NEUROCIÊNCIA NÃO MATERIALISTA


Boa noite,

Posto agora um breve texto sobre consciência e mente. Não é um texto que se aprofunda no assunto, mas pode indicar boas fontes de pesquisa pró ID.

O mesmo é de autoria de Everton Fernando Alves. 

Mestre em Ciências da Saúde pela Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Se você quiser baixar esse arquivo acesse aqui

Os evolucionistas têm agido de forma a tentar derrubar o conceito de “mente” e “consciência”. De forma sutil, eles já decretaram a morte da mente. Nas últimas décadas é que as neurociências, as ciências cognitivas e a filosofia da mente assumiram sua orientação naturalista, a muito já implícita. Aos poucos foram se substituindo o conceito de “mente” pelo de “cérebro”. Os materialistas acreditam que a mente não existe como uma entidade separada; é meramente um estado do cérebro, causada exclusivamente por neurônios e neuroquímica. No entanto, um novo campo científico pró-ID tem chamado a atenção: a “neurociência não materialista”. Nele, pesquisadores como Denyse O’Leary e Mario Beauregard, autores do livro ‘The Spiritual Brain: A Neuroscientist’s Case for the Existence of the Soul’ publicado em 2007 argumentam que “a mente existe e usa o cérebro, mas não é a mesma coisa que o cérebro”. O campo da neurociência não materialista aponta evidências para uma mente imaterial e separada do corpo, mas que ao mesmo tempo é capaz de controlá-lo através da dinâmica eletroquímica de seu cérebro, e usar as informações angariadas pelos sistemas sensoriais disponíveis. A mudança voluntária de atenção de um sujeito provoca mudanças no estado de ativação cerebral detectável através de um sistema de neuro-imageamento. Beauregard aponta que seus resultados evidenciam o fato de que estados e conteúdos mentais comprovadamente afetam estados cerebrais, as mentes não podem estar totalmente instanciadas no cérebro, nem nas relações deste com o ambiente e nem em nenhum lugar de nosso mundo físico. Neste ano de 2015 será lançada a revista científica de acesso aberto Neuroscience of Consciousness que apoiará este campo.

Fonte: Beauregard M, O’Leary D. The Spiritual Brain: A Neuroscientist’s Case for the Existence of the Soul. New York: HarperCollins, 2007. 358p.

BEAUREGARD e PAQUETTE (2006) realizaram um estudo de imagem por ressonância magnética funcional (fMRI) com o objetivo de identificar os correlatos neurais da experiência mística. Os autores queriam saber o que estava acontecendo no cérebro durante os episódios espirituais, místicos ou religiosos por causa de suas próprias experiências pessoais. Foram recrutadas 15 freiras de mosteiros carmelitas e pediu-lhes para reviver plenamente o momento mais místico em suas vidas. A atividade cerebral das freiras foi medida enquanto estavam subjetivamente em estado de comunhão com Deus. Os pesquisadores descobriram uma coleção de áreas do cérebro que estavam mais ativadas durante a experiência mística. O núcleo caudado, por exemplo, o que está associado a sentimentos positivos como felicidade e bem-aventurança, apareceu mais ativado durante as memórias místicas. A equipe também observou atividade nas regiões que se acredita integrar sensações físicas do resto do corpo, o que talvez explique a

percepção de que as freiras tinham se tornado um com Deus e seus arredores. Eles também encontraram um aumento em certos tipos de atividade elétrica associados com o sono profundo e meditação. Também se descobriu ativação no córtex temporal. Estes resultados sugerem que as experiências místicas são mediadas por diversas regiões cerebrais e sistemas.

Fonte: Beauregard M, Paquette V. Neural correlates of a mystical experience in Carmelite nuns. Neurosci Lett. 2006; 405(3):186-90.

