O silêncio da Grande Mídia sobre Michael Behe no Brasil


 

Nos dias 22-24 de outubro de 2012 foi realizado na Universidade Presbiteriana Mackenzie, o IV Simpósio Internacional Darwinismo Hoje que teve como palestrante principal o Dr. Michael Behe, professor de Bioquímica da Universidade Lehigh, Bethlehem, PA, Estados Unidos, um dos principais teóricos e exponentes da teoria da teoria do Design Inteligente. Os demais palestrantes foram: Prof. Dr. Aldo Mellender de Araújo (UFRGS), Prof. Ms. Eduardo Rodrigues da Cruz (PUC-SP), Prof. Dr. Marcos Nogueira Eberlin (Unicamp) e o Prof. Dr. Gildo M. dos Santos Filho (USP-SP). 
O Dr. Behe é autor do livro A caixa preta de Darwin: o desafio da bioquímica à teoria da evolução (Rio de Janeiro, Zahar Editor, 1997), um livro que causou furor na Nomenklatura científica por demonstrar bioquimicamente a falência epistêmica da teoria da evolução preconizada por Darwin, e isso no contexto de justificação teórica. Mais de 300 mil exemplares vendidos só nos Estados Unidos. Aqui no Brasil também teve boas vendas.
A presença de um crítico e oponente de Darwin do nível de Behe no Brasil mereceria ser divulgado. Foi o que fez a Universidade Presbiteriana Mackenzie através de sua secretaria de Comunicação Pública que publicou/enviou comunicado à imprensa sobre o ilustre palestrante. Não vi nenhum jornalista da Grande Mídia, de jornais como a Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo e nem das grandes revistas como a VEJA e ÉPOCA, neste evento.
Bem, se esses meios de informação não puderam deslocar seus grandes jornalistas para cobrir um evento desses com a presença de um polêmico e controverso autor como Michael Behe, você esperaria, pelo menos para responder ao comunicado feito à imprensa, que uma pequena nota desse destaque à presença desse palestrante crítico de Darwin. 
Uma busca no Google sobre Michael Behe no Brasil, deu as seguintes respostas:
Nihil, Nada de nota! Certa vez destaquei no artigo “Desnudando Darwin: ciência  ou ideologia – ou A relação incestuosa da mídia brasileira com a Nomenklatura científica”, publicado no Observatório da Imprensa em 20/12/1998 (o link não funciona por que???) que, quando a questão é Darwin, a Grande Mídia silencia os críticos e oponentes, assim como a Nomenklatura científica persegue e destrói carreiras acadêmicas ou até a graduação de alunos anti-evolucionistas.
E ainda assim, a Grande Mídia tupiniquim arrota aos quatro cantos que é uma imprensa livre, independente, objetiva e investigativa. Nada mais falso que uma nota de R$ 3,00, desconsiderando-se alguns indivíduos como Reinaldo Azevedo e uns poucos. O resto dorme na cama junto com Darwin…
Fui, nem sei por que, pensando que uma prostituta é muito mais confiável do que determinados setores da Grande Mídia em Pindorama! 
 

Não será permitido neste blog, insultos, palavras frívolas, palavrões, ataques pessoais, caso essas regras não sejam seguidas não perca seu precioso tempo postando comentário. Qualquer comentário que violar a política do blog será apagado sem aviso prévio. Na persistência da violação o comentador será banido.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s