Seria Deus uma hipótese postulada pelos cristãos para explicar os fenômenos que a ciência não consegue explicar?


By Sociedade Origem e Destino

Marcelo Gleiser, grande físico brasileiro, deu uma entrevista em 2012 para o Instituto Humanitas Unisinos – IHU .

Uma das perguntas foi:

Então o que as pessoas chamam de fé é algo que elas ainda não compreenderam e não conseguem explicar, justificando por meio da fé?

A resposta de Marcelo Gleiser:

Sim, para muita gente. “Ah, não entendi como surgiu a vida, então foi Deus quem a fez”. É a questão do Deus das lacunas, pela qual colocamos Deus no meio de tudo o que não entendemos.

O argumento da “muita gente” citada por Gleiser é o seguinte: Primeiro, o mundo é uma máquina que é quase auto-suficiente; a atividade divina na natureza é limitada àqueles fenômenos para os quais não há explicação científica ou naturalística. Segundo, a existência de Deus é um tipo de hipótese de grande-escala postulada para explicar aquilo que não pode ser explicado de outra forma, isto é, naturalisticamente. Terceiro, a melhor ou uma das melhores razões para acreditar em Deus é o fato que existem fenômenos que a ciência não consegue (até o momento) explicar naturalisticamente.

Essa linha de pensamento admite que a principal fonte ou motivação para a crença em Deus é que há algumas coisas que a ciência não consegue explicar.

Mas isso está longe do que o cristianismo ensina!

Os seguintes itens evidenciam o que o cristianismo ensina:

Primeiro, segundo o cristianismo, Deus está constantemente, imediatamente, intimamente e diretamente ativo em sua criação. Nada acontece sem a presença de Deus.

Segundo, as leis naturais não são independentes de Deus. De fato, as leis naturais podem ser pensadas como regularidades na forma em que Deus trata as coisas que Ele criou. Portanto, toda a terminologia intervencionista (falando de Deus intervindo, interferindo, violando, etc, as leis naturais) não faz parte do cristianismo. De acordo com o cristianismo, Deus está agora e sempre atuando na natureza. A natureza depende a cada momento da existência de Deus e de sua atuação nela. Não é possível existir algo como Deus não atuando na natureza.

Terceiro, o cristianismo não “pensa” na existência de Deus como uma hipótese postulada para explicar algo. Ao invés disso, o conhecimento de Deus vem através da criação de Deus e também através da Bíblia.

***
O artigo acima foi adaptado “levemente” de parte do artigo “Methodological Naturalism?” escrito por Alvin Plantinga e publicado na revista “Philosophical Analysis Origins & Design”.

Não será permitido neste blog, insultos, palavras frívolas, palavrões, ataques pessoais, caso essas regras não sejam seguidas não perca seu precioso tempo postando comentário. Qualquer comentário que violar a política do blog será apagado sem aviso prévio. Na persistência da violação o comentador será banido.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s