A linguagem codificada escrita em microtúbulos, o esqueleto da célula, e como isso ressalta surpreendentemente a origem inteligente da vida. – PARTE II


Continuação desse artigo.

… … A emergência evolutiva gradual de células eucarióticas não é factível para mais uma razão, descrita aqui.

 

424340189_847318749893607_207055552_95759429837271104

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quando incorporados em microtúbulos, tubulina acumula um número de modificações pós-traducionais, muitos dos quais são únicos para estas proteínas. Estas modificações incluem detyrosination, acetilação, polyglutamylation, polyglycylation, fosforilação, ubiquitinação, sumoilação, e palmitoilação. O heterodímero α- e β-tubulina sofre múltiplas modificações pós-traducionais (PTMs). As subunidades de tubulina são modificadas de maneira não uniforme distribuídas ao longo de microtúbulos. Análogo ao modelo do “código de histonas” na cromatina, são propostas diversas PTMs para formar um bioquímico “código tubulin” que pode ser “lido” por fatores que interagem com microtúbulos.
Este é um fato relevante e incrível, e levanta a questão de como o “código tubulin” ao lado de vários outros códigos na célula emergiu. A meu ver, mais uma vez, isso mostra que a inteligência foi necessária para criar essas estruturas biomoleculares surpreendentes; formação de informação codificada sempre demonstrou ser capaz apenas de ser produzida por mentes inteligentes. Além disso: Que utilidade teria o código tubulin , se nenhum objetivo específico foi concebido antecipadamente, ou seja, ele agir como emissor, e se não houver nenhum destino das informações, não há razão do código existir em primeiro lugar. Assim, ambos, o emissor e o receptor, devem existir primeiro como hardware, que é o de microtúbulos com as unidades de tubulina modificados pós-transcricionalmente em uma conformação codificada especificada e o receptor, que pode ser Cinesina ou proteínas do motor de miosina, que são direcionados para o destino correto para exercer trabalhos específicos, ou outras proteínas dirigidas para tarefas específicas.

 

 

F1.large

 

Tomados em conjunto, múltiplas e complexas PMTs ( post-modificação transcricional) de tubulinas fornecem uma miríade de possibilidades combinatórias para especificamente ‘etiquetar’ subpopulações de microtúbulos em células, destinando-os para funções precisas. Como esta tubulina ou código de microtúbulos permite que as células se dividem, migram, comunicam e diferenciam-se de uma maneira ordenada é uma pergunta interessante a se responder num futuro próximo. Percepções iniciais já revelaram os potenciais papéis de PMTs tubulina em uma série de patologias humanas, como o câncer, neurodegeneração e ciliopatias.
Não só tem que ser elucidado como a tubulina ou código de microtúbulos permite que as células façam todos esses trabalhos, mas também o que explica melhor o seu surgimento e codificação. A maioria destas enzimas são específicas para tubulina e modificações pós translacionais de microtúbulos. Estas enzimas só são usadas se existirem microtúbulos. Os microtúbulos, contudo, exigem estas enzimas para modificar suas estruturas. Portanto, pode-se concluir que eles são interdependentes e não poderiam surgir de forma independente por mecanismos evolutivos naturais.
Uma hipótese que emerge é que modificações de tubulina especificam um código que determina resultados biológicos através de alterações na estrutura de ordem superior de microtúbulos e / ou por recrutamento e interagindo com proteínas efetoras. Esta hipótese é análoga à hipótese do código de histonas – que modificações em histonas nucleares, agindo de forma combinatória ou sequencial, especificam múltiplas funções da cromatina, tais como mudanças na estrutura da cromatina de ordem superior ou ativação seletiva de transcrição. Os paralelos aparentes entre estes dois tipos de quadros estruturais, a cromatina no núcleo e microtúbulos no citoplasma, são intrigantes
Não é evidência impressionante de um designer comum que inventou ambos os códigos?

 

Os microtúbulos são tipicamente nucleados ( montados peça a peça mediante os “blocos de construção ” de microtúbulos chamados tubulins ) e organizados pela organela dedicada chamada centro de organização de microtúbulos (MTOCs). Contido dentro da MTOC, há um outro tipo de tubulina, chamada γ-tubulina, que é distinta das subunidades α- e β dos próprios microtúbulos. A γ-tubulina combina com várias outras proteínas associadas para formar uma estrutura semelhante a uma anilha de bloqueio do tipo conhecido como o complexo γ-tubulina anel “(γ-UTRA) Este complexo atua como um modelo para colocação e montagem de α/β dímeros de p-tubulina para começar a polimerização; atua como um tampão de o (-) final, enquanto o crescimento dos microtúbulos continua se distanciando da MTOC na direcção (+) . O núcleo essencial chamado complexo pequeno (γTuSC) γ-tubulina é a parte central conservada da máquina de nucleação de microtúbulos, e é encontrado em quase todos os eucariotas.

 

Continua … … … 

Um comentário sobre “A linguagem codificada escrita em microtúbulos, o esqueleto da célula, e como isso ressalta surpreendentemente a origem inteligente da vida. – PARTE II

  1. “lido” com muitas aspas…

    Tem a ver com conhecimento, com sentido, com analogia, com especificidade, com semântica e não com o naturalismo metafísico. Os ribossomas e chaperonas a propósito fazem o que fazem sem aspas mesmo
    [[jeph simple]]

    Curtir

Não será permitido neste blog, insultos, palavras frívolas, palavrões, ataques pessoais, caso essas regras não sejam seguidas não perca seu precioso tempo postando comentário. Qualquer comentário que violar a política do blog será apagado sem aviso prévio. Na persistência da violação o comentador será banido.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s