Estudos demonstram que as árvores evolutivas não funcionam


 

 

Filogenias ou árvores evolutivas são diagramas imaginativos que ilustram a forma como certas plantas ou animais supostamente evoluíram (e divergiram) a partir dum alegado descendente comum.

Num dos seus blocos de apontamentos, Charles Darwin desenhou uma destas árvores – normalmente referida como “árvore da vida”.

Desde então, os evolucionistas têm compilado milhares de filogenias dos mais diversos animais e plantas. O problemático é que elas continuam a estar em contradição umas com as outras, apresentando assim uma imagem confusa e auto-refutante da história evolutiva.

Os autores dum estudo recente publicado na Proceedings of the National Academy of Sciences ressalvaram que a maior parte das árvores evolutivas não mostram extinções, mas sim, uma crescente diversificação das espécies através do tempo.

 

No entanto, não só o registo fóssil mostra extinções, como os autores do estudo escreveram que esta inconsistência “é desconcertante e lança sérias dúvidas sobre as técnicas filogenéticas [o uso de árvores evolutivas] usadas para se inferir a história da diversidade das espécies.” (Morlon, H., T. L. Parsons, and J. B. Plotkin. Reconciling molecular phylogenies with the fossil record. Proceedings of the National Academy of Sciences. Publicado online antes de impresso – 19 de Setembro de 2011)

 

Esta admissão deveria servir de alerta para a natureza errónea da premissa evolutiva de que a vida complexa evoluiu a partir de formas de vida mais simples. Deveriam rejeitar as filogenias existentes? Outros evolucionistas admitem que sim uma vez que “uma vasta gama de evidências negativas” consistentemente importunam todo o empreendimento de construção de árvores (Lawton, G. 2009. Why Darwin Was Wrong About the Tree of Life. New Scientist. 2692: 34-39).

Uma vez que o padrão retirado das árvores evolutivas contradiz o padrão retirado do registo fóssil, os evolucionistas desta reportagem da PNAS propuseram um novo método de construção de árvores evolutivas. Eles acreditam que este novo método irá resolver a discrepância existente.

 

Nas suas equações relativas à construção de árvores evolutivas eles incluíram os seguintes itens:

  • 1) evolução rápida
  • 2) evolução lenta
  • 3) ausência de evolução (“stasis”)
  • 4) e evolução revertida (extinções).

Isto supostamente facilitará o trabalho de construção de filogenias mais correctas em casos onde grupos de animais ou plantas sejam deficientes no que toca a “um registo fóssil fiável” (Morlon, H., T. L. Parsons, and J. B. Plotkin. Reconciling molecular phylogenies with the fossil record).

Os evolucionistas tentaram demonstrar a sua nova técnica aplicando-a aos cetáceos – uma ordem de mamíferos marinhos que inclui as baleias e os golfinhos. Eles formaram filogenias para 5 “grupos primários de cetáceos” e posteriormente calcularam médias de forma a que os resultados pudessem representar o número total de espécies ao longo do tempo evolutivo.

Mas porque é que eles não analisaram todos os cetáceos duma só vez? A sua análise parece manipular os dados de forma que estes se ajustem ao registo fóssil dos cetáceos.

Tanto a “história” do registo fóssil cetáceo como a filogenia usada no estudo da PNAS foram construídos segundo pressuposições evolutivas. A sua forma de pensamento circular estava bem distante dos dados reais e dificilmente representa uma análise científica objectiva.

Apesar de tentarem proteger o uso das árvores evolutivas na determinação da história evolutiva, esta reportagem apenas conseguiu colocar um ênfase no falhanço consistente na harmonização da teoria da evolução com o registo fóssil.

Uma vez que o registo fóssil não exibe qualquer tipo de evidência que suporte a evolução moléculas-para-homem, faz sentido que as árvores evolutivas estejam em conflito contínuo com o mesmo.

Os fósseis, para além de refutarem mitologias naturalistas mascaradas de ciência, mostram que as criaturas foram criadas como formas de vida distintas desde o princípio (Gish, D. 2006. Evolution: The Fossil Record Still Says, No!).

Porque [DEUS] falou, e tudo se fez; mandou, e logo tudo apareceu. Salmo 33:9

 

fonte :  http://darwinismo.wordpress.com/2011/11/20/estudos-demonstram-que-as-arvores-evolutivas-nao-funcionam/

Não será permitido neste blog, insultos, palavras frívolas, palavrões, ataques pessoais, caso essas regras não sejam seguidas não perca seu precioso tempo postando comentário. Qualquer comentário que violar a política do blog será apagado sem aviso prévio. Na persistência da violação o comentador será banido.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s