O CUSTO DA COMPLEXIDADE VII- A Biologia Evolutiva é uma Ciência Histórica.


10418268_616690471804930_3231150156329211448_n
Imagem do livro “What Evolution is”, Ernst Mayr p. 304

 

 

Pouco se comenta sobre os métodos empregados para a construção da Teoria da Evolução. Neste pequeno artigo escolhemos Ernst Mayr, o considerado Darwin do século XX, para construirmos nosso entendimento da metodologia científica empregada na Evolução – a narrativa histórica. A Evolução tem leis? Como compreender a homologia, base de todas as evidências de Teoria da Evolução?
 

 

I-NARRATIVA HISTÓRICA

O pensamento fundamental desse artigo esta exarado no seguinte texto:
Por exemplo, Darwin introduziu a historicidade na ciência. A biologia evolutiva, ao contrário da física e da química, é uma ciência histórica – o evolucionismo tenta explicar eventos e processos que já ocorreram. Leis e experimentos não são técnicas apropriadas para a explicação de tais eventos e processos. Em vez disso é preciso construir uma narrativa histórica, que consista em uma reconstrução experimental de um cenário em particular que tenha levado aos eventos que se está tentando explicar(1)

Em outras palavras, a Biologia Evolutiva teve de desenvolver uma metologia própria, as narrativas históricas (cenários hipotéticos- em inglês “tentatives”-preliminares) (2) Pertence às Ciências Históricas, pois trabalha com eventos únicos como extinção dos dinossauros ou o surgimento dos homens. Assim o cientista inicia com uma conjectura e texta exaustivamente sua validade (3)Um cenário explicativo proposto de eventos passados para ser testado quanto à sua validade”. (4)

Vamos estudar um comentário sobre “reconstrução histórica”. “A reconstrução histórica de um processo é uma maneira perfeitamente válida de estudar esse processo e pode dar ensejo a previsões testáveis. Podemos prever que o Sol começará a se apagar em cerca de 5 bilhões de anos, do mesmo modo que podemos prever que populações de laboratório selecionadas artificialmente em diferentes direções vão tornar-se geneticamente isoladas.(5) Qual é o problema dessa afirmação? Todo o processo evolutivo ocorre por SELEÇÃO NATURAL (predação, doença, limitação climática e alimentar, competição), o que é bem diferente da SELEÇÃO ARTIFICIAL ( é só exemplificar um cachorro que vacinamos, alimentamos, abrigamos). O estudo da seleção natural seria uma narrativa histórica, mas seleção artificial não, pois é um evento que pode ser repetido a priori. Já, referente aos fatos naturais, nada será rigorosamente igual- não se entra no mesmo rio duas vezes é um pensamento grego que representa bem os eventos naturais. A impressão que sempre passa é a total falta de compreensão sobre o assunto, tanto por evolucionistas como criacionistas.

Como esses grupos são recalcitrantes em suas ideias, cito um artigo, do Reznick, em inglês:

In the laboratory, guppies from high predation environments had delayed senescence relative to those from low predation environments. In the field the apparent relationship is the opposite. One hypothesis for this difference is that a tradeoff associated with the evolution of the high predation LIFE HISTORY is a decrease in the investment in the immune system. Such a sacrifice would be evident in nature where there is exposure to disease and parasites but less so in the laboratory, which is relatively disease and parasite free.”(6)**grifo nosso** [TRADUÇÃO NA REFERÊNCIA]

Em resumo, a história narrativa evolucionista sempre indicará uma a direção: EVOLUÇÃO. Além do mais, qual é a VALIDAÇÃO desse método no método científico? A gentileza de alguém conseguir um artigo sobre o assunto…

E a situação evolucionista só piora…
 

 

II- HOMOLOGIA É INFERÊNCIA

A afirmativa de que certas características encontradas em táxons relativamente distantes são homólogas constitui, a princípio, uma mera conjectura. A validade desse tipo de inferência deve ser testada com uma série de critérios (Mayr e Ashlock, 1991), como a posição à órgãos adjacentes, presença de estágios intermediários em outros táxons, semelhanças na ontogenia, existência de estágios intermediários em ancestrais fósseis, e concordância com as evidências proporcionadas por outras homologias. A homologia não pode ser comprovada, é sempre inferida(7)

E o que é inferência?
Inferência é o processo de raciocínio usado em pesquisa científica em que parte-se de uma ou mais proposições e se procede a uma outra proposição, ou a outras proposições, cuja veracidade acredita-se seja implicada pela veracidade do primeiro conjunto de proposições(8).
Obviamente o primeiro conjunto de proposições é que a Teoria da Evolução esteja correta, corroborada, é óbvio, pela HOMOLOGIA, que baseia-se na premissa de que a Teoria da Evolução é correta, tendo como prova a HOMOLOGIA, que baseia-se na premissa…
 