TRENT-VON HAESLER e BEAUREGARD (2013) afirmam que experiências de quase morte (EQM) são experiências vívidas, realísticas, que frequentemente promovem mudanças profundas na vida de pessoas que estiveram fisiológica ou psicologicamente próximas da morte. As EQM por vezes ocorrem durante uma parada cardíaca, na ausência de atividade cerebral detectável. Diante disso, os autores objetivaram revisar os estudos prospectivos de EQM induzidas por paradas cardíacas e examinar as implicações desses estudos para o conceito de mente não local (imaterial). Para tanto, PubMed foi a principal base de dados utilizada para esta revisão. Os termos-chave da busca incluíram “parada cardíaca”, “experiências de quase morte”, “fisiologia da experiência de quase morte” e “experiências fora do corpo verídicas”. Os autores relatam que vários estudos prospectivos mostram incidência média de 10% a 20% de EQM induzidas por paradas cardíacas, independentemente de aspectos sociodemográficos, sexo, religião ou quaisquer parâmetros médicos, fisiológicos ou farmacológicos consistentes. Pessoas que passaram por EQM são mais propensas a mudanças de vida positivas que podem durar muitos anos após a experiência do que aquelas que não a tiveram. Eles concluem que as teorias fisicalistas (materialistas) da mente não são capazes de explicar como pessoas que tiveram EQM podem vivenciar – enquanto seus corações estão parados e sua atividade cerebral aparentemente ausente – pensamentos vívidos e complexos e adquirir informações verídicas a respeito de objetos ou eventos distantes de seus corpos. As EQM em paradas cardíacas sugerem que a mente é não local, isto é, não é gerada pelo cérebro e não está confinada a ele ou ao corpo.

Fonte: Trent-Von Haesler N, Beauregard M. Near-death experiences in cardiac arrest: implications for the concept of non-local mind. Arch. Clin. Psychiatry 2013; 40(5):197-202.

RADIN et al. (2013) vem estudando a consciência há vários anos usando vários tipos de sistemas ópticos. Essa linha de pesquisa da mecânica quântica sugere que existe uma consciência, e que ela pode desempenhar um papel fundamental na forma como o mundo físico se manifesta. Isso não significa que a consciência humana, literalmente, “cria” a realidade, mas ela sugere que há mais consciência do que está implícito hoje nos livros didáticos de neurociência. Para este estudo, que investiga a possibilidade de interação mente-matéria, os autores utilizaram o método de sistemas ópticos de dupla fenda. Para

os autores, o ato de observar um objeto cotidiano, influencia as propriedades deste objeto. Objetos quânticos são extremamente reativos ao ato de observação; esta sensibilidade pode ser facilmente visto, sempre que um objeto quântico é medido. A medida faz com que o comportamento das ondas quânticas mude o comportamento das partículas. A interpretação controversa deste efeito de que a própria consciência é responsável por “colapsar” a função de onda quântica foi proposta pelo matemático John von Neumann e apoiado por outros eminentes físicos. Os autores salientam que foram realizados três experimentos: dois envolvendo sistemas ópticos de dupla fenda que as pessoas tentaram influenciar mentalmente em seu laboratório, e um envolvendo um teste semelhante realizado on-line. Todos os três experimentos mostraram resultados consistentes com a proposta de von Neumann e com as suas pesquisas anteriores.

Fonte: Radin D, Michel L, Johnston J, Delorme A. Psychophysical interactions with a double-slit interference pattern. Physics Essays 2013; 26(4): 553-66.

BEAUREGARD (2014) refere que o materialismo científico ainda é influente em certas esferas acadêmicas. Neste artigo, o autor examina várias linhas de evidência empírica mostrando que esta ideologia, enquanto parcialmente verdadeira, é lamentavelmente incompleta e, portanto, obsoleta. Esta evidência indica que os humanos não podem ser reduzidos a impotentes máquinas biofísicas, uma vez que a psique influencia fortemente a atividade do cérebro e do corpo, e pode operar telosomaticamente. Com base nessas evidências, o autor apresenta a Teoria da Psychelementarity (ainda sem tradução) e apresenta algumas previsões. Esta teoria propõe que a psique desempenha um papel primordial na forma como o universo funciona, o equivalente a matéria, energia e espaço-tempo. Outra premissa central dessa teoria é que a psique não pode ser reduzida a processos físicos ou a uma posição reducionista (ou seja, tudo o que é ou pode ser reduzido a partículas físicas ou forças). A teoria é responsável por uma série de fenômenos psicofísicos bem estudados, que são reinterpretadas à luz de uma perspectiva pós-materialista. Esta teoria também é responsável por fenômenos anômalos que estão atualmente rejeitados pelos materialistas.

Fonte: Beauregard M. The Primordial Psyche. Journal of Consciousness Studies 2014; 21(7–8):132–57.

Não será permitido neste blog, insultos, palavras frívolas, palavrões, ataques pessoais, caso essas regras não sejam seguidas não perca seu precioso tempo postando comentário. Qualquer comentário que violar a política do blog será apagado sem aviso prévio. Na persistência da violação o comentador será banido.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s