O equívoco dos transicionais III


 A suposta evolução do cavalo

Uma suposta seqüência evolutiva muito conhecida se refere ao cavalo, porém ela não possui consistência científica, sendo apenas mais um fruto da imaginação.

Como qualquer outra forma de vida, os principais tipos de cavalos aparecem abruptamente, sem quaisquer transições. Na série evolutiva atribuída ao cavalo existem sérias discrepâncias no desenvolvimento do esqueleto, conforme segue:

EOHIPPUS: tinha 18 pares de costelas e 6 ou 7 vértebras lombares;

OROHIPPUS: tinha apenas 15 pares de costelas;

PLIOHIPPUS: aumentou para 19 pares de costelas e 8 vértebras lombares ;

EQUUS SCOTTI: voltou às 18 pares de costelas e 6 vértebras lombares.

(Os nomes das espécies aqui apresentados encontram-se na suposta ordem de evolução, conforme apresentada pelos evolucionistas)

 

Qual o mecanismo evolutivo que faz uma espécie sofrer uma série de mutações que alteram para menos o número de costelas e depois sofrer uma reversão em sentido contrário, terminando até com um número maior de costelas do que o inicial e, finalmente, retornar ao ponto de partida?

Não será permitido neste blog, insultos, palavras frívolas, palavrões, ataques pessoais, caso essas regras não sejam seguidas não perca seu precioso tempo postando comentário. Qualquer comentário que violar a política do blog será apagado sem aviso prévio. Na persistência da violação o comentador será banido.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s