética. Por outro lado, quando as condições requerem uma velocidade de 10 km/h ou menos, o mecanismo do pedal pode ter sido selecionado para outras possíveis vantagens resultantes da sua simplicidade estrutural e funcional.

Nós rimos deste conto bobo, mas os evolucionistas muitas vezes empregam este tipo de raciocínio de uma forma muito séria: se algo é vantajoso, a natureza deve ter selecionado! Isso porque a teoria evolucionista proíbe qualquer apelo para causas inteligentes; o que os cientistas observam – não importa quão intrincado – deve ter sido projetado sem um designer e selecionado sem um seletor.

Aqui está um exemplo recente do PLOS ONE. Dois cientistas do Departamento de Computação e Biologia de Sistemas da Universidade de Pittsburgh propuseram exatamente o mesmo raciocínio que nossa história, exceto que suas máquinas são muito menores. Mas a mesma falácia se aplica. Na verdade, adaptamos nossa história de uma linguagem semelhante a seu paper, “A comparação biofísica dos mecanismos de bombeamento de prótons impulsionados pelo ATP, sugere uma vantagem cinética para o processo rotatório dependendo da relação de acoplamento“. Observe as semelhanças:

Bombas de prótons movidas a ATP, que são críticas para o funcionamento de uma célula, mantêm os níveis de pH citosólico e organelar dentro de uma estreita faixa funcional. Estas bombas empregam dois mecanismos muito diferentes: um mecanismo rotativo elaborado, usado pelas bombas V-ATPase H+ e um mecanismo de acesso alternativo mais simples usado pelas bombas P-ATPase H+. Por que dois mecanismos diferentes são usados para executar a mesma função? A análise sistemática, sem ajuste de parâmetros, de modelos cinéticos de acesso rotativo alternado e outros possíveis mecanismos sugerem que, quando a proporção de prótons transportados por ATP hidrolisado excede a um, o transporte de prótons, um por vez, pelo mecanismo rotativo, é mais rápido do que outros mecanismos possíveis em uma ampla gama de condições de condução. Quando a relação é um, não há diferença intrínseca na paisagem de energia livre entre os mecanismos, e, portanto, todos os mecanismos podem exibir o mesmo desempenho cinético. Todas as bombas rotativas conhecidas têm uma relação H+: ATP superior a um, e todas as bombas de protões com acesso alternativo conhecidas por ATP têm uma relação de um. Nossa análise sugere uma possível explicação para essa relação aparente entre a relação de acoplamento e o mecanismo. Quando as condições sob as quais a bomba deve funcionar permitem uma relação de acoplamento superior a um, o mecanismo rotativo pode ter sido selecionado pela sua vantagem cinética. Por outro lado, quando as condições requerem uma relação de acoplamento de um ou menos, o mecanismo de acesso alternativo pode ter sido selecionado para outras possíveis vantagens resultantes da sua simplicidade estrutural e funcional. [Ênfase adicionada.]

Eles estão falando, atenção, sobre uma das máquinas moleculares mais incríveis em toda a vida: o motor rotativo ATP sintase. Nós o caracterizamos em uma animação. E como já escrevemos, ele vem em dois tipos: A F0F1-ATPase mitocondrial que sintetiza ATP a partir de uma força motora do próton, e V-ATPase vacuolar, que acidifica os vacúolos com um mecanismo similar que funciona no sentido inverso. Basta olhar para estas máquinas em operação… Elas gritam design inteligente!

A bomba de prótons P-ATPase a que se referem não é menos inspiradora. Embora use um mecanismo menos eficiente (um próton por um ATP), ela sustenta funções celulares críticas. As brânquias do salmão jovem, por exemplo, usam a bomba de sódio-potássio (Na+/K+ P-ATPase) para se adaptarem à água do mar quando saem dos seus rios natais e utilizam as bombas no sentido inverso ao regressar. Esta animação mostra que o design, enquanto mais simples do que a ATP sintase, é elegante e eficaz, como a bicicleta em comparação com o carro. Aqui no Evolution News, o médico Howard Glicksman descreveu as muitas funções importantes que esta bomba realiza no corpo humano.

