Respondendo novamente a objeção quem projetou o Designer.


Postado por Barry Arrington

 

(Tradução livre)

Na minha pós (post) anterior, Calvins Bulldog veio com algumas questões interessantes que formulo aqui:

Calvin, Obrigado por seus comentários.

Enquanto ID tenta ser confortavelmente agnóstico sobre o designer, os cristãos ortodoxos sabem que o designer não é outro senão Deus

Gostaria de colocar o caso um pouco diferente. Eu diria que os cristãos ortodoxos “acreditam” que o designer não é outro senão Deus.

Aqui surge a questão de categoria  da ontologia /  epistemologia novamente.

Ontologicamente (a realidade da matéria), o design é óbvio. Mesmo Dawkins admite que a aparência de design possui Epistemologia (o que podemos saber sobre o projeto) “esmagadora”.

Sem dúvida os dados garantem que foram projetados. Em face disso, operando de forma empírica, o que podemos saber sobre o designer? Não muito diferente do que ele / ela / isto é capaz de projetar e deixar para trás as marcas de design que garante a própria inferência de design. Os dados, que estão “na sua cara”, não dão autorização para um cristão (nem ninguém)  inferir que Deus é necessariamente o designer. Dizer que Ele não seria o designer, simplesmente, também, seria falso. Certamente Deus é um candidato plausível para o designer (duh), e é o que muitos proponentes do DI (inclusive eu) acreditam. Mas a questão é se os dados obrigam a essa conclusão. Eles não o fazem. Você diz que o ID é “confortavelmente agnóstico” sobre o designer. Eu diria que ID é “modestamente agnóstico” sobre o designer, porque ID não empurra suas conclusões para além do que os dados estão suportando.

Resumo:

Ontologia:
É óbvio que muitas características dos seres vivos foram criados por um agente inteligente com um propósito.

Epistemologia:
(1) Sabemos empiricamente o que um designer fez.
(2) Um cristão crê pela fé que o designer é Deus.
(3) Dizer que os dados empíricos obrigam à conclusão de que o designer é Deus, é simplesmente falso.
(4) Quando ID recusa-se a dizer que os dados empíricos que estão “na sua cara” obrigam à conclusão de que o designer é Deus, não é ser tímido ou falso. É simplesmente dizer a verdade.

Por enquanto defensores do ID propõem um designer, que filosoficamente é  coibido de se revelar qualquer coisa sobre ele, ou, na verdade, até mesmo  especular muito sobre esse designer. Isso é bastante intrigante

Eu não sei por que deveria ser intrigante. Como explicado acima, o proponente do ID faz conclusões que são garantidas (na verdade, praticamente obriga) pelos os dados (ou seja, muitos aspectos da vida são melhor explicadas por design). O proponente do ID não diz que os dados obrigam a uma conclusão  que os dados não obrigam; como uma questão estritamente lógica, obriga (ou seja, o designer é Deus).

Então, eu tenho medo. Eu não vejo onde a lógica de Spearshake  quebra. Ele está sendo perfeitamente coerente com a sua própria posição.

É claro que Spearshake não está a ser coerente dentro de sua própria posição. Sua posição assenta em dois pressupostos: (1) que os atos sobrenaturais são absolutamente desnecessários para a vida começar e evoluir. (2) Se um designer projetou a vida, esse designer deve ser sobrenatural. Você não vê que o primeiro pressuposto não só não é consistente com o primeiro pressuposto; ele é de facto absolutamente excluído pela primeira suposição.

Ele, com razão,  identifica que o único candidato racional para o designer, mesmo no quadro do Design Inteligente é Deus.

Não, Spearshake acredita que a vida nada mais é do super-sofisticada física e química. Dado que a premissa “Deus é o designer” não é, como você sugere, a única conclusão racional. Certamente “Deus é o designer” é uma conclusão plausível. Mas para que a conclusão como única racional, “Deus é o designer” teria de ser a única conclusão possível. Como expliquei acima, se, como diz Spearshake, tudo é apenas química e  física, “Deus é o designer” não é a única conclusão possível.

As próprias premissas de Spearshake o impede de dizer que um ato sobrenatural é necessária para a vida começar e depois evoluir.

O problema aqui deve ser bastante óbvio: esta é uma receita para uma regressão infinita. . . . o velha castanheira atéia, finalmente, torna-se relevante: “Quem projetou o projetista?”

Sim, é uma castanha, uma castanha que foi refutado tantas vezes temos que colocar a resposta no WAC (Clique em “Recursos” acima – [aba do UD]) cito WAC 22 na íntegra.:

22] quem projetou o projetista?

Teoria do design inteligente busca apenas  determinar se um objeto foi ou não projetado.Desde que estuda apenas os efeitos empiricamente evidentes de design, ela não consegue detectar diretamente a identidade do designer; muito menos, ela pode detectar a identidade do “designer do designer.” Ciência, per se, só pode discernir a implicação baseada em evidências de que um designer foi uma vez presente.

A única maneira de resolver isso é a postular um designer inteligente que existe fora da natureza – que é, por definição, um ser sobrenatural.

Por uma questão de lógica isso é simplesmente falso. Não há outra maneira de resolver a questão. E é um erro dizer “os dados empíricos obrigam à conclusão que havia uma designer. Os dados empíricos não obrigam qualquer conclusão sobre a identidade do designer “

 

 

 

 

Fonte deste texto

Não será permitido neste blog, insultos, palavras frívolas, palavrões, ataques pessoais, caso essas regras não sejam seguidas não perca seu precioso tempo postando comentário. Qualquer comentário que violar a política do blog será apagado sem aviso prévio. Na persistência da violação o comentador será banido.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s