 

III- A TEORIA DA EVOLUÇÃO NÃO TEM LEIS NATURAIS

4. a ausência de leis naturais universais em biologia. OS filósofos do positivismo lógico, e de fato todos os filósofos com um formação em física e matemática, baseiam suas teorias leis naturais e essas teorias são, portanto, geralmente estritamente deterministas. Dentro da biologia também há regularidades, mas vários autores (Smart 1963, Beatty 1995) questionam severamente se estas são as mesmas que as leis naturais das ciências físicas. Não há consenso ainda na resposta, a esta controvérsia. Leis certamente desempenham um pequeno papel na construção teórica em biologia. A principal razão para a menor importância das leis na formação da teoria biológica é, talvez, o maior papel desempenhado em sistemas biológicos pelo acaso e aleatoriedade. Outras razões para o pequeno papel das leis são a singularidade de uma percentagem elevada de fenômenos em sistemas vivos, bem como a natureza histórica de eventos.

Devido à natureza probabilística da maior parte das generalizações em biologia evolutiva, é impossível aplicar o método de falsificação de Popper para o teste de teoria, porque um caso particular de uma refutação de uma aparente determinada lei não pode ser qualquer coisa, mas uma exceção, como são comuns em biologia. A maioria das teorias na biologia não são baseadas em leis, mas em conceitos.
Exemplos de tais conceitos são, por exemplo, seleção, especiação, a filogenia, competição, população, imprinting, adaptabilidade, a biodiversidade, desenvolvimento, ecossistema, e função.
A inaplicabilidade à biologia desses quatro princípios que são tão básicos nas ciências físicas tem contribuído muito para a percepção de que biologia não é mesmo como a física”.
Os outros três itens seriam a tipologia, o determinismo e o reducionismo.(9)
As leis cedem lugar para conceitos no Darwinismo”. (10)
 

 

IV- O QUE PODE SER REFUTADO

…”o darwinismo rejeita todos os fenômenos e causas sobrenaturais. A teoria da evolução pela seleção natural explica a capacidade de adaptação e diversidade do mundo sem ter de recorrer a nada além da matéria.(11)
É só demonstrar que a Seleção Natural nada mais é do que uma peneira que destrói a complexidade biológica, e a Teoria da Evolução está REFUTADA.

 

 

Marcos Ariel

Médico Pediatra

 

 

 

Referências

1- Mayr, Ernst. O Impacto de Darwin no Pensamento Moderno. Scientific American BR Especial História da Evolução, p. 58

2- Mayr, Ernst. Biologia Ciência Única. Reflexões sobre a automomia de uma disciplina científica. Cia das Letras, 2006. p. 40.

3- Idem, p. 48.

4- Mayr, Ernst What Makes Biology Unique? Cambridge University Press, 2004, p. 221

5- Coyne, Jerry A. Por que a evolução é uma verdade / Jerry A. Coyne ; [tradução Luiz Reyes Gil]. – 1. ed. – São Paulo : JSN Editora, 2014. p. 466

6-Reznick, David N and Ghalambor, Cameron K. Selection in Nature: Experimental Manipulations of Natural Populations.INTEGR. COMP. BIOL., 45:456–462 (2005). “No laboratório, guppies de ambientes de alta predação tem sua senescência atrasada em comparação com aquelas de ambientes de baixa predação . No campo a relação aparente é a oposta . Uma hipótese para esta diferença é que uma troca associada com a evolução da HISTÓRIA DE VIDA de alta predação é uma diminuição do investimento no sistema imunitário . Tal sacrifício seria evidente na natureza onde há exposição à doença e parasitas , mas menos no laboratório , o qual é relativamente livre de doenças e parasitas.”

7- Mayr, Ernst O que é Evolução, Ed. Rocco, 2001, p.48-49.

8- http://www.galileu.esalq.usp.br/mostra_topico.php?cod=119

9- Mayr, Ernst, 2004, p. 28

10- Mayr, Ernst. O Impacto de Darwin no Pensamento Moderno. Scientific American BR Especial História da Evolução, p. 59

11- Idem, p. 60.

Não será permitido neste blog, insultos, palavras frívolas, palavrões, ataques pessoais, caso essas regras não sejam seguidas não perca seu precioso tempo postando comentário. Qualquer comentário que violar a política do blog será apagado sem aviso prévio. Na persistência da violação o comentador será banido.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s