O elefante na sala.


Gostei deste texto e gostaria de compartilha-lo com todos.

By  Eric  Anderson – Uncommon Descent  

 

É regularmente nos dito pelos proponentes da teoria da evolução, desde Darwin até os dias de hoje, que os processos puramente naturais, tais como mutações aleatórias e seleção natural, possuem a capacidade de construção: construir, formar, planejar e criar máquinas notáveis. Máquinas que rivalizam e que em muitos casos superam as nossas tecnologias mais avançadas.

Estamos certos em termos inequívocos, que tais processos naturais têm esse grande poder criativo. No entanto, quando os exemplos são procurados, estamos invariavelmente dados a exemplos que, ou não acontecem por meio de processos puramente naturais (ver erro de Berra), ou exemplos que são triviais em seu escopo. Mas nada que chegue perto de demonstrar as grandes afirmações da história da criação evolutiva.

Há um enorme elefante na sala.

elephant

Por que, se os processos evolutivos são tão incrivelmente hábeis em produzir tecnologias notáveis que superam as nossas capacidades, não vemos esses processos evolutivos serem empregados para um bom uso de uma forma regular?

Em todo o mundo, todos os dias, milhões e milhões de novas invenções, desenhos, projetos, programas e outras criações estão sendo almejadas. No entanto, a força criativa mais impressionante de todas, e por isso temos certeza, é por algum motivo, a grande ausência. Ocasionalmente alguém possa afirmar que os processos evolutivos foram responsáveis pela criação deste ou daquele produto(a antena NASA sendo o exemplo mais frequentemente apregoado, mesmo que ela não seja um bom exemplo dos processos evolutivos puramente naturais). Às vezes alguém afirmar que um “algoritmo evolutivo” produziu algo um pouco interessante (como os resultados questionáveis e potencialmente falhos da Avida apontados há vários anos pela Nature). Mas, em geral, esta alegada força criativa notável esta ausente, irrelevante, um “no show”, quando se trata de realmente criar coisas no mundo real.

Agora os proponente evolutivos sem dúvida argumentam que a razão é simples: não há tempo suficiente. Facilmente impressionados com todos os zeros em um número como os bilhões de anos da história da Terra, os evolucionistas repousam em fé no poder do tempo profundo para tomar o que é claramente um processo impotente em curto prazo e transformá-lo na força criativa mais potente a longo prazo. Mas, quando os números reais são revistos e as necessidades reais para a construção de criações funcionais, avaliadas; torna-se claro que esses zeros na idade da Terra ou até mesmo na idade do universo são mais um erro de arredondamento e são inúteis no tratamento da questão maior.

É certo que um processo de tentativa e erro como mutações aleatórias e seleção natural pode, ocasionalmente, fazer algo interessante – se houver uma grande população suficiente e uma pressão suficiente seletiva forte. Behe gastou tempo procurando por essa “aresta da evolução”, em forte contraste com a maioria dos evolucionistas que nunca sequer se preocupam em pensar no que os processos evolutivos podem realmente realizar no mundo real, eles simplesmente tomam-o como um artigo de fé que “com a evolução nada é impossível“.

Mais o ponto é que essas pequenas mudanças, mesmo quando eles aparecem, não constituem evidência para as reivindicações evolucionárias maiores. Particularmente, quando muitos dos alegados exemplos do poder de evolução vem a ocorrer, em uma análise mais aprofundada, são exemplos de degeneração (breaking) ao invés do surgimento de algo (building).

Assim, o elefante na sala permanece. O design é um aspecto crítico de nossas vidas modernas. O design ocorre em todo o espectro de disciplinas e em todo o mundo de uma forma intrínseca e constante.

No entanto, a força criativa mais potente que supostamente jamais existiu, essa dos mecanismos evolutivos, é perceptível, sim! Na sua quase completa ausência – engatinhando à margem, apenas ocasionalmente participando, raramente influenciando, nunca fazendo muito pra qualquer consequência real.

Podemos ser perdoados por pensar que talvez isto seja tudo o que os mecanismos evolutivos têm para oferecer …

Ou que isso é tudo o que eles já fizeram.

 

Um comentário sobre “O elefante na sala.

Não será permitido neste blog, insultos, palavras frívolas, palavrões, ataques pessoais, caso essas regras não sejam seguidas não perca seu precioso tempo postando comentário. Qualquer comentário que violar a política do blog será apagado sem aviso prévio. Na persistência da violação o comentador será banido.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s