Agora que sabemos sobre as duas máquinas discutidas no artigo do PLOS ONE, os autores nunca descrevem como elas surgiram por mutações aleatórias e seleção natural? Claro que não. Para eles, basta dizer: “Elas são vantajosas; portanto, elas evoluíram“. Ponto final. De fato, os evolucionistas duplicam o poder milagroso da seleção natural ao dizer isso, plenamente conscientes da complexidade dessas máquinas:

Dois mecanismos muito distintos, que muito provavelmente evoluíram independentemente, são empregados para bombas H+ movidas a ATP: o mecanismo rotativo da V-ATPase e o mecanismo alternativo de acesso usado pelas P-ATPases (Fig. 1). A V-ATPase significativamente mais complexa, consiste em cadeias de proteína 25-39 em comparação com um polipéptido monomérico ou homodimérico para a P-ATPase. O mecanismo de operação para a V-ATPase é também mais elaborado, consistindo em um mecanismo rotativo do tipo motor elétrico. Em contraste, a P-ATPase opera alternando entre duas conformações (E1 e E2) semelhantes à maioria dos mecanismos alostéricos.

Devemos suspirar (de forma negativa) diante de tanta credulidade num artigo científico. No entanto, os dois autores, com mais dois colegas, publicaram um artigo semelhante na Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS) no ano passado: “A comparação biofísica dos mecanismos de síntese de ATP, mostra uma vantagem cinética para o processo rotativo“. A mesma falácia é central em todo o seu trabalho: “Nossa análise mostra que o mecanismo rotativo é mais rápido do que outros mecanismos possíveis, particularmente em condições desafiadoras, sugerindo uma possível vantagem evolutiva“.

Por que a evolução selecionou dois mecanismos muito diferentes para as bombas de prótons movidas a ATP? Aqui nós exploramos uma possível consideração: a diferença de cinética, isto é, a taxa de bombeamento H+, entre os dois mecanismos, com base em nosso estudo recente da cinética de síntese de ATP. Um mecanismo que pode bombear protões mais rapidamente, nas mesmas condições (mesmo custo bioenergético), pode ser capaz de responder às demandas celulares e alterar as condições mais rapidamente. Além disso, um mecanismo mais rápido exigiria um menor potencial de condução (custo bioenergético) para obter a mesma taxa de bombeamento em comparação com um mecanismo mais lento. Tal mecanismo pode oferecer uma vantagem em termos de sobrevivência, particularmente quando a diferença de taxas é grande e num ambiente altamente competitivo. Presumivelmente, tal mecanismo estaria sob pressão de seleção positiva.

Os autores não passam apenas por essas afirmações, como se fossem abordar questões mais rigorosas. Não; a Falácia da Vantagem Evolutiva é central para toda a sua tese. Contamos a palavra vantagem 25 vezes, geralmente em um contexto evolutivo: em particular, vantagem evolutiva ou vantagem seletiva oito vezes. Aqui ela está duas vezes na discussão conclusiva:

Por que existem dois mecanismos diferentes, um mecanismo rotativo e um mecanismo alternativo de acesso, para bombas de prótons movidas a ATP? Muitos fatores contribuem para a aptidão evolutiva geral, e aqui nos concentramos no comportamento cinético, que é passível de análise sistemática… Estes resultados sugerem que quando as condições de condução são de modo que uma relação de acoplamento acima de um é suficiente para o funcionamento viável, o mecanismo rotativo pode ter uma vantagem seletiva. No entanto, quando um processo requer uma relação de acoplamento de um, para o funcionamento viável, o mecanismo de acesso alternativo pode ter uma vantagem seletiva, devido à sua simplicidade e ao custo correspondente mais baixo da síntese de proteínas.

Outro caso da falácia da vantagem evolutiva aparece no PNAS. Wei Lin e outros outros colegas internacionais pensam que as bactérias evoluíram magnetotaxia porque teria sido vantajoso para elas. “A origem precoce da magnetotaxia teria proporcionado vantagens evolutivas em lidar com os desafios ambientais enfrentados pelos micro organismos na Terra primitiva“, dizem eles. Só porque o “geodinamo arqueano era suficiente para suportar a magnetotaxia“, não significa que as bactérias criem genes e comportamentos para usá-los. Isso é como dizer que água cria peixe.

São esses casos isolados que estamos escolhendo? Uma pesquisa rápida no Google Scholar para “vantagem evolutiva” produz mais de 32.000 acessos. Em nossa experiência, esta é uma frase freqüentemente usada que geralmente é desprovida de qualquer descrição detalhada de como mutações aleatórias e seleção natural poderia ter alcançado as referidas vantagens. O silogismo simplista, “É vantajoso, portanto, evoluiu“, não é uma teoria científica. É mera salada de palavras.

 

 

 

Anúncios

Não será permitido neste blog, insultos, palavrões, ataques pessoais, caso essas regras não sejam seguidas não perca seu precioso tempo postando comentário. Qualquer comentário que violar a política do blog será apagado sem aviso prévio. Na persistência da violação o comentador será banido.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: